Comunicação

10

Ago

Sesc Mulheres debate cultura transformadora e projetos sociais

Na próxima quarta-feira (11), a partir das 19h, o Sesc PR promove o terceiro encontro on-line do Sesc Mulheres, com o tema “Cultura Transformadora: mulheres à frente de projetos sociais”. A transmissão do encontro será pelo canal Sesc PR no Youtube.

A mesa-redonda terá a participação da psicóloga, bailarina e coreógrafa, Suely Machado, da bailarina, coreógrafa, performer e artista docente, Patrícia Machado. O bate-papo terá mediação da estrategista em Marca Pessoal e presidente da Câmara da Mulher Empreendedora e Gestora de Negócios (CMEG) de Curitiba, Luciana Burko Maciel.

O projeto Sesc Mulheres traz à tona  o universo feminino, a condição das mulheres, suas demandas e a relação com a cultura. Para isso, convida profissionais da área cultural e empreendedoras para discutir a condição feminina, suas demandas, como pensar a realidade a partir da mulher, seus pontos de vista, visando tornar a convivência mais plural e igualitária.

Convidadas

Suely Machado é graduada em Psiciologia, pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, com especialização em Coreoterapia e Psicomotricidade e, em Pedagogia do Movimento para o Ensino da Dança, pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, É bailarina e coreógrafa, formada em Dança Moderna, fundadora do grupo de dança Primeiro Ato e do 1º Ato Centro de Dança, em  1982, sendo diretora desde então. Há 11 anos criou e dirige o 1º Ato, em Nova Lima, Minas Gerais. É representante mineira na Associação de Produtores do Mercosul, foi jurada em diversas edições do Festival Internacional de Dança de Joinville, em Santa Catarina, e atua como jurada técnica no programa Dança dos Famosos, na Rede Globo, desde 2011.

Patrícia Machado é bailarina, coreógrafa, performer e artista docente, formada em Dança pelo Institut del Teatre de Barcelona, Espanha. É mestre em Mediações Educacionais em Artes, e doutoranda em Pedagogia das Artes Cênicas, pela Universidade do Estado de Santa Catarina. Atuou na Leine and Roebana Dance Company, de Amsterdam e da It Danza Joven Compañia, em Barcelona, na Companhia de Dança Contemporânea, em Lisboa e, no Balé Teatro Guaíra, em Curitiba. Desde 2016 desenvolve trabalhos coreográficos e performativos com a temática do refúgio e da migração. É cofundadora do Nós em Traço, coletivo interessado em alternativas para arte e educação.

8

Ago

Seis dicas para se tornar um empreendedor bem-sucedido

A atual conjuntura econômica e social do Brasil tem levado muitas pessoas a buscarem o sonho de criar o seu próprio negócio e empreendedor. De acordo com dados do Mapa de Empresas, do Ministério da Economia, o número de Microempreendedores Individuais (MEI) cresceu no País ao longo de 2020. Do total de 3.359.750 empresas abertas no período, 2.663.309 eram MEIs, o que representou um aumento de 8,4% em relação ao ano de 2019.

Dado esse cenário, Felipe Valença, CEO da Acqio, fintech brasileira que atua como adquirente e desenvolve soluções de pagamento para pequenos e médios empreendedores, listou seis dicas para que profissionais que almejam iniciar seu próprio negócio possam ser bem-sucedidos na empreitada. Veja abaixo:

Atendimento ao cliente é tão importante quanto o marketing 

Não adianta investir pesado em propaganda se o feedback de seus clientes for negativo. Lembre-se: o marketing é muito importante, mas se você proporcionar um excelente atendimento aos seus clientes, eles com certeza farão propaganda de você.

Empreendedores devem ser ágeis para saber a hora de mudar 

Na cultura das startups, quando surge uma ideia, ela deve ser implantada imediatamente. Porém, nem sempre a ideia inicial tem sucesso, e isso é normal. Seja ágil ao identificar que algo não vai bem e tome atitudes para mudar esse cenário. Quanto mais tempo uma falha permanece, maior o impacto nos negócios.

Seja flexível com a ideia de negócio

Lembre-se que nem sempre a sua opinião pessoal sobre um produto ou serviço representa a opinião do seu cliente. Ter paixão pelo que faz é importante, mas esteja aberto a mudanças que possam surgir, ainda que isso custe alterar completamente o seu ideal.

