Tecnologia

13

Set

Tecnologia

Agência de Inovação realiza palestra amanhã sobre propriedade intelectual

A Agência de Inovação (AGIR) da UFRN realiza neste sábado (14) uma palestra com o objetivo de disseminar conhecimentos a respeito da propriedade intelectual e inovação. A capacitação Propriedade intelectual e tecnologias assistivas: transformando realidades acontece durante o II Encontro de Tecnologia Assistiva do RN, no Departamento de Educação Física, a partir das 14h30. A explanação será conduzida pela assessora em Propriedade Intelectual da Agência, Rochelle Barbosa Andrade Sousa Medeiros, e as inscrições estão abertas no Sigaa, aba Extensão. Na oportunidade, serão apresentados conhecimentos sobre patentes, marcas, softwares e transferência de tecnologia.

“A ideia é que a comunidade universitária possa identificar quando suas produções acadêmicas podem se tornar ativos passíveis de proteção. Então, a partir daí, o benefício não se restringe apenas ao inventor e autor, mas à sociedade e à UFRN também”, colocou Rochelle Medeiros. A assessora acrescentou que ações como o treinamento estão inseridas dentre as atribuições da AGIR, como uma das ferramentas utilizadas para a disseminação da importância da propriedade intelectual para a comunidade universitária. 

O segundo momento de capacitação, previsto para o dia 25 de setembro, ocorre durante o III Seminário de Inovação Tecnológica em Saúde, promovido pelo Laboratório de Inovação em Saúde (LAIS) e pelo Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL). A assessora da AGIR conduzirá a exposição com o tema Propriedade intelectual: Da pesquisa ao mercado, a partir das 9h, no auditório Mariano Coelho, no HUOL.

13

Set

Tecnologia

Programa de fomento a startups será apresentado próxima semana na UFRN

O programa Conecta Startup Brasil, que tem o principal objetivo de formar empreendedores e subsidiar a criação e o desenvolvimento de novas empresas de tecnologia, terá um evento de apresentação em Natal na terça-feira, 17, às 18h, no Instituto Metrópole Digital (IMD/UFRN). A incubadora de empresas Inova Metrópole é parceira estratégica do programa, que vai investir até R$ 100 mil nos empreendimentos selecionados em todo o país. 

A iniciativa do Conecta Startup se constituiu em uma ação conjunta do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e da SOFTEX, em parceria de execução do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O prazo para submissão de propostas foi aberto no dia 27 de agosto e vai seguir até 27 de setembro.

A inscrição para participar do evento do programa em Natal, intitulado Conecta Startup Brasil – Roadshow Natal/RN, é gratuita e pode ser feita por meio deste link.  A programação do Roadshow Conecta em Natal vai contar com os seguintes momentos: apresentação do Programa Conecta Startup Brasil e do Edital para Empreendedores; exposição de cases de empresas, compartilhando suas experiências com inovação aberta; apresentações de startups, compartilhando seus erros e acertos no processo de validação do negócio; e o coffee break.

Começando às 18h, o evento está previsto para se estender até as 21h30. Para ter acesso a mais informações sobre o programa, basta acessar a sua página nacional, no seguinte endereço eletrônico. Já o seu edital, com todas as regras e orientações, pode ser encontrado através deste link.

11

Set

Tecnologia

Aplicativos de lanterna podem coletar áudios e enviar mensagens no Android

Deu na Exame: 

Ao realizar o download de um aplicativo, o usuário é notificado de que o programa está solicitando alguma permissão, seja para acessar a câmera ou o microfone do celular, por exemplo. O problema é que softwares usados apenas para simular uma lanterna no aparelho estão abusando a privacidade alheia ao solicitar acesso até mesmo para enviar mensagens para os contatos da lista do celular.

