Turismo

18

Nov

Brasileiros são os mais atentos aos preços ao planejar viagens

De acordo com uma nova pesquisa da Booking.com, os viajantes brasileiros passarão a exigir um custo-benefício e segurança maiores na hora de planejar suas viagens futuras. No Brasil, 8 em cada 10 viajantes (84%) ficarão mais atentos aos preços na hora de pesquisar e planejar uma viagem após a pandemia, enquanto 78% esperam que as empresas de viagem os ajudem com planos futuros de viajar por meio de descontos e promoções. Em ambos os casos, os brasileiros ocupam a primeira colocação entre as 28 nacionalidades pesquisadas.

A América Latina, inclusive, será a região com mais viajantes preocupados com preços, pois, além dos números referentes aos brasileiros, 77% dos colombianos, 76% dos mexicanos e 74% dos argentinos estão de olho nos valores. Mas, viajantes da Ásia não ficam atrás quando se trata de atenção aos custos, já que os tailandeses (78%) e vietnamitas (76%) também pretendem priorizar os preços. Os viajantes com menos probabilidade de se importar com valores são os da Dinamarca (34%), Países Baixos (37%) e Alemanha (38%).

Como a economia é um dos principais fatores, a escolha de destino também vai mudar, e muitos lugares desejados terão que ficar para outro momento. Afinal, quase metade (46%) dos viajantes brasileiros dizem que preferem fazer uma viagem com desconto para um lugar que talvez não tivessem escolhido em vez de pagar mais caro por um destino dos sonhos.

Também haverá uma ênfase maior em viagens a curto prazo, com 6 em cada 10 (63%) viajantes brasileiros afirmando que vão preferir fazer uma viagem que podem pagar imediatamente em vez de economizar para fazer uma viagem dos sonhos, porém incerta. Em meio aos demais países consultados, o Brasil fica apenas atrás da Tailândia (72%) e do Vietnã (68%) quando o assunto é a priorização de preços a curto prazo.

No entanto, a exigência de um bom custo-benefício vai além do preço. O desconforto com a ideia de ter que cancelar uma viagem significa que a flexibilidade será um ponto crítico para 82% dos viajantes brasileiros. Eles afirmam que, para melhorar o custo-benefício, as plataformas de viagem precisam de mais transparência nas políticas de cancelamento, processos de reembolso e opções de seguro-viagem.

A pesquisa foi encomendada pela Booking.com e realizada com um grupo de adultos que viajou a lazer ou a trabalho nos últimos 12 meses, e que planeja viajar nos próximos 12 meses (se/quando as restrições de viagem forem suspensas). No total, 20.934 entrevistados em 28 mercados responderam a pesquisa on-line em julho de 2020.

Fonte: Panrotas, via Fecomércio

13

Nov

Turismo na região serrana potiguar é retomado em clima de bioprevenção

A proximidade da alta estação e a retomada das atividades no setor de turismo estão fazendo com que empresários e empreendedores de meios de hospedagem invistam nas consultorias de bioprevenção e adotem as medidas necessárias para garantir um receptivo seguro aos hóspedes. Alguns hotéis e pousadas do município de Martins, distante 380 quilômetros de Natal, estão devidamente preparados para atender a crescente demanda turística para os destinos regionais, sobretudo as serras potiguares, que estão sendo muito procurados devido à pandemia do coronavírus. A expectativa é de boa ocupação dos leitos pelos turistas do Rio Grande do Norte e dos estados vizinhos, como Paraíba e Ceará.

Para apoiar a retomada das atividades do turismo, como hospedagem, agentes de viagem, guias de turismo, passeios, restaurantes, bares e lojas de artesanato, o Sebrae criou o Programa Reinicie, uma consultoria especializada em Bioprevenção e uma página com informações, orientações em palestras virtuais, videoaulas e cartilhas no endereço https://www.rn.sebrae.com.br/bioprevencao/. A trilha de saúde coletiva virtual é gratuita e a consultoria em bioprevenção oferece um subsídio de 80% para as empresas turísticas de todo o estado.

Com uma oferta de 72 leitos, a Pousada Rancho da Serra, em Martins, está entre as empresas que investiram na consultoria de bioprevenção oferecida pelo Sebrae do Rio Grande do Norte e capacitou sua equipe de sete colaboradores, desde a recepção, passando pela governança, até a cozinha. Dentre as medidas adotadas, destacam-se o distanciamento social, a aferição da temperatura dos colaboradores e clientes, uso de álcool em gel, limpeza e higienização dos ambientes com frequência. “Essa consultoria foi muito importante, porque aprendemos a melhorar os nossos serviços e adquirimos conhecimento para continuar com as medidas de prevenção, mesmo em meio à pandemia”, afirma a gerente administrativa da pousada, Rute Lopes Fernandes.

Atualmente a Pousada Rancho da Serra está funcionando com 60% dos leitos distribuídos em 18 apartamentos.  “A nossa ocupação tem sido muito boa, não só no final de semana. A maioria das pessoas que se hospedam na pousada é do nosso estado, mas temos recebido clientes do Ceará e da Paraíba, principalmente”, afirma Rute Fernandes, que prevê uma alta estação bem movimentada, devido às mudanças de planos dos turistas que programaram viagens ao exterior e até mesmo pelo Brasil e estão desistindo por conta dos reflexos da pandemia. Alguns países europeus estão vivendo uma segunda onda do coronavírus e retomando restrições severas para conter a disseminação do vírus.

Às vésperas de completar cinco anos, a Pousada Rancho da Serra oferece um serviço de restaurante que atende as três refeições para os hóspedes que preferem a comodidade de usufruir ao máximo do lugar, que tem piscina, salão de jogos, academia, pista de caminhada e até uma churrasqueira para os adeptos à tradição gaúcha. “Para as crianças há também um parquinho ecológico e a fazendinha para visitação”, lembra Rute. A gerente da Pousada Rancho da Serra afirma que a consultoria do Sebrae em bioprevenção foi essencial para uma retomada das atividades de forma adequada e que transmitisse a sensação de segurança aos clientes, que buscam lazer e entretenimento na serra potiguar.

