Mercado

19

Out

Quase 80% dos profissionais de tecnologia preferem o trabalho remoto

Mais de 78,27% dos profissionais que atuam na área de tecnologia da informação (TI) preferem manter o trabalho remoto após a pandemia. A conclusão é de uma pesquisa da plataforma de recrutamento GeekHunter, que mostra, ainda, que 19,36% preferem o modelo híbrido, com alguns dias da semana em casa e outros na empresa, e apenas 2,37% gostariam de retornar ao trabalho presencial.

As companhias também estão mais abertas a manter o home office. Segundo os entrevistados, 43,87% das empresas devem seguir com o trabalho remoto, 17,83% escolheram o modelo híbrido e 11,84%, o presencial. Os outros 21,45% ainda não decidiram qual formato devem adotar.

Tomás Ferrari, CEO e fundador da GeekHunter, avalia que o teletrabalho trouxe bons resultados durante a pandemia e é uma tendência para driblar a falta de profissionais no mercado. "A contratação deixou de ser local e passou a ser global e o modelo remoto amplia as chances de encontrar bons profissionais independentemente do local de atuação. Por isso, vimos um intenso movimento das empresas na abertura de vagas nesta modalidade", diz.

Benefícios e produtividade

De acordo com o estudo, entre os profissionais que preferem o trabalho remoto, a maioria (77,58%) vê benefícios no modelo. Entre eles: maior flexibilidade de horários, evitar o trânsito e passar mais tempo com a família. "O trabalho remoto mudou completamente minha rotina. Zerei o tempo que passava no trânsito e consigo praticar mais esportes e ter mais qualidade de vida", comenta Pedro Bini, tech lead na GeekHunter.

Além disso, 66% dos participantes afirmam que sua produtividade aumentou, 24,23% dizem que não sentiram diferença e 5,71% acreditam que houve queda na produtividade. Para Bini, o aumento da produtividade é reflexo do equilíbrio entre a vida profissional e a vida pessoal. "No início, foram necessárias algumas adaptações, como diminuir as reuniões não produtivas, mas hoje somos tão produtivos, ou até mais, quanto no trabalho presencial."

Para Ferrari, como a demanda do setor é maior que a oferta, foi necessário oferecer posições de trabalho remotas. "Hoje não é uma escolha das empresas, é uma escolha dos candidatos. Se a empresa não se adapta a esse cenário, não consegue contratar e ainda fica extremamente limitada àqueles que ainda estão abertos a oportunidades presenciais", analisa.

O levantamento ouviu 718 profissionais da base de candidatos da empresa em agosto. Mais de 80% dos participantes são desenvolvedores e 14% trabalham na área de Data Science. A maioria dos profissionais é sênior (37,13%), mas há, ainda, plenos (34,21%), especialistas (13,21%) e juniores (12,80%). Os estados com mais participantes foram São Paulo (34,08%) e Santa Catarina (15,29%).

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/carreira/quase-80-dos-profissionais-de-tecnologia-preferem-o-trabalho-remoto-199137/

18

Out

Finanças descentralizadas são uma tendência do mercado global

Em pouco mais de um ano, o brasileiro passou a compreender os benefícios das transações instantâneas promovidos pelo Pix e começou a assimilar mais facilmente a proposta do Open Banking, que já está em operação no país. O funcionamento desses sistemas e a sinalização do Banco Central (BC) de uma possível integração do Real Digital com o mercado de contratos inteligentes e das finanças descentralizadas (DeFi) deram ânimo ao mercado. No entanto, muitos empreendedores desconhecem as vantagens dessas tecnologias e poucos sabem como elas - assim como o Pix inicialmente - podem impactar os negócios.

Para explicar o que é, como funciona e os reflexos do DeFi no universo financeiro global, o gerente-diretor do banco Standard Chartered, em Singapura, Carlos Queiroz, foi convidado para ministrar a palestra internacional de abertura do GO!RN, promovido pelo Sebrae no Rio Grande do Norte e pelo ecossistema de inovação do estado. O evento começa na próxima quinta-feira (21), as inscrições ainda estão abertas e podem ser feitas gratuitamente pelo site https://go.rn.sebrae.com.br/.

Durante o evento, Carlos Queiroz mostrará como o DeFi está sendo encarado como promissor no mercado internacional para os que buscam investir em criptoativos e abordará as vantagens e desvantagens desse sistema. Após atuar por três anos como chefe da plataforma de dados do banco DBS, Queiroz é o atual gerente-diretor global do Standard Chartered  na área de gerenciamento de dados para Bancos Corporativos, Comerciais e Institucionais (CCIB). A palestra está marcada para o dia 21, a partir das 9h. O GO!RN será realizado completamente de forma online.

“Estamos dando a oportunidade dos empreendedores do Rio Grande do Norte conhecerem e descobrirem essa tecnologia com um dos maiores executivos do sistema financeiro internacional”, destaca o coordenador do evento, o analista técnico do Sebrae-RN Carlos von Sohsten.

Vantagens do criptoativo

Proveniente da expressão em inglês ‘Decentralized Finance’, o DeFi não é uma criptomoeda, como é o Bitcoin por exemplo. É, na verdade, uma tecnologia – com protocolo peer to peer (de pessoa para pessoa)- que pode descentralizar os serviços financeiros ao dispensar os intermediários, como é o caso dos bancos e das corretoras de criptomoedas, para efetuar as transações. O DeFi permite a criação de ecossistemas de serviços financeiros de código aberto, operando sem uma instituição reguladora e permitindo que os próprios interessados criem os protocolos desejados para controle dos ativos com operações diretas. 

Entre as vantagens vislumbradas por especialistas desse cripotoativo, estão o custo mais em conta da operação, empréstimos mais baratos para quem solicita e mais rentável para os que emprestam, facilidade de acesso e alcance de uma parcela da população que ainda não está inserida no sistema financeiro tradicional. Além disso, especialistas destacam que há segurança nesse tipo de transação. São essas questões que serão abordadas na palestra internacional na abertura do evento.

Antigo Startup Day, o GO!RN 2021 já é considerado o maior evento de empreendedorismo inovador do Rio Grande do Norte. A iniciativa entra na segunda edição virtual e é uma correalização do Sebrae-RN com a Jerimum Valley, Potiguaras Valley, LEP, CDL Jovem, Salt Valley, b.connect, Junior Achievement, Parque Instituto Metrópole Digital - IMD e incubadora INOVA, RN Júnior, Seahub, PONG, Potilivre, WiE, Arara Furtacor, incubadora ITNC-IFRN, e-Labora da UnP, incubadora inPacta da UFRN, Prefeitura do Natal e Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte (Fiern). O GO!RN também engloba eventos paralelos, com destaques para o ALIFLIX e o Tech for Good.

