Mercado

16

Mai

DNA Center recebe sequenciador inédito no país para maior precisão em exames

O DNA Center colocou em operação o sequenciador Promega Spectrum Compact. O laboratório é o primeiro do país a contar com esse equipamento de Eletroforese Capilar, técnica que permite a separação, identificação e análise de fragmentos de DNA e RNA. Por meio dessa técnica é possível realizar o Sequenciamento de Sanger (nova geração) e revelar, individualmente, cada base (A, T, C G) de um trecho de código genético.

Entre os maiores benefícios do equipamento estão trazer uma maior precisão aos testes de paternidade e diagnósticos de doenças como câncer. O instrumento possui melhor qualidade, maior resolução, e além disso utiliza softwares atualizados e pode ser operado com maior facilidade.


O novo sequenciador adquirido pelo DNA Center conta também com benefícios como: injeções mais rápidas (com o polímero Polymer – 7), moderno laser sólido first class, compatibilidade com todos os principais kits e marcadores do mercado e maior economia ao utilizar consumíveis avulsos.

16

Mai

Casa Durval Paiva está precisando doações de itens de limpeza

A Casa Durval Paiva busca prestar o melhor atendimento às crianças e adolescentes acolhidos, se mantendo através da doação de itens, para a nutrição e acolhimento deles, durante o tratamento contra o câncer e doenças hematológicas crônicas, bem como, seus familiares. No momento, a CDP está com a necessidade de doação de água sanitária, sabão em pó, amaciante, detergente de louça, sabão em barra, desinfetante, papel higiênico, lençóis, fraldas geriátricas (G/XG) e fraldas infantis (XG/SXG).

Rua Professor Clementino, 234 – Barro Vermelho. Informações pelo (84) 4006.1600. Contamos com a sua ajuda para continuar esse trabalho de amor.

16

Mai

No Rio Grande do Norte, número de empregados no setor privado cresce 14% no início de 2022

O número de pessoas empregadas no setor privado, no Rio Grande do Norte, cresceu 14% no primeiro trimestre deste ano na comparação com o mesmo período de 2021. Em números absolutos, são 74 mil trabalhadores a mais na iniciativa privada. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua trimestral, divulgada hoje (13) pelo IBGE.

Em janeiro, fevereiro e março de 2021, o estado potiguar tinha 536 mil trabalhadores no setor privado. No primeiro trimestre de 2022, são 610 mil. Desse total, 410 mil possuem carteira assinada.

Também houve crescimento de 34% no número de empregadores no primeiro trimestre de 2022 em relação ao quarto trimestre de 2021. A pesquisa mostra 17 mil empregadores a mais no estado.

Esse movimento no mercado de trabalho foi semelhante no Brasil, tanto de empregados no setor privado (12,8%) quanto de empregadores (10,8%) nos meses de janeiro a março deste ano na comparação com o mesmo período em 2021. Nacionalmente, a quantidade de empregadores também cresceu (5,7%) em relação ao último trimestre de 2021.

Subocupados e desalentados caem mais de 20% no RN

O número de pessoas desalentadas caiu 25% no Rio Grande do Norte. No primeiro trimestre de 2021, eram 191 mil. No primeiro trimestre de 2022, o número chegou a 143 mil. São classificadas como desalentadas as pessoas que estão disponíveis para trabalhar, mas desistiram de procurar uma ocupação.

Nessa mesma direção, o número de pessoas subocupadas por insuficiência de horas caiu 20,6% na comparação com o primeiro trimestre de 2021. Eram 188 mil e passou para 150 mil no primeiro trimestre deste ano. Nessa categoria, estão as pessoas com ocupação, mas que trabalham menos de 40 horas por semana e gostariam de trabalhar mais.

Subutilização

A taxa de subutilização no Rio Grande do Norte recuou de 39,7%, no primeiro trimestre de 2021, para 33% de janeiro a março deste ano. A categoria de pessoas subutilizadas é um grande grupo formado principalmente por desocupados (desempregados), desalentados, subocupados por insuficiência de horas e outros grupos que não têm o seu potencial como trabalhador absorvido (em parte ou completamente) pelo mercado.

Taxa de desemprego

A taxa de desocupação do RN para os meses de janeiro a março de 2022 ficou em 14,1%, o que significa que o estado não apresentou uma variação estatisticamente relevante em relação ao trimestre anterior. No Brasil (11%), houve uma redução de 3,8 pontos percentuais em relação ao primeiro trimestre de 2021.

Dos 2,91 milhões de potiguares com 14 anos de idade ou mais, 1,34 milhão está ocupado. Isso significa que o nível de ocupação no Rio Grande do Norte é de 46,3%, uma estabilidade em relação ao trimestre anterior. Este indicador é a proporção de pessoas ocupadas em relação à população em idade laboral (14 anos ou mais).

Força de Trabalho Ampliada e o Mercado de Trabalho

A força de trabalho ampliada é a junção da força de trabalho com a força de trabalho potencial. É utilizada para evidenciar a subutilização da força de trabalho no mercado, na medida em que também engloba o contingente da força de trabalho potencial. Inclui, portanto, os trabalhadores plenamente ocupados (1,19 milhão), os subocupados por horas insuficientes (150 mil), os desempregados (222 mil), os desalentados (143 mil) e os indisponíveis (74 mil). No total, 1,79 milhão de potiguares faziam parte da força de trabalho ampliada.

16

Mai

Sebrae e BNB renovam cooperação técnica em prol dos pequenos negócios

O Sebrae do Rio Grande do Norte e o Banco do Nordeste renovaram um acordo de cooperação técnica para desenvolver ações conjuntas, visando o fortalecimento das micro e pequenas empresas, através de orientação técnica e capacitação empresarial, assim como a ampliação do acesso ao crédito para os empresários e empreendedores potiguares. O acordo objetiva também aumentar a competitividade das empresas, através do acesso aos serviços financeiros e promoção mercadológica. Para tanto, acontecerá a divulgação permanente das políticas, formas de atuação e portfólio de produtos e serviços do banco no meio empresarial.

