Tecnologia

26

Nov

Estudo mostra que pandemia intensificou uso das tecnologias digitais

A pandemia de covid-19, declarada pela Organização Mundial da Saúde em março de 2020, intensificou o uso de tecnologias digitais no Brasil, passando de 71% dos domicílios com acesso à internet em 2019 para 83% no ano passado, o que corresponde a 61,8 milhões de domicílios com algum tipo de conexão à rede.

Os dados são da Pesquisa sobre o uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nos domicílios brasileiros (TIC Domicílios) 2020,  divulgados em livro ontem (25) pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br), do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), órgão do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br).

O coordenador do CGI.br, Márcio Migon, explica que a internet e os dispositivos móveis passaram a desempenhar papel central durante a pandemia, possibilitando a continuidade de atividades empresariais com o home office, do comércio com as vendas online, prestação de serviços públicos, atividades educacionais com o ensino remoto e de saúde com as teleconsultas. Porém, ele destaca que as desigualdades sociais foram agravadas pelas diferenças no acesso à tecnologia.

“As presentes publicações apresentam um cenário atualizado da adoção da internet no Brasil durante a pandemia de covid-19 e oferece um diagnóstico detalhado dos desafios para o avanço da inclusão digital. Ao mesmo tempo, a vida digital permitiu muitas possibilidades, inclusive abrindo fronteiras para uma parcela da sociedade, por um lado. Por outro lado, a diferenças e as dificuldades de acesso se mostraram ainda mais graves, agravando as fraturas sociais e as desigualdades. É preciso diagnóstico para que possamos implementar políticas públicas que venham ao encontro de reduzir essas diferenças”.

De acordo com o diretor-presidente do NIC.br, Demi Getschko, o núcleo detectou o grande aumento de tráfego na rede, levando São Paulo ao primeiro lugar no mundo.

“Nós passamos pela pandemia com um grande aumento de tráfego, principalmente nos pontos de troca de tráfego [PTTs]. A internet brasileira suportou essa demanda adicional, tivemos a boa informação de que o PTT de São Paulo atingiu o primeiro lugar do mundo, passando o PTT de Frankfurt, que era o líder. E estamos nos municiando para continuar atendendo as demandas com a qualidade esperada e esperando que, na verdade, o cenário seja mais promissor daqui para frente”.

Também foram lançadas hoje os livros das pesquisas TIC Educação 2020 e da TIC Kids Online Brasil 2020, além do Estudo Setorial Educação e tecnologias digitais: desafios e estratégias para a continuidade da aprendizagem em tempos de covid-19. Os principais dados foram apresentados no evento online Inclusão digital e desafios pós-pandemia, disponível noYoutube. Todas as pesquisas estão disponíveis no site do Cetic.br.

Uso da internet

O integrante do Cetic.br Fábio Storino destacou que a migração das atividades de ensino, trabalho, lazer e serviços públicos para o mundo online se refletiu no aumento da conectividade nos domicílios no ano passado.

“Esse aumento foi mais expressivo na classe C, onde em 2015 pouco mais da metade dos domicílios contavam com internet, passa dos 90% em 2020. Nas classes D e E, em que a diferença em relação às classes A e B era de 83 pontos percentuais, isso reduz em 2020 para 36 pontos percentuais, né? Então, mostrando ao mesmo tempo um cenário de redução das desigualdades, mas ainda em patamares desiguais entre as classes. Nós também identificamos uma redução das desigualdades entre as regiões do país, mas esse acesso nos domicílios ele ainda é desigual”.

Teletrabalho, home office ou trabalho remoto.

De acordo com Storino, a pesquisa mostrou que a presença do computador se tornou uma questão relevante, com acesso muito desigual. Enquanto o equipamento está presente em 100% dos domicílios da classe A, ele está em apenas 13% das classes D e E.

Ao todo, 81% da população brasileira é usuária da internet, mas o acesso às diferentes tecnologias é muito desigual, segundo a TIC Domicílios. A presença da fibra ótica chegou a 56% das casas em 2020, sendo de 59% nos domicílios urbanos e 29% nos rurais. Por classe social, a fibra está em 83% da classe A e em 38% das classes D e E. Já o acesso exclusivamente pelo telefone celular foi de 11% na classe A e chegou a 90% nas D e E, ficando numa média geral de 58%.

Educação

A integrante do Cetic.br Daniela Costa apresentou ontem os dados do livro da TIC Educação. Segundo a pesquisa, os gestores escolares disseram que enfrentaram diversas dificuldades durante a pandemia, como a mediação da aprendizagem realizada pelos pais e responsáveis no domicílio dos estudantes e a carga de trabalho dos professores, que aumentou com o uso de tecnologias e preparação de aulas remotas.

“Mas um dos principais desafios enfrentados pelas escolas durante este momento de aulas remotas foi justamente a falta de dispositivos e de acesso à internet nos domicílios dos estudantes, que apresentou proporções ainda maiores nas áreas rurais e nas escolas públicas estaduais e municipais”, explica Costa.

O uso de plataformas para atividades de ensino e aprendizagem nas escolas urbanas subiu de 22% em 2016 para 66% em 2020 e 82% das escolas brasileiras possuem acesso à internet, sendo de 98% nas áreas urbanas e de 52% nas rurais. Entre as regiões do país, o acesso nas escolas varia de 51% no Norte a 98% no Centro-Oeste. “A diferença também é verificada se a escola está em uma capital ou no interior e se é de maior ou de menor porte”, detalha a pesquisadora.

Para o pesquisador do Centro de Desenvolvimento da Gestão Pública e Políticas Educacionais da Fundação Getulio Vargas (FGV/DGPE) João Marcelo Borges, a pandemia mostrou que o acesso à internet deixou de ser um bem importante para ser um direito essencial. E as pesquisas demonstraram que o país está longe de diminuir as desigualdades sociais.