Harmonia com a natureza

O tradicional Hotel Serrano, na serra de Martins, construído pelo governo estado no final da década de 1970 passou para a gestão da Rede de Hotéis Sabino Palace há 23 anos. Atualmente, em perfeita harmonia com a natureza e o clima da serra, o hotel oferece 256 leitos e uma boa estrutura de lazer e entretenimento com restaurante, bar, salão de jogos, quadra de esportes, piscinas, parque infantil e até uma biblioteca para os amantes da leitura. Devido às restrições impostas pela pandemia, apenas 60% dos 91 quartos estão à disposição dos hóspedes, que podem contar com café da manhã, almoço e jantar.

Para enfrentar os desafios trazidos pela pandemia do coronavírus e oferecer segurança aos turistas e toda a equipe de 20 colaboradores, a direção do Hotel Serrano decidiu contratar a consultoria especializada em bioprevenção oferecida pelo Sebrae-RN. Além do uso de equipamentos de proteção individual e coletiva por parte dos colaboradores, os ambientes do hotel receberam placas de sinalização e totens com informações e orientações sobre a conduta mais segura para a convivência no meio de hospedagem, que tem bastante espaços ao ar livre.

Além do constante uso de álcool em gel, o uso de máscaras de proteção facial é obrigatório desde a recepção, passando pelo restaurante, até a cozinha e área de manutenção. “Temos sido muito criteriosos, pois a consultoria nos ajudou bastante a entender a importância de toda a empresa adotar as medidas de proteção contra a covid-19. Temos uma responsabilidade enorme de preservar a saúde e o bem-estar dos hóspedes e da equipe de funcionários do hotel”, afirma o gerente Francisco Willame, lembrando que no restaurante foi adotado o distanciamento de mesas e instalada uma barreira de proteção no buffet. Além de visitantes do próprio estado, o Hotel Serrano tem atraído turistas dos estados vizinhos da Paraíba e do Ceará, principalmente.

13

Nov

Senac RN abre nova fase de inscrições nos cursos gratuitos de biossegurança para profissionais do Turismo

O Sistema Fecomércio RN, por meio do Senac, inicia, nesta sexta-feira (13), a partir das 14h, as matrículas para profissionais que desejarem participar dos cursos gratuitos focados no Plano de Retomada do Turismo. Esta é a última etapa de uma série de ofertas que já disponibilizou, desde junho, 1.500 vagas gratuitas. As inscrições deverão ser realizadas no site rn.senac.br.

Nesta etapa, estão sendo disponibilizadas 150 vagas nos cursos de Protocolo e Boas Práticas de Prevenção à Covid-19 em Meios de Hospedagem; Alimentos e Bebidas e Serviços Receptivos. Os cursos serão on-line, com 20 horas aula, tendo como foco habilitar os profissionais para se adequarem as normas de biossegurança exigidas para o retorno das atividades no contexto da pandemia Covid-19. A seleção dos candidatos será feita de acordo com a ordem de inscrição no site.

“Ao todo, o Sistema Fecomércio RN já ofereceu 1.500 vagas em cursos gratuitos para os profissionais do Turismo. Esta iniciativa contribuí significativamente neste contexto de retomada da atividade econômica em nosso estado, pois ela qualifica os profissionais e, consequentemente, oferece aos nossos turistas e sociedade em geral, a garantia de que estão usufruindo de um serviço seguro, com o cumprimento de todas as normas sanitárias e de higiene”, disse o presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz.

A participação nas qualificações permitirá que as empresas se habilitem a receber o selo Turismo +Protegido, criado pelo Governo do Estado com o objetivo de atestar os padrões de qualidade implementados nesses empreendimentos.

Sobre o PRT – O Plano de Retomada do Turismo do Rio Grande do Norte é uma ação liderada pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Turismo, com o objetivo de promover ações integradas dos empreendimentos turísticos para garantir a saúde pública e organizar a retomada gradativa das atividades, preservando os empregos e auxiliando na segurança econômica e sanitária. O Plano prevê ações de grande porte, a serem desenvolvidas ao longo de 18 meses.

6

Nov

Programa do Sistema Fecomércio leva Tibau do Sul a receber certificação internacional inédita

Com as ações realizadas por meio do Programa DEL Turismo, desenvolvido pelo Sistema Fecomércio RN/Senac, o município de Tibau do Sul - no litoral sul do estado, onde fica a famosa Praia da Pipa - acaba de receber a certificação Padrão de Destinos Verdes, na categoria Prata, concedida pela Green Destinations, fundação holandesa sem fins lucrativos para o turismo sustentável, que lidera uma parceria global de organizações especializadas, empresas e instituições acadêmicas. 

A certificação, válida por dois anos, é inédita na América do Sul e integra o Padrão de Destinos Verdes, um conjunto de critérios reconhecido pelo GSTC (Global Sustainable Tourism Council) para medir, monitorar e melhorar a política de sustentabilidade e gestão de destinos e regiões. 

O presidente do Sistema Fecomércio RN, Sesc e Senac, Marcelo Queiroz, explica que o processo contou com várias etapas, ao longo de um ano de trabalho. Foi realizado treinamento com a Green Destinations, bem como desenvolvidas ações especificas para atender a 100 critérios elencados pela entidade, além da realização de auditoria. 

“Com o DEL Turismo estamos efetivamente contribuindo para transformar o turismo em diversos municípios do nosso estado, com ações que envolvem governança e sustentabilidade como principais pilares. Todo o trabalho é desenvolvido a várias mãos, com participação efetiva dos entes públicos e privados, por meio de Conselho de Turismo e Câmaras Técnicas. Essa junção de esforços que o Programa implementa é um enorme diferencial. Este é um trabalho que começou em 2018 e cujos resultados já têm sido verificado pelas empresas do setor e população local. Neste ano, os reconhecimentos internacionais estão começando a chegar, o que certamente é um grande diferencial competitivo para os nossos destinos”, diz Queiroz.  

