Mídias Sociais

18

Jan

Instagram testa opção que torna perfis ainda mais privados

O Instagram começou a realizar testes para limitar o número de seguidores que podem ser visualizados. Todas as contas comerciais verificadas que tenham 4 mil ou mais seguidores devem ficar submetidas à regra, caso se torne algo permanente.

A funcionalidade foi descoberta pelo desenvolvedor e leaker Alessandro Paluzzi via Twitter. Ele compartilhou um print de tela que revela como tudo deve funcionar: quando entrou no perfil da Netflix, Paluzzi somente conseguiu visualizar uma quantidade limitada de seguidores do perfil.

É provável que o limite afete a API de dados da plataforma, o que reduziria o poder de ferramentas de marketing voltadas para análise de perfis. Hoje, seria pouco provável que a mudança tivesse impacto no usuário comum, pois ninguém acessaria um a um os seguidores de contas imensas da rede.


Tal limitação só é aplicada na guia de seguidores totais, sem impacto na aba de perfis mútuos ou em quem o perfil segue. Como é apenas um traço de recurso, encontrado no código-fonte do app, não dá para saber ainda se essa novidade evoluirá até ser uma adição, de fato.

Por que limitar a visualização de seguidores?

Essa adição pode ser uma tentativa do Instagram de impedir o uso de robôs de seguidores, ferramentas que acessam perfis indicados pelo usuário e passam a seguir indiscriminadamente as pessoas. Muita gente tem o hábito de seguir de volta quem segue, por isso essa estratégia ainda costuma ser eficaz para aumentar números rapidamente.

Com a limitação, em vez de visualizar as quase 288 mil de pessoas que seguem o perfil oficial da Canaltech, os robôs poderiam executar a função em apenas 4 mil deles, uma redução bastante significativa do público-alvo de um perfil que lide com tecnologia.

É provável que mais novidades surjam futuramente no Instagram, como forma de complementar esse recurso e evitar os bots, que atrapalham o crescimento orgânico da plataforma.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/apps/instagram-testa-opcao-que-torna-perfis-ainda-mais-privados-206831/

17

Jan

Twitter lança função para denunciar fake news no Brasil; saiba como funciona

O Twitter anunciou, nesta segunda-feira (17), o lançamento de uma ferramenta de denúncias de desinformação no Brasil. A decisão de lançar o recurso, que foi tomada semanas após a rede social sofrer uma pressão de usuários e até um ofício recebido pelo Ministério Público Federal (MPF), servirá para auxiliar nas Eleições 2022.

“Em agosto de 2021, começamos a testar nos Estados Unidos, Austrália e Coreia do Sul um novo mecanismo de denúncia de informações potencialmente enganosas. Lançamos o experimento para analisar se esta é uma ferramenta efetiva para que a comunidade do Twitter denuncie desinformação em tempo real. Hoje, estamos expandindo o teste da funcionalidade para o Brasil, a Espanha e as Filipinas”, anunciou a empresa.

De acordo com a rede social, os novos países foram escolhidos porque a companhia quer colher aprendizados de uma “pequena, porém geograficamente diversificada, gama de regiões”. O Twitter também citou o fato de que neste ano o Brasil e as Filipinas terão eleições e que o canal de denúncia de desinformação certamente será testado no período.

A marca reiterou que a ferramenta ainda está em testes e que será aprimorada de acordo com os usos e feedbacks dos usuários.

Como funciona o canal?

O Twitter pontuou que o canal de denúncia funciona como um complemento para a segurança, já que mais de 50% do conteúdo que viola as regras da rede social são identificados por robôs. A empresa citou que, dentre este conteúdo ilegal, estão informações enganosas sobre a covid-19, de integridade cívica (mentiras sobre as eleições, por exemplo) e de mídia sintética e manipulada (imagens editadas que podem colocar pessoas em risco, por exemplo).

“Queremos entender se e como as opções de denúncia pelas pessoas podem trazer melhorias, em termos de agilidade e abrangência, aos nossos esforços para detectar informações potencialmente danosas. Desde o lançamento deste teste, recebemos 3,73 milhões de denúncias referentes a 1,95 milhão de diferentes Tweets publicados por 64 mil contas distintas”, diz trecho do comunicado.