Empreendedores aprendem, ainda que seja com fontes inesperadas

Esteja aberto ao aprendizado: muitas vezes aquela ideia que você jamais teria surge numa conversa informal. O conhecimento está por todos os lugares, então, saiba aproveitá-lo!

Se não puder fazer cursos, leia

Cursos são ótimas ferramentas para capacitação, mas a leitura também é uma excelente aliada. Há livros de todos os segmentos, com teoria e prática. Se não tem tempo ou mesmo recurso para fazer um curso agora, comece lendo. O importante é não parar.

Seja diferente do que já existe

A concorrência está a todo momento investindo. Você nunca será o único a operar em seu segmento, mas deve se tornar diferenciado. Tenha clareza para estudar quem são seus concorrentes e o que eles oferecem, e com essas informações, crie técnicas para que seu cliente opte por você. 

 

8

Ago

Dia dos Pais: 4 livros para fazer uma viagem no tempo com os carros clássicos do Brasil

Hoje é comemorado o “Dia dos Pais”. E ainda que aqui no Brasil, a data seja diferente dos outros países, é o momento de lembrar a importância dessa figura, homenagear com um gesto de carinho e encontrar a melhor forma de agradecer e reforçar a relação entre pais e filhos. Para ajudar a deixar esse momento ainda mais especial, a Disal, referência no mercado editorial, separou uma seleção com uma verdadeira viagem literária pelos carros clássicos do Brasil.

O “Dia dos Pais” passou a ter repercussão mundial a partir do início do século XX, quando a data foi institucionalizada nos Estados Unidos. O país comemorou pela primeira vez em 19 de junho de 1910, mas um ano antes a ocasião foi celebrada em uma única cidade chamada Spokane, localizada no estado de Washington.

Sonora Louis Dodd quis homenagear seu pai, Willian Jackson Smart, que era um veterano da Guerra Civil Americana e cuidou de todos os filhos após a morte de sua esposa. Ela escolheu o dia 19 de junho por ser o dia do aniversário dele. Após a data ter se alastrado pelos Estados Unidos, o presidente Richard Nixon declarou o terceiro domingo de junho como o dia oficial.

No Brasil, a primeira comemoração foi em 1953 em agosto e foi pensada e escolhida por um publicitário de maneira estratégica tanto social como comercial. Independentemente do dia, a comemoração serve para dedicar um momento especial para os papais.

Veja na seleção abaixo qual carro atende o perfil do seu pai e traz mais lembranças dos bons momentos com ele:

Clássicos do Brasil – Chevette – Rogério de Simone e Rogério Ferraresi

Lançado no Brasil em 1973, o Chevette foi pioneiro e bem-sucedido em muitos sentidos: foi o primeiro carro pequeno produzido pela General Motors do Brasil e o primeiro carro mundial da GM, tendo sido planejado para atender às exigências e demandas de vários mercados diferentes. A qualidade do acabamento e a modernidade tecnológica associadas a um preço competitivo o tornaram um sucesso em plena época da crise do petróleo. Ao longo de seus vinte anos de existência, o Chevette deu origem a diversas outras versões, além de ter ganhado várias séries especiais que se tornaram raridades. Saiba mais:  https://cutt.ly/jQv8bgP

Clássicos do Brasil – Brasília – Fábio C. Pagotto

Um veículo pequeno, maior por dentro do que por fora. Esse foi o pedido que Rudolf Leiding, então presidente da Volkswagen do Brasil, fez a seus engenheiros em 1970. Assim surgiu o Brasília, batizado em homenagem à capital do país, lançado em junho de 1973. Desenvolvido por engenheiros brasileiros especialmente para o público nacional, o veículo foi um grande sucesso de vendas. Durante seus nove anos de existência, o carro passou por poucas mudanças e foi exportado para o México e países da África e da Ásia. Saiba mais: https://cutt.ly/sQv8Az7

Clássicos do Brasil – Kombi – Fábio C. Pagotto e Portuga Tavares

A Kombi foi desenvolvida sobre o chassi do Fusca. No Brasil, o veículo começou a ser produzido em junho de 1957, e essa opção não foi casual o país precisava de força de trabalho, e a Kombi era o veículo ideal por sua capacidade de transporte e baixo custo. Neste livro, o leitor irá encontrar não só a história do veículo, como também diversas fotos do utilitário. Saiba mais: https://cutt.ly/ZQv8M9G 

