“Um projeto duradouro, desafiador e que já rende frutos para o Rio Grande do Norte”. Foi assim que o presidente do Sistema FIERN e do Conselho Regional do SENAI no Rio Grande do Norte, Amaro Sales, definiu nesta terça-feira (14) o Projeto Verena, fruto de um Termo de Cooperação Técnica firmado em dezembro de 2018 entre o SENAI-RN, o Centro de Tecnologias do Gás e Energias Renováveis (CTGAS-ER), do SENAI, e a Câmara de Indústria e Comércio da cidade de Trier, da Alemanha (EIC Trier), com ações realizadas já em duas fases. A análise sobre o impacto do projeto foi feita na abertura da avaliação da segunda fase, por meio de uma série de videoconferências que reúne representantes brasileiros e alemães das instituições envolvidas.

O Projeto se encerraria em outubro deste ano, mas será prorrogado até 12 de dezembro e poderá ser sucedido por outras iniciativas conjuntas de capacitação de pessoal, prestação de serviços de assessoria e consultorias com foco no desenvolvimento contínuo das energias renováveis e da eficiência energética do estado.

O ciclo de avaliações 2021 do Projeto envolve balanço de atividades e análises das ações desenvolvidas nos últimos três anos. É como uma espécie de auditoria do governo alemão sobre os resultados, alcançados com transferência de tecnologias, experiências educacionais e também de recursos públicos do país europeu para investimentos em infraestrutura de ensino profissionalizante.

Competitividade

Durante apresentação que marcou oficialmente o início do período de avaliação do Projeto, o presidente do Sistema FIERN destacou que o acordo entre as partes rendeu frutos importantes para a competitividade da indústria, como novos cursos profissionalizantes e de aperfeiçoamento na área de energias renováveis, o desenvolvimento de um modelo de certificação profissional baseado no sistema alemão – focado inicialmente em instaladores de sistemas fotovoltaicos, ou seja, os sistemas de geração de energia solar – e a criação da COERE, Comissão Temática de Energias Renováveis, da FIERN, que reúne sindicatos e diversas instituições locais e nacionais de peso em um fórum de discussões, acompanhamento e proposições mensais sobre a atividade no país.

“Essa parceria do Sistema FIERN com a Câmara de Indústria e Comércio de Trier, essas certificações que vieram como resultado e que nos credenciam ao mercado, com forte atuação no Brasil inteiro, os cursos de energias renováveis, o fortalecimento que ganhamos com a COERE, são avanços que nos animam. O Rio Grande do Norte sendo hoje o maior produtor do país de energias renováveis não poderia deixar de ter um projeto desafiador como esse”, disse Amaro Sales.

A programação do primeiro dia contou com a apresentação de resultados na área de educação profissional e de relacionamento do CTGAS-ER com o mercado, a partir da parceria, além de uma exposição sobre a investida conjunta mais recente do projeto: o início do desenvolvimento do primeiro carro elétrico produzido no Rio Grande do Norte, um buggy, em colaboração com a indústria de veículos Selvagem, com o Instituto SENAI de Inovação em Energias Renováveis e a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Além de Amaro Sales, participaram da videoconferência Ute Reckers, coordenadora de projetos pela Sequa, instituição que representa entidades empresariais junto ao governo da Alemanha, Albrecht Ansohn, avaliador externo do projeto para o governo alemão, Matthias Fuchs, coordenador do projeto pela EIC Trier, Andreas Dohle, coordenador do projeto no Brasil, Emerson Batista, diretor regional do SENAI-RN, Rodrigo Mello, diretor do CTGAS-ER e do Instituto SENAI de Inovação em Energias Renováveis e Amora Vieira, coordenadora do projeto pelo SENAI-RN.