Pelo acordo de cooperação assinado na nesta semana entre os dirigentes do Sebrae-RN e a superintendência estadual do Banco do Nordeste serão beneficiados microempreendedores, microempresas, empresas de pequeno porte e produtores rurais, inclusive as que atuam em nas áreas de energias renováveis e eficiência energética. No Rio Grande do Norte, para o ano de 2022, está previsto pelo Banco do Nordeste um orçamento de R$ 568 milhões para o que é considerado pela instituição como público prioritário, que são o mini e pequeno produtor rural e a micro e pequena empresa.


O superintendente estadual do Banco do Nordeste, Thiago Dantas e Silva, lembrou que em mais de uma década de vigência, o acordo de cooperação técnica entre o Sebrae e o banco, permite que as duas instituições se complementem e desenvolvam ações conjuntas em prol do fortalecimento do ambiente de negócios para as micro e pequenas empresas. “São ações que vão além da concessão do crédito, como a disseminação de tecnologias, assessoria para desenvolvimento de habilidades empreendedoras, dentre outras ações que veem contribuindo para o desenvolvimento e fortalecimento dos pequenos negócios”, afirma.

Thiago Dantas destaca que ao longo do tempo, a parceria com o Sebrae no Rio Grande do Norte foi se estreitando até a instalação de um ponto de atendimento do programa de microfinanças, o Crediamigo, na Agência Sebrae Grande Natal, em frente ao estádio Arena das Dunas. “Pretendemos num futuro muito próximo oferecer todos os produtos do banco na sede Sebrae, além das microfinanças que já atendemos”, promete.

Programa de microcrédito

“Estou certo que se não existisse uma parceria como essa [acordo de cooperação técnica], não teríamos a desenvoltura que temos para alocar um recurso desse tamanho [R$ 568 milhões] na economia do RN e nem faríamos com a qualidade que são realizadas as ações. Tenho certeza que a chance de êxito de uma empresa é bem maior quando ela tem acesso aos serviços do Sebrae, como orientação empresarial ou capacitação, por exemplo”, avalia o superintendente estadual do BNB.

Pela estimativa do superintendente estadual do Banco do Nordeste, os R$ 321 milhões aplicados no segmento das micro e pequenas empresas e pouco mais de R$ 700 milhões aplicados no programa de microcrédito do Banco Nordeste em 2021, foram em grande parte, frutos da parceria com o Sebrae no Rio Grande do Norte. “Não é demais dizer que R$ 1 bilhão na aplicação desse crédito junto às empresas, é fruto dessa iniciativa”, calcula Thiago, que contabiliza nada menos de 220 mil contratos celebrados com as empresas nos 167 municípios do Rio Grande do Norte.

O diretor superintendente do Sebrae-RN, José Ferreira de Melo Neto, destaca que o êxito da parceria é fruto de um acordo de cooperação técnica executado com muita seriedade e comprometimento com as demandas dos pequenos negócios do Rio Grande do Norte. “Um grande exemplo é a disseminação do FNE que realizamos no interior do estado. O Sebrae tem muita capilaridade e é nosso interesse que os empresários do estado inteiro conheçam os benefícios e vantagens do FNE. O banco está com um atendimento permanente aqui na sede do Sebrae e isso é muito importante para o tomador de crédito. O programa Crediamigo é um projeto vencedor e nós temos uma interlocução muito boa, desde sempre”, afirma.

Melo lembrou um projeto antigo denominado Giropetro destinado aos fornecedores da Petrobras, principalmente na região de Mossoró, que foi coroado de êxito. E que atualmente está em execução o FNE Sol que atende tanto aos interessados em implantar energia solar, como também financia as empresas instaladoras do sistema fotovoltaico.

O diretor técnico do Sebrae-RN, João Hélio Cavalcanti, lembrou a importância do Projeto Leite & Genética, cujos recursos do Banco do Nordeste tem contribuído sobremaneira para o avanço das ações no estado. “Avanços tecnológicos inclusive, porque o melhoramento genético tem permitido um aumento considerável da produtividade. O acordo entre o Sebrae e o Banco do Nordeste é estratégico e tem sido muito importante para a melhoria do banco genético do nosso estado”, reconhece João Hélio.

Participaram da reunião em que foi realizada a assinatura do termo de cooperação com o superintendente estadual do Banco do Nordeste, Thiago Dantas , o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-RN, Itamar Manso Maciel, os diretores do Sebrae-RN, José Ferreira de Melo Neto (superintendente), João Hélio Cavalcanti (técnico) e Marcelo Toscano (Operações), além dos gerentes executivos do Banco do Nordeste, Agnelo Peixoto Neto (Desenvolvimento Territorial), Vansueldo Fernandes (Negócios) e Irrailson Ferreira (Pronaf e Crédito Fundiário), e a gerente de negócios do Crediamigo, Bárbara Galvão.

13

Mai

Incorporadora potiguar registra aumento de mais de 200% nas vendas e lança mais uma etapa de condomínio em Parnamirim

Imagine realizar o sonho de ter o seu próprio lar em um condomínio fechado de casas duplex, a apenas 5 minutos do centro de Parnamirim, com diversas opções de lazer e segurança e ainda com facilidades na hora da compra. Esse é o Condomínio Jardine, da Incorporadora Kactus Hub, que comemora o sucesso do empreendimento, com aumento de mais de 200% nas vendas e lançamento da segunda etapa, que já tem uma alta procura.

Até o momento, 134 casas foram entregues e vendidas. O projeto total conta com 240 residências. Entre os anos de 2020 e 2021, mesmo diante da pandemia, as vendas tiveram um aumento significativo. No primeiro ano, 11 imóveis foram adquiridos. O número saltou para 34 no ano passado, o que representa um incremento de 209%.

“Depois de todo esse sucesso, estamos lançando a segunda etapa do Jardine, para quem não conseguiu comprar ainda. É mais uma chance de adquirir a casa própria em um condomínio diferenciado. Este ano, os imóveis ainda estão sendo comercializados com os preços de 2021 e muita gente está nos procurando para realizar o sonho de morar bem”, explicou o co-fundador da Kactus Hub, Rafael Matheus.

As facilidades não param por aí. As casas duplex do Condomínio Jardine podem ser financiadas pelo programa Casa Verde e Amarela, do Governo Federal. O valor do benefício foi ampliado, recentemente. Agora, quem quiser comprar um imóvel novo, em áreas urbanas, poderá contar com até R$ R$ 130 mil custeados pelo governo. O limite anterior era de R$ 110 mil. O subsídio máximo no RN também foi ampliado de R$ 21 mil para R$ 23.199,00.


