Mercado

18

Jan

Dia do Esteticista: Há 10 anos, a profissão foi reconhecida por lei federal

O Brasil é o quarto país no ranking mundial de gastos com produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos, segundo o provedor de pesquisa Euromonitor International. A elevada demanda do mercado de beleza leva à exigência crescente de qualificação dos profissionais que lidam com a área da saúde, beleza, bem-estar e autoestima. Uma profissão que vem ganhando cada vez mais destaque é a de esteticista, sendo 18 de janeiro o dia de homenagem a esses profissionais. 

Um esteticista tem como função promover a beleza e o bem-estar de seus clientes por meio de técnicas e procedimentos estéticos aplicados no corpo como depilação, maquiagem, massagens e outros. Além dos conhecimentos técnicos, este profissional precisa ter uma boa capacidade de compreensão, gestão, comunicação e de renovação profissional, uma vez que o mercado tem alta concorrência e rápida evolução.

Lisa Marina dos Santos, 24 anos, prestes a iniciar o 4° período de Estética e Cosmética, sente-se preparada para se aventurar pelo mercado laboral. "A experiência prática se revela crucial para oferecer um serviço adequado. Como assisti a diversas aulas práticas, sinto que estou bem preparada para trabalhar", relata.

O Dia do Esteticista foi instituído em 2012, momento em que a profissão foi reconhecida por lei. Essa vitória para a classe ocorreu há 10 anos, ainda é recente e, diante dessa realidade, conseguir uma vaga no mercado pode não ser fácil. Lisa, no entanto, está otimista. "É um mercado que está crescendo e em constante evolução, e estamos começando a ser reconhecidos e a obter direitos. Aqueles que se dedicam mais e estão em busca de constante evolução serão os mais requisitados, visto o amor que têm pela profissão", justifica a estudante. 


A universitária atribui ao corpo docente da sua instituição de ensino a satisfação pela escolha da carreira. "Os professores sempre nos estendem a mão, instigando o nosso crescimento. Eles são qualificados e promovem uma educação humanista, promovendo uma relação aluno-docente com um olhar especial. Isso foi muito importante para o meu desenvolvimento acadêmico".

Curso

O coordenador do curso de Estética e Cosmética da Universidade Potiguar (UnP) - Campus Zona Norte, Murilo Ribeiro Paulino, conta que o objetivo da formação, cuja grade curricular se estende por seis semestres, é formar pessoas cada vez mais capacitadas para conquistarem esse segmento.

Segundo ele, o índice de empregabilidade dos ex-alunos se mostra elevado. "Muitas vezes, antes mesmo da conclusão do curso, empresas solicitam à instituição indicação de discentes para contratação. Há espaço a ser ocupado no mercado para quem está qualificado. Um divisor de águas na preparação é a imersão, desde o 1º período, na prática com professores que também exercem a profissão. O que leva à perfeição é a prática", destaca.

Diante disso, Murilo ressalta que se mostra necessário valorizar o ensino com tecnologias atualizadas, uma vez que o mercado está em constante evolução e demanda profissionais por dentro das novidades do mundo da beleza.

Curso

A grade curricular prepara o aluno com base em metodologias que permitem o aprendizado interdisciplinar, direcionado para o mercado de trabalho em seus principais segmentos: avaliação, elaboração, execução de procedimentos estéticos e gestão de serviços. O curso possibilita ao aluno conhecimentos técnicos e metodológicos para a elaboração de tratamentos estéticos com qualidade e diversidade.

O profissional de Estética e Cosmética poderá assumir funções em diversas áreas, como funcionário, prestador de serviços ou montando seu próprio negócio, em áreas como: estética facial, estética corporal, terapias capilares, depilação, gerenciamento de estabelecimentos que ofereçam serviços relacionados a beleza e bem-estar, clínicas e centros estéticos, spas, clínicas médicas, hotéis, cruzeiros, academias e salões de beleza.

Mercado de trabalho

Em 2015, George Macedo concluiu o curso de Estética e Cosmética. Ele considera fundamentais os diversos recursos tecnológicos com os quais estudou na Academia para que, hoje, possa aproveitar os conhecimentos em casos clínicos, sobretudo, já que se depara com "muita tecnologia". 

Aos 29 anos, atualmente, ele conquistou seu espaço em um mercado mais amplo e diversificado do que quando se formou. "A indústria da beleza está sempre se expandindo. Existem muitas áreas de atuação para profissionais do meu ramo, sendo, pois, uma excelente opção para se aventurar pelo empreendedorismo", sugere. 

O início da jornada, todavia, não foi fácil para George. Ele conta que trabalhou em um sala, dentro salão de beleza, atendendo apenas um cliente por semana. "Minha missão é cuidar da saúde estética, bem-estar e qualidade de vida. Hoje, sou autônomo e, com bastante esforço, conquistei uma clientela fiel", orgulha-se.

18

Jan

Incorporadora potiguar adere ao mercado de capitais para gerar recursos e estimular a geração de emprego e renda

Quem gosta de diversificar os rendimentos e fazer o dinheiro se multiplicar por meio do mercado financeiro está sempre em busca de novas formas de investir. Um dos caminhos pode ser apostar no mercado de capitais em Fundos de Investimentos Imobiliários, os FIIs ou Certificados de Recebíveis Imobiliários, CRI’s.  A incorporadora potiguar Kactus Hub, que atua há mais de 12 anos no Rio Grande do Norte, agora faz parte desse mercado que está em crescimento e pode ajudar na recuperação da economia, com geração de emprego e renda.

Nessa modalidade, grupos de investidores aplicam recursos em diversos tipos de investimentos imobiliários, no desenvolvimento de empreendimentos ou imóveis já prontos, como também em edifícios comerciais, shoppings e hospitais. O retorno financeiro vem da exploração pela locação, arrendamento, venda e outras atividades do setor. No caso dos fundos imobiliários, o investimento pode começar com apenas R$ 100.


A Kactus Hub aderiu ao FII ao buscar financiamento para a construção de 106 casas duplex no Condomínio Residencial Jardine, em Parnamirim. Para isso, a empresa precisou estabelecer governança financeira e de engenharia. “A gente vem percebendo uma queda nos recursos do FGTS para financiamento de imóveis, enquanto os FIIs e CRI’s estão em plena ascensão. Então, enxergamos uma oportunidade de ter acesso a esse mercado, que tem como vantagens o acesso a recursos de maneira rápida, prática e eficiente”, resumiu o co-fundador da Kactus Hub, Rafael Matheus.