Um estudo realizado pela empresa de segurança digital Avast revelou que uma série desses aplicativos, alguns com mais de 1 milhão de downloads, pedem até 77 permissões dos usuários para funcionarem. A análise foi feita com aplicativos de lanterna para exemplificar como até mesmo um programa simples pode coletar tantos dados desnecessários.

Dos 937 aplicativos avaliados e disponíveis da Play Store, a loja do Google, 408 solicitaram menos de dez permissões – em geral para utilizar a câmera e ativar o flash, por exemplo. Enquanto isso, 262 apps pediram entre 50 e 77 tipos de acesso diferentes.

“Algumas das permissões solicitadas pelos aplicativos de lanterna que examinamos são realmente difíceis de explicar”, afirma Luis Corrons, especialista de segurança da Avast. Em alguns casos, os programas querem autorização para a gravação de áudios e para o envio de mensagens de texto para contatos da lista do aparelho.

A situação fica ainda mais delicada quando é sabido que esses dados podem ser enviados para terceiros. Neste caso, o usuário estaria ainda mais exposto e dificilmente conseguiria saber quem está tendo acesso às suas informações e se elas foram anonimizadas antes do envio. Confira abaixo os cinco aplicativos de lanterna que mais coletam dados no Android:

  1. Ultra Color Flashlight – 77 permissões – mais de 100 mil downloads

  2. Super Bright Flashlight – 77 permissões – mais de 100 mil downloads

  3. Flashlight Plus – 76 permissões – mais de 1 milhão de downloads

  4. Brightest LED Flashlight – 76 permissões – mais de 100 mil downloads

  5. Fun Flashlight – 76 permissões – mais de 100 mil downloads

Fonte disponível em: https://exame.abril.com.br/tecnologia/aplicativos/

11

Set

Educação

Feira de Livros e Quadrinhos de Natal terá estande com robôs

A Roboeduc, escola de programação e robótica genuinamente potiguar, participa da nona edição da Feira de Livros e Quadrinhos de Natal. Durante o evento, que começa nesta quinta-feira (12) e segue até o próximo domingo (15), na Arena das Dunas, a escola apresentará ao público um estande bem interativo, com uma impressora 3D em pleno funcionamento e kits do primeiro EaD de robótica educacional do Brasil, o Roboeduc Inbox. Além disso, o robô Mecanoide estará no local para interagir com os visitantes.

De acordo com o diretor executivo da Roboeduc, Cássio Leandro, a ideia é apresentar para o público da feira os atrativos e benefícios do ensino de robótica. “Estamos levando para a Fliq 2019 o que há de melhor na nossa produção. Nossa equipe estará durante todo o evento mostrando que o ensino de programação de robótica apresenta muito resultado para os estudantes e é algo acessível para instituições que queiram ofertar esse tipo de aula e, também, para aqueles que têm interesse de praticar em casa”, revela.

Na oportunidade, os dirigentes de escolas públicas e privadas poderão tirar dúvidas de como é o trabalho da Roboeduc em instituições que já contam com as aulas de programação e robótica. Para as unidades de ensino que compõem a rede pública, haverá orientações de como utilizar o cheque escola para os estudantes tenham acesso também aos benefícios deste tipo de aula.  

O supervisor de escolas da Roboeduc, Francisco Melo, explica que livros e quadrinhos, temas centrais da Feira, têm muito a ver com programação e robótica no atual momento da educação. “Na Roboeduc, desenvolvemos aulas interdisciplinares. Participar de eventos, como a Feira de Livros e Quadrinhos, é uma ação que ajuda a popularizar os robôs como ferramenta potencializadora de aprendizagem. Por isso, robótica tem tudo a ver com livros e quadrinhos”, comenta.

A visitação aos estandes e participação nas atividades da Feira de Livros e Quadrinhos de Natal podem ser feitas durante os dias de evento, das 9h às 22h. A entrada é gratuita. Outras informações sobre a Fliq 2019 estão disponíveis no site: www.fliqnatal.com.br. Mais detalhes sobre a Roboeduc podem ser conferidos no site: www.roboeduc.com.br.