Famílias que possuem renda de até R$ 7 mil/mês podem adquirir seu primeiro imóvel no Condomínio Jardine. A primeira faixa de renda é de até R$ 2 mil. Com taxa de juros de 4,25% ao ano, para cotistas do FGTS, e 4,75% ao ano para quem não é cotista. O banco financia o máximo de 80% do valor em até 360 meses, e os outros 20%, a Kactus Hub financia em 36 meses. “Essa é uma opção ideal para quem não tem o dinheiro suficiente para dar entrada no imóvel. Além disso, é possível usar o saldo do FGTS também para quitar o valor que o banco não financiou”, explicou Rafael Matheus.

Mais casas

Com o sucesso de vendas nos últimos anos, a Kactus Hub já lançou a segunda etapa do Condomínio Jardine. Atualmente, 53 estão obras. A previsão é que 23 delas sejam entregues em breve e as demais em janeiro de 2023. “A gente ainda nem terminou a obra e muitas dessas casas já foram vendidas, outras estão em negociação. Muita gente querendo adquirir seu imóvel pelas condições e facilidades que oferecemos”, disse Rafael Matheus.

No ano que vem, mais 53 casas serão construídas. Os recursos para a implementação de toda essa segunda etapa, com 106 imóveis, foi garantido por meio de um fundo de investimento nacional, que avaliou o bom desempenho do negócio e se sentiu seguro para alocar a quantia de R$ 12 milhões na construção dos imóveis.

Sobre o Jardine

O residencial é formado por casas duplex de 65m² de área construída e 75m² de área total. O térreo tem varanda, sala de estar e jantar, banheiro social, cozinha, área de serviço e vaga de garagem. No primeiro andar, são dois quartos, sendo 1 suíte, e hall. Possui trilha ecológica privativa e mais de 21 mil m² de reserva natural preservada.

O Jardine possui guarita ativa 24h; estacionamento para visitantes; piso intertravado em todas as vias; salão de jogos; salão de festas; praça; mini-campo gramado; playground; academia ao ar livre; churrasqueiras; redário; piscina adulta e infantil.

Kactus Hub

A Kactus Hub é uma incorporadora imersa no digital, focada em transformar moradias em lugares para se viver. Desde 2009 no mercado potiguar, atua em três frentes: a Kactus Imóveis, uma imobiliária moderna com sua própria equipe de vendas, marketing e publicidade que oferece imóveis e lotes para todos os perfis; a Kactus Construções, direcionada para empreendedores/empresários com um projeto a executar (B2B) ou para pessoa física querendo construir a casa própria; e Kactus Capital, que auxilia no desenvolvimento de um projeto de investimento no setor imobiliário com ganhos acima do mercado. A Kactus Hub já vendeu mais de R$ 250 milhões e tem mais de 500 casas e 4.600 lotes em construção e entregues.

13

Mai

RN acumula US$ 253,7 milhões em exportações no 1º quadrimestre

O envio de mercadorias do Rio Grande do Norte para o mercado internacional apresentou uma queda superior a 50% no mês passado em relação a março. No quarto mês do ano, as exportações potiguares somaram um volume de US$ 37 milhões, um pouco menos da metade do negociado no mês anterior (US$ 74,5 milhões). Esse é o menor montante obtido no ano com a remessa de produtos para o mercado externo. Apesar do baixo desempenho, o volume acumulado no primeiro quadrimestre de 2022 é quase 86% maior que no mesmo período do ano passado.

Em abril, o produto mais exportado foi o óleo combustível derivado de petróleo (fuel oil), responsável por 45,1% do valor total de exportações: US$ 16,7 milhões. O óleo combustível foi enviado principalmente para Singapura. Já os melões frescos foram o segundo item mais negociado e responsáveis por gerar US$ 3,8 milhões em divisas para as empresas produtoras da fruta, por meio de operações comerciais com a Espanha e Reino Unido, principalmente. Produtos de origem animal impróprios para o consumo humano obtiveram a terceira posição no ranking, totalizando um volume de US$ 2,2 milhões, enquanto o sal somou US$ 1,5 milhões em exportações, seguido dos mamões (US$ 1,2 milhões).

Isso é o que mostra a edição deste mês do Boletim da Balança Comercial do RN, um informativo elaborado pela Unidade de Gestão Estratégica do Sebrae no Rio Grande do Norte com base nas informações da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia. O boletim acompanha a evolução do comércio exterior do estado mês a mês, assim como as operações de compra e venda de mercadorias no mercado internacional durante série histórica, que leva em consideração os cinco últimos anos. O material está disponível para consulta e download no Portal do Sebrae (www.rn.sebrae.com.br ).


De acordo com a publicação, as importações do estado em abril atingiram um volume de US$ 12,2 milhões. Resultado menor que o verificado no mês anterior, quando as importações potiguares totalizaram US$ 31,9 milhões. Entre os produtos mais importados, estão os trigos e as misturas que totalizaram US$ 3,1 milhões. Esses insumos foram negociados principalmente com o Uruguai. As lulas congeladas também entraram na pauta de importação com total de US$ 714 mil, como o sulfato de potássio vindo da Bélgica (US$ 495,9 mil). Os painéis solares trazidos da China para o Rio Grande do Norte contabilizaram US$ 493,7 mil e o polietileno US$ 436 mil. Nos quatro primeiros meses deste ano, as importações acumuladas totalizam 138 milhões. Por isso, o saldo acumulado da balança comercial do Rio Grande do Norte nesse período teve um superávit de US$ 115,7 milhões.

13

Mai

Pandemia afetou faturamento de 82% dos microempreendedores

De um universo de mais de 17 milhões de pequenos negócios existentes no Brasil, o segmento que envolve os trabalhadores por conta própria e profissionais autônomos foi o que mais sofreu os reflexos da pandemia da Covid-19 entre 2020 e o ano passado. De acordo com estudo feito pelo Sebrae, 82% das empresas formalizadas como Microempreendedor Individual (MEI) tiveram queda no faturamento mensal em decorrência das crises sanitária e econômica. Um impacto e tanto para uma categoria, que, somente no Rio Grande do Norte, concentra o maior quantitativo de empresas formais do estado. São 170,5 mil negócios potiguares na condição de MEI.