O mercado de Fundo de Investimentos Imobiliários vem crescendo nos últimos anos. Em 2020, o volume de movimentações ultrapassou os R$ 250 bilhões de reais. Entre os motivos, estão a aprovação da Lei da Liberdade Econômica, que reduziu a burocracia nas atividades e deu mais segurança jurídica aos negócios no país, e a regulação pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA), que monitora as melhores práticas para administração de recursos de terceiros, trazendo maior segurança para o investidor. “O crescimento é um reflexo da desbancarização, do investimento em tecnologia e inovação”, completou Rafael Matheus.

Vantagens para Investidores

O Fundos Imobiliários são vantajosos, principalmente, para o pequeno investidor Pessoa Física, que pode ter rendimentos mensais, uma importante fonte de renda extra ou de complemento de aposentadoria.

“O principal atrativo, na minha opinião, é o investidor ter o seu retorno sem assumir o risco do incorporador/construtor. Afinal, o que ele compra é apenas o papel. Isso significa desburocratizar, diversificar e fortalecer os investimentos em todo mercado imobiliário”, explicou.


O co-fundador da incorporadora também vê impactos positivos para a economia como um todo. “O mercado dos FIIs contribui para fomentação de renda por meio da geração de empregos diretos e indiretos. Mais de 100 vagas de trabalho serão criadas apenas no Condomínio Jardine. Além de impulsar a vendas, fortalecendo a economia da região”.

Condomínio Jardine

O residencial é formado por casas duplex de 65m² de área construída e 75m² de área total. O térreo tem varanda, sala de estar e jantar, banheiro social, cozinha, área de serviço e vaga de garagem. No primeiro andar, são dois quartos, sendo 1 suíte, e hall. Possui trilha ecológica privativa e mais de 21 mil m² de reserva natural preservada.

O condomínio fica a apenas 5 min do centro de Parnamirim e a 10min da Av. Maria Lacerda e tem diversas opções de lazer e segurança, incluindo acesso por biometria. O Jardine possui guarita ativa 24h; monitoramento de segurança com ronda noturna; estacionamento para visitantes; piso intertravado em todas as vias; salão de jogos; salão de festas; brinquedoteca; praça; mini-campo gramado; playground; academia ao ar livre; churrasqueiras; redário; piscina adulta e infantil.

Sobre a Kactus Hub

A Kactus Hub é uma incorporadora imersa no digital, focada em transformar moradias em lugares para se viver. Desde 2009 no mercado potiguar, atua em três frentes: a Kactus Imóveis, uma imobiliária moderna com sua própria equipe de vendas, marketing e publicidade que oferece imóveis e lotes para todos os perfis; a Kactus Construções, direcionada para empreendedores/empresários com um projeto a executar (B2B) ou para pessoa física querendo construir a casa própria; e Kactus Capital, que auxilia no desenvolvimento de um projeto de investimento no setor imobiliário com ganhos acima do mercado. A Kactus Hub já vendeu mais de R$ 250 milhões e tem mais de 500 casas e 4.600 lotes em construção e entregues.

18

Jan

Alta do material escolar pode chegar a 30%

Os gastos com material escolar deste ano vão pesar mais no bolso de pais e responsáveis. De acordo com a Associação Brasileira de Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares (ABFIAE), o aumento nos preços pode chegar a 30%, isso porque subiram os custos de indústrias e importadores com matérias-primas mais a variação do dólar. Para ajudar a reduzir as despesas, o contador e professor de Ciências Contábeis da Estácio, Alan Ribeiro, separou algumas recomendações.

“Uma das alternativas é reaproveitar os artigos que foram pouco utilizados no ano anterior, ou colocar em uso aqueles excedentes, como lápis de cor, borrachas, canetas, apontador e lapiseiras. Antes de sair às compras, faça uma lista dos itens que estão em bom estado de conservação, assim evita-se o desperdício”, indica o professor.

Para quem tem filhos com idades diferentes, é possível fazer um rodízio de materiais e livros didáticos. “Também vale a pena conversar com amigos e familiares e propor troca de livros e uniformes, estimulado o consumo consciente”, explica Alan Ribeiro. 


Outra dica para reduzir os gastos com o orçamento escolar é realizar compras coletivas. “Converse com os pais dos colegas dos seus filhos e organizem uma compra coletiva, pois os produtos poderão ser comprados no atacado”, destaca.

O professor da Estácio ressalva que a pesquisa de preços é uma importante aliada. “Faça vários orçamentos, compare os preços e condições de pagamento, e se for pagar à vista, negocie, peça desconto”, recomenda. Realizar as compras pela internet também pode ser vantajoso, mas é preciso ficar atento ao prazo de entrega para não correr o risco de as aulas começarem sem o material ter sido entregue. “Verifique a confiabilidade do site, se há lojas físicas e registro de reclamações de outros consumidores”, orienta Alan Ribeiro.   

Embora seja comum crianças e adolescentes terem suas preferências, o docente aconselha os pais a não se apegarem a marcas e personagens, o que pode encarecer o material. “Pesquise sobre promoções, produtos semelhantes a determinadas marcas, mas com a mesma qualidade e durabilidade”, propõe.

O consumidor deve observar com cuidado a lista emitida pela escola e verificar se há algum item que não é de responsabilidade dos pais, tais como: papel higiênico, detergente, álcool, copos e talheres descartáveis, grampo e grampeador, pastas, tinta para impressora, grande quantidade de papel, entre outros.

“Há uma lei federal (nº 12.886/13) que proíbe a inclusão de materiais de uso coletivo na lista. Estes materiais devem ser contemplados na mensalidade escolar”, elucida o professor. Outro ponto de atenção é que algumas escolas cobram uma taxa extra de material que os pais não são obrigados a pagar. “Mas caso efetuem o pagamento, peça que a escola apresente a lista de material detalhada contemplada por essa taxa”, informa.

18

Jan

[ARTIGO] E-commerce é fundamental para qualquer tipo de negócio em 2022

*Por André Pali

Já vivemos o suficiente durante os dois últimos anos para entender que o digital faz parte da vida do brasileiro. Não só isso, mas também se tornou claro que estratégias digitais valem a pena — é só observar todas as grandes marcas e o quanto elas investem na área. Isso inclui uma série de ações, e um dos pontos mais importantes é o varejo online.

O e-commerce já havia crescido mais de 70% em 2020, segundo o índice MCC-ENET, e gerado um volume de faturamento de R$ 87 bilhões, segundo a Ebit/Nielsen. Em 2021, o primeiro semestre já bateu recordes ao atingir R$ 53,4 bilhões em vendas, conforme dados do relatório mais recente da Ebit/Nielsen até o momento. Em número de pedidos, esse valor corresponde a cerca de 100 milhões.