18

Out

GO!RN foca em capacitação e conteúdos sobre games e startups

Quem gosta do universo dos jogos virtuais ou pretende explorar esse mercado não pode perder a oportunidade de participar do GO!RN 2021. Considerado o maior evento de empreendedorismo inovador do Rio Grande do Norte, o evento terá nesta edição uma programação especial voltada para amantes e desenvolvedores de games. São debates, oficinas e minicursos que serão ministrados durante dois dias e com direito à premiação. Promovido pelo Sebrae no Rio Grande do Norte em parceria com as instituições que compõem o ecossistema de inovação do estado, o evento vai reunir, nos próximos dias 21 e 22, grandes nomes do setor digital do Brasil e do mundo em ambiente online com mais de 100 atividades diferentes para esse público. As inscrições ainda estão abertas e podem ser feitas gratuitamente no site https://go.rn.sebrae.com.br/.

Esta edição terá uma atenção especial para a gameficação. Isso porque os jogos já representam mais da metade das cifras movimentadas pela indústria do entretenimento no mundo, superando as da música e cinema juntas, com um volume de US$ 163,1 bilhões e um público de 2,5 bilhões de jogadores em todo o planeta.

Por isso, o GO!RN terá mesas redondas que vão abordar os desafios e as oportunidades no cenário de jogos no Nordeste, a acessibilidade em games e os financiamentos existentes para jogos e empresas de game. Também entram na pauta os jogos direcionados para a área da saúde, a gameficação da cidadania e a importância da diversidade na indústria dos jogos. Haverá também conteúdos técnicos, como o desenvolvimento de games 3D a baixo custo, o desenvolvimento de Boardgames e as Game Jams para os Indie Games.

Para o gerente da Unidade de Mercado, Inovação e Tecnologia do Sebrae-RN, David Góis, o mercado de games é um segmento consolidado e em crescimento, com muito potencial no Rio Grande do Norte. Neste sentido, David explica que o Sebrae intensifica sua atuação junto a este segmento, disponibilizando em parceria com a comunidade especializada, um conteúdo de alta relevância no GO!RN. "Nesse mercado onde o cliente exige a cada dia que passa, experiências marcantes, as soluções gameficadas se tornaram ainda mais necessárias para retenção e engajamento deste consumidor digital que possui opções de consumo além fronteiras", justifica ele.

Os participantes do evento poderão ainda se inscrever em atividades práticas, como é o caso do minicurso ‘Design Liminal: O futuro dos jogos no capitalismo de vigilância’ e a oficina de programação de jogos multiplayer com Unity e Mirror. Os especialistas nesse mercado também repassarão dicas de marketing para desenvolvedores de games indies e mostram como a localização é imprescindível para imersão nos jogos, além de discutir a geração gamer em contraposição à cultura de alta performance, o cinema nos jogos digitais e a relação entre cosplay, cosmaker e os jogos.

Transformação Digital

O GO!RN 2021 tem como eixos principais: Startups, Transformação Digital, Tecnologia e Inovação – temáticas essenciais para empreendedores e profissionais de qualquer segmento. O evento estará estruturado com uma programação que ocorrerá simultaneamente em seis palcos virtuais: Inovação, Tecnoclogia, Empreendedorismo, Capital e Smart Money, Ecossistema e Touch the future.

Estão previstas mais de 100 atividades entre palestras, minicursos e painéis, enfocando o empreeendedorismo digital e inovador, o que atende em cheio quem já possui uma startup ou aqueles que têm uma ideia, mas ainda não a executaram. São mais de 20 eventos em um mesmo ambiente, que contará com a participação de pelo menos, 20 instituições, comunidades e grupos do ecossistema inovador, o que abre um leque de possibilidade de novas conexões e networking.

Como o GO!RN será online, todo o conteúdo estará disponível somente para os participantes do evento e nos dias e horários programados. No ambiente digital do evento, o participante vai encontrar, além de uma vasta programação, uma área de exposição com ‘estandes virtuais’ dos principais atores do ecossistema.

18

Out

Pesquisa: consumidores esperam que lojas físicas se tornem smart stores

A MindMiners realizou uma pesquisa com duas mil pessoas com o intuito de analisar como a nova realidade de pandemia afetou o modo de consumir dos brasileiros. O estudo avaliou principalmente o impacto no mercado de varejo.

Um dos resultados apontados foi a crescente da aderência ao universo digital, tendo 73% das pessoas afirmado que compraram mais online durante a pandemia. Dessas pessoas, 92% pretendem continuar com esse hábito. Além disso, 50% disseram que as lojas físicas mudarão com o fim da pandemia, se tornando “smart stores”, abrangendo o digital e o presencial.

Os principais motivos apontados pela pesquisa para justificar a aderência ao mundo digital das compras foi que o ambiente digital é prático para comprar por não ter que sair de casa (70%), além de ter a chance de comparar preços instantaneamente em várias lojas. Porém, o ponto de atenção de desistência de 48% dos participantes foi o frete. Ele também foi mencionado quando perguntados sobre as piores características das lojas online (68%), ganhando de características como não poder ver o produto ao vivo (63%), dado como a melhor característica das lojas físicas.

Segundo 77% da amostra, seu acesso nas lojas online foi motivado pela busca por um preço melhor, seguido do prazo de entrega, com 57%, e a maior disponibilidade de produtos, com 54%. A pesquisa foi realizada com duas mil pessoas, com idade a partir de 18 anos, em todas as regiões do Brasil, tendo a maioria (52%) de respostas de mulheres, feita através do aplicativo MeSeems.

Preferência na rede

iFood, Extra e Americanas, no setor de alimentos e bebidas; Renner, C&A e Netshoes, em roupas e calçados; Boticário, Avon e Natura, na categoria de cosméticos; e Americanas, Amazon, Magalu e Casas Bahias, em eletrônicos, foram as marcas campeãs de preferência dos entrevistados. Nos itens de farmácia, Drogasil, Pague Menos e Drogaria Raia foram as mais mencionadas, e no mercado pet, Petz, Cobasi e Petlove.

A Americanas e Amazon também apareceram como lojas online mais visitadas, sendo que a primeira empatou com o Mercado Livre, com 48% das respostas, enquanto a gigante americana teve 33%, superando a Magazine Luiza, que teve 32% das menções.

Fonte: Meio e Mensagem

Disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/marketing/2021/10/15/consumidores-esperam-que-lojas-fisicas-se-tornem-smart-stores.html

18

Out

Mercado: 64% das empresas da América Latina apostam em trabalho remoto após a pandemia

O trabalho remoto não é novo, mas sua adoção ganhou impulso durante a pandemia de covid-19. De acordo com o relatório Transformação Digital na América Latina – 2021, do fundo Atlantico de capital de risco, 64% das companhias latino-americanas devem apostar nesse formato nos próximos anos.