“O que a gente aprendeu com a pandemia e as desigualdades no acesso às tecnologias de informação e comunicação é que, se nós não enfrentamos desigualdades anteriores, novos desenvolvimentos da sociedade vão não só agravar aquelas, mas reproduzir-se em novos campos. Nós vimos que as desigualdades, que são a marca principal socioeconômica da sociedade brasileira, marcaram a resposta do país à pandemia e vão marcar, necessariamente, o desenrolar dos próximos passos tanto para estudantes como para o sistema de ensino”.

Já pesquisa TIC Kids Online Brasil buscou gerar evidências sobre oportunidades e riscos associados ao uso da Internet para crianças e adolescentes de 9 a 17 anos, trazendo um relatório de análises especial com cruzamento de dados e recorte específico para a faixa etária, incluindo a questão da privacidade. Outro levantamento apresentado, o Estudo Setorial Covid faz uma reflexão sobre a pandemia e os desafios para a pós-pandemia, com artigos de especialistas e acadêmicos.

Fonte: Agência Brasil / Foto: Marcelo Camargo

25

Nov

Pesquisa aponta que 2 a cada 3 brasileiros têm medo de comprar com Pix

Com a proximidade da Black Friday 2021, que ocorre sexta-feira (26), muitas lojas esperam grandes vendas, principalmente com a adoção em massa pela população brasileiro do Pix, sistemas de transferências instantâneas do Banco Central. Mas o que muitos varejos não estão levando em conta é a insegurança de muitos clientes em usar essa forma de pagamento.

Uma pesquisa sobre hábitos de compras online dos tupiniquins, realizada às vésperas da Black Friday, entre os dias 3 e de 16 novembro, revelou que 66% dos entrevistados têm medo de fechar a aquisição com Pix, número equivalente a dois de cada três brasileiros. O levantamento, feito pela PSafe, ouviu 8.606 usuários do aplicativo dfndr security, e as projeções utilizam como base a quantia consumidores como sistema Android no país, que seriam 131,1 milhões de pessoas.

A pesquisa revelou ainda que 55% dos entrevistados não possuem Pix cadastrado em seu CPF e 81% não confiam em fazer transferências bancárias utilizando o WhatsApp. O levantamento também mostrou que 80% das pessoas afirmaram não se sentirem seguras ao colocarem seus dados pessoais e bancários em sites de compras e o método de pagamento preferido são os boletos.

"Essa desconfiança é justificável. Somente neste ano, nós já alertamos para três grandes vazamentos que expuseram indevidamente os dados de mais de 223 milhões de pessoas. Estamos falando de nomes, CPFs, endereços, entre outros. De posse de tantos dados, os cibercriminosos conseguem cada vez mais criar golpes customizados, dificultando a distinção entre o que é falso e real" afirma Emilio Simoni, executivo-chefe de segurança da PSafe

Além disso, os golpes do Pix também assustam a população, se juntando com estimativas que na Black Friday 2021, cerca de 34 mil tentativas de fraudes serão realizadas durante a data, colaborando com o medo dos brasileiros.

Phishing em alta

A pesquisa também mostra que o phishing é o meio preferido dos criminosos virtuais para tentarem fisgar as vítimas durante a Black Friday, com a PSafe afirmando ter bloqueado mais de 1,1 milhão de tentativas de golpes relacionados ao evento em 2021.

Além disso, fora da Black Friday, projeções da PSafe indicam que, nos dez primeiros meses de 2021, mais de 150 milhões de pessoas já podem ter sido vítimas de phishing.

Para evitar tanto a ocorrência de golpes de phishing quanto para passar mais segurança a população quanto ao Pix, especialistas do dfndr lab, laboratório especializado em cibersegurança da PSafe, compartilharam algumas dicas para ajudar na proteção digital:

  • Tenha sempre uma solução de segurança capaz de detectar links maliciosos em tempo real no WhatsApp, Facebook Messenger, SMS e navegador;
  • Evite clicar em links de fontes desconhecidas, especialmente os que forem compartilhados via aplicativos de troca de mensagem e redes sociais;
  • Crie o hábito de duvidar das informações compartilhadas na internet, principalmente quando se tratar de supostas promoções, brindes, descontos ou até promessas de emprego;
  • Nunca informe dados sensíveis em links de procedência duvidosa;
  • Procure sempre confirmar a veracidade das informações nas páginas e sites oficiais das marcas.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/seguranca/pesquisa-aponta-que-2-a-cada-3-brasileiros-tem-medo-de-comprar-com-pix-202741/

24

Nov

SENAI lança programa gratuito de formação em tecnologias de nuvem com Google Cloud

Entre as tecnologias de transformação digital, como internet das coisas, robótica, big data e inteligência artificial, a computação em nuvem deverá alcançar as maiores cifras de investimento nos próximos anos. Segundo a Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), serão R$ 181,9 bilhões até 2024, com um crescimento de 28% ao ano, investidos em serviços, plataformas e softwares que podem ser acessados de qualquer lugar com conexão à internet.

A nuvem já é um elemento-chave no nosso dia a dia e na infraestrutura de Tecnologia da Informação (TI) das empresas, que precisarão, cada vez mais, de especialistas na área. De acordo com um levantamento recente, 80% dos tomadores de decisão das empresas na América Latina reportam faltas deste tipo de talento na hora de expandir seus times. Pensando na formação desses profissionais, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), referência em educação profissional e tecnológica, trabalhará em conjunto com Google Cloud.

Google Cloud Computing Foundations é uma série de quatro cursos on-line com uma carga horária total de 40 horas para apresentar os conceitos da computação em nuvem. Interessados em trabalhar com infraestrutura, análise de dados e desenvolvimento de aplicações que rodam na nuvem não podem perder essa oportunidade: são 2 mil vagas e as inscrições terminam no dia 5 de dezembro.

As aulas, que serão disponibilizadas a partir de segunda-feira (29) na plataforma Qwiklabs, contarão com instrutores para tirarem dúvidas. O aluno terá 60 dias para terminar a formação.

Todos que concluírem os quatro cursos receberão digital badges, para compartilhar em sua rede e no currículo, e um voucher de desconto para a certificação internacional Cloud Architect. Ao concluir a certificação, eles poderão participar de eventos onde Google Cloud convida estudantes e empresas que estão procurando este tipo de talento para inserção no mercado de trabalho.