Portanto, além de mais pessoas descobrindo as vantagens das compras virtuais, os consumidores que já conheciam se mantiveram ativos. Seguindo essa inclinação, a expectativa do mercado é que o crescimento continue, mesmo que de forma tímida.

O fato é que o sucesso do e-commerce não depende apenas do isolamento social que a pandemia nos obrigou a adotar, por mais que esse tenha sido um grande pontapé.


As lojas virtuais já estavam bem encaminhadas e com clientes fidelizados, e o “segredo” é justamente a fidelização. O e-commerce não costuma recuar, pois tem um público dedicado e, de certa forma, até apegado.

Todo esse potencial foi fortemente explorado durante o ano passado, resultando em ações de grande impacto, de investimentos e aquisições até iniciativas logísticas. Alguns exemplos são a inclusão do serviço SEDEX Hoje pelos Correios, que oferece entrega de encomendas no mesmo dia de envio; a compra da KaBuM! pelo Magalu em uma transação bilionária; e o plano do Carrefour de dedicar até 3 bilhões de euros para o setor de e-grocery.

Em 2022, algumas tendências ajudam o mercado a pensar em estratégias para acompanhar a evolução natural do e-commerce. Entre elas estão:

Compras mobile

Continuando no último relatório da Ebit/Nielsen, o primeiro semestre de 2021 mostrou que mais da metade do número de pedidos do e-commerce no Brasil (bem como o faturamento) foram realizados via aparelhos móveis. Em outras palavras, lojas e marketplaces otimizados para o acesso mobile são necessários para garantir pelo menos metade dos resultados.

Meios de pagamento variados

Ainda que alguns meios de pagamento mais tradicionais continuem fortes e devam ser mantidos, o ambiente digital permite uma variedade de opções que — cada vez mais — é esperada pelo consumidor. Segundo um levantamento do Opinion Box em parceria com o Banco BS2, 74% dos empreendedores identificaram o Pix como o principal método utilizado pelos consumidores, acima até mesmo de cartões de crédito e débito.

Vale lembrar que o Pix só existe há pouco mais de um ano, o que mostra a facilidade com que uma novidade pode se espalhar. Recomendo também ficar de olho nas eWallets, ou carteiras digitais — locais em que é possível guardar dinheiro e realizar transações exclusivamente na loja em questão. AC & A C&A já introduziu essa possibilidade com o C&A Pay, por exemplo.

Omnichannel e multimídia

A internet é um campo de concorrência e é difícil ser percebido. A melhor maneira de começar a se destacar é com estratégias omnichannel. Resumidamente, é como fazer com que a empresa esteja em todo lugar: nas redes sociais, nos anúncios do Google, no site e até em pontos físicos. Se existe uma loja física, aproveite-a também para divulgar o e-commerce, isso pode gerar ótimos resultados combinados.

Também é uma boa ideia aproveitar canais multimídia para se fazer presente de diferentes formas, como vídeo, imagem, texto, áudio e o que mais for possível.

Tecnologia: IA e RA

Por falar em concorrência, alguns diferenciais têm potencial para alavancar o e-commerce, e as tendências em todo o varejo apontam para o uso de tecnologia. Nesse caso, vale atentar para a inteligência artificial (IA), com possíveis aplicações na comunicação e na personalização de experiência; e também para a realidade aumentada (RA), que permite ao usuário visualizar os produtos de maneira até então inédita. Essa solução em particular vem sendo observada em lojas de roupas e de materiais para a casa (tintas, principalmente).

Outras tendências vêm surgindo e devem continuar aparecendo ao longo do ano, especialmente em segmentos específicos. Mas independentemente das novidades que façam sentido para um ou outro público-alvo, já sabemos que o e-commerce é essencial para o varejo como um todo. O brasileiro já se tornou adepto frequente das compras online — falta só as empresas acompanharem o mesmo ritmo.

*André Palis, colunista do TecMundo, trabalhava no Google antes de empreender. Fundou a Raccoon em 2013, em São Carlos, São Paulo.

17

Jan

Abertas as inscrições para o 9° Congresso de Inovação da Indústria

Estão abertas as inscrições para o 9° Congresso de Inovação da Indústria, um dos maiores eventos do gênero na América Latina, que reunirá lideranças das maiores empresas brasileiras e multinacionais da área de tecnologia e inovação. O evento é realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Esta edição acontece em formato híbrido, nos dias 9 e 10 de março, em São Paulo (SP), devido à pandemia da Covid-19. Com isso, haverá oportunidade para que pessoas em todo o mundo assistam à programação por meio de uma plataforma com capacidade para mais de 15 mil acessos simultâneos. Para participar, é preciso se inscrever no site do evento.

Faça e sua inscrição!

Inovação é chave para o crescimento sustentado

A única saída para que empresas sejam competitivas de forma sustentável é o investimento em inovação. A diretora de Inovação da CNI, Gianna Sagazio, ressalta que a inovação é imprescindível para o desenvolvimento econômico do país. “A experiência internacional demonstra que a inovação é o caminho mais curto para o desenvolvimento sustentável da economia”, afirma.

O 9° Congresso de Inovação visa promover debates sobre como criar um mundo mais sustentável, com a inovação e a educação como motores de transformação. Idealizado pela Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), o Congresso de Inovação tem como missão fazer da agenda de inovação uma estratégia de país. Criada e coordenada pela CNI, a MEI reúne cerca de 400 CEOs e lideranças das principais empresas com atuação no Brasil.

Evento terá arena virtual e discutirá megatendências em inovação

Na arena virtual, os participantes terão a oportunidade de passear virtualmente pelo espaço em 3D. Além disso, a plataforma tem um espaço para networking que permite reuniões em tempo real. Serão dois dias de evento para debater o que há de mais moderno em termos de tecnologia em 40 painéis com 26 palestrantes internacionais, de 15 diferentes países, além de 75 brasileiros.

Essa edição abordará temas como caminhos para um Brasil mais inovador, megatendências, futuro do trabalho, da alimentação, da saúde e, também, da produção de energia.