10

Set

Tecnologia

Internet das Coisas: saiba como essa tecnologia pode afetar sua vida

Internet das Coisas. Embora mais conhecido entre técnicos, empresas e pesquisadores, o termo vem ganhando visibilidade na sociedade. As coisas, neste caso, são todo tipo de equipamento que pode ser conectado de distintas formas, de um caminhão para acompanhamento do deslocamento de frotas de transporte de produtos a microssensores que monitoram o estado de pacientes à distância em hospitais ou fora deles.

Na Internet das Coisas (IdC) - também tratada pela sigla em inglês IoT (Internet of Things) - novas aplicações permitem o uso coordenado e inteligente de aparelhos para controlar diversas atividades, do monitoramento com câmeras e sensores até a gestão de espaços e de processos produtivos. As regras para este ambiente tratam tanto da conexão como da coleta e processamento inteligente de dados.

O ecossistema da IdC envolve diferentes agentes e processos, como módulos inteligentes (processadores, memórias), objetos inteligentes (eletrodomésticos, carros, equipamentos de automação em fábricas), serviços de conectividade (prestação do acesso à Internet ou redes privadas que conectam esses dispositivos), habilitadores (sistemas de controle, coleta e processamento dos dados e comandos envolvendo os objetos), integradores (sistemas que combinam aplicações, processos e dispositivos) e provedores dos serviços de IdC.

Evolução

Segundo o economista do setor de tecnologias da informação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Eduardo Kaplan, a IdC poderia ser entendida como uma “convergência” de tecnologias já existentes, mas gerando o que o especialista chama de um salto qualitativo.

“A IdC traz mudanças tanto no desenvolvimento de uma conectividade mais pervasiva quanto no aumento do processamento dos dados e barateamento e refinamento dos sensores que permitem a coleta de dados em diversos ambientes e com diferentes atuadores. Tudo isso associado a alguma solução prática, algum uso que permite aumento de eficiência, redução de intervenção humana, novos produtos ou novos modelos de negócios”, explica.

Mas...

Para a professora coordenadora do Medialab da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Fernanda Bruno, esse novo ecossistema traz uma ampliação da vigilância da vida das pessoas, que hoje já existente nos smartphones, mas com potencial de crescimento por meio da disseminação de sensores em todo tipo de equipamento, como veículos, eletrodomésticos, postes e edifícios.

Mas esse processo, continua a professora, não é apenas um aumento quantitativo desse monitoramento do cotidiano, mas também qualitativo, uma vez que a captura dos dados é mais sutil e silenciosa, muitas vezes sem a consciência por parte dos indivíduos de que estão sendo objeto de tal monitoramento.

Fonte: Agência Brasil

9

Set

Tecnologia

Serviços de streaming são 80% dos rendimentos na indústria da música

O sucesso do streaming de músicas é algo notável: a cada dia, mais e mais pessoas têm usado serviços como Spotify e Apple Music, e isso tem ajudado o crescimento da indústria fonográfica. De acordo com uma pesquisa feita pela Associação das Gravadoras Musicais dos Estados Unidos, as receitas oriundas de serviços de streaming cresceram 26% apenas no primeiro semestre deste ano, fazendo com que o faturamento total do período tenha sido de US$ 4,3 bilhões.

De modo geral, receitas de streaming representam hoje 80% do faturamento de toda a indústria fonográfica, se contarmos a arrecadação obtida tanto por assinaturas quanto por anúncios. Mas a maior porcentagem vem mesmo da parcela de assinantes: dentre toda a arrecadação com streaming, esta em especial aumentou em 31% no primeiro semestre deste ano, ficando responsável por 62% de toda a arrecadação da indústria.

Mas não foi apenas a arrecadação por streamings que aumentou este ano, já que as vendas de mídias físicas também deram um belo salto, com um aumento de 5% nas vendas de discos de vinil e 13% nas vendas de CDs, totalizando uma arrecadação de US$ 709 milhões (US$ 485 milhões da venda de CDs, US$ 224 milhões da de vinil).