O estudo do Sebrae também identifica de quanto foram as médias de redução de receitas e constata que os microempreendedores amargaram perdas mais significativas em comparação com as micro e pequenas empresas. O impacto médio negativo no faturamento foi de 45% entre os MEIs, enquanto no restante dos pequenos negócios, a redução média foi de 34%. O aperto na situação financeira obrigou o empreendedor a ir buscar empréstimos para aliviar o caixa que ficou no vermelho. Porém, segundo o levantamento, dos 60% que recorreram ao sistema bancário, apenas 28% conseguiram obter empréstimos.

A pesquisa do Sebrae, no entanto, não aponta somente dados negativos durante a pandemia e revela que, nos períodos mais críticos dos dois últimos anos, houve avanço da diversificação dos canais de venda. De cada dez empreendedores, sete passaram a vender pela internet como saída para driblar as dificuldades. E o resultado foi positivo. A quantidade de empreendedores que optaram pelas vendas on-line e transformação digital do negócio subiu de 44% para 69% entre junho de 2020 e março do ano passado. Já o número dos que não adotaram o virtual para vender, caiu de 56% para 31% no mesmo período.

Para o gerente da Agência do Sebrae Grande Natal, Thales Medeiros, as consequências da pandemia mudaram significativamente a dinâmica de mercado e  esse ajuste e o desenvolvimento de novas competências têm exigido esforços de toda a classe empresarial. "Para o MEI tem sido ainda mais desafiante, sobretudo com a sua condição de acumular todas as funções de um negócio e a expressividade de negócios que ainda estão no campo do empreendedorismo por necessidade. A baixa capacidade de gestão, que influencia na capacidade de adaptação, aliada à perda do poder de compra dos consumidores frente à inflação sobre produtos básicos, produz um impacto muito severo para esses negócios!, analisa o gerente.

A categoria do Microempreendedor Individual (MEI) ainda é considerada o meio mais desburocratizado e menos oneroso de começar uma atividade no Brasil, sobretudo pela baixa carga tributária em comparação com outras categorias de empresas optantes pelo Simples Nacional, o regime simplificado de arrecadação de impostos. Tudo o que o microempreendedor tem de pagar é uma contribuição mensal que equivale a apenas 5% do salário mínimo e valores fixo de R$ 1,00 ou R$ 5,00, dependendo das atividades cadastradas. Esse compromisso precisa ser quitado até o dia 20 de cada mês. Para ser considerado MEI, o faturamento anual do negócio não pode ultrapassar o valor de R$ 81 mil.

Ao se formalizar como MEI e passar a contar com um CNPJ, o empreendedor pode emitir notas fiscais, contratar até um funcionário e acessar uma série de benefícios previdenciários, como aposentadoria por idade, aposentadoria por invalidez, auxílio-doença, auxílio-maternidade e pensão por morte. A pesquisa do Sebrae foi realizada com amostras de 6.033 a 10.384 empresários de todos os estados. A margem de erro é de 1% e o intervalo de confiança é de 95%.


13

Mai

Cientistas aproveitam inteligência artificial para melhorar processo na construção civil

Uma nova tecnologia com potencial de eficiência para melhorar o processo de concretagem na construção civil acaba de ser desenvolvida por pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Baseada em uma Inteligência Artificial (IA), o protótipo da invenção apresentou um grau de proximidade de 99% entre o valor obtido experimentalmente e o valor real da medição do grau de fluidez do concreto. Esse valor é significativo quando considerado que o controle convencional do procedimento é feito de forma visual.

É o que destaca Raphael José Rodrigues Torres, um dos cientistas responsáveis pelo estudo que resultou no depósito de pedido de patente do produto. Ele explica que os caminhões betoneira, que levam o concreto para as obras, precisam misturar os materiais, incluindo a água, em um processo chamado redosagem. Em seguida, o motorista do caminhão precisa olhar o concreto e ver se ele está no grau de fluidez correto, denominado slump. “Esse processo é visual, quase um achismo, baseado em grande parte na experiência do motorista. O que patenteamos foi uma Inteligência Artificial capaz de fazer esse processo de forma automática, reduzindo erros e custos de produção”, realça.

Segundo o doutorando, esses benefícios são alcançados reduzindo o tempo de redosagem, bastando o motorista apontar uma câmera para o fundo do balão da betoneira e a tecnologia identifica quase que instantaneamente o slump do concreto. A única variável analisada será o desenho formado pelo concreto durante a redosagem, quando o caminhão está em alta rotação, e com o balão girando. As ondulações formadas no material diferem por faixa de grau de fluidez, independente do volume da betoneira, ou padrão do traço, o que torna o processo de aferição e análise mais prático e assertivo. O sistema coleta as imagens necessárias para o reconhecimento dos padrões e indica, com exatidão, o slump encontrado no momento da redosagem, proporcionando maior segurança na colocação da água. Caso ele identifique o cumprimento para o que foi estabelecido pela obra, finaliza-se o processo; caso contrário, realiza-se a adição da água, e nova leitura após a correção.


“Mantemos a lógica do processo de redosagem, onde o motorista já avalia as ondulações formadas, porém, altera-se o processo de análise, que hoje é pautada no ser humano, pela análise computacional, que servirá de suporte para a tomada de decisão, e que acarretará uma grande redução na margem de erro no processo. A saída dos dados poderá ser acompanhada pelo balanceiro da unidade, através das informações disponibilizadas no software”, reforça.

Raphael Torres pontua que a problemática da incorporação da água na redosagem é um fator de grande preocupação para as centrais dosadoras de concreto, já que quase todo o processo de pesagem, atualmente já automatizado, fica em xeque ao repassar a responsabilidade pela colocação da folga d´água, a redosagem em si, ao operador de betoneira, que precisa executar tal etapa em tempo hábil e com a devida atenção, para evitar excessos.

