Mídias Sociais

1

Abr

Mídias Sociais

WhatsApp vai liberar o uso de uma mesma conta em vários aparelhos

O WhatsApp está testando um novo recurso que é bastante aguardado por parte da comunidade. Trata-se da função de permitir que você utilize uma mesma conta logada ao mesmo tempo em vários dispositivos. A novidade foi inserida pela primeira vez na versão 2.20.110 de quem faz parte do programa de testes Beta do mensageiro. Rumores anteriores já indicavam que a ferramenta traria a novidade em algum momento.

Segundo o site WABetaInfo, a função é bastante simples de ser ativada e permite a você utilizar o mesmo perfil do WhatsApp simultaneamente em um celular e um tablet, por exemplo — algo bastante útil para quem usa o app para contatos comerciais ou está sem bateria em um dos dispositivos, por exemplo.

Vale lembrar que isso não é o mesmo que logar via WhatsApp Web no navegador, por exemplo, já que esse recurso é apenas uma "emulação" da tela do mensageiro. No caso em desenvolvimento, trata-se de uma mesma conta ativada no aplicativo, assim como já permite o rival Telegram. A forma de login deve envolver o número de telefone cadastrado e uma mensagem de confirmação.

Fonte: TecMundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/software/151591-whatsapp-liberar-uso-mesma-conta-varios-aparelhos.htm

30

Mar

Mídias Sociais

Uso do WhatsApp cresce até 76% por causa do coronavírus, divulga levantamento

O uso do aplicativo de mensagens WhatsApp cresceu até 76% devido à pandemia de coronavírus, que afeta mais de 100 países e mais de 500.000 pessoas. Os dados são da consultoria Kantar, que coletou dados de mais de 25.000 pessoas em 30 mercados entre os dias 14 e 24 de março. O app foi o que registrou maior crescimento em razão da doença covid-19, causada pelo novo coronavírus.

No total, o aplicativo teve crescimento de 40% no mundo, em média. Nos primeiros dias, o aumento era de 27% em países onde a doença começou a se propagar e de 41% onde ela estava em nível intermediário da curva de contágio. Onde o WhatsApp teve maior aumento de uso foi nos países em que a pandemia está em estágio mais avançado. Lá, o crescimento atingiu 51%.

A Espanha, um dos países mais afetados pela covid-19, registrou um crescimento muito acima da média, chegando a 76% no período. Os aplicativos Facebook e Instagram também tiveram crescimento por causa da crise global do coronavírus, que levou habitantes de vários países ao isolamento social físico. Os dois aplicativos tiveram aumento de cerca de 40% no período estudado. 

A pesquisa diz ainda que as pessoas não confiam nos conteúdos que recebem por meio de aplicativos de mensagens, dando preferência a canais noticiosos nacionais (58%) e agências governamentais (48%). Como parte dos efeitos de pessoas trabalhando de casa no mundo todo, o Facebook informou que registrou aumento de 50% em suas plataformas de mensagens no último mês, 70% de crescimento no tempo de uso delas e 1.000% de aumento no tempo de uso em videoconferências.

As pessoas que mais usaram os aplicativos no período tinham menos de 35 anos de idade. Ainda assim, no mês de março, as ações do Facebook caíram de 428 para 400 dólares. O coronavírus também impactou outros aplicativos de mensagens de forma diferente. Enquanto as bolsas de valores mundiais caíam, as ações do aplicativo Zoom Video Communications, de videoconferências, cresceram durante a crise. As ações da empresa passaram de 120 para 150 dólares em março.

Fonte: Revista Exame, disponível em: https://exame.abril.com.br/tecnologia/whatsapp-cresce-ate-76-por-causa-do-coronavirus/

28

Mar

Mídias Sociais

Site do Google monitora buscas relacionadas ao coronavírus

Durante o período de disseminação do novo coronavírus (Covid-19), o Google Brasil compila em um site gráficos do Google Trends. O Corona Monitor, lançado a fim de auxiliar agências e marcas, permite uma análise de comportamento das buscas em relação à tópicos como saúde, higiene e alimentação. O conteúdo da plataforma compara resultados de cinco estados brasileiros e de outros países afetados pelo vírus.

Além disso, no início deste mês, o Google criou uma página, no Google Trends, dedicada à informações sobre buscas relacionadas ao Covid-19, o que inclui dúvidas sobre a doença e o que fazer durante a quarentena. A empresa multinacional, ainda, anunciou outro site, o Em Casa, que reúne ferramentas e recursos do Google, para clarificar como trabalhar, estudar e manter a saúde, enquanto se está em casa.