Segundo o Twitter, apesar da importância da ferramenta de denúncia, menos de 10% dos tweets analisados tinham algum tipo de violação às políticas da plataforma. A companhia explica que a baixa proporção tem dentre as causas o grande volume de denúncias recebidas em relação a tweets de assuntos que não são relacionados às políticas de segurança.

“Por outro lado, sabemos que a ferramenta de denúncia tem benefícios adicionais: dar às pessoas essa opção faz com que elas se sintam mais empoderadas. Nossas pesquisas também têm mostrado que as pessoas preferem usar o mecanismo de denúncia em vez de interagir com um Tweet enganoso via Retweets ou respostas”, informou a rede social.

Fonte: Tecmundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/redes-sociais/232112-pressao-twitter-lanca-servico-denuncia-fake-news-brasil.htm

17

Jan

WhatsApp testa novas ferramentas de desenho e desfoque de fundo

A versão beta do WhatsApp trouxe uma ferramenta de testes que permite a criação de desenhos em fotos e vídeos. A ideia parece ser uma evolução do editor de imagens embutido do aplicativo, que passaria a oferecer o uso de pincéis para fazer marcações, circular áreas ou até criar artes sobre conteúdos multimídias.

A funcionalidade foi localizada pelo site WABetaInfo ao analisar o código do programa. Serão dois novos lápis de desenho que se somam ao anterior já existente e entregam novas possibilidades.

Embora os usuários pudessem alterar a cor do lápis, não tinha como definir a espessura das linhas, algo fundamental a depender do conteúdo. As novas ferramentas entregam pontas mais grossas para desenhar ou rabiscar coisas de forma mais chamativa.


Os experimentos podem ser parte de um projeto do "Zap" para adicionar uma coletânea de ferramentas de edição, já vistas em momentos anteriores, mas ainda sem confirmação.

Imagens desfocadas no WhatsApp

No mesmo relato, o WABetaInfo também localizou um recurso de desfoque de imagens, assim é possível tornar o fundo borrado para dar ênfase no primeiro plano. Além disso, a ferramenta pode facilitar a captura de telas ou envio de fotos, já que será possível desfocar pessoas indesejadas ou partes sensíveis das imagens antes do remeter.

Este recurso foi localizado na versão para Android, mas pode chegar para os demais em modo definitivo no futuro, como iOS, app para Windows e web via navegador.

Por ser algo em fase experimental, não há como saber quando — nem se serão — as ferramentas estarão disponíveis ao público. De qualquer forma, é provável que os testadores beta do WhatsApp vejam a novidade na liberação do canal beta.

Recursos do "Zap" em 2021

Há pouco mais de um mês, o programa havia recebido um editor de figurinhas nativo, que permite selecionar uma imagem do computador, recortar e editar da forma que quiser para enviar como uma figurinha.

Na semana passada, o app aprimorou o sistema de reprodução de áudios para torná-lo mais parecido com o Telegram. A funcionalidade permite escutar mensagens de voz e sair do chat sem interrompê-la.

Vale lembrar que o programa é o preferido dos brasileiros, apontado como aquele que as pessoas mais "perdem tempo" no dia.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/apps/whatsapp-testa-novas-ferramentas-de-desenho-e-desfoque-de-fundo-206745/

16

Jan

Idosos e segurança digital: o que podemos ensinar para não caírem em golpes digitais

Talvez você nunca tenha falado sobre isso com seus pais, mas explicar aos familiares mais velhos sobre segurança cibernética é tão importante quanto falar sobre saúde. Os idosos são frequentemente alvo de golpes de phishing e ataques cibernéticos porque geralmente são mais vulneráveis.

Nos últimos anos, houve um forte aumento no número de idosos com acesso à Internet: o percentual de pessoas com mais de 60 anos no Brasil navegando na rede mundial cresceu de 68% em 2018 para 97% em 2021, como mostra pesquisa realizada pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em parceria com a Offer Wise Pesquisas.

De acordo com o estudo, os aplicativos que os idosos mais utilizam no celular são as redes sociais (72%); transporte urbano (47%); e bancário (45%). Idosos conectados também usam a internet para fazer compras. Entre os produtos que costumam comprar pela internet estão: eletroeletrônicos (58%); medicamentos (49%, com aumento de 21% em relação a 2018); e eletrodomésticos (47%).