“Com o maior controle do grau de fluidez é possível reduzir o tempo gasto na usina de concreto, liberando o caminhão para a obra mais rapidamente, consequentemente, reduz o consumo de diesel. Outro ponto importante, quando o caminhão chega na obra, é necessária a conferência do slump desse concreto. Caso esteja fora de conformidade, o concreto é devolvido e descartado pela concreteira, acarretando custos. Na pior das hipóteses, caso utilizem o concreto fora de conformidade, teremos um material com menor resistência, colocando em risco a estrutura da residência, ou mesmo de um prédio, demandando um reforço estrutural, que normalmente traz um prejuízo para a concreteira na cifra dos milhares, e às vezes milhão de reais. Geraremos uma economia real, melhorando a competitividade das concreteiras”, ratifica o estudante.

O estudo que gerou o pedido de patente “Sistema e processo de automatização do processo de redosagem” é fruto do seu mestrado no Programa de Ciência, Tecnologia e Inovação, da Escola de Ciência e Tecnologia da UFRN. Ao lado dele, também atuaram no desenvolvimento da invenção os docentes Aquiles Medeiros Filgueira Burlamaqui e Orivaldo Vieira de Santana Júnior. O primeiro identifica que o software usado utiliza machine learning, mais especificamente redes convolucionais. “A rede inclui camadas de detecção de recursos, com um pré-processamento da imagem mais enxuto, e redução para padrões mais simples, sem perder recursos que contribuam para a melhor previsibilidade de estruturas complexas, acarretando a leitura do grau de fluidez com maior precisão, em um fluxo de trabalho que observamos ser bem aceito pela concreteira, de fácil utilização e com resultados fidedignos”, pontua o professor da Escola de Ciência e Tecnologia (ECT).

As redes convolucionais simulam as práticas de identificação visual atual, sendo mais vantajosa que outras metodologias por não demandar instalação de sensores no caminhão betoneira e ter menos variáveis envolvidas, o que acarretará maior assertividade no processo de predição. “O software pode ser instalado em multiplataformas, como aparelho celular, tablet ou câmera acoplada ao redosador”, acrescenta Burlamaqui. 

Ao mercado

Atualmente vinculado ao Departamento de Bioinformática, no doutorado, Raphael Torres ressalta que o passo seguinte é a busca de parceiros que queiram desenvolver o produto. Ele conta inclusive que já há um plano de comercialização e de ganhos recorrentes elaborado. “Quando estudante, atuei na área de construção civil, como líder de concreteira, e essa era uma ‘dor’ que identifiquei em todas as lideranças do Brasil. A partir da identificação do problema, amadureci a linha de negócio, fiz a validação da tecnologia e segui para apresentação comercial, indo aos estados de São Paulo e Minas Gerais para conversar com as maiores empresas da área do país, para saber se era algo viável e comercializável. As respostas foram sempre positivas, o que nos animou. O que é necessário no momento é um sócio desenvolvedor, ou de um comprador da ideia, para que possamos sair do protótipo diretamente para o mercado”, destaca.

O pedido de patente dessa ferramenta passa a integrar o portfólio da vitrine tecnológica da UFRN, invenções que podem ser acessadas através do endereço www.agir.ufrn.br. A patente em si é um título de propriedade temporária sobre uma invenção ou modelo de utilidade, outorgado pelo Estado aos inventores, autores ou outras pessoas físicas ou jurídicas detentoras de direitos sobre a criação. Assim, o depósito de pedido de patente é o primeiro passo para garantir direitos de comercialização exclusiva, por um determinado período, de uma nova invenção com aplicação industrial.

A proteção das tecnologias desenvolvidas por inventores da UFRN tem como objetivo resguardar os direitos patrimoniais da instituição frente aos investimentos intelectuais e financeiros despendidos durante o seu desenvolvimento, mas também permitir que estes novos produtos e processos sejam licenciados por empresas que possam explorá-los comercialmente, gerando recursos para a instituição na forma de royalties que novamente serão investidos em inovação.

11

Mai

Exposição Bordados de Caicó abre temporada de visitação em Natal

Após o sucesso no Rio de Janeiro, em que ficou durante alguns meses em exposição no Centro de Referência do Artesanato Brasileiro (CRAB) desde o final do ano passado, agora é a vez de os potiguares terem oportunidade de conferir a Mostra do Bordado de Caicó, realizada pelo Sebrae no Rio Grande do Norte e parceiros. A mostra abre para visitação em Natal a partir desta quarta-feira (11), das 14h às 18h, e permanece até o dia 11 de junho próximo, no Centro de Referência do Artesanato do Rio Grande do Norte (Crarn), que fica instalado na Cidade da Criança, no bairro do Tirol, em Natal. A Mostra está aberta à visitação de terça ao sábado. Com curadoria do designer Renato Imbroisi, a exposição é promovida pelo Sebrae no Rio Grande do Norte, revela a diversidade e a tradição do Bordado de Caicó, conhecido no Brasil e no mundo por sua beleza, regionalidade, qualidade e acabamento.

A exposição é resultado de criações desenvolvidas em oficinas dirigidas pelo curador junto com a designer e ilustradora Lui Lo Pumo, que auxiliaram as bordadeiras na confecção de novas peças temáticas. Os temas representam o universo cultural e ambiental da caatinga, com novos riscos, inspirados na canção “O Rabo do Jumento”, do cantor e compositor Elino Julião, nascido em Timbaúba dos Batistas.

A exposição segue um formato adaptado do que foi apresentado na capital fluminense e dá uma mostra do talento de 2.700 artesãos da região do Seridó. São mais de 200 peças bordadas com referências culturais, que o visitante da exposição pode conferir o universo do Bordado de Caicó e também fazer encomendas de peças. 


Além das peças de decoração, moda, cama, mesa, banho e enxoval para recém-nascidos, a exposição traz novas linhas de produtos, inclusive com apresentação de vídeo do desfile da coleção exclusiva "Bonito pra Chover", realizada no ano passado. Foi produzido ainda um documentário sobre o Bordado de Caicó pelo Sebrae e que poderá ser assistido na exposição.

Evento de lançamento

Antes da abertura para visitação pública, a exposição na capital potiguar foi lançada em evento para convidados na tarde desta terça-feira (10). A solenidade contou com a presença do presidente do Conselho Deliberativo Estadual (CDE) do Sebrae, Itamar Manso Maciel, do diretor superintendente do Sebrae-RN, José Ferreira de Melo Neto, e do diretor técnico, João Hélio Cavalcanti, além da gerente da Unidade de Desenvolvimento Setorial do Sebrae-RN, Lorena Roosevelt, e da gestora do Projeto de Economia Criativa da instituição, Ana Ubarana.