Entre os palestrantes confirmados estão o diretor de criação do Exploratorium, Thomas Rockwell; a CEO da Microsoft Brasil Tânia Consentino;  o diretor executivo de Tecnologia e Inovação da Suzano, Fernando de Lellis Garcia Bertolucci; a CEO da Bayer Brasil, Malu Nachreiner; o vice-presidente sênior da BASF para América do Sul, Antonio Lacerda; o vice-presidente e chefe de Tecnologia da Rockwell Automation, Cyril Perducat; Nina da Hora, membra do Conselho de Segurança do Tik Tok; Ana Inoue, superintendente do Itaú Educação e Trabalho; Pablo Roberto Fava, CEO da Siemens no Brasil; Rodrigo Dienstmann, CEO LATAM South da Ericsson; Luiz Tonisi, presidente para América Latina da Qualcomm; Bruno Flach, diretor do Laboratório de Pesquisas no Brasil da IBM; Daniel Moczydlower, presidente e CEO da EmbraerX; entre outros.

Evento presencial será restrito por conta de protocolos de segurança

Seguindo os protocolos de segurança, o 9° Congresso de Inovação da Indústria será no formato híbrido. Sendo assim, apenas convidados poderão estar presentes na arena montada no WTC Events Center, em São Paulo, o evento respeitará os protocolos sanitários, com uma programação exclusiva, distribuída em diferentes pontos.

A arena conterá com um palco reservado a palestras e debates com as principais referências em inovação no Brasil e no mundo. Além de lounges montados para realização de workshops, sessões privativas com palestrantes e atividades de mentoria com lideranças empresariais. O espaço destinado para networking será na modalidade “one-on-one” com reuniões agendadas via funcionalidade de matchmaking da plataforma virtual do Congresso.

17

Jan

Adesão a programa de parcelamento de débitos fiscais vai até março

Já está em vigor desde o início da semana a portaria da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN), a Portaria de número 214/2022, que institui o Programa de Regularização Fiscal de Débitos do Simples Nacional inscritos em dívida ativa da União até 31/01/2022.O prazo para adesão ao novo Programa, criado pela portaria, vai até o dia 31 de março. O processo para negociar é 100% digital e pode ser feito no portal Regularize (https://www.regularize.pgfn.gov.br/).

O Programa permite ao MEI e à MPE optante do Simples Nacional, que foram afetadas pela pandemia, melhores condições de desconto e parcelamento, como entrada de 1% do valor total do débito, dividido em até oito meses. O restante pode ser parcelado em até 137 meses, sendo cada parcela determinada pelo maior valor entre 1% da receita bruta do mês imediatamente anterior e o valor correspondente à divisão do valor consolidado pela quantidade de prestações solicitadas.

A portaria ainda prevê desconto de até 100% de juros, das multas e dos encargos legais. Esse desconto deve observar o limite de 70% do valor total do débito. Os descontos são calculados a partir da capacidade de pagamento de cada empresa. A parcela mínima é de R$ 100,00 ou de R$ 25,00 no caso dos microempreendedores individuais. No caso de Transação do Contencioso de Pequeno Valor do Simples Nacional – débitos de até R$ 72.620 - o empresário que aderir ao edital pode escolher entre as diversas opções de pagamento com condições diferenciadas de parcelamento e desconto. Essa modalidade terá validade para débitos inscritos em dívida ativa até 31 de dezembro do ano passado.

Apesar dessa iniciativa, que melhora as condições para o parcelamento dos débitos inscritos na Dívida Ativa da União, mas não é suficiente para sanar dívidas fiscais acumuladas em razão da pandemia. O Sebrae defende que  é necessário que o Congresso Nacional derrube o veto presidencial dado ao Programa de Reescalonamento do Pagamento de Débitos no Âmbito do Simples Nacional (RELP), que, na visão da instituição, auxilia muito os pequenos negócios com débitos já inscritos em Dívida Ativa da União, mas não resolve a situação dos débitos que ainda estão na Receita Federal; Por isso, entende  a importância de senadores e deputados derrubarem, assim que os trabalhos forem retomados, o veto ao PLP 46/2021.

17

Jan

Inscrições para a 1ª etapa do Revalida começam nesta segunda-feira

As inscrições para a primeira etapa do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituição de Educação Superior Estrangeira (Revalida) 2022/1 começam na nesta segunda-feira (17), no Sistema Revalida, e vão até sexta-feira (21). O exame será aplicado no dia 6 de março, em oito cidades: Brasília (DF), Campo Grande (MS), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Rio Branco (AC), Salvador (BA) e São Paulo (SP).

Ao fazer a inscrição, o participante deve indicar a cidade onde deseja realizar a prova, anexar o diploma de graduação em medicina expedido por Instituição de Educação Superior Estrangeira, reconhecida no país de origem pelo Ministério da Educação ou órgão equivalente, autenticado pela autoridade consular brasileira ou pelo processo da Convenção sobre a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros, promulgado pelo Decreto nº 8.660 de 29 de janeiro de 2016.

O resultado da análise do documento será divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) no dia 28 de janeiro. Caso o diploma enviado não esteja em conformidade com o previsto em edital, o participante não terá sua inscrição confirmada, mesmo que tenha realizado o pagamento da taxa de inscrição.

O valor da taxa de inscrição é R$ 410. O pagamento deve ser feito por meio de Guia de Recolhimento da União (GRU Cobrança) até o dia 26 de janeiro, em qualquer agência bancária, casa lotérica ou agência dos correios, obedecendo aos critérios estabelecidos por esses correspondentes bancários, assim como respeitando os horários de compensação bancária.

Atendimento especial

O participante que precisar de atendimento especializado deverá, no período da inscrição, informar a condição, como: baixa visão, cegueira, visão monocular, deficiência física, deficiência auditiva, surdez, deficiência intelectual (mental), surdocegueira, dislexia, déficit de atenção, autismo, discalculia, gestante, lactante, idoso e/ou pessoa com outra condição específica.

Também é necessário anexar, no Sistema Revalida, documento legível que comprove a condição que motiva a solicitação de atendimento. Para ser considerado válido para análise, o documento deve informar o nome completo do participante; o diagnóstico com a descrição da condição que motivou a solicitação e o código correspondente à Classificação Internacional de Doença (CID 10); assinatura e identificação do profissional competente, com respectivo registro do Conselho Regional de Medicina (CRM), do Ministério da Saúde (RMS) ou de órgão competente.

Além disso, o participante que solicitar atendimento para cegueira, surdocegueira, baixa visão, visão monocular e/ou outra condição específica e tiver sua solicitação confirmada pelo Instituto poderá ser acompanhado por cão-guia e utilizar material próprio: máquina de escrever em braile, lâmina overlay, reglete, punção, sorobã ou cubaritmo, caneta de ponta grossa, tiposcópio, assinador, óculos especiais, lupa, telelupa, luminária, tábuas de apoio, multiplano e plano inclinado. Os recursos serão vistoriados pelo aplicador, exceto o cão-guia.

