A Tecnatus, incubadora de empresas vinculada ao Centro de Tecnologia (CT) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), abre processo seletivo voltado para empresas ou empreendedores (pessoa física) com propostas de produtos ou processos inovadores nas áreas de Engenharia, Arquitetura e Ciências Exatas e da Terra que possam ser transformadas em negócios. Serão selecionadas 14 empresas para as duas modalidades disponíveis no edital. As inscrições vão até o dia 28 de fevereiro de 2023 pelo SigEventos. 

O edital oferece as modalidades de empresas residentes, que podem utilizar a infraestrutura física da incubadora, dispondo de espaço para uso individual ou compartilhado, e empresas não residentes, que utilizam apenas ambientes de uso compartilhado. Para empresas residentes são ofertadas quatro vagas e para não residentes, 10. Antes da inscrição, é essencial a leitura do edital e regimento interno da incubadora. 

As etapas do projeto contemplam o período de pré-incubação, na qual a incubadora apoia os selecionados pelo prazo de 12 meses, prorrogáveis por até seis meses, e de incubação, que, por sua vez, apoia empresas formalizadas pelo prazo de até 24 meses, prorrogáveis por até 12 meses. Atualmente a Tecnatus atende a três empresas em diferentes situações na etapa de pré-incubação, uma delas é a NanoUp.

A NanoUp é uma empresa que trabalha com inovação tecnológica e atua com ações que proporcionam a vários segmentos industriais a capacidade de desenvolver e implementar materiais nanotecnológicos multifuncionais avançados em larga escala, a partir da conversão de resíduos orgânicos gerados pela indústria, além de otimizar operações e processos que ajudam a indústria a diminuir gastos com água e energia.

Para Heriberto Oliveira, diretor de Tecnologia e Aplicação Industrial, a Tecnatus possui um papel crucial para o crescimento da NanoUp no mercado. “Não é fácil criar uma startup e muito menos fazer com que ela obtenha sucesso. É muito esforço, conhecimento adquirido, vontade e trabalho em equipe. A Tecnatus tem sido essencial para alcançarmos os objetivos que fazem parte da essência da empresa e dado todo o suporte necessário para visualizarmos os diferentes segmentos industriais que possamos alcançar”, ressalta.

Como explica Carla Maitelli, gerente geral executiva da Tecnatus, a oportunidade é uma chance de iniciativas inovadoras terem ajuda na área de marketing, no setor produtivo, na ligação entre empresas, noções de mercado e sistemas de produção. Para ela, os programas de incubação de forma geral são uma forma de auxiliar a criação de uma via para que as coisas se desenvolvam na universidade e cheguem até a sociedade. 

“Nós sempre vemos nos alunos e em nossa comunidade que não existe uma relação muito forte com o setor produtivo, tem apenas aquela questão de academia muito forte, então eu acho que a incubação de empresas é uma questão que ajuda a integração da UFRN com o setor produtivo e com a sociedade em geral, mostrando o que estamos produzindo aqui, de maneira que possamos contribuir com nosso conhecimento para a sociedade”, reforça. 

Incubadoras 

As Incubadoras de Empresas são ambientes interdisciplinares dotados de capacidade técnica, gerencial e de infraestrutura para amparar o empreendedor nascente, disponibilizando espaço apropriado e condições efetivas para proporcionar um ambiente de inovação e transformá-lo em empresas, cujas atividades serão equiparadas, para todos os efeitos, às atividades de ensino, pesquisa e de extensão da Universidade, tendo cada uma um Regimento Interno que regulará o seu funcionamento.

A Tecnatus é uma incubadora situada no Centro de Tecnologia do campus central da UFRN, que oferece orientação para a criação e o desenvolvimento de empreendimentos de base tecnológica nas áreas de Engenharia, Química e Ciências Exatas e da Terra, com a missão de promover a inovação e a interação entre universidade, governo, empresas e sociedade em geral.