Clássicos do Brasil – Jeep  – Marco Antônio Sonnewend

No Brasil, o Jeep começou a ser produzido em 1957, contribuindo de forma pioneira para o desenvolvimento da indústria automobilística nacional. Conheça a disputa por trás da criação dos primeiros protótipos, descubra curiosidades e confira dezenas de fotos sobre o off-road que já nasceu para fazer história. Saiba mais em: https://cutt.ly/YQv4ybh

2

Ago

Sebrae realiza no RN primeira turma do Empretec Rural do Nordeste

O Empretec é considerado um dos principais programas de formação empreendedora do mundo e agora trilha para se consolidar também um seminário de estímulo ao agronegócio, com a realização da segunda turma do Empretec Rural no Brasil, promovido pelo Sebrae no Rio Grande do Norte, na cidade de Mossoró, na semana passada. A metodologia da tradicional capacitação foi adaptada para despertar o potencial e trabalhar as características do comportamento empreendedor daqueles que atuam especificamente no campo.

O Empretec Rural no Rio Grande do Norte atraiu 23 empreendedores, que foram em busca de uma melhor percepção dos pontos positivos e os de melhoria na condução da propriedade rural. Ao longo de toda a semana, eles participaram de um evento de imersão de 6 dias, com 60 horas e desafios para despertar a identidade empreendedora. Isso porque a turma passou por atividades práticas, cientificamente fundamentadas, que mostram como agem os empreendedores de sucesso e quais são os dez comportamentos característicos para ter êxito no agronegócio. Essa capacitação é fundamental já que um dos maiores desafios dos pequenos produtores rurais brasileiros é se perceber como empreendedores e fazer a gestão de sua propriedade rural como se fosse uma empresa, como de fato é.

Para marcar a realização da primeira turma no estado, o diretor de Operações do Sebrae-RN, Marcelo Toscano, participou da abertura do seminário ao lado do gerente do Escritório Região do Sebrae no Oeste, Paulo Miranda. “Os exemplos, as atividades e as dinâmicas utilizados no seminário são todos customizados e adaptados para o meio rural, o que proporciona uma melhor visualização, entendimento e prática futura”, diz o gerente. O Empretec Rural que ocorreu para fechar na última semana de julho foi a primeira turma do Nordeste, a segunda do Brasil a executar a metodologia focada em empreendedores com atividades relacionadas ao agronegócio.

Segundo Paulo Miranda, a capacitação foi considera um sucesso tanto pelos participantes quanto pelos facilitadores, que vieram de outros estados, como Santa Catarina e São Paulo, para acompanhar o desenvolvimento da turma em Mossoró. “Temos uma excelente perspectiva em função de uma demanda crescente por esse tipo de capacitação, não só aqui, em Mossoró, mas em outras regionais. Há uma demanda por soluções voltadas a esse público específico”.

Para o gerente, a expectativa é de que esses empreendedores que tiveram oportunidade de participar do Empretec Rural coloquem em prática os conhecimentos e comportamentos adquiridos no seminário no dia a dia dos seus negócios e consigam mudar a realidade de Mossoró, que é considerada um dos principais polos agrícolas do Rio Grande do Norte. “Precisamos de lideranças também no meio rural para que o estado possa se desenvolver economicamente com melhores resultados diante do enorme potencial que tem”.

2

Ago

Programa de rádio leva educação a jovens e adultos no Seridó

Em visita à Décima Diretoria Regional de Educação (Direc) no município de Caicó, nesta segunda-feira, 02, a governadora professora Fátima Bezerra participou do ato de descerramento da placa da “Rádio Educacional Lucinete Costa”. A rádio foi criada na atual gestão em função das necessidades impostas pela pandemia da Covid-19 quando os professores se depararam com o desafio de atender de forma não presencial a educação de jovens e adultos. 

"Fico feliz e comovida por ver a dedicação de vocês dando demonstração de amor e zelo ao serviço público e à coletividade. Sou servidora pública como vocês, hoje na condição de governadora, e estamos reconhecendo o valor da professora Lucinete na educação de jovens e adultos", afirmou Fátima Bezerra. 