Antes da pandemia, 69% das empresas adotavam o trabalho presencial e 25% a opção híbrida. Apenas 9% optavam pelo modelo remoto. Agora, o primeiro e terceiro lugares se inverteram: além de 64% das companhias apostarem no trabalho remoto, o número de empresas no modelo híbrido passou para 31% e apenas 5% das organizações têm atividades presenciais.

Julio Vasconcellos, managing partner do Atlantico, diz que a pesquisa mostra uma tendência que deve ser vista nos próximos anos. "O trabalho remoto agrada tanto as empresas quanto os empregados", comenta. Apenas 4% dos entrevistados dizem não ter trabalhado remotamente durante a pandemia. A maioria afirma que precisa estar presencialmente apenas em reuniões externas e conferências (40%) ou que vai ao escritório somente alguns dias por mês (22%).

A pesquisa mostra que 86% dos executivos acreditam que suas equipes continuam tão inovadoras no home office quanto o eram no formato presencial. Além disso, 79% avaliam que a produtividade continua no mesmo nível de antes do trabalho remoto.

Com a pandemia, companhias da América Latina passaram a contratar globalmente: 39% já têm profissionais de fora da cidade ou do país em que estão situadas e 45% perderam trabalhadores para empresas de outros países, dentro e fora da região. Além disso, 35% dos ex-funcionários das organizações participantes da pesquisa conseguiram trabalho no exterior.

As companhias foram questionadas sobre as atividades dos empregados que trabalham remotamente. Entre elas, 33% acreditam que seus funcionários não têm atividades paralelas, 30% não sabem, 29% que os profissionais exercem atividades extras em outros períodos e 8% acreditam que eles fazem dois trabalhos concomitantemente.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/mercado/64-das-empresas-da-america-latina-apostam-em-trabalho-remoto-apos-a-pandemia-199001/

17

Out

Conheça 8 empresas que oferecem soluções para micro e pequenos negócios

Apesar do nome, as micro e pequenas empresas (MPEs) parecem “gente grande” no mundo dos negócios, pois já correspondem por 98% do universo empresarial e 27% de tudo o que é produzido no país. Para driblar o desemprego e contornar a situação financeira de suas famílias, muitas pessoas estão se arriscando e esse movimento foi responsável  pela  abertura de mais de 1 milhão de MPEs, entre janeiro e abril deste ano. Outros dados recém-divulgados pelo Sebrae comprovam que as MPEs geraram, no último ano, mais de 2 milhões de postos de trabalho, um crescimento de 71,8% das vagas criadas no país. O setor de Serviços foi o que mais se destacou no mês de junho, com 87,2 mil novas vagas, seguidos pelo Comércio, com 63,2 mil, Indústria da Transformação, com 30,9 mil, Construção Civil, com 26,4 mil e Agropecuária, com 5,9 mil. 

Mesmo sendo um dos pilares que movimentam a economia nacional, as micros e pequenas empresas continuam encarando desafios diários para manter seus negócios vivos, como a dificuldade de acesso a crédito, taxas de juros abusivas e de capital de giro. Um levantamento conduzido pela Lendico mostra que 35,8% dos pedidos de empréstimo em agosto foram feitos para começar ou melhorar o próprio negócio. Sabendo disso, algumas empresas de segmentos diferentes que já passaram por situações semelhantes, foram convidadas para contarem como as suas soluções podem ajudar quem está começando ou pensando em se tornar empresário de si mesmo. Confira os exemplos: 

Innovative Assessments

Focada em auxiliar bancos e credores a aprovar mais empréstimos para consumidores desbancarizados, a israelense Innovative Assessments está presente em mais de 15 bancos e fintechs no Brasil com o Worthy Credit, questionário psicométrico que gera perfil com dados adicionais do solicitante de crédito sobre os quais não há muitas informações e que, por isso, frequentemente têm seus pedidos negados. Por meio da ciência da psicometria, é possível realizar uma análise comportamental medindo suas disposições, atitudes, opiniões e habilidades que os tornam ou não bons pagadores. Globalmente, a fintech já gerou um aumento de 20% nas taxas de aprovação de empréstimos.

“O Worthy Credit funciona como uma alternativa além da pontuação de score, tornando-se uma oportunidade para pequenos empreendedores iniciarem seus negócios, principalmente durante um momento economicamente instável como a pandemia. O acesso ao crédito para microempreendedores é fundamental para inseri-los no sistema e contribuir com a movimentação do mercado, começando pelos pequenos negócios”, explica o PhD Dr. Saul Fine, CEO da IA.   

Intuit Quickbooks

Intuit QuickBooks é uma fintech americana desenvolvedora de sistemas de gestão financeira para PMEs e escritórios contábeis, fundada no Vale do Silício, no começo da década de 1980. No Brasil, atua com o QuickBooks, sistema de gestão financeira que ajuda PMEs e empresas de contabilidade a terem mais organização e produtividade. Com o software, é possível que os empreendedores economizem tempo e dinheiro, simplificando processos e automatizando tarefas por meio de tecnologia. Com o QuickBooks o empreendedor controla entradas e saídas de dinheiro, emite nota fiscal de serviços ou boletos e tem uma visão geral da saúde financeira de uma empresa por meio de relatórios. O QuickBooks pode ajudar a economizar 2600 horas por ano (7 horas/dia).

“Cada vez mais o empreendedor precisa economizar tempo e investir as horas do seu dia de forma estratégica no seu negócio. O aumento na produtividade acontece quando a tecnologia passa a ser uma aliada do empreendedor, transformando processos manuais em automatizados, possibilitando visibilidade dos números em tempo real e impactando positivamente a sustentabilidade e a saúde financeira de uma pequena empresa”, afirma Davi Viana,  country manager da Intuit no Brasil.

Lendico 

Lendico é uma fintech de crédito pessoal e meio de pagamento que surgiu em 2015. A partir do entendimento de que o empréstimo, quando utilizado de forma consciente e com taxas justas e personalizadas, é um meio para as pessoas progredirem cada vez mais. Atualmente, mais de R$ 650 milhões já foram emprestados, impulsionando a vida de mais de 85 mil clientes.