Novas profissões e demanda crescente

Nos últimos anos, com a incorporação de diferentes tecnologias na indústria e as mudanças no trabalho, o SENAI não só adaptou cursos transversais e tradicionais para estarem mais alinhados às inovações do setor, como mecânica, eletrotécnica e logística, como também passou a oferecer novos cursos.

A oferta para indústria 4.0 abrange áreas como computação em nuvem, inteligência artificial, big data, internet das coisas, blockchain, manufatura aditiva e cibersegurança. Profissionais formados, seja em um curso técnico ou em uma especialização, serão cada vez mais demandados.

É o que mostra estudo da Agência Alemã de Cooperação Internacional (GIZ) em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e o SENAI. Entre as profissões emergentes nos próximos anos, está o especialista em cloud, que se junta a carreiras como programador, engenheiro de banco de dados, especialista em digitalização industrial e profissional de manufatura aditiva.

22

Nov

Meta anuncia startups selecionadas para soluções no agronegócio brasileiro

A segunda edição do Campo Digital, que busca soluções para o agronegócio brasileiro com foco em pequenos e médios produtores, já selecionou as dez startups que vão participar do projeto. A iniciativa é o primeiro programa de aceleração de startups da Meta para identificar soluções para a agricultura na América Latina e tem a Baita Aceleradora, sediada no Parque Tecnológico da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), como parceira.

Os projetos foram avaliados por especialistas da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), da Embrapa Agricultura Digital, da Inova Unicamp, da Unifei e do Instituto de Pesquisas Eldorado. Na escolha, foram considerados a relevância das propostas e o atendimento aos objetivos do programa: melhorar produtividade, eficiência ou sustentabilidade no campo.

Carolina Ferracini, gerente de políticas públicas da Meta, diz que o apoio a pequenos negócios é chave nos esforços para o desenvolvimento de comunidades locais. "Quando falamos em agronegócio, diversas soluções atendem às grandes propriedades, mas não são acessíveis aos pequenos”, aponta. “Nosso objetivo é fortalecer empresas que pensam e produzem inovação para que tragam mais eficiência e escala para o pequeno produtor, ao longo de toda a cadeia de produção."

Como é o programa de startups da Meta no Brasil

Nos próximos quatro meses, as startups participarão de sessões de mentoria conduzidas pela Baita e pela Meta, orientação para definir objetivos e avaliar o modelo de negócio, palestras, workshops e networking com investidores, hubs e profissionais do agronegócio.

Além disso, as empresas receberão capacitação técnica de especialistas da Esalqtec, incubadora de empresas da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (Esalq), da Universidade Federal de Itajubá, do Instituto de Pesquisas Eldorado e da Unicamp. Todas essas instituições são reconhecidas pela formação de profissionais e pelo desenvolvimento de tecnologia para o agronegócio.

O programa termina em abril de 2022. Nesse momento, as startups definirão, em conjunto com a Baita, os próximos passos para oferecer suas soluções de forma independente. No Demoday, que marca a conclusão do programa, os fundadores das empresas apresentarão seus modelos de negócio para especialistas e investidores do agronegócio. Veja, a seguir, as startups selecionadas.

1. AgroForte, de São Paulo (SP)
Usa uma plataforma 100% digital para oferecer crédito rápido e sem burocracia para pequenos e médios produtores das cadeias de proteína animal.

2. Fuga pras Colinas, de Tapiraí (SP)
Especialista em orientar os produtores no acesso de internet de boa qualidade no campo.

3. Autoponia, de Itajubá (MG)
Digitaliza o cultivo hidropônico e permite monitoramento 24 horas, controle automático da nutrição e relatórios com análises gráficas.

4. Fazenda Cheia, de Florianópolis (SC)
Leva tecnologia ao rebanho para acelerar a produtividade de pequenos e médios produtores rurais.

5. Agrity, de Nova Mutum (MT)
Conecta compradores e vendedores de grãos em um ambiente seguro para facilitar a negociação e oferece recursos que ajudam a obter mais lucro nas operações.

6. Fazu Rede de Fazendas Urbanas, de São Paulo (SP)
Instala fazendas hidropônicas dentro de cidades, o que minimiza tempo e distância entre colheita e consumo de hortaliças em grandes centros urbanos.

7. IDGeo, de Piracicaba (SP)
Oferece diagnóstico, monitoramento e gestão remota a produtores, enquanto enriquece seu conhecimento para produzir melhor.

8. Aquabit, de Cascavel (PR)
Auxilia pequenos e médios produtores que querem melhorar processos, reduzir custos e aumentar a partir da gestão e do controle da produção.

9. BIA Technology, de São Francisco do Sul (SC)
Ajuda produtores de leite a identificarem mastite bovina em 8 segundos.

10. Central do Boi, de Porto Alegre (RS)
Ecossistema online para facilitar a comercialização de gado e de insumos para a pecuária de corte.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/startup/meta-anuncia-startups-selecionadas-para-solucoes-no-agronegocio-brasileiro-202329/

21

Nov

[ARTIGO] O 5G vai mudar as nossas vidas

Por Armando Kolbe Junior 

A tecnologia 5G terá velocidade para baixar informações até 100 vezes mais rápida que o 4G. A latência, tempo que um pacote de dados demora a ser transferido de um ponto a outro, era de 60-98 milissegundos no 4G e no 5G ela será reduzida para menos de 1 milissegundo.

Para ilustrar essa questão, é só lembrarmos quando um repórter está numa transmissão “ao vivo”, comentando sobre alguma notícia, a comunicação entre as partes demora em torno de 3 a 5 segundos para ser estabelecida, provocando o famoso delay (atraso). Com o 5G isso não ocorrerá mais porque a comunicação será instantânea.

Alguém deve estar pensando: com o 5G teremos downloads mais rápidos, ou seja, poderemos “baixar” filmes muito mais rapidamente? Com certeza poderemos sim. Mas não é somente isso. A vinda da tecnologia 5G vai ser um marco para um futuro bem próximo, onde “tudo” estará conectado.