Fonte: Meio & Mensagem, disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2020/03/27/site-do-google-monitora-buscas-relacionadas-ao-coronavirus.html

26

Mar

Mídias Sociais

Efeito coronavírus: Facebook relata queda em publicidade

O Facebook seguiu os passos do Twitter com um novo aviso sobre a saúde dos anúncios digitais desde que foi constatada a pandemia do novo coronavírus. De acordo com a companhia, a receita de anúncios já foi impactada nessas semanas, ao mesmo tempo em que seus serviços lidam com um aumento de tráfego.

Na terça-feira, 24, o Facebook fez sua primeira atualização oficial a respeito de como a publicidade está performando enquanto o coronavírus está se espalhando e causando interrupções nos negócios nos Estados Unidos e no mundo. A rede social diz que, confinadas em casa, as pessoas estão inundando seus aplicativos e sites para se comunicar, mas que as plataformas não estão exatamente se beneficiando dessa audiência cativa.

“O nosso negócio está sendo afetado negativamente assim como muitos ao redor do mundo”, afirma a empresa em uma publicação em seu blog. “Nós não monetizamos muitos dos serviços onde estamos vendo maior engajamento e estamos vendo nossos ad business enfraquecerem”. A publicação foi assinada por Alex Schultz, VP de analytics, e Jay Parikh, VP de engenharia.

Na semana passada, Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, informou ao público que um número crescente de usuários estão tributando seus sistemas conforme as pessoas estão em casa e se comunicando online. Isso significa que mais pessoas estão usando o Facebook Messenger para falar com seus familiares e amigos; mais pessoas estão passando tempo em Grupos da plataforma, que é destinado para nichos de comunidades baseadas em interesses em comum; e mais entidades estão usando o formato de vídeo em Stories e transmissões ao vivo.

No entanto, alguns desses espaços digitais não são tão propícios à publicidade como o feed de notícias tradicional. Não há anúncios nos Grupos, por exemplo. “Em muitos dos países mais afetados pelo vírus, a troca de mensagens cresceu mais de 50% no último mês”, diz o post. “Da mesma forma, as ligações por voz ou vídeo mais do que duplicaram no Messenger e WhatsApp”.

Fonte: Portal Meio e Mensagem

Disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2020/03/25/facebook-diz-ter-publicidade-afetada-por-conta-do-coronavirus.html

26

Mar

Mídias Sociais

Site disponibiliza cursos online gratuitos para criar seu canal no Youtube

Com 1 bilhão de horas assistidas por dia, a plataforma se tornou a preferida dos criadores de conteúdo na internet. Para ajudar os futuros youtubers a montar o seu canal, o YouTube tem a Escola de Criadores de Conteúdos.

A escola online é dividida em seis frentes: Primeiros Passos, Estratégia de Conteúdo, Produção, Otimização do Canal, Dinheiro e Negócios e Políticas e Diretrizes. As seções contam com cursos para o nível iniciante, intermediário e avançado. As aulas são em inglês com opção de legenda em português.

A plataforma conta com aulas específicas para o seu objetivo com o YouTube, como carreira musical ou canal de games, beleza e educativo. Na frente de Produção, o aluno encontra aulas com dicas do que fazer antes, durante e depois das filmagens, além de um curso separado para as transmissões ao vivo.

Outra frente importante da escola é a de Otimização do Canal com cursos que ensinam como ser descoberto, aumentar a comunidade e entender melhor os dados do YouTube Analytics. A seção de Dinheiro e Negócios indica como ganhar dinheiro na plataforma, seja com anúncios ou além deles.

Fonte: TecMundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/internet/151416-cursos-online-gratuitos-criar-canal-youtube.htm

25

Mar

Mídias Sociais

Google Podcasts ganha versão para iPhone

Quase dois anos depois de lançado, o Google Podcasts finalmente deixou de ser exclusivo para smartphones Android. O app agora está disponível na App Store para iPhone e já chega com o visual resenhado, assim como a sua versão para Android.

A versão 1.0 do Google Podcasts é compatível com iOS 12.0 ou superior e possui suporte para alto-falantes inteligentes e Apple AirPlay 2, que permite reproduzir conteúdos na Apple TV, por exemplo.

Já o visual do aplicativo é praticamente o mesmo visto há alguns dias para Android. Agora, há três guias destacando suas inscrições, recomendações de podcasts e atividades. A principal novidade da nova versão é a possibilidade de fazer o download automático de episódios para escutar offline.