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/musica/servicos-de-streaming-sao-80-dos-rendimentos-da-industria-fonografica-149021/

9

Set

Tecnologia

Governo federal brasileiro lança carteira estudantil digital

O presidente Jair Bolsonaro assinou na última sexta-feira (6) uma medida provisória (MP) que cria a carteira de identificação estudantil, em formato digital. O documento será chamado de ID Estudantil e poderá ser obtido após um cadastro na internet ou em agências da Caixa Econômica Federal. A MP altera a Lei nº 12.933/2013, que regulamentou a meia-entrada, para permitir que o Ministério da Educação (MEC) possa emitir a identificação, que será gratuita para o estudante.

As entidades que tinham a prerrogativa exclusiva de emissão da Carteira de Identificação Estudantil, como a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), poderão continuar emitindo o documento.

Segundo o governo, a ID Estudantil poderá ser utilizada por todos os estudantes da educação básica, profissional e tecnológica e superior. A emissão da nova carteira de estudante começará em 90 dias a partir da publicação da MP no Diário Oficial da União, ou seja, em dezembro, para os estudantes do ensino superior. Para os demais estudantes, o documento deverá estar disponível em até seis meses.

Para se tornar definitiva, a alteração na lei, que vale inicialmente por até 120 dias (validade da MP), precisará ser aprovada no Congresso Nacional, que poderá propor alterações.  O texto, depois, retornará ao Poder Executivo para sanção presidencial. Segundo o MEC, apesar de ser gratuita para o estudante, a emissão da carteira estudantil terá um custo de 17 centavos por documento, que será bancado pelo governo federal. 

Fonte: Agência Brasil

6

Set

Tecnologia

Uber lança quiosques que permitem reservar viagens sem usar o smartphone

Deu no Portal B9:

Pela primeira vez, a Uber permite que os usuários do aplicativo reservem uma viagem sem usar o smartphone. A novidade ainda não é global, mas foi projetada para criar maior acesso aos viajantes que podem ter dificuldade em usar o aplicativo devido a problemas de idioma ou tecnologia.

A empresa lançou um quiosque no Aeroporto Internacional Pearson, em Toronto, que permite aos passageiros reservar uma carona sem usar o smartphone. No lugar, o usuário usa um painel touch screen para isso.

Esses mesmos quiosques também foram utilizados em shoppings da região de São Francisco. Segundo Anurag Agarwalla, chefe da equipe de inovação da Uber para seu grupo de serviços de tecnologia: “Uma influência para o quiosque da Uber veio dos jogos de arcade, que, em comparação com um PC em casa, criam um ambiente social convidando outros a ajudar o usuário principal”.

Ainda não há informações sobre quais serão os próximos locais a receberem o quiosque, mas de acordo com a Uber, a empresa espera usá-los para aumentar o acesso em locais com muito fluxo de pessoas.

Fonte disponível em: https://www.b9.com.br/113497/uber-lanca-quiosques-que-permitem-reservar-viagens-sem-usar-o-smartphone/

5

Set

Educação

UFRN sedia evento de apresentação do Conecta Startup Brasil

O programa Conecta Startup Brasil, que tem o principal objetivo de formar empreendedores e subsidiar a criação e o desenvolvimento de novas empresas de tecnologia, terá um evento de apresentação em Natal no próximo dia 17 de setembro, às 18h, no Instituto Metrópole Digital (IMD/UFRN). A incubadora de empresas Inova Metrópole é parceira estratégica do programa, que vai investir até R$ 100 mil nos empreendimentos selecionados em todo o país.  

A iniciativa do Conecta Startup se constituiu em uma ação conjunta do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e da SOFTEX, em parceria de execução do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O prazo para submissão de propostas foi aberto no dia 27 de agosto e vai seguir até 27 de setembro.