Nunca houve um momento melhor para ajudar os idosos a se protegerem online. Mesmo que eles usem dispositivos altamente seguros e tenham um software antivírus instalado, uma senha ruim pode ser a ruína. Embora a segurança cibernética para a terceira idade possa parecer esmagadora, a maioria dos ataques pode ser evitada com algumas etapas simples e conhecimento.

Aqui mostro 7 etapas fáceis para ajudar a configurar a segurança cibernética para a terceira idade:

1.Ajude-os a escolher senhas fortes

Lembre os idosos de bloquear seus dispositivos e contas da mesma forma que trancariam a porta da frente de sua casa. Assim como bloqueios diferentes, algumas senhas são mais eficazes que outras. Se os dispositivos forem perdidos ou roubados, senhas fortes garantem que eles não possam ser acessados.

Você também pode recomendar um gerenciador de senhas, dependendo de quantas senhas seus familiares seniores devem gerenciar. Os gerenciadores de senhas simplificam o que eles devem lembrar; em vez de uma senha diferente para tudo, você só precisa de uma senha segura para fazer logon, e o gerente pode gerar senhas seguras para todo o resto. Os gerenciadores de senhas podem ser usados em vários dispositivos e as senhas também podem ser compartilhadas com outras pessoas, para que você possa ver as senhas de seus pais em sua própria conta.

2.Ensine-os a proteger suas senhas

Além disso, ensine os idosos a não deixar senhas escritas espalhadas pelo computador. Embora muitos idosos queiram anotar suas senhas para ajudar na memória, isso também pode ajudar um invasor a fazer login. Se eles insistirem em anotar senhas, pelo menos encoraje-os a não escrever uma nota adesiva em sua área de trabalho. Eles devem anotar as senhas em um local seguro que eles possam lembrar, e que apenas você e eles conheçam.

3.Ensine-os a evitar phishing

Os idosos são especialmente propensos a e-mails fraudulentos, telefonemas e contas de mídia social. Ensine-os a não clicar em links ou baixar nada se houver alguma dúvida sobre sua legitimidade. Em vez disso, incentive-os a acessarem diretamente a página ou conta da Web e entrarem em contato diretamente com o suporte ao cliente.

Outra maneira fácil de detectar phishing é com erros de digitação ou gramática incorreta. Se Amazon estiver escrito “amzon.com” no e-mail, é um sinal de que é uma tentativa de phishing. Além disso, se um e-mail tem um senso de urgência, está pedindo dinheiro ou está relatando um problema com uma conta bancária ou impostos, certifique-se de que os idosos pensem duas vezes antes de responder. Se há uma coisa a ser lembrada sobre phishing, é que, se eles tiverem alguma dúvida sobre uma mensagem, devem excluí-la ou entrar em contato diretamente com a empresa.

4.Instale um bom programa antivírus

Malware, ou qualquer programa que possa danificar seu computador, é uma das ameaças de segurança cibernética mais comuns para idosos. O malware geralmente pode infectar seu dispositivo sem que você saiba e, como consequência, eles variam de ameaças sérias a pequenos aborrecimentos. Um bom programa antivírus pode bloquear qualquer tipo de malware em tempo real. Alguns programas antivírus também podem vir com gerenciadores de senhas, ferramentas anti phishing, VPNs e muito mais.

5.Mostre como verificar a legitimidade dos sites

Ao fazer compras online ou navegar nas redes sociais, os idosos podem ser especialmente vulneráveis a sites falsos ou contas falsas. Antes de compartilhar qualquer informação ou comprar de um site, os idosos devem verificar os indicadores de confiança. Estes podem incluir:

- procure por erros de ortografia na página da web; "olhar além do bloqueio" para a identidade do site; protocolo https ativado; selos do site como o selo do site Norton ou DigiCert; uma declaração de privacidade; informações de contato da empresa.

Se houver alguma dúvida, não faça uma compra nesse site nem insira suas informações. Por exemplo, se os negócios são bons demais para serem verdade, eles provavelmente não são reais.