A governadora pontuou que a rádio tem função na pandemia, mas tem também a função de expandir a educação e chegar a jovens e adultos. "Lucinete é da minha geração e construímos o movimento pelo fortalecimento da educação e por esta causa continuamos lutando até hoje. O governo zela pela educação inclusive lançamos o PNEP que vai investir R$ 400 milhões, o maior programa da história da educação potiguar. Lucinete deixa legado da educação com inclusão. Rádio é o meio de comunicação mais popular e democrático", declarou. 

Fabíola Dantas, assessora pedagógica da Educação de Jovens e Adultos da 10ª Direc, motivada pela Subcoordenadoria de Educação de Jovens e Adultos (Sueja) da Seec, sugeriu um programa de rádio, que não precisasse de internet para beneficiar maior número de alunos. A proposta foi encaminhada à Sueja e feito contato com a Rádio Rural de Caicó, que tem trabalho voltado à educação desde a época do MEB – Movimento de Educação de Base (1970-1980) – e é vinculada à Fundação Educacional Santana, emissora de educação rural de Caicó. 

A pandemia da covid-19 reativou a experiência da educação pelo rádio, como precursora da educação à distância, e como mais uma ferramenta didática e tecnológica. As aulas começaram com programa diário, às 19h, na Rádio Rural de Caicó, seguindo a proposta paulofreiriana de educação. 

Lucinete Costa, que já tinha experiência com o MEB, era coordenadora pedagógica do Centro de Educação de Jovens e Adultos (Ceja) Senador Guerra, instituição de Educação de Jovens e Adultos em Caicó, participou da criação do programa durante a pandemia e conseguiu levá-lo para as escolas e para o sistema prisional, que passaram a fazer parte do “Programa EJA em Ação”. Lucinete faleceu vitimada por infarto, em 23 de dezembro de 2020, aos 62 anos de idade. 

Para fazer o programa, os educadores tinham que gravar na Rádio Rural de Caicó. Devido ao agravamento da pandemia, perceberam a necessidade de montar um estúdio dentro da 10ª Direc. O programa é gravado no estúdio da Direc e é transmitido pela Rádio Rural. 

A rádio da Direc agora é denominada Rádio Educacional Lucinete Costa. As aulas são transmitidas às segundas, terças e quintas-feiras. Com a volta às aulas presenciais, no sistema híbrido, está em processo de avaliação, junto aos alunos, se continuam com o “Programa EJA em Ação”; 

EXPOSIÇÃO 

Na ocasião do descerramento da placa da rádio, o Setor de Arte e Cultura da 10ª DIREC apresentou a exposição "Vivências gráficas na escola”, uma mostra didática do estudante Deyvid Abdon, da Escola Estadual Professora Calpúrnia Caldas de Amorim. Aluno do professor de artes Valentin dos Santos, na época do Ensino Fundamental, Deyvid fez a exposição para a sala de Arte e Cultura. 0 professor Valentin é diretor de Arte e Cultura da 10ª Direc, criada na atual gestão estadual.

A Décima Direc também disponibiliza o “Cantinho da Saudade” – local para cuidar do emocional, necessidade constatada na pandemia. No local os nomes das vítimas da Covid-19, familiares dos profissionais da Direc, estão escritos no plural: “Nêgas, Antônias...” etc. 

O ato na Direc de Caicó também ressaltou a importância da Lei 10.915, de 02 de junho de 2021, de autoria do deputado Francisco do PT, que estabeleceu a prioridade aos profissionais da rede pública e privada da educação em efetivo exercício da atividade na vacinação contra a Covid-19, no Rio Grande do Norte. A cantora Cocota, que também é a merendeira/copeira da Direc, cantou músicas regionais. 

Na Regional de Educação em Caicó, a governadora esteve acompanhada da secretária adjunta da Educação, Márcia Gurgel, secretários Fernando Mineiro (Segri) e coordenador do programa Governo Cidadão, Gustavo Coelho (Sin), Guilherme Saldanha (Sape), João Maria Cavalcanti (Semarh), assessora da Potigás, Samanda Alves. Vereador em Caicó, Andinho Duarte. O deputado Francisco do PT representou a Assembleia Legislativa. 