O objetivo da certificação é tornar concreto e efetivo o desenvolvimento sustentável, abrangendo os temas Gestão de Destino, Natureza e Paisagem, Meio Ambiente e Clima, Cultura e Tradição, Bem-Estar Social, Negócios e Hospitalidade.  

Em outubro deste ano, os municípios de Tibau do Sul, São Miguel do Gostoso e Parnamirim, todos atendidos pelo DEL Turismo Senac, ganharam o Concurso Top 100 Destinos Sustentáveis, também promovido pela Green Destinations.  

O Programa Rede DEL Turismo, que apoia as ações desenvolvidas, utiliza uma metodologia inspirada no modelo alemão para gestão do desenvolvimento local. A iniciativa foi implantada no Rio Grande do Norte por meio de uma parceria entre a Fecomércio RN, FASISC-SC, Federasul-RS, Ministério Federal para a Cooperação e o Desenvolvimento da Alemanha e as entidades empresariais alemães BBW e SEQUA. 

31

Out

Dois em cada três brasileiros não se sentem confortáveis em viajar até a chegada de uma vacina

Poucas foram as esferas da nossa vida e do mundo que permaneceram iguais após o impacto sem precedentes da pandemia do Coronavírus (COVID-19). Da mesma forma, o setor de viagens mudará para sempre devido a esse momento histórico. Com grandes mudanças de comportamento e expectativas em relação às viagens, os viajantes estarão em busca de mais segurança, mais opções sustentáveis e destinos mais perto de casa, além de opções que combinem trabalho e viagens. Tudo isso fará com que as pessoas busquem mais valor nas viagens que farão no futuro.

A Booking.com analisou entrevistas feitas com mais de 20.000 viajantes de 28 países, assim como insights a partir de pesquisas de acomodações e dados de recomendações, e o resultado foram 9 previsões sobre o futuro das viagens – para o próximo ano e o futuro. Dois em cada três (66%) dos viajantes brasileiros dizem que não vão se sentir confortáveis em viajar até que exista uma vacina ou tratamento para o Coronavírus, mas a indústria continuará a se adaptar, respondendo prontamente à vontade das pessoas de viajar assim que isso puder ser feito em segurança.

1. Sonhos de viagem

Mesmo com todas as incertezas e as novas restrições de circulação, o desejo humano de viajar não diminuiu. Durante as recentes quarentenas, dois terços (67%) dos viajantes brasileiros disseram que estavam animados para viajar de novo quando o período acabasse. Além disso, 8 em cada 10 brasileiros (86%) disseram que passarão a valorizar mais suas viagens. Os viajantes também indicaram que planejam fazer um número parecido de viagens domésticas e internacionais nos 12 meses após a suspensão das restrições de viagem em seus países, assim como fizeram no ano pré-pandemia (Março de 2019 - Março de 2020). 

O tempo que ficamos em casa aumentou nosso desejo de conhecer novos destinos: 65% dos viajantes do país querem ver mais do mundo, e 64% desejam viajar mais no futuro para compensar o tempo perdido em 2020. Além disso, mais da metade (57%) dos brasileiros têm planos de fazer uma viagem para compensar uma data importante que passou batida devido à pandemia (como um aniversário ou casamento), enquanto 48% planejam reagendar uma viagem que teve que ser cancelada nos últimos meses.

2. Valor vital

Os impactos financeiros da pandemia vão, inevitavelmente, fazer com que as pessoas busquem alternativas mais econômicas: 84% dos viajantes brasileiros prestarão mais atenção ao preço na hora de pesquisar e planejar suas viagens. Além disso, 78% estarão mais propensos a procurar promoções e descontos, um comportamento que deve permanecer por anos.

No entanto, o valor buscado pelos hóspedes irá além dos preços. Afinal, 8 em cada 10 (82%) brasileiros dizem que esperam que as plataformas de reserva aumentem a transparência em relação às políticas de cancelamento, processos de reembolso e opções de seguro-viagem. Além disso, 36% dizem que contar com uma acomodação reembolsável será essencial para sua próxima viagem, e 40% sentem o mesmo em relação à flexibilidade de alterar datas sem que haja cobranças.  

3. Viagens mais perto de casa 

Com a pandemia, a busca por viagens locais aumentou, e, no futuro, ficar perto de casa vai continuar dominando os planos de viagem. Afinal,44% dos brasileiros ainda planejam viajar dentro do próprio país daqui a 7 a 12 meses, e 32% planejam fazer isso daqui a mais de um ano. Já em relação a viagens locais, 55% pretendem conhecer um novo destino na região em que moram; 59% querem passar a curtir a beleza natural da sua terra; e 63% planejam viajar para algum lugar – perto ou longe – que já conhecem, por esse ser um destino familiar.

Com uma demanda cada vez maior por experiências memoráveis, o uso do filtro da Booking.com por acomodações que aceitam pets mais do que dobrou desde o começo das restrições de viagem**, já que esses novos viajantes também precisarão de um lugar para ficar no futuro. Tudo isso também levará a um renascimento das viagens de carro, com as pessoas voltando a visitar destinos locais com uma paixão renovada para estimular os negócios e as comunidades locais que precisam se restabelecer.

4. Busca de viagens como escape 

Em busca de conforto e distração durante o período de quarentena, a grande maioria dos viajantes brasileiros (98%) passou um tempo procurando novas inspirações para as férias. Quase metade (46%), inclusive, pesquisou por possíveis destinos de viagem pelo menos uma vez por semana. As redes sociais, inclusive, podem ser uma excelente fonte de inspiração para os viajantes locais que sonham com seu próximo passeio, mas não a única. Afinal, 46% dos brasileiros ainda recorrem à velha e boa conversa com amigos e parentes para estimular sua criatividade quando o assunto é viagens.  Além disso, mais de um terço (35%) dos viajantes do país curtem a nostalgia de rever antigas fotos de viagem para ajudar a decidir sobre um destino futuro, reconhecendo que a inspiração analógica também ressurgirá nos feeds das redes sociais.