Atualmente a Lendico conta com o BPL - Boleto Parcelado Lendico. O produto é totalmente digital, com baixa taxa de juros e é ideal para empreendedores que querem oferecer uma nova opção de meio de pagamento para seus clientes. Isso ajuda na conversão de novos consumidores e a aumentar o tíquete médio de compras, já que é possível atingir um outro tipo de consumidor - os que não utilizam cartão de crédito. Com ele o consumidor compra um produto e paga em parcelas via boleto e o lojista recebe o valor total da compra, sem tarifas ou taxas. A Lendico fica responsável pela manutenção das parcelas e pela cobrança, se houver necessidade. “O objetivo do BPL é levar facilidade para o cliente final e inovação para o empreendedor. Ao oferecer uma opção de forma de pagamento acessível para todo tipo de cliente, os lojistas conseguem atingir um público que antes não era possível”, comenta Marcelo Ramalho, CEO da Lendico. 

Appmax 

Appmax é uma startup gaúcha que oferece um conjunto de soluções feitas para maximizar os resultados de e-commerces e negócios digitais. A fintech nasceu com o objetivo de entregar a maior aprovação de pagamentos possível, minimizando o número de compras recusadas e carrinhos abandonados de quem trabalha com vendas online. Com uma solução inovadora a empresa oferece maximização das vendas online, com sistemas de recuperação e aumento de vendas, checkouts customizáveis de alta conversão, funis de marketing automatizado para envio de SMS, E-mail e WhatsApp. 

“Nosso maior objetivo é oferecer maximização de vendas e consequentemente maior faturamento para e-commerces de todo o país, possibilitando aos nossos clientes uma variedade de serviços capazes de acompanhar todos os braços que uma PME necessita para crescer. Nossos serviços vão além da aceitação apenas sobre meios de pagamento”, explica Betina Wecker, VP de Novos Negócios na Appmax. 

a55 

a55 é uma fintech que viabiliza crédito para empresas de tecnologia, como e-commerces, e para empresas com receita recorrente para colaborar com o crescimento de empreendedores que precisam de capital de giro para expandirem seus negócios. A fintech, que está presente no Brasil e México, já originou mais de R$ 200 milhões em crédito, utiliza uma plataforma que conecta informações de contas bancárias, faturamento, meios de pagamento e inteligência de crédito. 

Essa inteligência somada a gestão financeira faz com que a fintech consiga prever a necessidade de capital de giro do empreendedor. No total, já são mais de 14 mil empreendedores cadastrados na plataforma da a55. “Nosso propósito é ajudar empreendedores com capital para crescimento de forma sustentável e de maneira mais propícia para empresas que possuem tecnologia em seus modelos de negócio do que as soluções tradicionais”, explica André Wetter, presidente e cofundador da a55. 

OiMenu

Para apoiar os MPEs do segmento de food service, a OiMenu, startup de cardápios digitais, ajuda o empreendedor a economizar com a mão de obra e aumentar o faturamento em suas vendas - tudo utilizando uma eficiente tecnologia que se comunica em diversos idiomas. Isaac Paes, CEO e fundador da startup, explica que a OiMenu foi criada justamente para solucionar diversos desafios do empreendedor com uma única solução: o cardápio digital. “Com o tablet da OiMenu, os pedidos em bares e restaurantes são realizados de uma maneira totalmente ágil e intuitiva, oferecendo imagem dos pratos, opções de personalização e a possibilidade de realizar pesquisas de satisfação ou promoções pontuais”, explica o CEO. 

Essa experiência inovadora ajuda muito no aumento das vendas, mas ele acontece, de fato, devido à moderna tecnologia desenvolvida por especialistas em psicologia do consumo. “Nem sempre um garçom tem tempo de oferecer adicionais a todos os clientes, ou muito menos opções que harmonizem, como um determinado tipo de vinho para um cliente que pediu espaguetes, por exemplo. Com a tecnologia da OiMenu, o cliente tem uma visão completa do serviço oferecido pelo estabelecimento e isso tem aumentado em 30% o ticket médio dos nossos clientes”, finaliza Isaac. 

Vadu 

Com estrutura focada em inovação, o Vadu é uma plataforma especializada em soluções de análise, monitoramento e automação de crédito. A fintech reúne em um só lugar recursos que facilitam o dia a dia das empresas que fornecem crédito ao mercado. Em um clique é possível ter acesso a relatórios consolidados com respostas rápidas e diretas, que simplificam a análise sobre a empresa consultada, seus sócios e fundadores, possibilitando a tomada de decisão com segurança e prevenção de fraudes.

“Temos como premissa oferecer soluções eficientes para os problemas reais enfrentados pelos nossos clientes. Apenas disponibilizar tecnologia e dados não é o bastante, é preciso conectar as informações ao dia a dia e às necessidades de cada negócio. Desta forma, com aptidão e espírito consultivo, democratizamos o Big Data e entregamos um serviço personalizado”, afirma Michel Varon, fundador e CEO do Vadu. 

Flix

Flix é a primeira seguradora brasileira 100% digital com foco exclusivo na venda de seguros e assistências residenciais. Recentemente a insurtech lançou a plataforma Flix2Business, para que outros negócios possam passar a oferecer também os seguros residenciais da Flix de forma digital e descomplicada para seus clientes. O setor de seguros foi impulsionado pela pandemia e vem crescendo desde então. Desta forma, os empreendedores conseguem aproveitar essa ascensão e ampliar seu portfólio, gerando renda extra recorrente para sua empresa de forma simples.

"Nosso objetivo é proporcionar uma vantagem competitiva, oferecendo um diferencial a mais para captar e fidelizar mais clientes. A partir do momento em que eles fecham parceria com a gente, ele recebe a API para integrar em seu site e já pode começar a vender, ou opta por uma plataforma plug'n'play para realizar as vendas sem qualquer envolvimento do time de TI ou de passos tecnológicos. Além disso, nós promovemos aos seus clientes as soluções para problemas corriqueiros do ambiente residencial por intermédio das assistências. É uma solução simples e economicamente interessante para eles”, explica Felipe Barranco, CEO da Flix.

17

Out

Cinco dicas para sua empresa se preparar para a Black Friday 2021

Como uma das datas cada vez mais importantes para o varejo brasileiro, a Black Friday deste ano deve seguir a tradição das edições anteriores, como um importante evento. Como já é de costume, ela cai sempre na última sexta-feira do penúltimo mês do ano, ou seja, neste ano será em 26 de novembro. É uma das datas mais aguardadas pelos consumidores brasileiros, porque muitas pessoas esperam a sua chegada para comprar eletrônicos, eletrodomésticos, roupas, calçados, produtos esportivos, beleza e até alimentos e bebidas. Muitos também antecipam as compras de Natal por causa dos descontos.