Já o participante que conseguir atendimento para deficiência auditiva, surdez ou surdocegueira poderá indicar, na inscrição, o uso do aparelho auditivo ou implante coclear. Nesses casos, os aparelhos não serão vistoriados pelo aplicador.

No caso de quem solicitar atendimento para autismo e tiver o pedido confirmado pelo Inep, será permitido o uso de caneta transparente com tinta colorida para proceder as marcações, exclusivamente, em seu Caderno de Questões. O Cartão-Resposta deverá, obrigatoriamente, ser preenchido com caneta transparente de tinta preta.

Nome social

A solicitação do tratamento pelo nome social também deve ser realizada no momento da inscrição, no Sistema Revalida, pelo participante que se identifica e quer ser reconhecido socialmente por sua identidade de gênero (participante transexual ou travesti).

Para a solicitação, é necessária a apresentação dos seguintes documentos que comprovem a condição: foto atual, nítida, individual, colorida, com fundo branco que enquadre desde a cabeça até os ombros, de rosto inteiro, sem uso de óculos escuros e artigos de chapelaria (boné, chapéu, viseira, gorro ou similares); cópia digitalizada, frente e verso, de um dos documentos de identificação oficiais com foto, válido, conforme previsto em edital.

Edital

O Inep publicou o Edital nº 3/2022, que trata das diretrizes, dos procedimentos e prazos da primeira etapa do Revalida 2022/1, nessa quinta-feira, 6 de janeiro, no Diário Oficial da União.

Aplicado pelo Inep desde 2011, o Revalida busca subsidiar a revalidação, no Brasil, do diploma de graduação em medicina expedido no exterior. As referências do exame são os atendimentos no contexto de atenção primária, ambulatorial, hospitalar, de urgência, de emergência e comunitária, com base na Diretriz Curricular Nacional do Curso de Medicina, nas normativas associadas e na legislação profissional.

*Com informações do Inep, via Agência Brasil

16

Jan

Fraudes eletrônicas: estudo revela que 60% das empresas são responsabilizadas por golpes, mesmo não tendo conhecimento dos crimes

Com o aumento da demanda digital nos últimos anos, influenciada principalmente pela pandemia de Covid-19, os casos envolvendo fraudes eletrônicas estão cada vez mais presentes no dia a dia da população. Segundo pesquisa realizada pela Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), somente no primeiro semestre de 2021, os golpes de engenharia social (nos quais os dados das vítimas são usados por estelionatários digitais) aumentaram 165% no Brasil, em comparação com o segundo semestre de 2020. Um levantamento realizado pela Deep Legal, Lawtech de inteligência e gestão preditiva, aponta que apesar dos clientes serem os principais responsáveis pelo compartilhamento das informações pessoais e bancárias, em mais de 60% dos casos judicializados, as instituições são condenadas, ainda que parcialmente. 

Entre as fraudes de engenharia social mais comuns estão o ‘golpe do motoboy’, golpes no WhatsApp e o phishing (que teve crescimento de 26% nos seis primeiros meses de 2021, segundo a Febraban). Nesta modalidade, a pessoa recebe um link em nome de uma empresa com a qual mantém relacionamento ou com ofertas sedutoras e acaba fornecendo os dados pessoais e bancários sem perceber que se trata de um site falso. De acordo com Vanessa Louzada, CEO da Deep Legal, “a cada ocorrência, um novo processo jurídico é criado, pois muitas vezes a pessoa que foi lesada recorre à Justiça para ter a compensação dos prejuízos, o que gera uma demanda ao jurídico da empresa”, explica. 

O estudo feito pela Deep Legal coletou informações de diferentes bancos de dados do judiciário brasileiro, em cerca de mil processos em curso envolvendo fraudes eletrônicas. Em mais de 60% das decisões judiciais, as empresas foram condenadas de alguma forma a ressarcir os clientes. “Apesar do investimento das instituições e empresas de varejo em campanhas de orientação e na detecção do uso irregular de seus nomes e logomarcas, neste tipo de prática, o que está na mira do estelionatário digital é a desatenção do público que é levado pelo impulso em uma oferta tentadora, por isso é importante conhecer as modalidades de fraudes e a tendência de resultado das ações”, destaca Vanessa Louzada. 

Ainda segundo o levantamento da Deep Legal, as instituições financeiras e de pagamento (de diferentes portes) são as mais demandadas na Justiça por casos de fraudes eletrônicas, seguidas por empresas de telefonia e do varejo. 

Com o volume de golpes em ascensão e cada vez mais sofisticados, a especialista defende a necessidade de as empresas investirem em orientação e campanhas educativas, alertando continuamente seus clientes sobre os cuidados com operações eletrônicas. “O uso de Legal Analytics apoia o jurídico das empresas a conhecerem com amplitude e profundidade as ações em andamento e, com isso, preparar a defesa adequada, além de implementar melhorias internas, a fim de evitar condenações futuras e o surgimento de antigas e novas modalidades entre seus clientes”, afirma. 

15

Jan

Os principais influenciadores de finanças do Brasil e como impactam o mercado

Os últimos dois anos foram um boom no setor de mídia social, considerando o bloqueio que as pessoas enfrentaram durante a pandemia global COVID. As gerações mais jovens contribuem significativamente para o sucesso das plataformas de mídia social hoje. Além disso, eles estabeleceram que não apenas as celebridades podem atrair a atenção da população global.

Embora nomes famosos como Elon Musk e Jack Dorsey ainda tenham seguidores significativos nas redes sociais, o mesmo acontece com os futuros criadores de conteúdo criativo. A empresa Meta, antigo Facebook, ainda é a plataforma de mídia social mais usada em todo o mundo, incluindo Whatsapp e Instagram. A empresa tem mais de 3 bilhões de usuários, representando metade da população global. Não obstante, plataformas futuras como o Tiktok fazem parte das plataformas convencionais da Internet hoje.

No entanto, como esse fator influencia os mercados financeiros? Considerando que as criptomoedas e a tecnologia de blockchain são um potencial futuro para perturbar o setor econômico global, as plataformas de mídia social desempenham um papel significativo na divulgação de informações e algumas pessoas se tornaram protagonistas e verdadeiros líderes de mercado, que com alguns ‘’tweets’’ ou ‘’stories’’ podem impactar mercados e até mesmo ajudar a valorizar empresas nas bolsas de valores. 