Junto da disponibilidade para iOS, o Google aproveitou para lançar oficialmente a nova versão do app para smartphones Android. Para atualizar, visite a página do Google Podcasts na Play Store e clique em "Atualizar". É possível que a versão para Web também passe por um redesign em breve.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/ios/google-podcasts-disponivel-para-app-store-162379/

24

Mar

Mídias Sociais

Instagram: nova ferramenta permite que você navegue pelo feed enquanto conversa em vídeo com os amigos

Instagram não tem poupado esforços para ajudar a população em tempos de coronavírus. Depois de inaugurar no último final de semana o sticker “Em Casa” para incentivar nos Stories a quarentena em casa, a companhia divulgou nesta terça-feira (24) um conjunto de novidades que inclui novas medidas para combater a desinformação e ferramentas que estimulam o distanciamento social.

Na parte de interface, o mais novo recurso da plataforma é o Co-Watching e permite que o usuário simultaneamente converse em vídeo com amigos e navegue pela timeline tradicional do aplicativo. Ativado a partir do chat de vídeo do Instagram Direct, a função dá acesso a publicações salvas, curtidas e recomendadas, que podem ser vistas (e julgadas) pelos participantes da conversa.

As medidas do Instagram são as mais recentes de uma série de mudanças promovidas pelo Facebook em suas redes sociais em tempos de coronavírus. Além do aplicativo de fotos, a companhia também lançou nos últimos dias uma divisão para combate de fake news no WhatsApp e uma central de informações ao próprio Facebook, com estatísticas em tempo real da pandemia e detalhes de prevenção da doença.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/123492/nova-ferramenta-do-instagram-permite-que-navegue-pela-timeline-enquanto-conversa-em-video/

23

Mar

Mídias Sociais

Bot da OMS no WhatsApp traz informações confiáveis sobre o coronavírus

A Organização Mundial de Saúde (OMS) criou um bot no WhatsApp para disseminar informações verificadas e confiáveis sobre o coronavírus. Usuários podem obter os últimos números sobre a doença, dicas de prevenção, conselhos para os viajantes, respostas às perguntas mais comuns e muito mais.

O bot é interativo e mostra um menu com opções, basta responder com a opção desejada. Para participar clique neste link e envie a palavra join para o número do bot, ou adicione o número +41 79 893 18 92 à sua lista de contatos. O serviço é gratuito, mas no momento só está disponível em inglês.

Fonte: Olhar Digital, disponível em: https://olhardigital.com.br/coronavirus/noticia/bot-da-oms-no-whatsapp-traz-informacoes-confiaveis-sobre-o-coronavirus/98318

23

Mar

Mídias Sociais

Coronavírus: Google Maps emite alerta informativo em rotas para hospitais

Nos últimos dias são notórias as iniciativas de várias empresas em combater à COVID-19. O Google, por exemplo, liberou recentemente um novo doodle para alertar sobre a importância de lavar as mãos. Agora, por meio do Maps, está conscientizando os usuários com suspeita de coronavírus a procurarem ajuda médica à distância antes de irem diretamente para um hospital.

Segundo informações do The Verge, o alerta aparece nos Estados Unidos orientando que, em caso de suspeita de COVID-19, o usuário entre em contato com um médico de confiança antes de seguir para um hospital ou clínica, evitando assim que pessoas não infectadas fiquem juntas de outras diagnosticadas.

Ao clicar no aviso o usuário é direcionado ao site do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC). O alerta é exibido tanto no Android, que aparece nos resultados da pesquisa, quanto no iOS, mostrado na lista de cada local.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/saude/coronavirus-google-maps-emite-alerta-antes-de-ir-procurar-um-hospital-162198/

23

Mar

Mídias Sociais

Google e YouTube lançam novos recursos para ensino em casa

O Google e o YouTube divulgaram novos recursos para ajudar professores e famílias a continuarem ensinando os alunos que estão em casa devido à pandemia do coronavírus. A página do Google, chamada Teach From Home (https://teachfromhome.google/intl/en/), oferece recomendações sobre como os professores podem ensinar remotamente usando os produtos do Google.

O conteúdo apresenta ideias de como fazer uma vídeochamada com uma turma usando o Hangouts ou criar um questionário online usando o Formulários Google. Segundo a empresa, a página “continuará evoluindo”, e também oferece um kit de ferramentas de “como ensinar em casa”, com recursos sobre como ensinar de forma remota organizados em uma série de slides.