Mas como saber se a sua empresa está pronta para a Black Friday? É certo que quem se planeja de antemão ganha vantagem. Pensando nisso, a ZENVIA, plataforma de comunicação que empodera as empresas para que possam criar experiências únicas de comunicação para seus clientes, preparou algumas dicas para ajudar os varejistas no planejamento. Tudo para que possam realizar suas estratégias de marketing e vendas e, assim, engajar o consumidor e aumentar as vendas. Veja:

Planejamento de marketing

O primeiro passo é fazer um planejamento da Black Friday, com estratégias de marketing e vendas. Experimente trocar ofertas de produtos por motivações de consumo. Por exemplo:

- Ofereça as melhores opções – já pensou em criar stories com achados da sua marca de forma totalmente espontânea? 
- Disponibilize a melhor oportunidade para uma escolha inteligente – qual é o maior diferencial da sua loja hoje?
- Viabilize o consumo – por que essa necessidade deve ser atendida em sua loja?
- Tenha clareza sobre quais ferramentas e soluções são necessárias para cada campanha – como o seu cliente se engaja? É por SMS, redes sociais, WhatsApp, ou outra forma de atendimento?
- Quais fluxos de comunicação com o cliente são necessários? – quem é seu público, quais são as preferências e como ele compra? 

Não se esqueça de que os consumidores gastam bastante tempo pesquisando produtos e lojas antes de comprar, mas também estão dispostos a adquirir itens em uma loja virtual pela primeira vez. Coloque o seu diferencial como parte da estratégia de marketing e vendas, mas sem perder de vista os benefícios para o consumidor.

Prepare seus canais de comunicação

Durante o período de isolamento social causado pela pandemia de Covid-19, o e-commerce brasileiro ganhou mais de 7 milhões de novos consumidores somente no primeiro semestre de 2020, segundo relatório Webshoppers, da Ebit / Nielsen. Além da necessidade gerada pelo distanciamento, o período também influenciou no aumento da confiança da população em fazer pagamentos on-line. Por outro lado, as lojas avançaram nas iniciativas de transformação digital para atender esses novos consumidores. Somente em 2020, foram 13 milhões de pessoas que fizeram sua primeira compra on-line. Nesse cenário, canais de comunicação como o WhatsApp, e-mail, SMS e até mesmo o telefone serviram e servem como apoio para as empresas no suporte do atendimento ao cliente.

Pense na experiência do consumidor

O desempenho do e-commerce varia com a sazonalidade das datas comemorativas, e isso não é novidade. Depois do Natal, a dupla Black Friday e Cyber Monday é a que mais movimenta as vendas no comércio on-line,  segundo dados da Ebit/Nielsen na pesquisa Webshoppers. Além disso, de forma geral, 2021 apresenta bons resultados desde o primeiro trimestre, período em que foi registrado aumento de 57,4% nas compras no ambiente on-line, segundo dados da Neotrust. Ainda assim, o Brasil vive um momento de intenso questionamento: quais hábitos serão mantidos com a volta das atividades presenciais e o avanço da vacinação contra a Covid-19? Porém, há uma ressalva: se a tendência de valorização da boa experiência já era uma realidade, ela vem se consolidando. Isso porque 34% dos consumidores afirmam que uma boa experiência de consumo é um fator decisivo para que considerem realizar compras futuras em determinada empresa, segundo mostrou a Pesquisa Retomada do Consumo 2021 para Inteligência de Mercado Globo, da Behup. É o caso de pensar, por exemplo, como poderia ser uma experiência ideal para o seu público. Imagine que o seu cliente é impactado por e-mail, com um botão para uma conversa por WhatsApp com a loja, onde ele pode tirar dúvidas e obter mais informações. Vamos supor que a pessoa faça uma compra. Um SMS, voz ou WhatsApp pode alertá-la sobre a encomenda a caminho. E depois de receber, uma ligação pode pedir a opinião sobre o produto e a entrega, com a possibilidade de transbordo para um vendedor ou a equipe de suporte, se a experiência não foi tão satisfatória como o cliente esperava. São pontos de contato que fazem toda a diferença para uma compra futura e para a imagem da empresa.

Antecipe-se aos anseios de seus clientes

Um estudo da MCC & Net mostrou que, em 2019, os consumidores, no dia da Black Friday, queriam: preço promocional (80%), dois por um e similares (6%), frete grátis (4%), parcelamento sem juros (4%), cupons (2%) e melhor prazo de entrega (1%). O curioso nesse estudo é que, por mais que apenas 1% dos entrevistados pedissem melhor prazo de entrega, uma pesquisa do Reclame Aqui apontou que o atraso na entrega dos produtos é o maior desafio no dia da Black Friday. Foram mais de 49,62% de reclamações. Nesse ponto, além de pensar na gestão do estoque, é importante manter uma comunicação transparente com os clientes e utilizar tecnologias que façam o rastreamento dos pedidos, para oferecer uma melhor experiência ao consumidor. Não se esqueça de que, para muitos, esse é o primeiro contato com a sua empresa. Então, vale reforçar aqui o primeiro conselho: um bom planejamento, combinando conhecimento do público, estratégia, ferramentas de comunicação e equipe, é fundamental para o sucesso de qualquer campanha. E aí vale contar com parceiros de confiança para o melhor desenho da ação junto ao consumidor, envolvendo a tecnologia e o lado humano.

Seja criativo na mensagem e engaje o seu público

Os consumidores estão repensando o consumo. Não se esqueça de reforçar o propósito da sua empresa. Apoie causas com as quais a sua loja, de fato, se identifique. Com isso, as ações e comunicações que as marcas tiveram durante a pandemia vão impactar no consumo da Black Friday 2021. Pense na comunicação com clientes e prospects antes, durante e no pós-Black Friday. Crie conteúdos relevantes e espere a sua audiência replicá-los ou fazer o chamado buzz marketing. E, por fim, não se esqueça de que nem tudo precisa ser muito sério: invista em memes, vídeos e desafios. Saia da caixa. Mas sem perder a identidade da marca e sem se desviar do perfil e das necessidades de seus consumidores.
 

15

Out

COINCITEC/FIERN realiza programação do Dia Nacional da Inovação

O Dia Nacional da Inovação é comemorado em 19 de outubro. E para marcar a data, a Comissão Temática de Inovação, Ciência e Tecnologia da FIERN (COINCITEC) realiza uma imersão com muito conteúdo sobre o Ecossistema de Inovação do RN. O evento, exclusivo para convidados, será realizado junto com a reunião da Comissão, das 14h30 às 17h30, no Espaço Candinha Bezerra, na Casa da Indústria.

O evento será a primeira grande ação na retomada de encontros presenciais, gerido de forma conjunta com os atores do Ecossistema de Inovação e conduzido pelo presidente da COINCITEC, o empresário Djalma Barbosa Cunha Júnior.