Geração mais jovem no mundo financeiro

É inegável que as gerações mais novas estão mais expostas ao que o espaço financeiro acarreta. A Geração Z, como é o nome usado para se referir à última geração, estuda a maioria dos incidentes que acontecem na comunidade global por meio da Internet.

Como tal, crypto e blockchain têm mais a ganhar com essa situação. Enquanto os entusiastas das finanças tradicionais declaram os ativos digitais como uma farsa e um risco desnecessário, as novas gerações estão tirando o melhor proveito disso. Tal situação é claramente visível no grande número de jovens que se tornam milionários antes dos 25 anos e compartilham como fizeram isso nas redes sociais. Mas cuidado, antes de dar atenção a um influenciador, é imprescindível saber comparar um verdadeiro influenciador com conteúdos de qualidade daqueles que compartilham conteúdos falsos ou de pouca utilidade. 

Mas essa vida de fortuna defendida por tantos influenciadores, investidores e empreendedores famosos é real e nomes como Thiago Nigro, Carlos Magno, Nathalia Arcuri, Luiz Fernando Roxo e tantos outros comprovam que fortunas podem ser criadas do zero a partir de educação financeira, desenvolvimento pessoal e organização de tempo.

Os influenciadores mais importantes do setor financeiro do país usam suas redes sociais para promover conteúdos educacionais que encorajam milhões de novas pessoas a iniciarem as operações todos os anos em bolsas de valores do Brasil, exterior e criptomoedas. Em 2021, o número de investidores ativos na Bolsa de São Paulo atingiu 3,8 milhões e dados da B3 apontam que 60% desses investidores consomem conteúdos de finança através das redes sociais. 

Veja quem são os principais influenciadores do setor financeiro no Brasil: 


Thiago Nigro - Fundador do canal Primo Rico, Nigro era sócio de uma empresa de assessoria de investimentos até vender sua parte no negócio, em 2017 – mais ou menos um ano após criar o canal que lhe deu fama. Atualmente, a sua empresa é conhecida como Grupo Primo e está em crescente expansão, incluindo a Finclass, uma plataforma de aulas sobre finanças e investimentos com alto nível de produção audiovisual, e a Staage, plataforma de marketing. 

Nathalia Arcuri é a fundadora do Me Poupe!, a primeira plataforma de entretenimento financeiro do Brasil. Seu império, que inclui cursos de finanças, canal no YouTube, dois livros, podcast e conteúdo para blog e redes sociais, impacta mais de 21 milhões de pessoas por mês e faturou R$ 22 milhões somente em 2019. Com uma dose de humor, ela apresenta todo tipo de assunto sobre finanças de forma descomplicada. 

Gustavo Cerbasi é um consultor financeiro especialista em inteligência financeira. Autor de 15 livros, incluindo “Casais Inteligentes Enriquecem Juntos”, que deu origem à trilogia “Até que a Sorte nos Separe”, Cerbasi é considerado a maior referência brasileira em educação financeira e oferece palestras e aulas tanto para quem quer saber como investir na bolsa quanto para quem quer negociar dívidas ou saber como organizar a vida financeira.

Carlos Magno - Formado em Direito pela FMU, Carlos deixou a carreira de advogado para viver como investidor. Com 26 anos, tem uma história inspirada e sua fortuna foi criada do zero a partir de conteúdos educacionais de investimentos e uma alta rentabilidade em investimentos variados. Ele ministra uma das principais mentorias para novos investidores do Brasil, a ‘’MVI’’. Em 2021 ele figurou nas listas dos brasileiros que mais faturaram no ano. 

Bruno Perini é o fundador do canal Você MAIS Rico que começou como um blog em 2013. Posteriormente, em 2016, virou também canal no YouTube. Ambos foram criados com a finalidade de aumentar a renda rumo ao 1 milhão. O canal possui mais de meio milhão de inscritos e Bruno também é muito forte no Instagram com cerca de 1,5 milhões de seguidores. 

14

Jan

Em ano histórico, pequenas e médias empresas movimentam R$ 2,3 bilhões no e-commerce

Mais maduras no ambiente digital do que nunca, as pequenas e médias empresas (PMEs) tiveram um desempenho histórico no e-commerce em 2021. De acordo com um levantamento da startup Nuvemshop, que ajuda lojistas a migrarem para o online, esses negócios movimentaram cerca de 2,3 bilhões de reais me vendas digitais no último ano, uma alta de 77% em comparação ao volume de 2020.

Seguindo a tendência vista em 2020, muitos consumidores foram às compras pela internet pela primeira vez em 2021 — 5 milhões, de acordo com a startup. Nesse ritmo, o volume de pedidos saltou de 6 milhões para 10,5 milhões no último ano. Já o número de produtos comercializados por PMEs cresceu 59%, para 44,5 milhões de itens.

A Black Friday, importante data do varejo nacional, foi o ponto alto das pequenas empresas em 2021. O estudo mostra que esse foi o período com maior quantidade de lojistas realizando ações promocionais na internet — mais de 60% das PMEs foram ativas na data. Em seguida, as datas mais relevantes foram o Natal (29,5%) e o Dia das Mães (26,5%).


A Nuvemshop destaca o crescimento de alguns setores que, até pouco tempo, ocupavam uma pequena fatia do faturamento dos pequenos negócios na internet. Um deles é o segmento de bíquinis e roupas de banho, que teve uma alta de 154%, como consequência da retomada das viagens e pequenas reuniões. O avanço da vacinação, segundo a empresa, também foi crucial para o acréscimo nas vendas de materiais de escritório: o aumento foi de 156%.

Os 5 segmentos com maior faturamento no e-commerce em 2021

● Moda (R$ 895,4 milhões)

● Saúde & Beleza (R$ 146,5 milhões)

● Acessórios (R$ 114 milhões)

● Eletrônicos (R$ 82 milhões)

● Casa & Jardim (R$ 79 milhões)

Em relação aos métodos de pagamento, o cartão de crédito concentrou a maior parte dos pedidos (54%). O destaque, no entanto, está nos pagamentos feitos com Pix (6%), que ultrapassaram os que foram pagos com boleto (5%).

O que esperar em 2022

O bom desempenho dos pequenos negócios no e-commerce, mesmo em paralelo à retomada do varejo físico, é um sinal de que o digital não perderá a relevância. Pelo contrário. A tendência é que sejam criados novos modelos de negócios, a partir da união dos dois modelos de venda — físico e online.