Quando falamos de “tudo”, é tudo mesmo. Teremos a possibilidade de sensores inteligentes detectar vazamentos de água, possíveis problemas elétricos, presença de mofo em nossas residências. Poderemos viabilizar procedimentos médicos a distância, fazer download de games e vídeos em altíssima qualidade e até monitoramento de todo o tráfego em tempo real, além de inúmeras outras funcionalidades que poderão ocorrer com o uso de sensores que se comunicam utilizando a rede 5G.

Cada vez mais cresce a produção de chips e modens que atuam diretamente com a Internet das Coisas (IoT). Carros autômatos, rastreamento de frotas de veículos, automação industrial, monitoramento de segurança, ou seja, um número gigantesco de dispositivos conectados que podem fazer serviços instantâneos.

As smart cities, cidades inteligentes, terão uma grande quantidade de aparelhos conectados e poderão oferecer serviços diferenciados e conectados como novos modais de transporte, prédios e outras construções, além de sinalizações e até outdoors, tendo acesso muito rápido aos dados e informações que auxiliarão na administração das cidades.

Devemos ficar muito atentos, pois uma coisa é certa, com a chegada das redes 5G teremos impactos altamente positivos em todos os setores da econômica brasileira, gerando novos negócios e oportunidades, pois cada vez mais as pessoas e organizações estarão mais conectados, informados, buscando cada vez mais modelos de negócios diferenciados.

Logicamente ainda não temos estrutura, redes preparadas ou pensadas para isso, sobretudo porque o nosso país tem dimensões continentais. Devemos lembrar também que o 2G foi projetado para voz, o 3G para dados e o 4G para aplicações de grande fluxo de dados, streaming de música e vídeo. Já o 5G tem que ser muito mais eficiente para conseguir contemplar não somente o fluxo de uma enorme quantidade de dados, mas de um gigantesco número de dispositivos conectados, além de ser a primeira rede projetada para que seja escalável, versátil e eficiente em termos de consumo energético. Cada aparelho e rede criados com base na IoT fará uso unicamente do que for necessário e quando for necessário, na medida exata.

O Brasil realizou entre os dias 4 e 5 de novembro a abertura das propostas das empresas que participaram do leilão 5G. Seis novas operadoras de telefonia celular agora têm direito de operar as faixas de frequência de 700 MHz, 3,5 GHz, 2,3 GHz e 26 GHz a prestar serviços de internet móvel no Brasil. A Winity, por exemplo, poderá oferecer serviços de forma nacional e a Brisanet, Consórcio 5G Sul, Cloud2U, Fly Link e Neko, poderão oferecer internet 5G em algumas regiões específicas.

Entre as propostas, a maior foi feita pela Winity, que pagou R$ 1,4 bilhão pelo lote nacional na faixa de 700 MHz. A Brisanet, por sua vez, dispendeu R$ 1,2 bilhão pelo lote referente à faixa de 3,5 GHz que diz respeito a região Nordeste do país. A Claro foi a empresa que mais gastou em todo o leilão - mais de R$ 1,7 bilhão por nove lotes. Devemos alertar que esses valores não levam em consideração os compromissos de investimentos, mas apenas as outorgas. Os compromissos, no geral, movimentaram R$ 46,8 bilhões.

De acordo com dados da Conexis Brasil Digital, uma entidade que reúne as empresas de telecomunicação e conectividade que atuam em nosso país, infelizmente, somente 7 das 27 capitais estão totalmente preparadas para a tecnologia 5G. Entretanto, nos termos do edital, estão previstas obrigações para as empresas vencedoras do leilão para que promovam investimentos na cobertura das 26 capitais e do Distrito Federal e deverá atender as cidades brasileiras com 50 mil habitantes até 2028.

Entre as diversas vantagens da rede 5G temos a altíssima rapidez na taxa de transferência de dados, grande volume de dispositivos conectados, mais segurança do que as redes atuais, baixa resposta dos servidores, uso mais eficiente de baterias utilizadas nos dispositivos e ser ubíqua, mantendo a qualidade em qualquer lugar.

Espera-se que o uso da tecnologia não seja elitizado. Que os avanços tecnológicos sejam acessíveis para todos e os preços sejam justos e compatíveis.

*Armando Kolbe Junior é coordenador do curso de Gestão de Startups e Empreendedorismo Digital do Centro Universitário Internacional Uninter

19

Nov

Tecnologia atrai atenção de crianças e adultos na Expo Robô Ciência, que segue até domingo (21) no Shopping Cidade Verde

Óculos com sensor de ultrassom para deficiente visual, mão mecânica e teclado sonoro de notebook utilizando bananas. Estes são alguns dos equipamentos tecnológicos que podem ser vistos na Expo Robô Ciência no Shopping Cidade Verde até o próximo domingo, 21 de novembro, das 12h às 20h. A maioria dos projetos foi desenvolvida por alunos da Robô Ciência, escola que integra tecnologia à educação utilizando robótica educacional.

Os visitantes do Shopping Cidade Verde que forem a Expo Robô Ciência terão a oportunidade de conhecer e interagir com o famoso Nao - robô símbolo da escola -, usar os experimentos, participar de dinâmicas, ver o material de montagem utilizado nos projetos, além de se informar sobre a metodologia de ensino que se espalhou pelo país e atualmente conta com mais de 50 mil alunos.

A Expo Robô Ciência está divulgando a chegada de mais uma sede da escola, no bairro de Cidade Verde, na rua Poços de Caldas, que passa a funcionar a partir do dia 20 de dezembro com colônia de férias para crianças a partir dos 3 anos de idade. O espaço vai receber turmas para ensino da robótica a partir de janeiro de 2022.

A diretora pedagógica da Robô Ciência, Ayslanne Pessoa da Cunha, ressaltou que um dos diferenciais da escola é a qualidade do ensino e para manter o nível, já que os estudantes têm que colocar a “mão na massa”, as turmas têm, no máximo, 15 alunos. “Nossa metodologia conquista tanto crianças quanto jovens e adolescentes”, garantiu.