“O Dia Nacional de Inovação foi o momento escolhido como oportuno para discutirmos várias ações que a COINCITEC vem debatendo, fazer um planejamento 2022 e adiante e o mais importante: o evento contará com vários painéis para extrair os desafios que esses grupos de trabalho vão ter para os próximos anos para que a gente possa tornar a inovação como um mecanismo de desenvolvimento e oportunidade para os empresários, para que esses possam ter um aumento na competitividade”, detalha Djalma Júnior.

A proposta é apresentar aos que integram o Ecossistema de Inovação e à classe empresarial do RN as principais atuações e iniciativas que abordam programas, ações e projetos empreendedores em desenvolvimento nos diferentes ambientes – sejam da iniciativa privada, governos, academia e demais parceiros -, na expectativa de consolidar sistemáticas de integração, compartilhamento e conexões, que resultem em práticas sólidas e favoreçam o fortalecimento dos atores do Ecossistema de Inovação no RN.

A programação está dividida em seis painéis que abordam temas como Ambientes de inovação, Políticas públicas, Governança, entre outros. Confira abaixo a programação:

PROGRAMAÇÃO – Dia Nacional da Inovação

Terça-feira, dia 19 de Outubro

Das 14h30 às 17h30, no Espaço Candinha Bezerra – FIERN

Painéis

  1. AMBIENTES DE INOVAÇÃO

Parceiro convidado: Rodrigo Romão

Pré Incubadora, Incubadora e Aceleradora (Efetividade e Integração) e Parque Tecnológico (Integração)

Parceiro convidado: Rodrigo Mello

Espaço Maker (Efetividade e Integração) e Centros de Inovação (Integração)

Parceiro convidado: Guilherme Oliveira

Coworking (Integração)

  1. PROGRAMAS E AÇÕES

Parceiro convidado: Susie Macedo

Programas e Ações e Protagonismo Empresarial (Efetividade e Integração)

  1. ICTI

Parceiro convidado: Rodrigo Romão

Formação de Talentos (Efetividade e Integração) e ICTI Inovação (Efetividade e Integração)

 

  1. POLÍTICAS PÚBLICAS

Parceiro convidado: Joanna Guerra e Irani Santos

Legislação de Inovação e Benefícios (Efetividade) e Órgãos Públicos de Inovação

 

  1. CAPITAL

Parceiro convidado: David Góis

Investidor Anjo, Venture Capital, Instituições de Fomento e Venture Capital (Efetividade)

  1. GOVERNANÇA

Parceiro convidado: Susie Macedo

Governança (Efetividade)

15

Out

Confiança do empresário industrial fica estável em outubro

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) mapeou, pelo 15º mês consecutivo, confiança do empresário no próprio negócio e na economia brasileira. É o que mostra o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI). O ICEI variou de 58 pontos para 57,8 pontos entre setembro e outubro e, apesar da leve queda, o cenário é de estabilidade.

O índice varia de uma escala de 0 a 100 e, por se situar acima da linha divisória dos 50 pontos, que separa a confiança da falta de confiança, indica que os empresários da indústria estão confiantes.. Foram entrevistados 1.488 empresários, sendo 607 de pequenas empresas, 543 de médias e 338 de grandes entre 1º e 7 de outubro.

O gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, explica que o Índice de Condições Atuais variou -0,7 ponto e ficou em 51,5 pontos, enquanto o Índice de Expectativas não variou, permanecendo em 60,9 pontos.

“Ambos os componentes do ICEI estão acima dos 50 pontos, o que indica que a avaliação das condições atuais é positiva na comparação com os últimos seis meses e que as expectativas para os próximos seis meses são otimistas”, explica o economista. Faça o download da última edição na íntegra.

15

Out

A maioria das pessoas mudaria de carreira pensando na felicidade, diz estudo

Ser feliz é o objetivo da humanidade. Independentemente de qual seja a meta de vida, as pessoas nascem, crescem e o seu desenvolvimento a partir daí é voltado para esse propósito: ser, de algum modo, satisfeito. Nesse sentido, o Nube - Núcleo Brasileiro de Estágios fez um estudo em seu site, entre 23 de agosto e 3 de setembro, com a participação de 26.012 jovens entre 15 e 29 anos, perguntando: “se pudesse mudar de carreira, se sentiria confortável?”. Como resultado, encontramos um cenário com grande parte dos indivíduos tranquilos com a ideia e em busca da felicidade.

Com 36,41% (ou 9.472) dos votos, a maioria dos participantes acredita na importância de ser realizado com a atuação profissional. Todavia, isso é diferente de ter o foco na remuneração. “Pensar apenas no salário pode trazer muitas frustrações porque apesar de ser importante para o nosso entusiasmo, é uma parte pequena quando pensamos em um mês todo desempenhando algumas atividades”, alerta a analista de seleção do Nube, Vitoria Ribeiro.

Nesse sentido, o entusiasmo em relação a isso, envolve um conjunto de fatores como a identificação com as tarefas, a perspectiva de crescimento, entre outros. “O retorno financeiro é apenas um desses pontos, se avaliarmos apenas ele, as chances de decepção são grandes”, continua.

Como saber se está na hora de mudar de área? “A desmotivação com a profissão pode trazer diversos sintomas: o estresse excessivo, cansaço além do esperado e queda na performance. Esses são os principais sinais da existência de algum problema a ser ajustado. Sobretudo, é importante analisar minuciosamente como anda a sua saúde para entender se é o momento de buscar novos ares”, complementa a especialista.

Já 28,98% (7.538) estão alegres com suas jornadas e não pensam em mudar. “É fundamental sentir-se confortável com o ofício. A construção de um caminho de sucesso depende, significativamente, da motivação”, diz Vitoria.

Ainda para 19,86% (5.167) dependeria de algumas circunstâncias, mas ponderariam. “Quando não nos sentimos bem em alguma atividade é importante traçar uma estratégia. É fundamental estar firme na decisão e para facilitar o processo, busque contato com outros para entender na íntegra o funcionamento dessa ocupação”, expõe a analista.

Em contraponto,12,72% (3.309) consideraram fazer a alteração e contam com o apoio da família. No entanto, além desse auxílio, a busca por cursos complementares e conhecimento adicionais pode fortalecer esse momento. “Quando ingressamos em uma área ainda sem experiência, é importante buscar aprendizados para te destacar no mercado, como ferramentas utilizadas, outros idiomas e até mesmo aulas livres”, sugere a recrutadora.