"Em 2021, ter uma loja online deixou de ser uma alternativa e passou a ser uma condição fundamental para as PMEs. Saímos de 2020, um ano marcado pela intensa transformação digital, e chegamos em 2021, época de consolidar a presença no mundo online”, explica Alejandro Vázquez, CCO e cofundador da Nuvemshop.

Fonte: Exame, disponível em: https://exame.com/pme/pmes-movimentam-dois-bilhoes-ecommerce-2021/


14

Jan

IMD seleciona bolsista para Diretoria de TI; saiba como participar

O Instituto Metrópole Digital (IMD/UFRN) abriu inscrições para seleção de bolsista de apoio técnico e administrativo para a Diretoria de Tecnologia da Informação (DTI). É oferecida uma vaga para a área de Desenvolvimento de Sistemas – levantamento de requisitos e testes.

As inscrições, que podem ser feitas por meio do portal Jerimum Jobs, seguem abertas até o dia 19 de janeiro. A vaga é destinada a estudantes matriculados no IMD, Centro de Tecnologia (CT), Centro de Ciências Exatas e da Terra (CCET) ou Escola de Ciências e Tecnologia (ECT).

A bolsa tem remuneração de R$ 600 e carga horária de 20 horas semanais. Para participar da seleção, o candidato deve ter conhecimentos em levantamento e análise de requisitos, testes de software, entre outros pré-requisitos elencados no Anexo I do Edital nº 001/2022.

Seleção

O processo de seleção será realizado em duas etapas: análise curricular e entrevista. A segunda acontecerá por meio da plataforma Google Meet, em data e horário informados pelo e-mail que o candidato forneceu no ato da inscrição.

A divulgação do resultado final está prevista para o dia 3 de fevereiro, no site do IMD, aba “Editais”.

14

Jan

Balança comercial do RN registra superávit de US$ 180 milhões em 2021

As negociações do Rio Grande do Norte no mercado internacional atingiram em 2021 um volume de US$ 847,8 milhões na corrente de comércio, que é o somatório das exportações e importações, e a balança comercial potiguar encerrou o ano com um superávit de US$ 180,3 milhões. Esse resultado foi 12,5% maior que o saldo da balança em 2020, quando o estado registrou superávit de US$160,3 milhões. O bom desempenho do comércio exterior de um ano para o outro é resultado de altas nas importações, que cresceram mais de 85%, e nas exportações, cujo volume de envios ao mercado externo ultrapassou a marca de US$ 514,1 milhões, o maior verificado desde 2017.

Isso é o que aponta a edição deste mês, contendo os dados de 2021, do Boletim da Balança Comercial do RN, um informativo elaborado pela Unidade de Gestão Estratégica do Sebrae no Rio Grande do Norte com base nas informações da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia. O boletim acompanha a evolução do comércio exterior do estado mês a mês, assim como as operações de compra e venda de mercadorias no mercado internacional durante série histórica, que leva em consideração os cinco últimos anos. O material está disponível para consulta e download no Portal do Sebrae (www.rn.sebrae.com.br).

As remessas de produtos para o exterior apresentaram um crescimento de 50,8% em relação ao ano de 2020, quando o Rio Grande do Norte exportou US$ 340,7 milhões contra os US$ 514,1 milhões do ano passado. Esse aumento nas exportações é o maior dos últimos cinco anos e se deve muito à entrada de um novo produto no topo da pauta de exportação potiguar: o óleo combustível derivado do petróleo.


Também chamado de fuel oil, o óleo de petróleo passou a ser exportado, principalmente para Singapura, ainda no primeiro semestre de 2021 e fechou o ano ocupando a primeira posição no ranking de produtos mais exportados com um volume de US$ 182,6 milhões. Isso equivale a mais que o total importado pelo Estado em 2020.

O óleo combustível, atipicamente, desbancou o melão, que tradicionalmente era o produto mais exportado do Estado. Em 2021, as exportações de melão totalizaram US$ 103,8 milhões, enquanto as de melancia somaram 37,9 milhões. Os principais destinos as mercadorias do Rio Grande do Norte foram Singapura, Holanda, Estados Unidos, Reino Unido e Espanha.

Já as importações potiguares tiveram um crescimento de mais de 85% em relação a 2020. O total importado no ano passado chegou a US$ 333,7 milhões contra US$ 180,3 milhões. O trigo e as misturas com centeio continuam sendo os itens mais importados pelo Estado e totalizaram um volume de US$ 58,1 milhões no ano passado. O segundo item da pauta de importação do Rio Grande do Norte está diretamente relacionado a uma cadeia produtiva que vem se desenvolvendo nos últimos anos no estado: o setor de energia fotovoltaica. A importação de painéis solares totalizou US$ 56,1 milhões em 2020.

O terceiro item mais importado também é da área de energias renováveis, equipamentos elétricos para energia eólica, cujo volume importado no ano passado chegou a US$ 45 milhões, seguidos das torres eólicas, com um volume de US$ 25,3 milhões. Os principais parceiros comerciais do Rio Grande do Norte na aquisição de produtos ao longo do ano passado foram China, Argentina, Estados Unidos, Espanha e Alemanha.

Foto: Bruna Justa

14

Jan

Investimentos em startups brasileiras chegam a US$ 9,4 bi em 2021

Em 2021, as startups brasileiras receberam US$ 9,43 bilhões em investimentos, distribuídos em um total de 779 transações, de acordo com o mais recente Inside Venture Capital, relatório produzido pelo Distrito, em parceria com o Bexs. O valor foi 2,5 vezes maior do que o realizado em 2020. Só em dezembro, foram US$ 555 milhões aportados. Além disso, o último ano também bateu o recorde no número de novos unicórnios, startups com valor de mercado superior a US$ 1 bilhão. No total, foram dez empresas: MadeiraMadeira, Hotmart, C6, Mercado Bitcoin, Unico, Frete.com, CloudWalk, Merama, Facily e Olist. Com isso, o Brasil já soma 21 empresas unicórnios.

Segundo Gustavo Gierun, cofundador e CEO do Distrito, o que levou à alta dos investimentos em 2021 foi a digitalização das empresas, aceleradas em grande parte pela pandemia. “O ano de 2021 foi a consolidação dessa tendência, em que ficou claro que não se tratava de algo momentâneo, e sim de um processo contínuo e sem volta”. O executivo afirma que esse cenário, somado à alta liquidez do mercado, criou a conjuntura perfeita para que os investimentos acontecessem.