“É um trabalho meritório e o Sebrae encara esse fomento à atividade, como suporte ao crescimento desses profissionais. Já havíamos montado essa exposição no Centro de Referência do Artesanato Brasileiro, na Praça Tiradentes, point da cultura do Rio, com grande repercussão e excelente volume de vendas. Agora, os potiguares também poderão apreciar e se encantar com os nossos bordados”, afirma o diretor superintendente do Sebrae-RN.


O lançamento foi prestigiado pela governadora do Estado, Fátima Bezerra – que também participou da abertura da exposição no Rio - e do vice-governador, Antenor Roberto, que foram acompanhados de secretários de pastas ligadas à área, como o presidente da Fundação José Augusto, Crispiniano Neto, e a secretária da SETHAS, Iris Oliveira, assim como representantes dos artesãos.

“Queremos ressaltar essa parceria do Programa do Artesanato Potiguar (Proart), da Sethas, com o Sebrae. Nesta exposição, que tive o privilégio de participar do lançamento no Rio, vemos claramente a beleza, a tradição, a arte do trabalho feito por nossos artesãos em relação do bordado do Seridó. Ficamos encantados lá e estamos encantados com a exposição aqui, em Natal”, enfatizou a governadora, destacando que o sucesso do programa se deve justamente pelas parcerias estabelecidas com o Sebrae do Rio Grande do Norte e outros parceiros.

Fátima Bezerra também reconheceu o trabalho desenvolvido pelo Sebrae na área do artesanato. “O Sebrae notadamente é uma das instituições que têm uma das experiências mais bonitas e contribuição dada ao artesanato no Brasil”. Durante o lançamento, também foi sinalizada a parceria para lançamento de uma nova coleção dos bordados com a temática das pinturas e inscrições rupestres em outubro deste ano.

Valorização

Essas ações fazem parte da estratégia do Sebrae para valorizar o artesanato do estado, em especial da região Seridó, que detém o selo de Indicação Geográfica (IG) de Procedência, concedido em 2020 pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). No ano passado, a instituição realizou ações de capacitação para as artesãs, por meio do projeto em parceria com o Instituto Riachuelo para formação e aperfeiçoamento nos pontos do Bordado de Caicó e aulas de risco.

O bordado de Caicó se caracteriza, ainda, por ser produzido em máquinas de costura de pedal. Para manter seu trabalho dentro das especificações do chamado Bordado de Caicó, as artesãs só podem utilizar 12 pontos: ponto cheio, richelieu, matiz, costurado, rococó à mão, rococó à máquina, aberto ou bainha, turco, rústico, quebra-agulha/espinho, crivo e granito.

É definido geograficamente por ser praticado em 12 cidades da região do Seridó do Rio Grande do Norte: Caicó, Timbaúba dos Batistas, São Fernando, Serra Negra do Norte, Acari, São João do Sabugi, Jardim do Seridó, Ipueira, Cruzeta, São José do Seridó, Jucurutu e Ouro Branco.

Fotos: Moraes Neto

10

Mai

Pesquisa: independência financeira motiva 40% das mulheres a empreenderem

Quatro em cada dez mulheres brasileiras (40%) apontam a independência financeira como principal motivo para começar a empreender, revelou a pesquisa feita pela Serasa Experian e divulgada ontem (9).

O segundo motivo apontado pelas mulheres para começar um negócio é a flexibilidade de tempo (29%), seguido por fazer o que acredita (24%), ter renda complementar (21%) e ganhar mais (20%).

A pesquisa também mostrou que 55% das mulheres já conquistaram a independência financeira e que mais da metade (57%) têm sua renda total proveniente do próprio negócio.


A pesquisa ouviu 446 empreendedoras brasileiras em janeiro e fevereiro. Foram entrevistadas sócias ou donas de micro, pequenas e médias empresas, empreendedoras individuais ou autônomas, trabalhadoras informais e profissionais liberais que trabalham por conta própria.

Desafios

Entre os desafios que a mulher encontra ao ter seu próprio negócio, estão o preconceito de fornecedores, parceiros e clientes e a dupla jornada de trabalho. As mulheres também dizem ter a sensação de receberem menos oportunidades que os homens no mercado de trabalho.

“As mulheres encontram no empreendedorismo uma forma de empoderamento, e estar à frente de cargos de liderança é um passo importante para a diminuição da desigualdade. No entanto, sabemos que se manter em um mercado competitivo e desafiador exige planejamento, tempo e recursos financeiros. Por isso, é fundamental que cada vez mais mulheres tenham a oportunidade de se preparar para ocuparem esses lugares”, disse Cleber Genero, vice-presidente de PME da Serasa Experian.

Fonte: Agência Brasil / Foto: Fernando Frazão

9

Mai

Efeitos da LGPD no cotidiano dos negócios será abordado em palestra do IEL, dia 13

No próximo dia 13 de maio, o Instituto Euvaldo Lodi no Rio Grande do Norte (IEL-RN) promove a palestra “LGPD: como ela afeta o dia a dia do seu negócio”, ministrada por João Araújo Monteiro Neto e David Accioly de Carvalho, consultores em proteção de Dados Pessoais pela Data Protection Office Brasil (DPOBR). O evento começa às 10h30, de forma online, na plataforma Microsoft Teams.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no Sympla, até o dia 12 de maio, pelo link: https://www.sympla.com.br/lgpd—como-ela-afeta-o-dia-a-dia-do-seu-negocio__1569613.

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), Lei n° 13.709/2018, foi promulgada para proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade e a livre formação da personalidade de cada indivíduo. A Lei fala sobre o tratamento de dados pessoais, dispostos em meio físico ou digital, feito por pessoa física ou jurídica de direito público ou privado, englobando um amplo conjunto de operações que podem ocorrer em meios manuais ou digitais.


O Superintendente Regional do IEL-RN, Juan Saavedra, destaca que a LGPD é um assunto recorrente quando se trata de segurança de dados. “Na palestra gratuita que o IEL-RN está ofertando, os participantes terão a possibilidade de entender a importância dessa Lei e qual impacto ela causa nos seus negócios. Vão observar que a lei possibilita uma melhoria nas políticas de governança e gestão de dados das empresas, além de controle dos dados pessoais para o cidadão”, afirma.