6.Definir atualizações para instalar automaticamente

As atualizações de software ajudam a proteger contra as vulnerabilidades atuais. Os desenvolvedores geralmente enviam atualizações para se proteger contra pontos fracos conhecidos, por isso é aconselhável instalá-los imediatamente antes que um invasor possa tirar proveito deles. Você pode configurar computadores e dispositivos para instalar automaticamente atualizações de software, que é a maneira mais fácil de manter os programas atualizados. Além disso, atualizações de anúncios pop-up ou e-mails podem ser malwares. Portanto, configurar as atualizações para serem instaladas automaticamente significa que elas não precisam clicar em nenhuma solicitação de atualização que possa conter malware.

 7.Lembre-os de sair de contas e sites

Simplesmente sair de contas e dispositivos pode ajudar a proteger a segurança dos idosos. Lembre-os de que eles nunca devem ficar conectados à conta em computadores públicos, como os da biblioteca. Mesmo em casa, isso deve ser feitp. É aqui que ter um gerenciador de senhas facilitará o login a cada vez.

Quando seus parentes idosos pedirem ajuda no computador, reserve um tempo para garantir que eles também estejam seguindo as práticas recomendadas de segurança na web. Mesmo que os riscos sejam relativamente baixos, os ataques cibernéticos têm consequências graves. Ensinar os idosos agora a praticar bons hábitos de segurança economizará tempo e dor de cabeça no futuro.

12

Jan

Instagram considera permitir que usuários customizem a ordem das publicações no perfil

Um item muito pedido dos usuários do Instagram, a possibilidade de customização da grade de posts no perfil está sendo explorada pela companhia. A informação vem de Alessandro Paluzzi, desenvolvedor que em seu Twitter publicou a descoberta de testes da plataforma com a ferramenta de edição.

Para além do gosto estético do público, a opção é vista com interesse por perfis comerciais, em especial artistas e lojas que podem destacar nas primeiras linhas os novos produtos e trabalhos à venda.


Também faz sentido com os investimentos cada vez maiores do Instagram na seção de compras da rede social, uma fonte de receita muito forte para a companhia. Mas enquanto do lado dos usuários a comercialização ganhou força com anúncios e o desenvolvimento de um buscador visual, do lado dos vendedores ainda tudo reside em ferramentas primárias. A possibilidade de usar o perfil como vitrine já seria um bom passo nessa direção.

O Instagram ainda não pronunciou sobre o caso.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/156590/instagram-considera-permitir-que-usuarios-customizem-a-ordem-das-publicacoes-no-perfil/

12

Jan

Twitter testa botão de pesquisa direto na tela inicial do aplicativo para iOS

O Twitter começou a liberar uma nova barra de pesquisas ou o ícone de lupa na guia de início do aplicativo no iOS. A ferramenta, ainda em fase de testes, vai facilitar a pesquisa por perfis, tuítes e demais conteúdos na plataforma de forma mais rápida, assim que a pessoa abrir o app.

São dois formatos em fase de testes nos dispositivos da Maçã. No primeiro caso, a barra ficará centralizada entre o menu de três traços e o ícone das estrelas, enquanto no segundo a lupa fica posicionada à direita, de forma um pouco mais discreta.

O objetivo parece ser realizar um teste A/B para ver em qual dos dois cenários há melhor resposta do usuário. A opção 1 parece ser a mais visível, porém ela pode ser considerada um tanto invasiva na interface da rede social. Já a opção 2 é bem explícita, mas pode passar despercebida por olhares menos atentos, o que seria um fator negativo para a plataforma.

Não há detalhes se todos os usuários do iOS foram selecionados ou se o teste é restrito a um pequeno grupo de pessoas. Também não há detalhes de quando testadores do Android devem receber a adição nem se ela se estenderá para a versão web.

Por enquanto, a ferramenta de busca segue como uma opção para proprietários do iPhone, que passam a ter a barra inferior exclusiva a outras funcionalidades da rede, como os Espaços, notificações e a guia Explorar.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/apps/twitter-testa-botao-de-pesquisa-direto-na-tela-inicial-do-aplicativo-para-ios-206309/

11

Jan

LinkedIn finalmente lança recurso de áudio ao vivo similar ao Clubhouse no fim de janeiro

O recurso de áudio ao vivo, semelhante ao Clubhouse, no qual o LinkedIn estava trabalhando desde 2021, será lançado no final deste mês na versão beta como parte da nova plataforma de eventos da empresa. Em uma postagem no blog da empresa, Jake Poses, responsável pela área de vídeos, criadores e eventos do LinkedIn, afirma que, “trabalhando em ambientes híbridos ou virtuais, ansiamos por esses momentos de conexão mais do que nunca”.