5. Segurança e limpeza em 1º lugar
 
Os viajantes brasileiros (91%) tomarão ainda mais precauções devido à pandemia e buscarão ajuda da indústria de viagem para se adaptarem ao novo normal. Com o aumento das expectativas, alguns destinos e empresas terão que trabalhar ainda mais para reconquistar a confiança dos viajantes. Afinal, 52% dos viajantes brasileiros vão passar a evitar alguns destinos, e 71% deles esperam que as atrações turísticas se adaptem para garantir o distanciamento físico. Da mesma forma, 81% dos brasileiros só vão reservar uma acomodação se tiverem clareza sobre as medidas de saúde e higiene que foram adotadas, e o mesmo número dará preferência a acomodações que tiverem produtos sanitários e antibacterianos.

Além disso, metade dos viajantes do país (53%) vão evitar o uso de transporte público por medo de contrair o Coronavírus. Isso causará uma mudança de longo prazo na forma que as pessoas viajam para seu destino de férias e como circulam por lá. Mais pessoas passarão a utilizar carros para deslocamentos - alugados ou próprios.

6. Mais conscientes do que nunca

Como 7 em cada 10 (71%) viajantes brasileiros querem viajar de forma mais sustentável no futuro, é esperado uma conscientização ainda maior sobre o ambiente em 2021 e no futuro. Inclusive, 84% dos brasileiros esperam que a indústria de viagens ofereça opções mais sustentáveis. Consequentemente, as visitas a destinos alternativos se tornarão mais comuns para evitar viagens durante a alta temporada (52%) ou em lugares superlotados (59%). Isso também significa que 67% dos viajantes do país ficarão longe de atrações turísticas lotadas, uma indicação de que os destinos precisarão se adaptar para administrar de uma maneira nova e inteligente o fluxo de pessoas, se quiserem continuar satisfazendo os viajantes. 

Além disso, o impacto da pandemia fez com que mais de metade (59%) dos viajantes brasileiros passassem a considerar reduzir o consumo de água e/ou reciclar plástico durante as viagens quando as restrições acabarem.

7. Adeus ao horário fixo

Com a pandemia, o trabalho remoto chegou para ficar, e mais da metade (53%) dos hóspedes brasileiros já consideram reservar um lugar para ficar do qual também possam trabalhar. Além disso, 43% deles estariam dispostos a ficar em quarentena nos destinos se pudessem trabalhar remotamente de lá.  Com isso, as plataformas de viagem e as acomodações passarão a destacar instalações para home-office, de forma a atrair essa nova onda de nômades digitais, e os trabalhadores vão aproveitar ao máximo as viagens que fizerem: mais de metade dos entrevistados brasileiros (58%) disseram que vão estender suas viagens de negócios para tirarem uma folguinha e curtirem o destino em que originalmente foram só para trabalhar.

8. Simples prazeres

Assim como nós estamos aprendendo a conviver com as consequências da pandemia, os viajantes estão dispostos a aderir a uma nova forma, mais tranquila, de vivenciar o mundo, especialmente em contato com a natureza. Globalmente, desde o início da pandemia***, aumentaram na Booking.com as recomendações relacionadas a atividades como “fazer trilhas” (94%) e “descansar” (33%), assim como “aproveitar a natureza” (44%) e “respirar ar puro” (50%). Além disso, nossas pesquisas mostram que 3 em cada 4 viajantes brasileiros (76%) vão passar a apreciar experiências mais simples, como ficar ao ar-livre ou curtir a família durante as férias, enquanto mais da metade (56%) também buscará experiências menos conhecidas, em áreas rurais, para que possam curtir ao máximo a natureza.

Quanto à acomodação, 43% dos viajantes brasileiros que buscam destinos ‘perto de casa’ estão preferindo ficar em casas de temporada ou apartamentos, em vez de hotéis. É uma grande mudança em relação a 2019, quando 60% dos viajantes do país preferiam se hospedar em um hotel****. Viagens para relaxar também estarão no topo do ‘novo normal’ no mundo das viagens. Mais de metade dos brasileiros (55%) dizem que esse é seu tipo de viagem preferida, seguida por férias na praia (51%) e viagens urbanas (14%).

9. Inovação tech

A inovação tecnológica terá um papel essencial para restabelecer a confiança nas viagens, e 71% dos viajantes brasileiros já concordam que a tecnologia será importante para controlar os riscos à saúde em viagem. Além disso, 69% dizem que as acomodações vão precisar ter tecnologias de ponta para fazerem as pessoas se sentirem seguras, e 62% querem que existam opções tecnológicas que permitam que se faça reservas em restaurantes de última hora. Não só isso: 58% dos viajantes brasileiros querem poder contar com mais máquinas de autoatendimento, em vez de balcões de ingressos, e 67% também estão animados com o potencial da tecnologia para personalizar suas experiências de viagem no futuro.

As inovações que veremos no futuro vão trazer ainda mais mudanças, com o aumento de experiências on-line de viagem influenciando o comportamento e o planejamento de viagens futuras. Inclusive, 3 em cada 4 brasileiros (74%) se sentiriam mais confortáveis em visitar um destino desconhecido se pudessem dar uma olhadinha antes na região com a ajuda da realidade virtual (VR). Dito isso, a experiência concreta ainda reina suprema.

27

Out

Feira e Fórum de Turismo do Rio Grande do Norte serão presenciais

A partir da recente flexibilização do Governo do Estado do Rio Grande do Norte para a realização de feiras e exposições, a 6ª Feira dos Municípios e Produtos Turísticos do RN (Femptur) e o 11º Fórum de Turismo do RN, eventos adiados de abril passado, estão confirmados para os dias 26 e 27 de novembro, das 14h às 20h, no pavilhão novo do Centro de Convenções de Natal, que fará sua “reestreia” depois de vários meses de preparação para uma reabertura segura.