A inscrição para participar do evento do programa em Natal, intitulado “Conecta Startup Brasil – Roadshow Natal/RN” é gratuita e pode ser feita por meio deste LINK. Para ter acesso a mais informações sobre o programa, basta acessar a sua página nacional, no seguinte endereço eletrônico. Já o seu edital, com todas as regras e orientações, pode ser encontrado através deste LINK.

Público

Tendo como público-alvo “equipes empreendedoras” e/ou “startups em estágio de ideação”, o programa é dividido em quatro etapas principais. A primeira é a fase de preparação, na qual é feito o cadastro dos desafios locais – relacionados a demandas reais de empresas já estabelecidas no mercado – e as capacitações dos empreendedores que queiram inscrever projetos, por meio do método de Educação a Distância (EAD).

Já na “fase de conceituação” serão selecionadas 100 startups, que vão receber o aporte financeiro de R$ 20 mil cada. A terceira fase, de validação, vai escolher, a partir desse número, 50 empresas, que serão financiadas com R$ 30 mil. Esse total mais uma vez vai ser reduzido, por meio de concorrência, sendo escolhidas as 25 finalistas, que receberão R$ 50 mil.

5

Set

Tecnologia

Um em cada três jovens já sofreu bullying na internet, revela Unicef

Uma pesquisa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) revelou que um em cada três jovens de 30 países já sofreram bullying na internet. A agência da ONU realizou a pesquisa com mais de 170 mil pessoas com idade entre 13 e 24 anos e revelou os resultados na quarta-feira (4).

Dentre as que responderam, 36% disseram que já foram vítimas de bullying na internet, e 19% afirmaram que já faltaram a aulas devido ao cyberbullying. Além disso, 71% daquelas que sofreram bullying disseram que isso ocorreu nas redes sociais, incluindo Facebook e Instagram.

O Unicef ressaltou que os resultados desafiam a ideia de que o cyberbullying está restrito a países desenvolvidos. Na região subsaariana, incluindo Nigéria e Mali, 34 por cento daqueles que responderam disseram que já foram vítimas de bullying na internet.

Fonte: Agência Brasil

5

Set

Tecnologia

Prêmio de Empreendedorismo Inovador tem inscrições abertas até próxima semana

As inscrições para 4º Prêmio de Empreendedorismo Inovador, que será realizado durante a programação da V Secitex (de 16 a 18 de outubro, em Mossoró) se encerram na próxima terça-feira (10). O evento é regido pelo Edital nº 15/2018 e objetiva promover atividades de estímulo ao empreendedorismo inovador proporcionando a premiação de modelos e soluções de negócios viáveis e sustentáveis, com potencial e diferenciais mercadológicos. 

Os interessados em participar da premiação deverão realizar inscrições em grupo de até 4 integrantes através de preenchimento de Formulário Eletrônico. Poderão participar estudantes de todas as modalidades de ensino do IFRN e egressos com idade mínima de 16 anos. Após o período de inscrições, será realizada uma triagem das ideias que estão em aderência ao tema e subtemas do evento, conforme item 2.4 do Edital.  

3

Set

Tecnologia

Maratona tecnológica apresenta soluções para fruticultura potiguar

Aliar solução inovadora, capaz de integrar produtores de frutas, redes varejistas e consumidores, já é realidade e poderá trazer, na prática, benefícios comuns à fruticultura potiguar, como o aumento no consumo de frutas e, de quebra, contemplar toda a cadeia produtiva. Essa é a proposta do Fruta Fácil, aplicativo desenvolvido pela equipe TechFruit, vencedora do desafio Hackafruit, uma maratona de ideias inovadoras e tecnológicas realizada pelo Sebrae no Rio Grande do Norte para solucionar os gargalos da fruticultura, que é um dos principais setores da pauta de exportações do estado.