Em março do ano passado, a rede social comunicou que estava fazendo “testes iniciais para criar uma experiência de áudio única conectada à sua identidade profissional”, o que foi confirmado na postagem do blog por Poses.

Agora, conforme relatado pela primeira vez pelo TechCrunch, a plataforma de eventos totalmente virtuais do LinkedIn, vai incluir discussões moderadas no estilo painel, mesas redondas e bate-papos, com formatos que serão decididos pelos próprios anfitriões. No entanto, ao contrário do que acontece com o Spaces, do Twitter, não existe a previsão de incluir a função de cobrar pelo acesso às salas.


Importante lembrar que a novidade chega pouco tempo depois de o LinkedIn anunciar o fim de sua versão para o recurso stories, que ficou ativo por aproximadamente 1 ano. Segundo a plataforma, os usuários têm mais interesse por vídeos duradouros e que sintetizem sua trajetória na hora de falar da carreira. Se essa afirmação estiver correta, talvez um espaço ao vivo e com mais tempo para discutir sobre a vida profissional faça mais sucesso – resta saber por que o Clubhouse não deu certo.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/156479/linkedin-finalmente-lanca-recurso-de-audio-ao-vivo-similar-ao-clubhouse-no-fim-de-janeiro/

11

Jan

WhatsApp lança filtros avançados de pesquisa para empresas

.O site WABeta Info publicou neste sábado (8) a imagem dos novos filtros avançados de pesquisa para usuários do WhatsApp Business. Após anunciar recursos como a transcrição de áudios, atalhos para respostas rápidas e a introdução de criptomoedas na plataforma, está é mais uma novidade que deverá chegar em breve ao app de mensagens.

Uma vez habilitado em seu aplicativo, as novas opções permitem filtrar os bate-papos e mensagens através das opções: Fotos, Vídeos, Links, GIFs, Áudios, Documentos, — e os novos — Contatos, Não contatos e Não lidos. É possível ainda combinar diferentes condições como, por exemplo, pesquisar fotos de não contatos.

Atualmente, a novidade está apenas disponível para a versão Beta do Business, o que pode sinalizar que a empresa não tem intenção de lançar o recurso para o WhatsApp Messenger — visto que é uma ferramenta planejada para o público comercial.

Apesar de a captura de tela ter sido feita em um aplicativo para Android, o recurso foi lançado também para usuários do iOS. A novidade deve chegar para todos os aplicativos WhatsApp Business que participam dos testes Beta nas próximas atualizações.

Fonte: Tecmundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/software/231732-whatsapp-lanca-filtros-avancados-pesquisa-empresas.htm

9

Jan

Como agir ao sofrer ofensas criminosas na internet

A internet e as redes sociais, nos últimos anos, aproximaram pessoas e transformaram a comunicação de forma geral. Mas com discussões sobre a sociedade e o cenário político cada vez mais acaloradas nas plataformas, é necessário saber como se portar nas redes, e o que fazer ao ser vítima de uma ofensa criminosa.

De acordo com a advogada Mariana Polido, especialista em Direito Civil, o primeiro passo é a abertura de um boletim de ocorrência em uma delegacia física ou pela internet. “Feito o registro, caso a ofensa efetivamente constitua um crime, deverá ser identificada a pessoa por trás do usuário. Após identificado quem foi o responsável, a vítima terá o prazo de até 6 (seis) meses para manifestar sua vontade em dar prosseguimento às investigações e ver o ofensor processado criminalmente”, explica.

Por mais que exista uma sensação de impunidade na internet, é necessário ressaltar que com o crime comprovado, o sistema jurídico oferece meios para identificação do autor do fato, o que faz com que a vítima consiga buscar a devida reparação nas esferas cabíveis. “É de suma importância que a vítima guarde todos os prints/capturas de tela do conteúdo ofensivo, como conversas, imagens, URL do conteúdo (código de identificação da página), gravações, entre outras provas. Recomenda-se também a realização de uma ata notarial, que é um documento emitido pela transcrição do conteúdo ofensivo, atestando sua veracidade”, relata a advogada.