Os protocolos de biossegurança para os eventos foram submetidos ao Comitê Científico do Governo do RN. Entre outras adaptações aos novos tempos, haverá credenciamento antecipado, controle do acesso e de número de pessoas no ambiente, ampla distância entre estandes, corredores com até nove metros de largura, sinalização de fluxo com sentido único, estações para higienização das mãos, auditório com distanciamento de 1,5m entre as cadeiras e todos os outros itens relativos à sanitização.

Os dois eventos, que sempre se realizam paralelamente, em março ou abril, e se constituem no maior encontro do Turismo potiguar, são gratuitos e adquirem ainda mais relevância nesta fase de pandemia, quando o turismo interno ganha força e a economia potiguar dá sinais de recuperação com apoio da atividade turística.

Fonte: Panrotas, via Fecomércio 

22

Out

Faturamento do setor de turismo no Brasil tem redução de 33,6% em 2020

O faturamento do setor de turismo no Brasil foi de R$ 70,4 bilhões no acumulado de janeiro a agosto de 2020, resultado que representa uma redução de 33,6% em comparação a igual período de 2019. O levantamento, divulgado ontem (21), é da Fecomercio-SP, baseado em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No período analisado, o resultado negativo do setor foi puxado principalmente pela queda nas viagens aéreas (retração de 68,8%) e pelos serviços de hospedagem e alimentação (diminuição de 43,2%). Atividades culturais, recreativas e esportivas também apresentaram redução relevante, de 33,3%, de janeiro a agosto de 2020.

“Apesar dos resultados, o setor tem motivos para ficar mais otimista com os próximos meses: além da saída gradativa do isolamento, como se viu nos feriados nacionais de setembro e outubro, muitas operadoras de turismo brasileiras já têm pacotes fechados para o primeiro semestre de 2021”, destacou a Fecomercio-SP.

A entidade ressaltou, no entanto, que os empresários do setor devem ser transparentes com seus clientes sobre as condições das viagens, informando as condições das operações de restaurantes, comércio e serviços, assim como sobre a estrutura médica disponível em cada destino. 

Fonte: Agência Brasil

20

Out

Governo do RN abre licitação para contratar agência de publicidade e propaganda para fazer o marketing turístico

O Governo do Estado, por meio do Projeto de Desenvolvimento Sustentável do RN - Governo Cidadão, abriu licitação para a contratação de agência de publicidade e propaganda para executar a divulgação de marketing turístico do RN, abrangendo a criação, veiculação e impulsionamento em mídias digitais de campanha sobre e retomada do Turismo Regional, e, ainda, do selo de segurança sanitária do Estado.  O certame foi aberto na última sexta-feira (16), e as empresas interessadas em participar devem enviar as propostas até às 23h59 da próxima segunda-feira, 26 de outubro.

O processo licitatório está sendo promovido a partir do Aplicativo Solução Online de Licitação (Sol do RN), na modalidade Shopping, na qual a proposta vencedora é a de menor preço. O valor estimado para contratação é de R$ 293 mil, e foi garantido a partir do acordo de empréstimo junto ao Banco Mundial, através do Governo Cidadão e da Secretaria de Estado e Turismo (Setur). 

Serão consideradas válidas apenas as propostas que contenham todas especificações e quantidades dos serviços/produtos solicitados, de acordo com detalhamento técnico no Plano de Mídia disposto no termo de referência. Edital e outras informações estão disponíveis no Diário Oficial do Estado, no site do Governo Cidadão e na    Comissão Especial Mista de Aquisição e Licitação do Projeto, localizada na Secretaria de Estado do Planejamento e das Finanças do RN, Centro Administrativo do Estado - (84) 3232.1964 / e-mail: shoppinggovernocidadao@gmail.com .

RETOMADA DO TURISMO

A campanha a ser desenvolvida pela empresa ganhadora, tem o objetivo de retomar essa atividade econômica fundamental para o RN que é o Turismo. A ideia é divulgar todo potencial turístico do RN, a partir das principais atrações dos polos Agreste/Trairí; Costa das Dunas; Costa Branca; Serrano; e Seridó, apresentando e oferecendo experiências únicas aos seus visitantes.

As ações visam proporcionar aos turistas, de longe e de perto, roteiros que compreendam além do segmento sol e mar,  mas que abranjam o ecoturismo, turismo histórico-cultural, de aventura e religioso. A retomada vem em momento importante em que, devido à pandemia do Coronavírus, o setor amargou meses com seus equipamentos de portas fechadas.

SOL DO RN

O Aplicativo Solução Online de Licitação (Sol do RN) foi desenvolvido pelo Governo do RN em parceria com o Governo da Bahia. A ferramenta permite que todo o processo de compras  ocorra em ambiente virtual e modo eficiente e competitivo, garantindo mais transparência, agilidade e segurança. O Sol do RN possui a tecnologia blockchain, que protege todos os dados e transações contra adulteração, conferindo segurança a todos os processos.

Saiba como cadastrar sua empresa no Sol aqui: https://bit.ly/3gThLMY

Licitação para contratação de agência de publicidade: https://bit.ly/3jdiVEa

16

Out

Pesquisa: brasileiros estão comprando viagens para 2021; Nordeste e Cancún lideram

O levantamento mensal da Braztoa revelou que os viajantes brasileiros estão começando a programar suas viagens com mais antecedência. Em setembro, 75% das operadoras associadas disseram ter comercializado viagens com embarques para o primeiro semestre de 2021, seguidas de roteiros que se realizarão em dezembro (60%). Já as vendas de 47% das operadoras foram para embarques no segundo semestre de 2021.

Ainda em setembro, 87% das operadoras associadas realizaram vendas, sendo que 16% tiveram faturamento equivalente a entre 50% e 100% e 2% registraram faturamento maior do que setembro de 2019. O número de empresas cujo faturamento ainda está até 90% menor do que no ano anterior foi reduzido a 28% (em agosto era 40%), enquanto as demais empresas faturaram entre 11% e 50% no mesmo período. No entanto, mesmo com a melhora dos negócios, o faturamento da alta temporada não atingirá 50% em comparação ao mesmo período de 2019.