Prova disso é o pequeno Murilo Fernandes, de apenas cinco anos, que estava com o pai e a irmã no shopping quando viu o Robô Nao falando. O menino estava tão curioso que passou por todas as mesas e ouviu atentamente a explicação do professor Thiago. “Gostei de todos os robôs, mas principalmente do teclado de banana e do carrinho”, disse.

O procurador Davi Fernandes, pai de Murilo, destacou: “Achei a exposição interessante e a robótica, quanto mais cedo for incluída na vida da criança, melhor será porque esse é o futuro”. O professor Jonas Araújo, corrobora com Davi e acrescenta: “o desenvolvimento tecnológico é algo relevante para crianças, especialmente nesses casos em que a robótica pode ajudar diretamente pessoas com algum tipo de deficiência fazendo a inclusão”.

Em uma das mesas, a impressora 3D copiava o modelo de uma casa desenhada por uma criança na abertura da Expo Robô Ciência. Ao ver aquele movimento o empresário Pedro Bentes, parou rapidamente e passou a admirar. “Eu já tinha ouvido falar em impressora 3D, mas não conhecia. Isso é legal demais, pois nos coloca em contato com as novas tecnologias”, comentou o empresário aprovando a Expo Robô Ciência.

17

Nov

Luna, uma gerente especial, reforça equipe de acolhimento da empresa Vila

A empresa Vila acaba de formalizar inclusão, entre os seus colaboradores, da nova gerente de acolhimento do grupo especializado em serviços funerários e cemiteriais. A cadela Luna, da raça Golden Retriever, recebeu a nobre função e irá atuar, inicialmente, no Cemitério Vila Memorial Zona Norte e no Vila Pet, para recepcionar e oferecer apoio às famílias que perderam entes ou seus animais de estimação.

A cadela tem quatro meses e está em processo de treinamento especializado para que possa utilizar todo o seu potencial de acolhimento e servir de boa companhia para as pessoas que se dirigem aos espaços da empresa Vila nos momentos mais difíceis. No Rio Grande do Norte, Luna é a primeira cadela a atuar numa empresa de serviços funerários, com o objetivo de reforçar o acolhimento e trazer conforto a quem enfrenta perdas e luto.

A gerente executiva e administrativa-financeira, Alessandra Vila, destaca como será o papel da nova gerente de acolhimento. "Estamos felizes com a inclusão de Luna na nossa equipe. Ela trará mais leveza e alegria às nossas unidades”, afirma Alessandra. “Ela ainda é uma filhote e está sendo preparada com muito amor para sua função tão nobre", acrescenta.

A empresa Vila envolveu funcionários e clientes na chegada da nova gerente de acolhimento. “Fizemos um concurso, em nosso perfil do Instagram para que fosse escolhido, entre três opções, o nome da nossa nova colaboradora. E o público optou por Luna”, explicou Alessandra Vila.

A gerente executiva reiterou que a presença de Luna na empresa tem como objetivo ofertar um momento mais sensível, de maior acolhimento, principalmente, nas cerimônias de despedida dos animais de estimação que são cremados no Vila Pet.

O Vila Pet é o primeiro crematório especializado em animais do Rio Grande do Norte. O espaço funciona, há sete anos, no Cemitério Vila Memorial Norte.

A atuação de animais em funções nobres, de acolhimento e ajuda às pessoas, é tradicional em diversas áreas. Nas polícias e Corpo de Bombeiros, cães utilizam o faro e memória privilegiados para o auxílio em salvamentos e trabalho de prevenção, por exemplo, do tráfico de drogas. Cães treinados como guia também servem a pessoas com deficiência visual, e até mesmo unidades de saúde, ao redor do mundo, incluem pets em seu quadro funcional como coadjuvantes para auxiliar, por exemplo, na recuperação de crianças e em terapias. Os cães de serviço psiquiátrico costumam ficar com pessoas que sofrem com depressão, ansiedade e crises de pânico e estresse pós-traumático, atuando para auxiliar no enfrentamento das doenças.

Sobre a empresa Vila

Responsáveis por uma história de excelência, sucesso e serviços prestados, Magno Vila e Nilo Vila, dirigem o grupo que é sinônimo de tradição, credibilidade, inovação, respeito aos clientes, parceiros e colaboradores, há 73 anos, oferecendo os seguintes serviços à sociedade:

• Plano Sempre de Assistência Funeral, em todo o RN e Região do Seridó paraibano;

• Centro de Velório Vila Memorial São José, em Natal-RN;

• Funerárias e Velórios Sempre, em todo o RN e Região do Seridó paraibano

• Cemitério e Crematório Vila Memorial Zona Norte;

• Cemitério Vila Memorial Caicó;

• Cemitério Vila Memorial Mossoró (em construção);

• Crematório Vila Pet (em breve cemitério).

17

Nov

RN: Leite & Genética lança app para acompanhamento do rebanho

A partir do próximo ano, o produtor que for atendido pelo Projeto Leite & Genética, desenvolvido pelo Sebrae no Rio Grande do Norte em parceria com o Instituto BioSistêmico (IBS), terá praticamente todas as informações referentes ao rebanho à palma da mão. Isso porque informações sobre calendário de vacinas, esquema nutricional dos animais, datas de atendimentos, agendamentos, status dos animais acompanhados e índices de prenhezes confirmadas, por exemplo, vão estar reunidas no aplicativo do programa. Essa nova ferramenta repassa ainda ao bovinocultor diversos materiais de suporte à criação de bovinos e, caso de gado leiteiro, um plano de qualificação dos fornecedores de leite.

A plataforma traz tecnologia à serviço do aumento da produtividade na pequena propriedade e marca os dez anos de execução do Leite & Genética no Rio Grande do Norte, com mais de 100 mil animais trabalhados com as ações e cerca de 15 mil bezerros resultantes. O aplicativo está sendo demonstrado para os visitantes da Agência Sebrae Festa do Boi.

