O Instituto Santos Dumont (ISD) realizou nesta segunda-feira, 20 de junho, a primeira edição do Curso TEApoiar. A ação de educação continuada é voltada para pais e cuidadores de crianças em processo de investigação diagnóstica ou já diagnosticadas com o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) moradores de algum dos municípios da 7ª Região de Saúde (Extremoz, Macaíba, Natal, Parnamirim e São Gonçalo do Amarante). 

“O objetivo do curso é proporcionar aos pais e cuidadores de crianças autistas momentos de educação em saúde para que eles consigam fazer uma estimulação diária com os filhos. É um momento importante para também ouvirmos as principais dificuldades e dialogarmos manejos adequados”, explica a preceptora fonoaudióloga do ISD, Luana Aprígio. 

Pelo menos 12 pais e cuidadores participaram do curso. Eles foram estimulados a criar uma espécie de campo de futebol apontando os jogadores favoráveis e os adversários na lida diária com pessoas inseridas no TEA. Eles apontaram, entre os principais pontos negativos, a falta de adequação das escolas e profissionais da rede de educação, principalmente a pública, no acolhimento das crianças autistas nas salas de aula. 


“Um dos objetivos do grupo é dar um suporte, um apoio aos pais cujos filhos ainda não estão inseridos no tratamento aqui no Anita”, frisou a preceptora neuropediatra Celina Reis. 

Entre as sugestões iniciais debatidas no primeiro encontro do grupo, estão: dicas de alimentação, dicas de desfralde diurno e noturno, dicas visuais de comunicação na vida diária, dicas de como lidar com as emoções e fases difíceis, agressividade na criança autista, estímulo da autonomia e independência, montagem de cantinho sensorial em casa, guia de primeiros socorros, inclusão escolar e social, razões para acreditar no potencial do filho, como escolher terapeutas, medicalização e medicação, brinquedos e brincadeiras e acolhimento de pais em sofrimento emocional. 

O próximo encontro para este grupo será no dia 18 de julho, às 14h, no Auditório Paulo Freire, na sede do Centro de Educação e Pesquisa em Saúde Anita Garibaldi (Anita), em Macaíba. 

Equipe

Participaram do curso os seguintes preceptores do ISD: Luana Aprígio, fonoaudióloga; Jardany Barros, terapeuta ocupacional; Celina Reis, neuropediatra; Caroline Leôncio, neuropsicóloga; Robson Rates, psicólogo; Luciana Câmara, nutricionista; Cecilia Britto, psicóloga; Renata Rocha, assistente social; além dos estagiários em Psicologia Pablo Gustavo e Paulo Celestino, e a residente Érika Juliana Bezerra. 

Autismo

Conforme a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) “se refere a uma série de condições caracterizadas por algum grau de comprometimento no comportamento social, na comunicação e na linguagem, e por uma gama estreita de interesses e atividades que são únicas para o indivíduo e realizadas de forma repetitiva”.

Dados do do órgão norte-americano Center of Diseases Control and Prevention Autism and Developmental Disabilities Monitoring (CDC/ADDM), estimam que uma em cada 44 crianças em todo o mundo é autista. O levantamento comprova a ampliação no número de casos diagnosticados ao longo do tempo, pois essa proporção já chegou a ser de 1 para cada 500 crianças no passado. No Brasil, os números relacionados à condição não são fiéis, pois não há um levantamento oficial feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), por exemplo. Os dados atuais, do CDC, estimam que a condição afeta 70 milhões de pessoas em todo o mundo, sendo 2 milhões no território brasileiro.