“As expectativas ainda são limitadas dadas as restrições da malha aérea, da oferta hoteleira e sobretudo do cerceamento das fronteiras. Mas é importante destacar que, com a diminuição do contágio de covid-19 e as ações de promoção do Turismo no Brasil, planejadas pelo governo, poderá haver um impulsionamento das vendas das viagens domésticas. Todo o setor está preparado, adotando os protocolos de segurança sugeridos pelo Selo Turismo Responsável, mas faz um apelo para que o viajante faça sua parte e adote boas práticas. Assim o Brasil poderá ser o protagonista de uma história livre de retrocessos, com uma recuperação linear e sustentável. É isso que almeja o setor de forma geral”, disse o presidente da Braztoa, Roberto Nedelciu.

De acordo com o estudo, 34% das operadoras relataram que os embarques do mês representaram 10% em relação ao mesmo período de 2019; 19% disseram que os embarques representaram entre 26% e 50%; e 17% ficaram no patamar de 11% a 25%. Outros 7% embarcaram entre 51% e 75% de passageiros, enquanto 2% sinalizaram ter chegado ao patamar de 76% a 100% dos embarques. Para 21% das empresas, o mês de setembro não teve embarques.

Mais uma vez, a região Nordeste se destacou entre as vendas das operadoras, seguida das regiões Sudeste e Sul, que ficaram no mesmo patamar. Entre os destinos nacionais mais comercializados no mês, destacam-se Salvador, Porto de Galinhas (PE), Fortaleza, São Paulo, Rio de Janeiro e Gramado (RS). No internacional, o destaque é Cancún, acompanhado de outras regiões do Caribe, seguido pelos Estados Unidos e Maldivas. Portugal, Itália e Argentina também aparecem com boa procura.

PERFIL DAS VIAGENS

Os destinos de praia estão entre os preferidos dos brasileiros, especialmente no Nordeste e no Caribe. Em seguida, aparecem destinos do interior e locais de natureza e ecoturismo. Em relação á duração, as viagens mais comercializadas tiveram um tempo médio de cinco a nove dias, seguidas das de curta duração (até quatro dias). As escapadas de final de semana aparecem em terceiro lugar e, na sequência, estão as viagens de longa duração (dez ou mais).

As preferências dos turistas se dividem entre viagens com aéreo de longa duração (voos de mais de duas horas), seguidos de roteiros com voos de curta distância (menos de duas horas). As hospedagens em locais de curta distância (até 400 km) aparecem em terceiro lugar no ranking, seguidos das hospedagens de longas distâncias ou outros estados. Entre as opções para acomodação, os resorts aparecem com maior destaque, bem próximos das hospedagens em hotéis de redes.

Fonte: Site Panrotas, via Fecomércio

16

Out

Airbnb acredita que viagens domésticas vão dominar o mercado em 2021

Uma pesquisa recente do Airbnb apontou uma tendência interessante para o mercado de aluguel de cômodos e apartamentos para o ano de 2021. Segundo o AdWeek, as viagens domésticas continuarão como principal foco de viagens durante e após a pandemia. Mil pessoas foram entrevistadas, e um total de 62% disse que procuram fazer viagens curtas.

Ao todo, 83% dos entrevistados se mostraram a favor da relocalização como parte do trabalho remoto. Vinte e cinco por cento acreditam que seriam capazes de “viver onde quiserem” e continuar a trabalhar remotamente. Isso leva em conta, claro, que boa parte das empresas em todo o mundo já se adaptaram ao trabalho à distância, já que a pandemia fez com que a população procurasse evitar ao máximo sair de casa.

De acordo com o Airbnb, o período entre julho e setembro teve uma alta de 128% nas tags “realocação”, “trabalho à distância” e “testando novas vizinhanças”, o que aponta como, em virtude da pandemia, os usuários têm experimentado viagens curtas para conhecer novas regiões próximas aos locais onde moram.

É provável, portanto, que serviços como o Airbnb sejam mais acionados não apenas por turistas que estejam viajando pelo mundo, mas por pessoas que simplesmente querem aproveitar o contexto do trabalho à distância para realizá-lo de diferentes localidades. Será interessante, portanto, observar como o mercado de aplicativos do segmento reagirá a essa tendência, já que, por isso, cidades que não são lá muito famosas pelo turismo devem começar a ter maior demanda de aluguel de apartamentos e casas.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/133405/airbnb-acredita-que-viagens-domesticas-vao-dominar-o-mercado-em-2021/

5

Out

Turismo perdeu quase 50 mil estabelecimentos em seis meses de pandemia

A crise provocada pelo novo coronavírus fez com que o Turismo perdesse 49,9 mil estabelecimentos – com vínculos empregatícios – entre março e agosto deste ano, de acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens Serviços e Turismo (CNC). O saldo negativo no período equivale a 16,7% do número de unidades ofertantes de serviços turístico verificado antes da pandemia.

O surto de covid-19 afetou estabelecimentos de todos os portes, mas os que mais sofreram perdas foram os micro (-29,2 mil) e pequenos (-19,1 mil) negócios. Regionalmente, todas as unidades da Federação registraram redução do número de unidades ofertantes de serviços turísticos, com maior incidência em São Paulo (-15,2 mil), Minas Gerais (-5,4 mil), Rio de Janeiro (-4,5 mil) e Paraná (-3,8 mil).

De acordo com o presidente da CNC, José Roberto Tadros, a maior parte das atividades que compõem o turismo brasileiro segue ainda sem perspectiva de recuperação significativa nos próximos meses, principalmente em virtude do caráter não essencial do consumo destes serviços. “A aversão de consumidores e empresas à demanda, somada ao rígido protocolo que envolve a prestação de serviços desta natureza, tende a retardar a retomada do setor”, ressalta Tadros. Até o fim de 2020, a Confederação projeta um saldo negativo de 42,7 mil estabelecimentos.