De acordo com o relatório do Distrito, o setor que recebeu o maior volume de investimentos foi o de fintechs, que captou US$ 3,7 bilhões no ano passado em 176 rodadas; seguido pelas retailtechs, com US$ 1,3 bilhão aportado em 87 transações; e pelas real estate, que captou US$ 1,07 bilhão em 32 rodadas. Também se destacaram as startups de saúde, que levantaram US$ 530 milhões ao longo de 69 negociações; e as de mobilidade, que receberam US$ 411 milhões em 20 transações.

Para Gierun, o destaque das fintechs se deve ao seu próspero histórico no ecossistema de inovação brasileiro. “É um setor com muita oportunidade para disrupção e com uma legislação que tem evoluído no sentido de facilitar o surgimento de novos produtos e serviços. Assim, é um mercado consideravelmente grande, com mais startups do que setores como educação, por exemplo, o que naturalmente atrai mais investidores”. O CEO relembra que uma das maiores empresas brasileiras da atualidade é o Nubank, fintech que foi responsável por fatia considerável do volume captado por startups financeiras no ano, com aporte de US$ 1,15 bilhão em rodada de série G, alguns meses antes de abrir capital.


O Inside Venture Capital revelou que as startups em estágio inicial concentraram a maior quantidade de aportes. Em fase Seed, foram 279 transações, somando US$ 320 milhões, e 200 transações em Pré-Seed, que arrecadaram US$ 47 milhões. As rodadas mais avançadas foram responsáveis pelos maiores volumes de investimentos. As 27 transações de série C do ano captaram US$ 2,04 bilhões, e as 51 rodadas de série B levantaram US$ 1,92 bilhão.

O número de fusões e aquisições também foi recorde. Em 2021, 247 startups foram compradas ou fundidas por outras empresas e a maior parte das transações foi realizada por outras startups, que, pela terceira vez consecutiva, superaram empresas incumbentes em aquisições. As mais procuradas foram as fintechs (44), martechs (27), retailtechs (26), edtechs (19) e healthtechs (19).

Crescimento histórico

Desde a criação do relatório, em 2011, o volume de investimentos cresceu mais de 60 vezes. Em 2011, foram aportados US$ 147 milhões ante os US$ 9,4 bilhões no ano passado. Para o cofundador e CEO do Distrito, o crescimento exponencial de investimentos em startups aponta justamente para o amadurecimento de todo o ecossistema no Brasil. “Temos startups muito preparadas, fundadores experientes, uma grande variedade de produtos inovadores e soluções diferentes. Temos também regulamentações avançando para a inovação, investidores dispostos a entrar no mercado e com conhecimento para agregar às startups nos mais variados segmentos e estágios, além de terreno fértil com muitas oportunidades para negócios disruptivos”, comenta.

A partir de 2018, diz o executivo, fundos de investimento estrangeiros começaram a olhar com mais atenção para a América Latina, a exemplo de Softbank e Tiger Global Management, participando de rodadas robustas no Brasil. “Temos toda uma cadeia mais madura, em que até os consumidores estão mais abertos para soluções tecnológicas que resolvem dores do dia a dia”, afirma.

Fonte: Meio e Mensagem

Disponível em: https://www.proxxima.com.br/home/proxxima/noticias/2022/01/14/investimentos-em-startups-brasileiras-chegam-a-us-94-bi-em-2021.html

13

Jan

Cabo Telecom segue oferecendo tecnologia de ponta aos potiguares em 2022

Depois de fechar o ano de 2021 com forte crescimento e expansão, a Cabo Telecom, empresa potiguar de telecomunicações, aposta em investimentos em tecnologia de ponta e no lançamento de novos produtos para 2022. Também estão incluídos no planejamento a expansão da marca para o estado vizinho da Paraíba e o incremento da qualidade de atendimento e velocidade de conexão aos clientes já atendidos, um dos diferenciais em relação às concorrentes de mercado. 

Durante o ano  passado, foi registrado um crescimento significativo no número de assinantes da Cabo Telecom, seguindo a linha de evolução das marcas integrantes do Grupo Conexão. Um dos principais fatores responsáveis por isso foi a expansão dos serviços para a região metropolitana de Natal, com a aquisição da Cortez Online e a chegada no agreste.

Para Cláudio Alvarez, diretor-presidente da empresa, a aquisição da Cortez Online fez com que a Cabo chegasse a novos lares, para além do perímetro da região metropolitana. “Em 2021, alcançamos e conectamos muitos potiguares, chegando a outros lugares, oferecendo velocidade de conexão e tecnologia de ponta a regiões onde ainda não estávamos presentes, como o município de Goianinha e o litoral sul e a cidade de Nova Cruz, na região agreste”, comemora o executivo.

Os planos para 2022 são ainda maiores: a Cabo Telecom irá inaugurar, ainda neste primeiro trimestre, uma filial na cidade de João Pessoa, Paraíba. Segundo o diretor-presidente, além da expansão dos negócios para o estado vizinho, a empresa ainda prevê a ampliação para outros municípios potiguares e a conclusão da mudança de tecnologia dos clientes antigos, que passará a ser 100% fibra óptica em todas as regiões atendidas.


“Temos planos de expansão nas áreas em que atuamos e continuaremos oferecendo os melhores atendimento e suporte técnico, que são o nosso grande diferencial. Dessa forma, fidelizamos os antigos e conquistamos novos clientes”, afirma Cláudio Alvarez.

Atualmente, a Cabo Telecom atende aos municípios de Natal, Parnamirim, São Gonçalo do Amarante, São José de Mipibu, Nísia Floresta, Monte Alegre, Brejinho, Goianinha, Tibau do Sul, Canguaretama, Santo Antônio, Extremoz e Macaíba, sendo que nessas duas últimas apenas clientes corporativos.

13

Jan

DNA Center passa a realizar testes, temporariamente, somente com agendamento online

O DNA Center informa que de hoje, quinta (13) até domingo (16), os testes de Covid-19 nas unidades Drive Thru do DNA Center só serão realizados mediante agendamento prévio, por meio do Whatsapp (84) 4007-2595. Excepcionalmente, não estão sendo realizados exames de Covid sem agendamento. 

A medida é temporária e se faz necessária diante do crescimento exponencial da demanda. Diante do grande número de exames realizados, poderá ocorrer, eventualmente, a liberação de resultados em prazo superior a 24 horas.


O DNA Center está reorganizando sua estrutura de atendimento presencial, bem como online, distribuição de pessoal e aquisição de insumos com o objetivo de garantir a excelência do atendimento reconhecida e atestada pelos potiguares, para que seja superada, junto da sociedade, mais essa etapa desafiadora da pandemia.