Por fim, 2,02% (526) não se sentem confortáveis em mudar, mas também não estão bem com a escolha inicial. Para Vitoria, esse medo é perigoso e pode desdobrar outras coisas. “Quando não nos sentimos engajados e motivados, o nosso rendimento cai muito, pois é bem desanimador. Isso gera diversos traumas como: oscilações constantes de vaga ou companhia, esgotamento e estafa excessiva em relação às ações exercidas. Tudo isso, pode gerar ainda mais desencanto”, finaliza. 

15

Out

Brasil: 5% das tentativas de abertura de contas digitais no país são fraudes

No Brasil, 5% das tentativas de registros de contas em bancos são identificadas como fraude. Os dados são de uma pesquisa da Flexdoc, empresa de engenharia bancária, que analisou 10 milhões de operações de cadastros de abertura de perfis financeiros em diversas instituições que utilizam sua plataforma de serviços.

As tentativas de fraude em registro digital, feitas a partir da apresentação de dados de terceiros ou documentos não autênticos, atingiram 5% das operações nos registros analisados, o que totalizou mais de 500 mil alertas emitidos pela Flexdoc para as instituições atacadas. Além disso, de acordo com a pesquisa da empresa, os processos de registro digital apresentam praticamente 100% de sucesso na detecção dessas tentativas, uma vez que diversos fatores de checagem são utilizados durante o processo.

Entre estes fatores de autenticação estão o próprio hardware do celular, com suas identidades nativas, cruzadas com dados do chip, as coordenadas de GPS e a conta do usuário, tudo isto o habilitando o aparelho como um token. Somando-se a isto, o processo de registro emprega a extração de dados digitais do cliente diretamente das imagens de documentos (sem possibilidade de adulteração) e confronta as informações de credenciais com arquivos públicos e privados, como birôs de informação, polícia, cartórios e órgãos de registros.

Outros dados da pesquisa

A pesquisa da Flexdoc também mostra outros dados, como o fato que para 65% dos casos avaliados, o registro digital de contas de pessoa física com o uso do celular leva, em média, 3,5 minutos no Brasil. Nas outras 35% ocorrências estudadas, porém, este indicador é bem menor, e cai para 2 minutos ou menos. Segundo a empresa, a incidência do índice reduzido coincide com os dados de instituições que usam Apps específicos para a captura digital instalados no celular do cliente, não usada por parte dos bancos. 

O uso de apps específicos, explica a Flexdoc, tem o objetivo de não comprometer recursos nativos e a memória do celular do usuário, a partir de interfaces não especializadas para a captura móvel. Em contrapartida, esta economia de memória resulta em maiores dificuldades de operação e na geração de jobs (pacotes de dados e documentos) mais pesados e mais difíceis de serem enviados para os sistemas usados no processamento das solicitações de registros. 

O estudo também mostra que a taxa de sucesso geral dos cadastramentos digitais é alta, atingindo 70% das operações, considerando apenas o sucesso na primeira tentativa. Ao mesmo tempo, 25% dos cadastramentos precisam de duas até cinco tentativas para concluir com sucesso o processo, e 5% resultam em falha completa, durante um período de 30 dias analisados. Os principais problemas encontrados no processo são no envio de imagens dos documentos, nas selfies dos usuários e erros na operação do processo pelos clientes.

A rejeição das imagens capturadas se dá por fatores como a baixa nitidez (fotos muito apagadas, escuras ou distorcidas) erro de posicionamento do documento  e obstrução do campo de visão (como o dedo do usuário segurando a CNH ou a capa plástica translúcida envolvendo a credencial). Outro erro frequente nos registros é visto nas selfies, onde muitas vezes as orientações não são completas, resultando em usuários enviando fotos de corpo inteiro, que são rejeitadas no cadastro.

De acordo com Everson Lima, sócio responsável pela arquitetura de sistemas da Flexdoc, essas falhas podem ser minimizadas pelo uso de Apps de captura, que segundo o sócio permite processar várias funções da captura no próprio celular, corrigido distorções de imagem e aplicando compressão de dados antes de criar o pacote que será enviado para o registro. 

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/seguranca/5-das-tentativas-de-abertura-de-contas-digitais-no-brasil-sao-fraudes-198877/

15

Out

Fintechs deverão ter políticas de relacionamento iguais às dos bancos

A partir de 1º de novembro, os consórcios e as instituições de pagamento, categoria que abrange fintechs (startups financeiras) e bancos digitais, deverão ter políticas de relacionamento com clientes iguais às dos bancos tradicionais. O Banco Central (BC) aprovou hoje (14) resolução que institui a exigência.

Com a medida, todas as instituições financeiras reguladas pelo BC deverão oferecer canais como centrais de atendimento e ouvidorias, que recebem reclamações de clientes e usuários e respondem a dúvidas. Em nota, o BC informou que a medida tem como objetivo aumentar a credibilidade do sistema financeiro.

“A política de relacionamento deverá nortear a condução das atividades das instituições em conformidade com os princípios de ética, responsabilidade, transparência e diligência, propiciando a convergência de interesses e a consolidação de imagem institucional de credibilidade, segurança e competência”, destacou o comunicado.

De acordo com o BC, a regulamentação padroniza as normas de relacionamento entre as instituições financeiras e os usuários. “Busca-se com isso, aprimorar essa relação, alinhando os interesses das instituições aos de seus clientes”, acrescentou o texto.

Fonte: Agência Brasil

14

Out

Rio Grande do Norte registra ocupação de 68% no feriadão

 Em mais um demonstrativo de recuperação do turismo, neste feriadão da padroeira do Brasil, o Rio Grande do Norte registrou ocupação de 68% na rede hoteleira do estado. Os dados são da pesquisa realizada pela Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do RN - Abih.

Segundo o presidente da entidade, Abdon Gosson, os números são animadores. "Como principal fonte de renda dos potiguares, o turismo vem se recuperando de maneira positiva, principalmente nesse segundo semestre onde grande parte da população está vacinada. O Rio Grande do Norte vem cumprindo as regras sanitárias e isso dá ao visitante segurança para nos escolher como destino de férias e feriados", disse.

A pesquisa mostrou que a procura por hospedagem cresceu tanto na cidade, quanto no interior. Também houve um aumento de 9% em relação ao último feriadão de 7 de setembro. De acordo com Abdon Gosson isso reflete o trabalho de divulgação do destino que está sendo promovida pela ABIH-RN, e conta com o apoio do Governo do Estado, através da Secretaria Estadual de Turismo / Emprotur, e pela Prefeitura de Natal, através da Secretaria Municipal de Turismo.

"Em setembro estivemos nas cidades de Brasília-DF, Goiânia-GO, Uberlândia-MG, Belo Horizonte-MG e Rio de Janeiro-RJ, no total foram capacitados mais de 500 pessoas. A próxima ação vai acontecer em cidades pelo interior de São Paulo, ponto importante de saída com destino ao Rio Grande do Norte. Dessa forma estamos conseguindo alcançar nosso objetivo que é trazer mais turistas para para o RN", frisou.
 