Além da esfera criminal, a advogada revela que essa vítima também pode responsabilizar o ofensor em um processo civil. “Com esse procedimento a vítima irá pleitear a retirada do conteúdo judicialmente, bem como obter indenização por danos morais e materiais, desde que comprovados documentalmente”, pontua.

Sobre ressarcimento monetário, a indenização por danos materiais se baseia na perda patrimonial da vítima, desde que esses fatos sejam comprovados.

Alguns casos mais simples podem ser resolvidos diretamente nas redes sociais, por meio das ferramentas de denúncia disponíveis no Facebook, Instagram, Twitter e outras plataformas.

Caso exista uma solicitação judicial para remoção da postagem ofensiva e mesmo assim ela permaneça no ar, a vítima pode responsabilizar também a rede específica que manteve o post. “Com base no artigo 19 do Marco Civil da Internet (Lei 12.965/2014), a rede social apenas pode ser responsabilizada pelos danos provenientes do conteúdo ofensivo feito por seus usuários se, por acaso, foi intimada judicialmente para realizar a remoção do conteúdo e não o fez, exceto em casos de conteúdo de natureza sexual. Ainda assim, o conteúdo precisa também violar políticas da plataforma e termos de uso”, finaliza a advogada.

7

Jan

TikTok testa ferramenta de compartilhamento nos moldes do retuíte do Twitter

O TikTok já conta com algumas várias ferramentas de compartilhamento que ajudam os vídeos de sua plataforma a viralizar na sua e em outras redes, mas a companhia pelo visto está interessada em aprofundar as possibilidades. Vários usuários detectam e divulgam desde 19 de dezembro uma nova opção da plataforma que permite que vídeos sejam retrocompartilhados dentro do app, um formato muito similar ao retuíte clássico do Twitter.

De acordo com o TechCrunch, a função atua somente na seção do Para Você e pelo visto alimenta o feed a partir do que os amigos repostam – ou seja, a ideia básica de “achei legal esse vídeo, deixa eu mostrar pros amigos”. Os vídeos serão compartilhados apenas quando os usuários se seguem entre si, e a manobra pode ser desfeita a qualquer momento.

Enquanto o TikTok oficialmente apenas declara o básico, que está “sempre pensando em novas formas de valorizar a comunidade e enriquecer a experiência”, tanto o TechCrunch quanto o The Verge confirmam que o experimento acontece com um grupo pequeno de usuários. Há ainda uma outra opção de recomendação sendo testada pela rede social, na mesma escala e que funciona na base do envio de vídeos pelas mensagens diretas.

Não há previsão oficial de nenhum dos dois recursos ir ao ar oficialmente no aplicativo.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/156368/tiktok-testa-ferramenta-de-compartilhamento-nos-moldes-do-retuite-do-twitter/

7

Jan

Como serão as 3 opções de feed do Instagram

Os usuários do Instagram verão mais mudanças em seu feed em 2022. Nesta semana, o CEO da rede social, Adam Mosseri, divulgou um vídeo no qual comunica as novidades que a plataforma começará a apresentar ao público nos próximos meses. O executivo diz que os usuários poderão escolher três opções diferentes de fato, ganhando, pela primeira vez, o poder de escolher a ordem pela qual as fotos e vídeos chegarão a sua timeline.

Embora tenha sido divulgada como uma novidades da plataforma no ano, uma dessas versões de feed, na verdade, retoma as origens da rede social, quando o conteúdo dos seguidores era exibido de forma cronológica. No ano passado, inclusive, começaram a circular informações de que o Instagram tinha a intenção de retomar a organização do feed na ordem cronológica, que exibe as fotos e conteúdos de acordo com a ordem em que foram postados.

Esse tipo de exibição cronológica terá, de acordo com o CEO do Instagram, o nome de “Seguindo”. Esta aba não terá espaço para recomendações do algoritmo da plataforma e exibirá apenas o conteúdo dos amigos e perfis que cada pessoa segue. A organização de conteúdo pela ordem cronológica prevaleceu no Instagram até 2016.


O segundo modo de exibição, chamado de “Home”, praticamente mantém a configuração atual do Instagram, que prioriza, para cada usuário, a visualização de conteúdo dos perfis com que aquela pessoa mais interage, intercalado com recomendações dadas pelo algoritmo com base nos gostos e estilo de navegação de casa usuário.