Todos os segmentos turísticos registraram saldos negativos nos último seis meses, com destaque para os serviços de alimentação fora do domicílio, como bares e restaurantes (-39,5 mil), e os de hospedagem em hotéis, pousadas e similares (-5,4 mil) e de transporte rodoviário (-1,7 mil).

Menos emprego

Com menos estabelecimentos com vínculos empregatícios, o Turismo também sofreu em relação à empregabilidade. Em seis meses de pandemia, foram eliminados 481,3 mil postos formais de trabalho, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). “A destruição destas vagas representou uma retração de 13,8% no contingente de pessoas ocupadas nessas atividades. E na média de todos os setores da economia, a variação relativa no estoque de pessoas formalmente ocupadas cedeu 2,6%”, diz Fabio Bentes, economista da CNC responsável pela pesquisa. Os segmentos de agências de viagens (-26,1% ou -18,5 mil) e de hotéis, pousadas e similares (-23,4% ou -79,9 mil) registraram os cortes mais intensos.

A CNC calcula que, em sete meses (de março a setembro), o Turismo no Brasil perdeu R$ 207,85 bilhões. “Mesmo com as perdas ligeiramente menos intensas nos últimos meses, o setor explorou apenas 26% do seu potencial de geração de receitas durante o período”, destaca Bentes.

O faturamento do Turismo apresentou queda de 56,7%, até julho, em relação à média verificada no primeiro bimestre. Os números referentes ao volume de receitas evidenciam que o setor tem sido o mais afetado pela queda do nível de atividade ao longo da pandemia, sobretudo quando comparado ao volume de vendas do comércio varejista (-1,6%), da produção industrial (-5,6%) e do setor de serviços como um todo (-13%).

Diretor da CNC responsável pelo Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade (Cetur) da entidade, Alexandre Sampaio destaca que as ações desenvolvidas pelo governo foram essenciais para mitigar os efeitos da pandemia. “Os números poderiam ter sido ainda maiores não fossem as iniciativas do Poder Público. O Turismo foi um dos primeiros ramos a sentir os efeitos da recessão e será um dos últimos a se recuperar”, afirma Sampaio.

Fonte: CNC, via Fecomércio

21

Set

Rio Grande do Norte participa de evento reconhecido como um dos mais importantes do país

O Governo do Rio Grande do Norte, por meio da Secretaria de Turismo (Setur) e a Empresa Potiguar de Promoção Turística (Emprotur), leva o estado à edição 2020 da Abav Collab. O RN estará no com dois estandes virtuais exclusivos no evento, que acontece de 27 de setembro a 02 de outubro. A Abav Collab reúne os principais representantes do trade turístico do Brasil e propõe discutir a retomada econômica do segmento.

A participação do Rio Grande do Norte é celebrada pelo Governo, que enxerga o evento como uma oportunidade para destacar as estratégias pioneiras do Estado durante os últimos meses. "O RN tem sido referência na confiabilidade do viajante e também dos prestadores de serviços turísticos, a começar pela conquista do selo Safe Travels e a construção do selo Turismo+Protegido. A Abav Collab vai nos permitir dividir isso com o agente de viagem e todo o trade nacional. Acredito que é um momento de protagonismo para o Rio Grande do Norte, e queremos mostrar que estamos mais do que nunca preparados e competitivos", ressalta o presidente da Emprotur, Brunos Reis.

Um dos estandes do Rio Grande do Norte no evento foi adquirido com recurso próprio e será disponibilizado aos associados das entidades do setor turístico; confirmam presença ABIH/RN, Convention Bureau Natal, Sindetur, Pipa Convention e Ashtep. Já o outro estande, cedido em conjunto ao Ministério do Turismo, busca a promoção e divulgação institucional do destino potiguar. Integram o espaço os representantes dos cincos polos turísticos do estado e dos municípios de Natal, Tibau do Sul, São Miguel do Gostoso e Santa Cruz, no intuito de mostrar os atrativos potiguares. 

ABAV COLLAB 2020

A abertura da Abav Collab acontece em Salvador, na Bahia, alinhada ao Dia Mundial do Turismo. A programação geral do evento encampa uma série de atividades e painéis, em modelo híbrido (com a maior parte das atividades on-line e outras, em menor número, de modo presencial), sem contar capacitações, interações e demais momentos voltados para negócios. O evento culmina com uma 'Black Friday de Viagens' em seu encerramento, com promoções especiais das agências.  

“A ABAV Expo sempre foi uma feira importante no calendário do turismo nacional, atraindo tanto agentes de viagens como operadores de todas as regiões, e por isso é um lugar onde podemos encontrar e discutir com pessoas de diversas partes do mundo. Estar presente nesse evento é de suma importância para a divulgação do destino Rio Grande do Norte. Parabenizo o Governo do RN pela iniciativa em colaborar com feira e todos os demais participantes. Esperamos que, apesar do formato ser digital, possamos conseguir manter o RN na vitrine para que, próximo ano, voltemos com carga total nos eventos presenciais”, comentou o presidente da ABIH-RN, José Odécio.

Considerada uma das principais feiras de negócios do turismo na América Latina, a ABAV Expo, da Associação Brasileira de Agências de Viagens, se moldou à conjuntura e, como resposta, se transformou em Abav Collab em 2020.

21

Set

Turismo: metade das operadoras vende viagens para novembro e dezembro

Em agosto, metade das operadoras de turismo vendeu viagens para os meses de novembro e dezembro deste ano, segundo balanço divulgado pela Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa). As operadoras são empresas que montam pacotes e programas de viagens, que são comercializados pelas agências de turismo, e os membros da associação representam 90% dos roteiros de lazer vendidos no Brasil.

A associação avalia que o setor passa por uma retomada gradual e lenta, depois de ter sido duramente impactado desde março pela pandemia de covid-19, que exige o distanciamento social como principal medida de prevenção. Em abril, 54% das operadoras não realizaram nenhuma venda, enquanto em agosto o percentual foi de 21%.

O faturamento das empresas ainda segue bem abaixo de 2019, segundo o balanço divulgado. Para 40% das empresas, o faturamento em agosto teve uma perda de 90% em comparação com agosto do ano passado. Apesar disso, 87,5% das operadoras de turismo consideram que agosto foi melhor ou igual a julho.