O desafio, que teve início na última sexta-feira, 30, e encerrou neste domingo, 1º, em Mossoró, reuniu seis equipes na disputa por criar a melhor solução, seja ela aplicativo, criação de sistemas ou desenvolvimento de softwares, por exemplo. A escolha do melhor projeto se baseou em critérios de apresentação, aplicabilidade, validação, mercado e monetização. O segundo lugar na disputa ficou com a equipe Main Leaf, que, ao lado da TechFruit, receberão a premiação na próxima terça-feira, no II Simpósio Potiguar de Fruticultura, na Universidade Federal do Semi-Árido (Ufersa).

A plataforma Fruta Fácil, criada por técnicos agropecuários e desenvolvedores de sistemas dos municípios de Apodi e Mossoró, além de informar ao consumidor sobre os benefícios de consumir frutas, indica ainda melhores preços do mercado e apresenta informações sobre o produtor. A ideia é estimular o consumo e elevar índices, como o que aponta que apenas 40% dos brasileiros consumem frutas diariamente, mesmo o Brasil sendo o terceiro produtor mundial do produto.

Hackafruit integra a programação do II Simpósio Potiguar de Fruticultura, evento realizado pelo Sebrae no Rio Grande do Norte em parceria com a Universidade Federal Rural do Semiárido (Ufersa) e Comitê Executivo de Fruticultura do Rio Grande do Norte (Coex), que começa nesta terça-feira, 3 e segue até a próxima quinta-feira, 5, na Ufersa. Palestras, mesas redondas, além de minicursos e oficinas integram a segunda edição do simpósio, que terá foco na “Agricultura 4.0 e de precisão”. Também contará com visita à fazenda experimental e pomar didático da Ufersa.

3

Set

Tecnologia

Pesquisadores criam tecnologia que pode ajudar deficientes visuais a enxergarem

Pesquisadores da Escola Politécnica Federal de Lausanne, na Suíça, desenvolveram um novo tipo de implante neural: um eletrodo que “rouba” a função dos olhos e estimula diretamente o nervo óptico, permitindo que cegos enxerguem melhor. A novidade, embora não se compare à visão completa, traz uma nova melhoria na vida de pessoas que sofrem com condições impeditivas de enxergar.

A grosso modo, a tecnologia implica em fazer com que a pessoa “enxergue” e reconheça padrões de luz (percebidos pela visão humana como tons de branco) e, com base nisso, discernir elementos à sua frente. “Nós acreditamos que o estímulo intraneural pode ser uma solução de valor para diversos dispositivos neuroprostéticos que atuem na restauração das funções sensoriais e motoras”, disse Silvestro Micera, um dos pesquisadores responsáveis. “O potencial que se traduz dessa abordagem é extremamente promissor”.

Segundo os especialistas, na maioria da população cega, as conexões entre o nervo óptico e os olhos estão majoritariamente ou totalmente intactas, o que atribui a condição de deficiência visual a outros fatores. O método empregado pela escola suíça não é novo: desde o início da década de 1990, implantes neurais já existiam e vinham sendo aplicados na medicina. O problema é que tais implantes não tinham 100% de aproveitamento.

“Antigamente, eles usavam eletrodos em formato de bainha”, explicou Diego Ghezzi, outro pesquisador da equipe. “O problema é que esses eletrodos são rígidos e móveis, então o estímulo elétrico do nervo é bem instável. Os pacientes tinham dificuldades em interpretar esse estímulo, pois constantemente enxergavam coisas diferentes. Além do mais, eles provavelmente tinham uma seletividade baixa por usarem apenas as fibras superficiais [do nervo]”.