A terceira opção de feed terá o nome de “Favoritos” e reunirá os conteúdos e postagens feitos por uma lista de perfis selecionados pelo usuário. Nesse caso, será possível, por exemplo, fazer uma lista dos principais amigos e familiares para acompanhar.

“Achamos que é importante que vocês tenham um feed cronológico, em que seja possível, caso interesse, ver rapidamente as postagens recentes dos perfis que você seguem. Os testes já começaram a ser feitos e esperamos poder lançar a experiência completa no primeiro semestre deste ano”, declarou Mosseri, em um vídeo postado em seu perfil no Twitter.

Fonte: Meio e Mensagem, disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2022/01/07/como-serao-as-3-opcoes-de-feed-do-instagram.html

29

Dez

Instagram: vídeos e monetização serão prioridades em 2022

O CEO do Instagram, Adam Mosseri, revelou na noite da última terça-feira (28) o que está por vir para a rede social em 2022. Por meio de um vídeo publicado em seu Twitter, Mosseri explicou que a plataforma terá quatro prioridades ao longo do ano: vídeo, monetização de conteúdo, mensagens e transparência.

"Teremos que repensar o que é o Instagram porque o mundo está mudando rapidamente e teremos que mudar com ele. Estamos pensando em quem somos, no que valorizamos e em que tipo de mudança queremos afetar no mundo", comentou na publicação.

Mudanças

Segundo Mosseri, o Instagram vai investir com tudo em melhorias no compartilhamento de vídeos na plataforma, principalmente, no Reels. Vale lembrar que não é de agora que a empresa investe neste nicho. Em outubro, a rede já permitiu levar vídeos em formato mais longo para o feed principal.

O CEO da empresa ressalta que criadores devem ganhar novos recursos para monetizar seu conteúdo na rede e que a área de mensagens do app deve ser melhorada, com o objetivo de garantir "mais transparência por parte dos desenvolvedores".

Mosseri afirma que a rede vai investir também ainda mais na segurança dos usuários enquanto usam o app. O objetivo é garantir que a rede — considerada tóxica para os jovens, segundo relatório divulgado inicialmente pelo The Wall Street Journal — seja um espaço mais amigável. Além disso, os usuários terão mais controle sobre o app, com a volta do feed cronológico, por exemplo.

Fonte: Tecmundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/redes-sociais/231145-instagram-investira-reels-monetizacao-transparencia-em-2022.htm

28

Dez

WhatsApp lança campanha global de Ano Novo

Para celebrar as conexões em épocas de fim de ano, o WhatsApp apresentou sua campanha global de Ano Novo com o mote “Não é Ano Novo até que você receba a mensagem que estava esperando”. Segundo a empresa, ano após ano pessoas em todo o mundo usam o aplicativo para se conectar, comemorar e compartilhar seus votos para o novo ano.

O WhatsApp também relembra que na véspera do Ano Novo de 2020, a plataforma alcançou recordes de movimentação dos usuários. Foram mais de 100 bilhões de mensagens enviadas pelo WhatsApp, mais do que em qualquer outro dia nos 10 anos de história do aplicativo. Além disso, o app teve mais de 1,4 bilhão de chamadas de vídeo e voz realizadas no mesmo período.

A nova campanha, portanto, celebra o dia de mensagens mais popular para os usuários e leva os espectadores ao redor do mundo no momento da virada do ano: de uma igreja na Nigéria às praias do Brasil, cada clipe é um vislumbre de uma celebração diferente.

Brasil: 

México: 

Índia

Dirigida pelo vencedor do Cannes Lions, Niclas Larsson, e filmada pelo diretor de fotografia vencedor do Oscar, Linus Sandgren, a campanha mostra que o Ano novo não começa oficialmente à meia-noite, mas sim quando você recebe aquela mensagem especial de comemoração que você tanto esperava – seja de um parceiro, dos pais ou de um amigo pessoal próximo.