No momento, o Teach from Home está disponível apenas em inglês, mas os kits de ferramentas para download estão disponíveis em dinamarquês, alemão, espanhol, francês, italiano e polonês, e o Google diz que mais idiomas estão “chegando em breve”. Já o recurso do YouTube, o Learn@Home (https://learnathome.withyoutube.com/), destaca os canais educacionais da plataforma que podem ser usadas pelos alunos para estudar em casa.

A página categoriza os canais recomendados para famílias com crianças de 13 anos ou mais, famílias com crianças de 5 anos ou mais e famílias com crianças em idade pré-escolar. Alguns dos canais são CrashCourse, Discovery Education, Cool School, PBS Kids e Sesame Street. O Learn@Home está disponível agora em inglês e também terá versões em italiano, francês, coreano, espanhol, japonês e muito mais “nos próximos dias”, de acordo com o YouTube.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/123369/google-e-youtube-lancam-novos-recursos-para-ensino-em-casa/

23

Mar

Mídias Sociais

Instagram lança figurinha para entreter usuários em quarentena; saiba como usar

Com o isolamento social como forma de evitar a propagação do coronavírus, o uso das redes sociais e serviços de streaming se intensificou nos últimos dias. Para incentivar seus usuários a não saírem de casa, o Instagram lançou no último sábado (21) uma nova figurinha chamada “Em casa”.

O recurso funciona de forma simples. Ao fotografar ou gravar um story e adicionar o adesivo, a postagem é exibida em destaque no feed, sendo agrupada com outras imagens ou vídeos de usuários que também utilizaram o mesmo selo.

Tutorial para adicionar figurinha "Em casa" no Instagram:

Passo 1: Abra o Instagram, tire uma foto ou grave um vídeo;

Passo 2: Em seguida, clique no ícone de adesivos (se assemelha a uma carinha quadrada sorridente) e depois aperte em cima do emblema “Em casa”;

Passo 3: Clicando em cima da figurinha é possível alternar entre dois modelos diferentes;

Passo 4: Cole na sua foto ou vídeo e publique no seu story;

Passo 5: Para ver a publicação, basta retornar a página inicial do seu Instagram e esperar o feed atualizar.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/redes-sociais/instagram-nova-figurinha-em-casa-para-usuarios-quarentena-162203/

20

Mar

Mídias Sociais

Instagram começa a testar mensagens autodestrutivas

O Instagram pode ser o próximo aplicativo a ganhar um recurso de mensagens "autodestrutivas". A companhia está testando de forma interna essa forma de bate-papo secreto, com recados que são apagados imediatamente após você fechar a janela com o seu contato.Quem descobriu a novidade foi a programada Jane Manchum Wong, acostumada a desvendar segredos em mensageiros e redes sociais a partir de engenharia reversa. Ela postou o resultado em forma de GIF em seu perfil no Twitter, avisando que a novidade ainda está em fase bem inicial de criação.

Como é possível notar, o recurso só é ativado dentro de um Modo Escuro do chat e de fato não deixa qualquer histórico da conversa anterior — um funcionamento parecido com o Modo Anônimo de navegadores, por exemplo. O objetivo aqui parece ser o de deixar conversas efêmeras entre dois usuários do Instagram ainda mais privadas e impossíveis de serem lidas mais tarde. Vale lembrar que o WhatsApp, que também pertence ao Facebook, voltou a testar o recurso de "autodestruição" de chats — porém, no caso do mensageiro, é o usuário que define quanto tempo o recado fica no ar.

Em resposta ao tweet de Wong, o Instagram informou a sua declaração padrão de que a função de fato existe em Beta, o que não significa que ela será lançada comercialmente. "Nós estamos sempre explorando novos recursos para melhorar a sua experiência de mensagens. Essa função ainda está em fase inicial de desenvolvimento e não testaremos externamente por enquanto", afirmou o porta-voz da empresa.

Fonte: Tecmundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/redes-sociais/151242-instagram-comeca-testar-mensagens-autodestrutivas.htm

20

Mar

Mídias Sociais

Google quer usar geolocalização de usuários para retardar COVID-19

O Google está explorando formas de usar informação de localização dos usuários para retardar o avanço do coronavírus, por exemplo, por meio da determinação da efetividade do distanciamento social. O senador dos Estados Unidos Ed Markey, que defende há tempos o direito das pessoas à privacidade, pediu cautela nos esforços do governo de se aliar a grandes companhias de tecnologia para acompanhar o ritmo do coronavírus.