O projeto está com atendimento no local durante todo o evento para cadastro de novas adesões, abertas especialmente nesse período. O projeto oferece para os bovinocultores de forma subsidiada o melhoramento genético do rebanho, através de ações de inseminação artificial e fertilização in vitro por transferência de embriões, tanto para o gado de leite, como para o gado com aptidão para o corte, além de atendimento veterinário e dos serviços do vaca móvel.

Novos cadastros

De acordo com o coordenador técnico para a regional Nordeste do Instituto BioSistêmico (IBS), o médico veterinário Luiz Sartori, para esse breve período de novas adesões, estão sendo oferecidos pacotes apenas para inseminação artificial para animais de corte e leiteiro, assim como serviços. Os pacotes vão de 10 a 80 inseminações para o gado leiteiro e de 50 a 150 inseminações em caso de rebanho voltado para corte. Para mais informações sobre o projeto e os pacotes de serviço ofertados, acesse o site do Leite e Genética: https://material.rn.sebrae.com.br/leite-genetica/. Para a adesão, basta apresentar dados pessoais e também Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP) ou número do NIRF.

“Esse é o projeto com maior duração já executado pelo IBS, tem toda solidez. Inseminamos 6 mil animais em média a cada ano e realizamos ultrassom em outros 18 mil na média. Temos uma consolidação comprovada na área de leite e temos avançado também nos últimos cinco anos nos animais de corte”, diz Luiz Sartori. Na avaliação do coordenador, o projeto tem dado importante contribuição para a padronização do rebanho de pequenas propriedades do estado. “Mesmo que esse bovinocultor inicie no projeto e desista nos anos seguintes, os animais trabalhados vão continuar produzindo no curral ou vão estar no mercado com um valor agregado, que é um diferencial”.

Através do projeto, o Sebrae oferece consultorias, atendimentos e modernas técnicas reprodutivas, como inseminação artificial e fertilização in vitro, com subsídios de até 70% para os pecuaristas participantes. As ações do projeto são voltadas ao desenvolvimento do padrão genético da pecuária de leite e corte no Rio Grande do Norte, além de identificar, organizar, estruturar e melhorar, de maneira estratégica a oferta de leite e carne. O objetivo é elevar a produção e a produtividade da bovinocultura no Estado.

Fotos: Moraes Neto

17

Nov

Pix deverá ser ampliado para operações internacionais e sem internet

Para os próximos anos, o Pix, ferramenta de transferência instantânea de recursos, poderá ser usado em operações sem acesso à internet e em transações internacionais, anunciou hoje (16) o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto. As novidades ainda não têm data para entrarem em vigor.

Campos Neto fez o anúncio em evento especial do BC para celebrar o aniversário de um ano da nova ferramenta. Segundo ele, o Pix ainda não atingiu todo o potencial. “O uso do QR Code [Código QR, versão avançada do código de barras fotografada pelo celular] ainda depende de melhor assimilação da tecnologia pelos usuários”, explicou.

Apesar de algumas novidades do Pix dependerem de desenvolvimentos tecnológicos, o presidente do BC considerou revolucionária a evolução do sistema instantâneo de pagamentos, que funciona 24 horas por dia e permite a transferência de recursos entre contas de instituições financeiras diferentes. “A realidade superou as expectativas. O uso do Pix aumenta mês após mês. A velocidade de adoção é a mais rápida do mundo”, destacou Campos Neto.

Até outubro deste ano, cerca de 7 bilhões de transações foram executadas por meio do sistema, movimentando R$ 4 trilhões. O recorde diário de transações ocorreu no último dia 5 de novembro, com 50.045.289 operações.

O Pix tinha 348,1 milhões de chaves cadastradas por 112,65 milhões de usuários (105,24 milhões de pessoas físicas e 7,41 milhões de pessoas jurídicas), também até outubro deste ano. Ao todo, 62,4% da população acima de 18 anos usou a ferramenta para enviar ou receber dinheiro. No período, havia 762 instituições financeiras cadastradas para operar o Pix e 87 em fase de adesão. Entre essas instituições, estão bancos, financeiras, instituições de pagamento, cooperativas de crédito e fintechs (startups financeiras).

Em 12 meses de funcionamento, o Pix ultrapassou, em número de transações, meios de pagamento tradicionais. A ferramenta superou a Transferência Eletrônica Disponível (TED) e o Documento de Ordem de Crédito (DOC) em janeiro deste ano. Em março, foi a vez de o Pix tomar o lugar dos boletos bancários na preferência por meios de pagamento.

Inclusão

Diretor de Organização do Sistema Financeiro e Resolução do BC, João Manoel Pinho de Mello disse que o crescimento do Pix tem sido proporcionalmente maior em classes mais baixas, com 45,6 milhões de pessoas que estavam fora do sistema financeiro passando a operar pagamentos digitais. Entre as camadas de menor renda, o número de usuários do Pix subiu 131% entre março e outubro deste ano, contra crescimento de 52% no total da população.

Segundo Pinho de Mello, o Pix tem ganhado a adesão de beneficiários de programas sociais. Cerca de 35% dos inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) e de 25% dos beneficiários do Bolsa Família usaram o sistema de pagamentos instantâneos para movimentarem os benefícios.

O Brasil, ressaltou o diretor do BC, passou a ocupar o terceiro lugar entre os países que mais usam pagamentos instantâneos, atrás apenas da Suécia, que adotou o sistema há sete anos, e a Dinamarca, há cinco anos.

Pix Saque e Pix Troco

Até o fim do ano, o Pix ganhará novas funcionalidades. Hoje, entrou em vigor um mecanismo de segurança que agiliza a devolução de recursos a usuários vítimas de fraude ou de problemas operacionais entre as instituições participantes.

No próximo dia 29, passam a funcionar o Pix Saque e o Pix Troco. O primeiro permite que o usuário transfira recursos para uma conta Pix em pontos que ofertarem o serviço e sacar dinheiro em espécie. O segundo permite que o cliente transfira, para a conta de estabelecimentos comerciais, quantias maiores que o valor da compra e saque a diferença em forma de troco.