O novo modelo, o qual os pesquisadores chamaram de “OpticSELINE”, traz uma faixa de 12 eletrodos — todos, com capacidade de penetrar no nervo de forma mais direta e profunda, o que amplia a capacidade de estímulo, além de fixar o dispositivo, evitando que ele se mova demais. Em estudos com animais, os pesquisadores utilizaram o OpticSELINE para emitir correntes elétricas em coelhos cegos, monitorando sua atividade cerebral. A conclusão foi a de que cada eletrodo trazia uma resposta diferente do cérebro, o que sugere que o dispositivo poderia criar estímulos seletivos

Em outras palavras: dependendo de qual eletrodo reagiria, foi possível determinar qual parte do cérebro seria “ativada”. Em tese, isso pode permitir uma programação específica na conexão cérebro-olhos, efetivamente impactando de maneira positiva a visão. “Por ora, nós já sabemos que o estímulo intraneural tem o potencial de trazer padrões visuais informativos”, disse Ghezzi. “Ainda precisaremos de feedback de pacientes em testes clínicos futuros para ajustarmos corretamente esses padrões. Entretanto, de uma perspectiva puramente tecnológica, nós poderíamos começar estes testes amanhã”.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/saude/pesquisadores-criam-tecnologia-que-pode-ajudar-deficientes-visuais-a-enxergarem-148461/

2

Set

Tecnologia

UFRN recebe workshop sobre Cibersegurança nesta semana

A Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) vai realizar em Natal (RN), durante esta semana (de 2 a 6 de setembro), o III Workshop de Tecnologia de Redes, com o tema Cibersegurança: riscos e desafios. Será no Campus Central da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), nas instalações do Instituto Metrópole Digital, onde fica o Ponto de Presença da RNP no Rio Grande do Norte (PoP-RN).

O objetivo do evento, que é gratuito, é promover o encontro de técnicos e gestores de Tecnologia da Informação, de Instituições de Ensino e Pesquisa do do Rio Grande do Norte (federais, estaduais e privadas), clientes conectados às Redes GigaNatal e GigaMetrópole (órgãos estaduais, municipais e outros); além de provedores locais e regionais, a fim de fomentar a troca de experiências e o compartilhamento de soluções técnicas nas áreas de monitoramento, gerenciamento, operação e segurança de redes avançadas. A programação prevê a realização de palestras ministradas por representantes de diversas instituições, que abordarão temas relevantes da área.

Durante o evento haverão palestras sobre a Infovia Potiguar, Estratégias de Proteção de Software, Internet Mais Segura, Novo Modelo de Serviços da RNP, entre outras. Além disso, o evento contará também com minicursos de Docker, Boas Práticas Operacionais para Sistemas Autônomos e Elaboração de Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI). As inscrições já estão abertas e podem ser realizadas por meio da página do WTR na internet (https://wtr.rnp.br/pop-rn/).

2

Set

Tecnologia

Aplicativo brasileiro que traduz português para Libras ganha prêmio do Google

O aplicativo brasileiro Hand Talk ganhou o prêmio do Desafio Google de Impacto em IA, que tem como objetivo premiar iniciativas tecnológicas de impacto social do mundo todo. Ao utilizar inteligência artificial para traduzir textos e vídeos na internet em Português para a Língua Brasileira de Sinais (Libras), o programa foi um dos 20 vencedores do Desafio.

A plataforma foi criada em 2012 por Ronaldo Tenório, um jovem empreendedor digital de 33 anos. O aplicativo ajuda na comunicação de surdos e de pessoas com deficiência auditiva. As informações são do site Só Notícia Boa e da revista Galileu.

A startup foi escolhida entre 2.602 inscrições de 119 países. Com o prêmio, o aplicativo ganhou R$5 milhões, uma consultoria do Google e a entrada em uma aceleradora de empresas. Disponível em Android e iOS, a versão mobile já conta com mais de dois milhões de downloads e o aplicativo possui um módulo de extensão para sites, nos quais textos e áudios são traduzidos por um personagem 3D chamado Hugo.

Fonte: Nicole Moreira/Especial para O POVO, disponível em: http://blogs.opovo.com.br/id/2019/05/13/aplicativo-brasileiro-que-traduz-portugues-para-libras-ganha-premio-do-google/