Além de consultor do DPOBR, João Araújo Monteiro Neto é advogado, mestre em Direito com foco em Tecnologia da Informação pela Universidade de Fortaleza (Unifor) e possui pós-doutorado em Direito pela Universidade de Kent, no Reino Unido. Foi bolsista em universidades da América do Norte e da Europa e leciona nas especializações em Direito Digital e em Segurança Cibernética da Unifor.

David Accioly de Carvalho também é advogado e professor na Unifor, instituição na qual se especializou em Direito Processual Civil e é mestre em Direito Constitucional. Leciona disciplinas relacionadas ao Direito Privado, como Direito Civil e Direito Empresarial.

9

Mai

SENAI Nacional capacita instrutores para qualificar trabalhadores no Haiti

A baixa qualificação de mão de obra é um dos muitos desafios enfrentados pelo Haiti no processo de reconstrução de sua economia, abalada por desastres naturais e crises políticas nos últimos anos. A superação desse gargalo, porém, conta com o apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industria (SENAI), em parceria com o Instituto Nacional de Formação Profissional (INFP), o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e s Agência Brasileira de Cooperação (ABC), que desenvolveram, ao longo dos últimos dois anos, um projeto para apoiar a formação técnica e profissional no país caribenho.

“Esse projeto tem como grande objetivo apoiar o governo haitiano a reconstruir o país, contribuindo para a empregabilidade da população, sobretudo a dos jovens. A ampliação da oferta de mão de obra qualificada é essencial para a expansão do setor privado, a geração de renda e, consequentemente, a redução da pobreza”, afirma o superintendente de Negócios Internacionais do SENAI.

A ação terá duração de 2 anos, iniciada em setembro de 2020 e que se encerra em setembro de 2022. No Modelo SENAI de Gestão Escolar e Rotinas Administrativas, foram qualificados 12 gestores e pessoal administrativo do INFP, na modalidade EAD em 2020 e 2021 e na modalidade presencial, no Brasil, em fevereiro de 2022, no idioma francês. Esses profissionais são Diretores, Coordenadores Pedagógico e Secretários Escolares dos Centros de Formação Profissional, localizados em Les Cayes, Fort Liberté e Saint Marc, onde atuarão, junto com os novos instrutores, na formação dos futuros profissionais.


Em outra frente, na Metodologia SENAI de Educação Profissional, foram qualificados 30 instrutores do INFP, na modalidade EAD em 2020 e 2021, especificamente nas 5 áreas, escolhidas em alinhamento com o INFP, em razão da maior demanda por cursos, dado o cenário atual do Haiti, e pela maior possibilidade dos alunos virem a empreender o próprio negócio: metalmecânica, construção civil, tecnologia da informação, refrigeração e climatização e mecânica automotiva, que foi adaptada e customizada no idioma francês, idioma oficial do Haiti. Esse grupo, agora, passará dois meses no Brasil em 2022, para capacitação presencial. Com a missão de formar os futuros alunos, eles contarão com a plataforma online do SENAI, que ficará disponível pelos próximos cinco anos.

A capacitação é apenas o começo do desenvolvimento profissional

A economia haitiana passa por grandes desafios, desde 2010, quando um grande terremoto devastou a capital Port-au-Prince e região. Foram mais de 80 mil habitantes que perderam suas casas e há 25 mil famílias na capital que ainda vivem em condições precárias. De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), o produto interno bruto (PIB) do Haiti, em 2019, caiu 1,7%, em decorrência dos níveis de violência e piquetes viários, o que resultou em semanas de paralisia econômica no país. Enquanto em 2020, com a pandemia de Covid-19, o PIB sofreu uma queda maior de 3,7%, além da depreciação da moeda em quase 30%.

A economia, atualmente, está concentrada em 85% das riquezas do país monopolizadas nas mãos de uma minoria de 5% da população, além do desequilíbrio econômico no que se refere à exportação e importação, em que a minoria de insumos é importada.

Por conta da alta desigualdade, a indústria haitiana foi destruída em favor de um modelo industrial voltado paro o exterior, dependente do capital estrangeiro. Há também outros fatores como a falta de capital destinado a financiar a industrialização do país e a ausência de política de industrialização do estado.

A educação é uma ponte promissora para o crescimento industrial do Haiti

A educação profissional no Haiti não apresenta um padrão de qualidade e, por isso, é preciso uma ação focada na adequação entre a oferta formativa e as necessidades de mão de obra qualificada das empresas. É necessário, também, a promoção da qualidade da formação oferecida nos Centros de Formação profissional e estabelecimento de mecanismo de financiamento para ajudar as pequenas e médias empresas.

A capitação do SENAI foi apenas o começo das ações. O projeto também apostou em:

Planos de cursos e recursos didáticos nas 5 áreas tecnológicas;

Critérios de seleção de alunos customizados, visando o início da oferta de cursos de formação profissional; e

Condição técnica adequada para a realização de avaliações periódicas das máquinas, instrumentos e equipamentos adquiridos e entregues no Centro de Formação Profissional.

Como o país conta com uma população jovem, além da abundância de recursos naturais, 3 mil quilômetros de costa e forte potencial turístico, a economia pode, ao longo dos anos, com o foco na educação, melhorar as condições precárias, criar um espírito empreender no país e ofertar melhores oportunidades de desenvolvimento.

7

Mai

#EuEmpreendedor: projeto incentiva e ensina a empreender em vídeos curtos

O empreendedorismo se tornou uma opção para quem busca independência financeira e quer trabalhar com o que ama. Um levantamento recente realizado pelo Sebrae, mostra que mais de 3,9 milhões de empreendedores formalizaram micro e pequenas empresas ou se registraram como microempreendedores individuais (MEIs) em 2021, o que representa um aumento de 19,8% em relação a 2020. E com a pandemia do Covid-19, esses empreendedores foram em busca de novos meios para divulgar e vender seus produtos e serviços, movimentação que acelerou a transformação digital. Com o avanço do empreendedorismo digital, também cresceu a procura por conhecimento sobre como engajar uma marca ou vender online. 