Ainda neste trimestre, o iniciador de pagamentos, hoje existente para compras com cartão de crédito e débito, deverá ser estendido ao Pix. Por meio dessa ferramenta, o cliente recebe um link com o valor da transação, bastando confirmar os dados e autorizar o pagamento, sem precisar entrar no aplicativo do banco. No caso do Pix, bastará o usuário digitar a senha da conta corrente.

Fonte: Agência Brasil

17

Nov

Google Maps vai auxiliar nas compras da Black Friday e Natal

Com a aproximação das festas de fim de ano e datas comerciais como a Black Friday, a expectativa é de que o movimento nas ruas seja maior do que em 2020, devido à suspensão das restrições provocadas pela pandemia. Pensando em ajudar quem vai às compras, o Google Maps lançou várias novidades nesta terça-feira (16).

A ferramenta “Area Busyness” é uma delas. O recurso dá ao usuário a chance de verificar, em tempo real, quais bairros ou áreas têm maior movimento, auxiliando quem quer fugir das multidões e também os interessados em descobrir locais mais animados.

Descubra os lugares mais e menos movimentados no Google Maps.

Para informações mais detalhadas, basta tocar em um bairro e conferir o movimento em diferentes horários, junto com as lojas, restaurantes e outros locais de lazer disponíveis. Conforme a Google, a função está sendo lançada globalmente para Android e iOS.

Em dúvida sobre quais lojas funcionam em um determinado shopping ou aeroporto, para garantir o presente natalino de última hora? Outra novidade é a expansão da guia "Diretório" globalmente, trazendo informações sobre os tipos de lojas disponíveis em um prédio, horário de funcionamento etc.

Ferramentas exclusivas para os Estados Unidos

Algumas das novas funções são exclusivas para o mercado americano, como a “Retirada com o Google Maps”. Já disponível em 30 estados, ela permite realizar pedidos em lojas, rastrear o status da compra e efetuar a retirada em menos de cinco minutos após chegar ao estabelecimento.

O app permite retirar compras nos EUA.

Outra novidade lançada nos EUA é a exibição das faixas de preços de restaurantes, com base nos detalhes fornecidos pelos usuários, ajudando as pessoas a encontrar um lugar mais barato para celebrar com os amigos.

As informações sobre restaurantes ficaram mais completas.

Também será possível visualizar comentários mais detalhados sobre os restaurantes, dizendo se ele tem mesas ao ar livre e realiza entregas, por exemplo.

Fonte: Tecmundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/internet/228823-google-maps-auxiliar-compras-black-friday-natal.htm

16

Nov

You.com: “rival” do Google apresenta resultados de pesquisas de acordo com aplicativos

Uma nova plataforma de pesquisa na web quer oferecer aos usuários uma experiência diferente da qual estamos acostumados. Ainda que o Google seja o principal buscador da internet, ele não é o único, e todos os existentes funcionam com o mesmo padrão. Neste contexto, o You.com propõe um mecanismo de pesquisa com resultados na horizontal e classificado em aplicativos.

O buscador exibe os resultados da pesquisa em painéis horizontais em vez de uma lista vertical. Esses painéis são classificados de acordo com aplicativos e plataformas: um quadro para os resultados encontrados no Twitter, outro para o TikTok, outro para Reddit, e por aí vai.

Os usuários também podem personalizar os blocos de aplicativos na ordem de interesse, exibindo primeiro suas fontes preferidas. “Nossa missão é tornar as informações do mundo úteis para você. Nosso objetivo é ajudar nossos usuários a ter sucesso em todas as pesquisas. Nossos valores essenciais incluem confiança, fatos, gentileza e sucesso do usuário”, escreve a equipe em seu FAQ.

Uma coisa que pode tornar o You.com mais interessante em relação ao Google é a melhor proteção da privacidade dos usuários. Não existe publicidade direcionada no site, e a atividade dos usuários não é mantida em uma guia, mesmo depois que eles saem da plataforma.

Segundo o criador do You.com, Richard Socher, por enquanto a empresa não tem uma fonte de renda através de publicidade, e está focada no crescimento. Ele acredita que o projeto terá muitos modelos de negócios para explorar que não envolvem o uso de dados pessoais para publicidade.

Ao Fast Company, Socher diz que a ideia desse novo mecanismo de busca surgiu quando ele percebeu que as pessoas tendem a se concentrar em um pequeno número de sites, em vez de buscar fontes por “toda” a internet. “Às vezes, você pode ter uma tonelada de conteúdo útil de um tipo de fonte, mas em uma lista vertical, é muito difícil para você ser capaz de ampliar mais dessa fonte sem sacrificar todo o resto”, comenta.

Atualmente, o mecanismo de pesquisa do You.com está em fase beta, e conta com cerca de 100 aplicativos e plataformas diferentes para fornecer dados aos usuários.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/153477/you-com-rival-google-resultados-pesquisas-acordo-aplicativos/

15

Nov

Evento Shell Iniciativa Jovem Conexões realiza programação virtual e gratuita para empreendedores; saiba como participar

Pensado sob a temática de “inspirar negócios e reconstruir futuros”, o evento virtual Shell Iniciativa Jovem Conexões terá uma agenda de dois dias totalmente dedicada ao ecossistema empreendedor. Entre 17 e 18 de novembro, uma plataforma exclusiva disponibilizará material relevante e funcionará como um espaço de interação e produção de conhecimento. Haverá oficinas e aulas ministradas por especialistas, além da realização do Prêmio Shell Iniciativa Jovem, com os empreendimentos que estiveram no programa ao longo do ano.

A feira será norteada pela abordagem de “ressignificar, reinventar e regenerar na perspectiva dos negócios, seus propósitos e suas contribuições para o mundo desejado”. Dentro deste contexto, as oficinas, chamadas de formações pop-up, promoverão debates relacionados à moda, gastronomia, música e novos produtos e serviços, no dia 17, e sobre educação na era digital, influenciadores e desenvolvimento de negócios, no dia 18.