A expectativa do setor é que o segundo semestre de 2020 tenha um faturamento menor que a metade do registrado no mesmo período em 2019. Essa é a previsão de 71% das operadoras, que lidam com a redução da capacidade de todos os serviços relacionados ao turismo, como voos, restaurantes, hotéis e outros serviços.

Ano que vem

A pesquisa da associação mostra, ainda, que 67% das operadoras venderam pacotes para o primeiro semestre de 2021. Entre as empresas consultadas, 29% declararam ter comercializado também para o próprio mês de agosto, 44% para setembro e 46% para outubro. Os percentuais superam o segundo semestre de 2021, que foi comercializado por 38% das empresas.

Um dos destaques do balanço é a redução do cancelamento de viagens. Em julho, 73% das operadoras tiveram vendas canceladas, enquanto em agosto o percentual caiu para 30%.

Destinos preferidos

O destino vendido com mais frequência foi o Nordeste, com embarques comercializados por 83% das operadoras. Em seguida, vieram Sudeste (80%), Europa (75%), Sul (74%), Centro-Oeste (70%), Norte (62%), América Central/Caribe (62%), América do Sul (55%), América do Norte (48%), Ásia (48%), Oceania (48%) e África (24%).

Os destinos mais procurados no Nordeste são Salvador e Porto de Galinhas, enquanto no Sudeste figuram Angra dos Reis e interior de São Paulo. No exterior, os embarques mais vendidos são para Portugal, Itália, Cancún, Punta Cana, Orlando, Miami,  Maldivas, Argentina e Peru.

Fonte: Agência Brasil

17

Set

Parceria entre DNA Center e Agências de Turismo do RN facilita realização de exames de Covid-19 para quem necessita viajar para o exterior

A entrada de pessoas em outros países que tenham como origem o Brasil, atualmente, está restrita a 43 destinos. Em alguns desses lugares, é exigido um exame negativo para Covid-19. Uma parceria entre o laboratório DNA Center e as agências de turismo do Rio Grande do Norte está deixando esse processo mais célere e mais em conta. 

Por meio dessa parceria, a agência de turismo emite um documento para o viajante encaminhando-o para a realização do exame swab no DNA Center. O laudo RT-PCR é emitido em inglês e português. Se a coleta for feita ainda pela manhã, o resultado é liberado no mesmo dia. Coletas após às 14h têm os resultados liberados no dia seguinte. O viajante ainda tem um desconto especial.

“Muitas pessoas precisam desse resultado em até 72 horas entre o momento em que embarcam até a chegada ao destino. Essa parceria veio para dar celeridade a esse processo e facilitar a viagem de quem precisar ir para o exterior”, explicou a diretora do DNA Center, Andréa Fernandes. 

Em regra geral, estão autorizados a viajar aqueles que tenham algum parente de primeiro grau fora do Brasil, residência fixa no exterior, nacionalidade estrangeira ou passaporte de outro país. Viagens de lazer ainda devem esperar um pouco mais. 

Para fazer o exame, o viajante vai até a Central de Cadastro do laboratório, que funciona no estacionamento do Banco do Brasil, na avenida Afonso Pena, no Tirol. Em seguida, é só atravessar a rua e fazer a coleta no sistema drive-thru, na unidade matriz do DNA Center.

15

Set

Futuro do turismo potiguar é debatido na Assembleia Legislativa do RN

Debater o futuro do turismo, um dos principais potenciais econômicos do Rio Grande do Norte, diante dos impactos causados pela pandemia do novo Coronavírus. Esse foi o principal objetivo da audiência pública “Planejando o Turismo do RN”, que foi promovida, de forma remota, na manhã desta segunda-feira (14), pela Assembleia Legislativa, através do mandato do deputado Coronel Azevedo (PSC).

De acordo com o parlamentar, o intuito da audiência pública foi debater iniciativas que contribuam para alavancar o setor que mais emprega no Estado. “O Rio Grande do Norte se destaca dentro e fora do Brasil pelo seu potencial turístico. Por isso, é preciso planejar ações integradas para apoiar a geração de emprego e renda propiciada por essa atividade econômica. Nesse sentido, o diálogo plural é essencial para que possamos levantar ideias e colocá-las em prática o quanto antes”, argumentou o deputado.

Dando início ao debate, a representante da Setur (Secretaria de Turismo do RN), Solange Portela, fez uma apresentação de como a instituição vem trabalhando, em parceria com a Emprotur (Empresa Potiguar de Promoção Turística), desde o surgimento da pandemia.

“Este ano nós tivemos que readequar nosso planejamento, devido à Covid-19. E para que isso fosse possível a Emprotur realizou diversas pesquisas, tanto com agentes internos, como os gestores municipais, quanto com os agentes e operadores de fora do Estado, para conhecer melhor o cenário e saber quais estratégias iríamos tomar”, contou.

De acordo com Solange Portela, um dos pontos mais importantes, relatados na pesquisa por turistas e agentes de viagens, foram os cuidados com os protocolos de segurança sanitária.

“De posse dessas informações nós elaboramos um plano de retomada, que não foi feito de maneira isolada, mas com a ajuda da Fecomércio, ABIH, Abrasel - Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, Sindetur - Sindicato das Empresas de Turismo do RN. E a partir disso nós levamos o plano para ser discutido no Conselho Estadual de Turismo, nos cinco conselhos regionais e nos principais destinos que têm um conselho municipal regular”, explicou.

Finalizando sua fala, a representante da Setur discorreu sobre as medidas de readequação, que vão do início do isolamento social até dezembro. “Nós estamos focando principalmente em capacitações de destinos, ações de marketing, linhas de crédito, campanhas de arrecadação, reuniões dos conselhos e distribuição de máscaras, através do Programa RN + Protegido. Acredito que todas essas estratégias nos ajudarão a alavancar novamente o turismo do nosso Estado”, detalhou.