A capacitação empreendedora é um ponto principal para quem quer começar a investir em seu próprio negócio. Pensando nisso, o Kwai, app de criação e compartilhamento de vídeos curtos, desenvolveu junto à agência Flocks, a série #EuEmpreendedor, para incentivar e ensinar como empreender pela plataforma. O conteúdo foi co-produzido pelo Canal Meio e traz a história de cinco empreendedores e criadores de conteúdo que ensinam, na prática, a usar o Kwai como meio de divulgação de vendas e negócios. O vídeo de introdução da série foi gravado pelo jornalista Pedro Dória, editor-chefe do Canal Meio. 

Entre as dicas estão como fazer marketing de conteúdo, transformar seu conhecimento em um curso, passar confiança naquilo que você faz e mostrar seu diferencial, vender e engajar seu público na plataforma do Kwai. Clique aqui e confira!

Conheça os empreendedores

Mônica Becker (Monicromático) aprendeu a costurar na pandemia e criou uma marca que vende itens de cetim para cabelos, skincare, entre outros. Utiliza vídeos curtos para divulgar seu trabalho.

Diomédes Souza (Método Aplicador) criou um método online para ensinar técnicas de envelopamento de produtos e como divulgar o curso e serviço por meio dos vídeos curtos.  Diomédes fecha negócios com alunos pelo Brasil todo.

Juh Lettering começou a postar vídeos sobre caligrafia, criou uma apostila com exercícios para seus seguidores e já lançou um livro sobre o assunto.

Diego Varela Marketing aprendeu marketing digital sozinho e começou a fazer vídeos curtos sobre o assunto, além disso ensina a viralizar e como crescer no meio digital.

Dalva Corrêa (Batida Perfeita) tem um modelo de negócios para potencializar a escrita com cursos, treinamento corporativo e mentoria para pessoas empreendedoras, produtoras de conteúdo, redatoras, profissionais liberais que precisam alavancar seu negócio por meio da escrita; e para pessoas que desejam encontrar sua voz na escrita e ter liberdade de escrever textos que as representem.

A série é totalmente gratuita e entra no ar dia 29/04 no aplicativo do Kwai. Para acompanhar, basta clicar em pesquisar e acessar o banner do projeto ou seguir as publicações pela tag #EuEmpreendedor.

6

Mai

Natal enfrenta epidemia de dengue; saiba como realizar teste de detecção

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, já podemos considerar que Natal está em epidemia de dengue. Houve um aumento de 440% no número de casos, se compararmos os últimos meses de 2022 com o mesmo período do ano passado. 
Outras arboviroses além da dengue, ou seja, doenças causadas pelos arbovírus, incluindo os vírus da zika e chikungunya, também cresceram vertiginosamente em número de casos. A tendência é que a situação piore com as chuvas, pois é quando há acúmulo de água e o mosquito aedes aegypti se reproduz com mais facilidade.
 
Diante dessa situação, o DNA Center disponibiliza o teste molecular capaz de detectar o material genético do vírus da dengue em amostras de sangue e líquor. “O interessante é que nesse painel, de forma concomitante, também é investigada a infecção por zika ou chikungunya, permitindo assim o rastreio de três arboviroses ao mesmo tempo”, afirma Andréa Fernandes, sócia-diretora do DNA Center.
Ainda quanto ao diagnóstico da dengue, as unidades do DNA Center também disponibilizam a sorologia IgM e IgG, tanto pelo método imunocromatográfico (teste rápido) quanto pelo método ELISA, além da detecção do biomarcador sorológico Antígeno NS1, importante já na fase precoce da doença. Essa é uma importante ferramenta de saúde, pois com o teste de sorologia em mãos o paciente detecta se tem uma virose comum ou uma dengue e já pode iniciar um tratamento mais específico e tomar os cuidados necessários para a sua melhora. 
Os testes rápidos sorológicos para dengue são cobertos por planos de saúde em alguns casos ou podem ser feitos de forma particular. Podem ser realizados em qualquer unidade, não sendo necessário nenhum preparo especial, nem agendamento. Orientações e mais informações pelo telefone (84) 4007-2595, pelo site dnacenter.com.br ou pelo redes sociais, no perfil @dnacenterlab.

6

Mai

Preço do Big Mac sobe 66% em 4 anos no Brasil; pesquisa faz comparativo do valor do combo com o salário mínimo do Brasil

Saborosos e clássicos são duas palavras da língua portuguesa que podem bem definir os lanches do McDonald 's, principalmente quando se trata do famoso Nº1, ou Big Mac. Tendo isso em mente, a plataforma de descontos online CUPONATION reuniu dados sobre os valores do combo no Brasil e no mundo.


Apesar da rede de sucesso crescer de forma exponencial ao redor do globo, no Brasil o acesso ao lanche e seus acompanhamentos se tornou privilégio para muitas pessoas nos últimos anos. Isso devido a alta da inflação em cima dos alimentos - que só tende a crescer - e pela contínua falta de emprego, principalmente após dois anos de pandemia.


De acordo com um levantamento divulgado no início de 2022, atualmente o Brasil se encontra no ranking do preço do Big Mac mais caro do mundo, ocupando a posição 58º da lista e cobrando da população uma média de R$30 pelo combo do lanche.


Supondo que um representante familiar leve sua família de 4 pessoas para comer em uma das unidades do McDonald 's no Brasil, o valor total desse passeio sairia no mínimo R$120. Ou seja, um gasto de 10% do salário mínimo de R$1.200, segundo o IBGE. Isso, é claro, considerando que essa família coma na rede de fast food apenas uma vez ao mês.


Em 2019 a companhia internacional de dados Statista realizou uma pesquisa semelhante, mostrando que na época esse mesmo combo custava apenas R$18 no Brasil - o que representa um aumento significativo de 66,67% em apenas 4 anos. Confira a pesquisa completa no infográfico interativo do CUPONATION.


Voltando ao estudo principal, Israel é a nação que está posicionada no primeiro lugar do ranking, em que a população precisa desembolsar R$76,90 pelo lanche e seus acompanhamentos. Suíça e Islândia estão em segundo e terceiro lugares, com R$75,94 e R$71,52, respectivamente. Tunísia ficou em último lugar.