Em carta para Michael Kratsios, o secretário de Tecnologia da Casa Branca, Markey citou reportagem do Washington Post que afirma que o governo Trump teve discussões com Amazon.com, Apple, Facebook, Google, IBM e outras companhias de tecnologia para discutir a possibilidade de usar dados de localização dos smartphones como ferramenta de pesquisa sobre a disseminação da epidemia nos EUA.

"Precisamos de garantias de que a coleta e o processamento destes tipos de informação, mesmo que de forma anônima, não representem riscos à segurança e privacidade dos indivíduos", disse Markey. O Facebook afirmou que não há acordo para compartilhar dados de localização de usuários com o governo norte-americano. A Apple comentou que não monitora a localização dos usuários. A empresa citou que participou de reuniões da força-tarefa sobre coronavírus na Casa Branca, mas que é focada em telemedicina e ensino a distância.

Fonte: Agência Brasil

20

Mar

Mídias Sociais

Facebook vai colocar no topo da linha do tempo notícias sobre o novo coronavírus

Informações sobre o novo coronavírus passarão a ser prioridade no Facebook. Mark Zuckerberg, CEO da empresa, anunciou que desde ontem (19) usuários de diversos países começarão a ver conteúdo oficial da Organização Mundial da Saúde e do Centro de Controle e Prevenção de Doenças no topo da linha do tempo.

O Facebook também já começou a promover, por conta própria, publicações das mesmas fontes na rede social e no Instagram, além de priorizá-las nos resultados de buscas pelos termos "coronavírus" e "COVID-19". Já conhecida por escândalos de desinformação, a empresa desta vez busca medidas de fazer com que seus usuários voltem a confiar em seu conteúdo.

Outra medida anunciada nesta semana pelo Facebook é a disponibilização da versão paga do Workplace, permitindo que governos e serviços de emergências tenham acesso gratuito às ferramentas do recurso durante um ano. Zuckerberg ainda afirmou que vários de seus funcionários estão trabalhando de casa para evitar a pandemia, inclusive ele próprio.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/redes-sociais/facebook-vai-colocar-no-topo-da-linha-do-tempo-noticias-sobre-o-novo-coronavirus-162063/

19

Mar

Mídias Sociais

TikTok forma conselho de especialistas para remodelar políticas de conteúdo

Além dos vídeos de conscientização do coronavírus, os tempos no TikTok são de crise na política de conteúdo. Só nos últimos meses a rede social da ByteDance foi acusada de censurar conteúdos e restringir o alcance de publicações, além de (mais grave) buscar ocultar um suicídio transmitido ao vivo na plataforma antes de contatar as autoridades. A companhia, claro, já vem estruturando medidas para equilibrar a balança no tópico.

Isso inclui a formação de um novo comitê de especialista de fora para ajudar a bolar novas políticas de conteúdo e moderação. Anunciado nesta quarta (18) no blog oficial do aplicativo, o conselho intitulado oficialmente TikTok Content Advisory Council é parte de uma iniciativa que a rede social anunciou em outubro do ano passado e que inclui ainda comitivas dedicadas a tópicos como segurança do público infantil, discursos de ódio, bullying, desinformação e outros problemas do tipo.

O comitê é presidido por Dawn Nunziato, professora da faculdade de direito da Universidade George Washington e co-diretora do Global Internet Freedom Project, e conta ainda com os membros Rob Atkinson (Information Technology and Innovation Foundation), Hany Farid (faculdade de engenharia elétrica e computação da Universidade da Califórnia), Mary Anne Franks (faculdade de direito da Universidade de Miami), Vicki Harrison (Centro Psiquiátrico de Stanford), David Ryan Polgar (All Tech Is Human) e Dan Schnur (Universidade do Sul da Califórnia).

Segundo a empresa no anúncio, o comitê ajudará a plataforma a “desenvolver políticas progressistas que não apenas lidam com os desafios de hoje, mas também pensam os desafios que a nossa indústria deve lidar no futuro” junto a líderes norte-americanos. Tópicos como desinformação e interferência nas eleições estão previstas no debate.

O conselho é formado num momento crítico do TikTok nos EUA, onde o aplicativo passa por uma avaliação do governo federal e o departamento de segurança nacional considera bloquear a plataforma no país. Ele também não é a única medida da empresa, que recentemente atualizou as políticas da comunidade e abriu uma central de transparência para permitir que especialistas tenham acesso a seu código-fonte e às estratégias de privacidade, segurança e conteúdo no app.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/123168/tiktok-forma-conselho-de-especialistas-para-remodelar-politicas-de-conteudo/