Reino Unido

Nigéria

África do Sul

Criada em parceria pela equipe de marketing do WhatsApp na Meta e pela BBDO, a campanha será exibida através de redes sociais, vídeos, transmissões e em cinemas de cinco países: Brasil, Índia, Reino Unido, Alemanha e Estados Unidos.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/156308/whatsapp-lanca-campanha-global-ano-novo/

28

Dez

Zoom adquire ferramentas de organização de eventos virtuais de grande escala

A empresa Zoom, responsável pelo aplicativo de reuniões virtuais de mesmo nome, anunciou nesta segunda-feira (27) a compra de extensões para o programa desenvolvidos pela startup Liminal. As extensões, ZoomOSC e ZoomISO, são usados para criar eventos profissionais virtuais, e serão implementados na versão oficial do programa.

O site oficial da Liminal define o ZoomOSC como uma extensão desenvolvida para melhorar reuniões profissionais e eventos com o uso do protocolo de Open Sound Control, permitindo a integração com as reuniões do Zoom.

Já a ZoomISO permite a exportação do vídeo de cada participante individualmente, possibilitando que possam ser usados com maior qualidade em produções profissionais corporativas, além de poderem ser salvos em HD.

Zoom espera melhores funções

No comunicado sobre a compra, o Zoom afirma que espera que as extensões possam diminuir a distância entre os eventos tradicionais e digitais, e também afirma que a integração com a ferramenta Eventos de sua plataforma será um passo importante para ações de larga-escala.

Ainda não há nenhuma informação sobre quando o Zoom integrará as ferramentas da Liminal em sua plataforma, e nem se eles ainda serão disponibilizados separadamente do programa de video conferências.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/mercado/zoom-adquire-ferramentas-de-organizacao-de-eventos-virtuais-de-larga-escala-205355/

26

Dez

Crianças devem ter autorização judicial para fazer publicidade em mídias digitais

Crianças e adolescentes são seres em formação e muitas vezes não têm discernimento para entender o que é veiculado em comerciais, ainda mais se eles forem os protagonistas da propaganda. Por isso, em especial neste período, é preciso ter cuidado redobrado com peças publicitárias que envolvam crianças.

O tema publicidade infantil é delicado, mas precisa ser debatido. A especialista em Direito das Mulheres e criadora de conteúdo, Sabrina Donatti, afirma que crianças podem aparecer em publicidades na internet, porém não devem falar diretamente com o público infantil.

Sabrina administra o perfil ‘Mamãe em Construção’, canal em que fala com propriedade sobre maternidade e educação infantil, e diz que as crianças podem aparecer em publicidades na internet, porém não devem falar diretamente com o público infantil. “Por isso, entende-se que um perfil em redes sociais de crianças não deve conter publicidade, já que se presume que quem acompanha o perfil infantil sejam outras crianças”, afirma a advogada, que também é especialista em “Legislação Publicitária direcionada à Crianças e Adolescentes”.

É relevante destacar que, segundo as regras das redes sociais, crianças nem poderiam ter perfis antes dos 13 anos, mas não é isso o que se vê com a justificativa de que quem monitora o perfil são os pais.

Outro cuidado que pais e empresas de mídias digitais devem ter ao fazer campanhas que envolvam crianças, segundo Sabrina, é não as associar a produtos de qualidade duvidosa, além de ter cuidado com a fala da criança, conforme o produto anunciado.

“Não é proibido criança aparecer em publicidade, pois vemos o mesmo na TV, mas o que não pode é direcionar o trabalho da publicidade ao público infantil e, claro, criança falando com criança. A publicidade sempre deve ser sinalizada e direcionada ao público adulto”, conclui.

Para o especialista em marketing de influência, Raphael Dagaz, a orientação é sempre evitar expor crianças, sejam filhos ou não. “Este é o principal conselho que a gente dá internamente, mas há casos em que faz muito sentido, tanto ao conteúdo quanto para a marca, aí nestes casos orientamos a seguir as burocracias exigidas, como alvará da Vara da Infância e da Juventude, entre outros documentos”, explica.

Dagaz lembra que essa documentação é necessária porque criança não deve trabalhar e, a partir do momento em que aparece comercialmente em algum conteúdo pago, é fundamental ter o respaldo legal. “Sempre que um menor de 18 anos aparece, o influencer precisa estar respaldado. Tanto que o valor total ou parcial recebido em comerciais, seja ‘on’ ou ‘off-line’, precisa ser destinado para uma conta da criança”, diz.