A primeira aula, ou masterclass, discutirá o tema “Liderança criativa e ideação de soluções” e será conduzida por Felipe Anghinoni, da Perestroika. No dia seguinte, o encontro será com Roberto Grosman, do Descomplica, em conversa sobre “Novas abordagens para criação e desenvolvimento de negócios”. A plataforma, que transmitirá todo o conteúdo, também funcionará como vitrine e exposição dos negócios participantes da edição de 2021 do Shell Iniciativa Jovem, que serão premiados ao final do evento.

Para fechar a agenda do último dia, o prêmio contará com uma votação popular, e todos os visitantes do espaço virtual poderão participar. Além disso, outros oito empreendimentos serão selecionados por uma banca avaliadora do programa para receberem premiações em dinheiro. Os interessados em participar do Shell Iniciativa Jovem Conexões devem acompanhar as atualizações no link https://conexoes.iniciativajovem.org.br/.

11

Nov

Campus Party começa hoje com atividades remotas e presenciais

A Campus Party - #CPBR13 -, que começa hoje (11) em São Paulo, terá formato híbrido - parte dos conteúdos será oferecida remotamente e parte, presencialmente. O  encontro, no Complexo do Anhembi, vai até o dia 15 deste mês.

O evento de tecnologia começa de forma digital nesta quinta-feira e no dia 13, a arena e o camping serão abertos ao público. De acordo com os organizadores, o objetivo é a criação de um ambiente para debater tecnologia, criatividade, inovação e educação.

Ainda segundo a organização, a equipe está preparada para seguir e orientar os campuseiros sobre os protocolos de segurança sanitária contra a covid-19. O distanciamento obrigatório será de um metro em todos os momentos, como nas bancadas e filas do evento.

A terceira edição da Campus Party Brasília continua até domingo (23), no Estádio Mané Garrincha.

Para participar das atividades presenciais, o uso de máscaras será obrigatório, e o participante deverá apresentar a carteirinha de vacinação atualizada ao fazer o credenciamento.

Caso não tenha tomado a segunda dose da vacina contra a covid-19, será necessário apresentar resultado de exame de covid-19 negativo. Se for antígeno, pode ser feito até 24 horas antes na chegada ao evento, se for PCR, até 48 horas antes.

Menores de 16 anos só podem participar acompanhados pelos pais. A partir de 16 anos, até 18, deverão estar acompanhados de um responsável. Os menores de 12 anos também precisam apresentar teste negativo contra a covid-19.

Fonte: Agência Brasil / Foto: Marcelo Camargo

10

Nov

Um quinto das empresas brasileiras admite ter equipes 100% orientadas por dados

O mundo corporativo tem adotado cada vez mais o conceito data driven, isto é, decisões orientadas por análises de dados. Isso inclui o Brasil, onde vemos muitas empresas indo por essa linha. Mas ainda vai levar um tempo para pegar por completo. Segundo um estudo da YouGov a pedido da Tableau, empresa de inteligência de dados da Salesforce, só 19% dos líderes brasileiros dizem que todos os seus funcionários usam dados nas tomadas de decisão.

A pesquisa Quality Conversations entrevistou 1.977 executivos em cargos de chefia (C-level) de países da Europa, Ásia e Oceania, além do Brasil. O recorte brasileiro do levantamento contou com a participação de 224 executivos do alto escalão. Apesar de ainda não ser uma coisa totalmente assimilada nas equipes, os líderes brasileiros reconhecem bem a importância do data driven. Segundo o estudo:

92% dos executivos do Brasil disseram que dados e números são importantes para conversas sobre negócios de qualidade;

88% dizem que dados ajudam a reduzir incertezas e estabelecer mais confiança nas conversas sobre negócios;

96% disseram que é importante que todos os departamentos de uma organização possa acessar dados que lhes beneficiem nas tomadas de decisões profissionais;

60% responderam que a capacidade de entender insights de dados é importante;

68% disseram que ter a mente aberta e não ter viés cognitivo são habilidades-chave.

A pandemia de covid tornou a análise de dados uma prioridade nas tomadas de decisão para 79% dos líderes brasileiros entrevistados. Na média global da pesquisa, apenas 55% dos executivos atribuíram a mesma relevância para o papel dos dados. Além disso, 67% dos brasileiros afirmam que seus negócios passaram a usar dados com mais frequência desde que a pandemia começou.

Os resultados percebidos pelo modelo de trabalho home office também foram positivos. Cerca de 64% dos entrevistados brasileiros disseram que as conversas se tornaram melhores e mais eficientes no período. Além disso, 70% também afirmaram que foi mais fácil reunir as pessoas para conversas sobre negócios. Apesar disso, 73% deles sofreram com a falta de momentos de descontração no escritório, como encontros informais, almoços e coffee breaks.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/empreendedorismo/um-quinto-das-empresas-brasileiras-admite-ter-equipes-100-orientadas-por-dados-201278/

10

Nov

Google Maps no iOS agora tem um modo escuro; saiba como ativar

O anúncio da opção modo escuro para o Google Maps foi feito em agosto, mas, embora o recurso tenha chegado para todo mundo em setembro, passou totalmente despercebido. Segundo o The Verge, as pessoas só notaram que isso seria possível quando o próprio aplicativo começou a mandar avisos aos seus usuários. Para quem deseja habilitar o recurso, vai aí o passo a passo.

Na interface principal do Google Maps no iOS, toque na imagem do seu perfil no canto superior direito da tela. Escolha “Configurações” no menu e selecione “Modo escuro” na seção Usando Mapas. Aqui você tem três opções: On, Off e “same as device setting” (que ativa ou desativa automaticamente o modo escuro, dependendo do que você ativou para o sistema operacional).

Já para usuários Android, o caminho para ativar um recurso semelhante é: tocar na sua imagem de perfil, depois seguir para “Configurações” e, em seguida, escolher “Tema”, e aí selecionar uma das mesmas três opções do iOS.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/153391/google-maps-ios-modo-escuro-saiba-como-ativar/