14

Out

Rodadas de negócios são atrativos da Feira do Empreendedor 2021

A Feira do Empreendedor 2021 vai fomentar o desenvolvimento de ideias, capacitação e, principalmente, a geração de mais negócios. Durante o evento, que será realizado gratuitamente via plataforma de realidade virtual Sebrae Experience, estão programadas rodadas de negócios multissetoriais nacional e internacional. Os encontros de aproximação comercial entre pequenas empresas ofertantes e grandes compradores ocorrem a partir do dias 23. A inscrição para participar de uma das quatro sessões pode ser feita pelo site https://feiradoempreendedor.sebraesp.com.br/Promovida pelo Sebrae, a Feira do Empreendedor vai ser realizada na plataforma de realidade virtual Sebrae Experience, que permite uma navegação em ambiente 3D fácil, intuitiva, com acesso imediato aos expositores, conteúdos e soluções para os pequenos negócios.

A expectativa do Sebrae é que centenas de micro e pequenas empresas se reúnam nesse ambiente virtual para negociar seus produtos e serviços com compradores nacionais e internacionais. As inscrições podem ser feitas via site da feira. Os agendamentos das sessões serão realizados previamente para os inscritos, sem possibilidade de entrar na hora. Para os compradores nacionais, as rodadas acontecerão entre os dias 23 e 25 de outubro. Já nos dias 26 e 27 de outubro será a vez dos compradores internacionais.

Haverá rodada para o agronegócio no primeiro dia e, nos dois dias seguintes, rodadas multissetoriais, de acordo com o mapeamento das demandas e dos segmentos. No caso das rodadas internacionais, o foco sarão os segmentosr de alimentos e bebidas, moda, couro e calçados, além do agronegócio. Nas rodadas virtuais, potenciais compradores e vendedores se reúnem de forma on-line para fazer transações comerciais conforme interesses em comum. A previsão é que sejam realizadas cerca de 300 reuniões nos quatro dias.

A plataforma da Feira do Empreendedor permanecerá ativa com possibilidade para que as empresas continuem a se comunicar para fechar acordos comerciais até o dia 12 de novembro. Após essa data, as empresas expositoras terão espaço garantido no Catálogo Oficial do evento, que ficará disponível para download para os empreendedores que procuram novos negócios.

Para a analista da Unidade de Inovação e Negócios do Sebrae-RN, Daniela Tinoco, as rodadas da Feira do Empreendedor representam uma excelente oportunidade para que empresas do Rio Grande do Norte com capacidade produtiva possam colocar seus produtos em uma vitrine nacional e com possibilidade de fechar negócios com compradores estrangeiros. “Essa é uma ótima oportunidade para a abertura de novos mercados e nossos empreendedores não devem perder”.

Com conteúdo e informações para quem já é dono de negócio ou pensa em empreender, o evento vai trazer grandes nomes do mercado, especialistas multisetoriais e personalidades. Entre as participações já confirmadas estão o rapper paulistano Emicida; a empresária Luiza Helena Trajano, da Magazine Luiza; o fundador e CEO do Gerando Falcões, Eduardo Lyra; o ex-nadador da seleção brasileira Joel Jota; a investidora anjo e empresária Camila Farani, que faz parte do time do Shark Tank Brasil; o economista Ricardo Amorim, entre outros.

Os empreendedores ainda poderão fazer contato com o atendimento remoto e conversar com os consultores do Sebrae, disponíveis para tirar dúvidas e passar orientações. O Sebrae Experience é compatível com os navegadores Chrome, Firefox, Edge, Safari e IE, podendo ser acessado por tablet, celular e desktop.

13

Out

Nilo e Magno Vila apresentam nova marca do grupo empresarial

Os empreendedores Nilo e Magno Vila apresentaram nesta segunda-feira (11), em live transmitida pelo canal do Youtube, ao corpo de funcionários e ao mercado a nova marca do grupo empresarial, que agora passa a se chamar Vila. O conceito da marca representa o compromisso dos empresários com a trajetória de 73 anos da família, que carrega no sobrenome sinônimo de credibilidade e inovação, quando o assunto é acolhimento, por meio dos serviços funerários e cemiteriais prestados.

A marca Vila, criada pela agência Execom, nasce com objetivo também de marcar o momento de expansão da empresa, que em breve inaugurará um cemitério, em Mossoró. Na oportunidade, os empresários destacaram que a proposta da Vila é ser ainda mais eficiente e inovadora, tanto para os que buscam seus serviços, no Rio Grande do Norte, como na Paraíba. E seguirá sua missão primordial de cuidar em vida, amparar na despedida e preservar viva a memória dos entes que já partiram.



Para o sócio-diretor Nilo Vila o tempo é de renovação e fortalecimento da empresa. "Unimos os ensinamentos da história, iniciada ainda pelo nosso pai, ao amadurecimento da equipe, a união de todos para nos colocarmos sempre como a melhor escolha para os nossos clientes", disse.

No mercado desde 1948, o sobrenome Vila é referência quando se trata de serviços funerários e cemiteriais. E a solidez da trajetória de sucesso está baseada na gestão formada em valores sólidos.

Ao falar para os colaboradores, o também sócio-diretor, Magno Vila reforçou a contribuição dada por cada um. “Compartilhar com vocês este momento é ressaltar que vocês são parte deste crescimento. Chegar até aqui só foi possível pelo sim de vocês a tudo aquilo que acreditamos. E os nossos valores são os princípios que regem as decisões e ações da empresa. Estamos e continuaremos pautados na simplicidade, respeito, excelência, integridade, acolhimento, desenvolvimento humano, centralização no cliente e inovação”, reiterou.

Atualmente, a empresa conta com 477 colaboradores em seu quadro funcional. 

Sobre a empresa Vila

Responsáveis por uma história de excelência, sucesso e serviços prestados, Magno Vila e Nilo Vila, dirigem o grupo que é sinônimo de tradição, credibilidade, inovação, respeito aos clientes, parceiros e colaboradores, há 73 anos, oferecendo os seguintes serviços à sociedade:

•Plano Sempre de Assistência Funeral, em todo o RN e região do Seridó paraibano;
•Centro de Velório São José, em Natal-RN;
•Funerárias e Velórios Sempre, em todo o RN e região do Seridó paraibano
•Cemitério e Crematório Vila Memorial;
•Cemitério Vila Memorial Caicó;
•Cemitério Vila Memorial Mossoró (em construção);
• Crematório Vila Pet (em breve cemitério).