 

2

Ago

Pesquisa aponta que maioria de moradores da favela e comunidades de povos tradicionais no Brasil não se sentem representados pela mídia

A agência Sherlock Communications publicou o Relatório de Consumo de Mídia LATAM 2021, que entrevistou mais de 3.000 pessoas em seis países latino-americanos (Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Peru e México) para conhecer suas preferências e analisar as mudanças ocorridas no consumo de notícias e na confiança nos canais e nas pessoas. Este ano, o relatório também inclui uma análise especial sobre inclusão, com foco especial nos grupos da sociedade que são marginalizados pela mídia tradicional.

Segundo o estudo, a maioria das pessoas (86%) que vivem na favela do Morro da Coroa, em Santa Teresa, no Rio de Janeiro, acredita ser retratada de forma injusta pela mídia tradicional. Apesar de 43% da amostra não ter computador em casa, 52% dos moradores citaram a internet como sua principal fonte de notícia. 76% assistem ao noticiário na TV todos os dias. 

Diretora do Favela em Pauta, portal de notícias independente, e residente do Complexo de Alemão, no Rio de Janeiro, Daiene Mendes afirmou no relatório que a mídia tradicional no Brasil atende a um público de elite. “Temos um grande problema no Brasil com a desigualdade”, disse ela. “O que vemos na mídia é a criação de notícias que atendem a uma parte da sociedade, ignorando completamente grandes grupos. São os ricos conversando com os ricos. Uma vasta parcela da população não está representada na mídia nacional”.

Entre os povos tradicionais brasileiros, o relatório entrevistou pessoas próximas a cidade de Santarém, no Pará, que pensam parecido: 58% disseram que consideravam a representação da mídia “injusta”. 39% normalmente acessam as notícias online, enquanto 26% obtêm as notícias nas redes sociais. 19% citaram a TV como sua principal fonte de notícias, com quase 10% obtendo as notícias do WhatsApp. Para Walter Oliveira, comunicador indígena que vive em Santarém, apesar de haver muita cobertura na mídia sobre as comunidades indígenas, “é raro que nós - as pessoas que realmente vivemos aqui - possamos falar por nós mesmos”. 

“Podemos ver pelos dados que as pessoas na América Latina estão se afastando das fontes tradicionais de mídia, em direção às plataformas da comunidade. Muitos jornais e emissoras estão perdendo uma oportunidade. Ao excluir certos grupos ou não incluí-los deliberadamente, basicamente eles estão dando as costas a um grande número de consumidores”, disse Patrick O'Neill, sócio-gerente da Sherlock Communications.

Fake news e confiança 

Os políticos são a fonte de informação menos confiável em toda a América Latina: 70% não confiam ou confiam muito pouco em informações vindas dessas fontes. No Brasil, três a cada dez pessoas dizem que não confiam nos políticos. Na verdade, apenas 3% disseram que "confiam totalmente" nas autoridades eleitas. Em contraste, um em cada dois brasileiros disse que "confia" nos jornalistas, enquanto mais de 30% disseram confiar totalmente nos repórteres como fonte de notícias. 

93% dos latino-americanos afirmam que, na dúvida, verificam as informações e notícias que veem nas redes sociais antes de compartilhá-las. Enquanto isso, 96% dos brasileiros têm o hábito de verificar os fatos; 72% disseram que sempre checam as informações nas redes sociais quando não têm certeza, enquanto 24% o fazem às vezes.

Consumo de Mídia e Redes Sociais 

Os brasileiros são os que mais acessam as notícias pela televisão, com 78% assistindo a pelo menos um noticiário por dia. Também são o grupo com maior probabilidade de ouvir notícias diárias no rádio na América Latina, 46% disseram sintonizar diariamente. 

Apesar da redução da participação de mercado, o Facebook foi visto como a plataforma de mídia social mais confiável para notícias, com uma média regional de 27%, selecionando-o como sua fonte de notícias mais confiável. No Brasil, citaram o YouTube como a fonte de notícias mais confiável, com 29% dos entrevistados colocando-o em primeiro lugar. 17% dos brasileiros deram seu voto número um ao Instagram; 16% para o LinkedIn; 15% para o Facebook; 12% para o Twitter e 10% para o WhatsApp. 

O estudo “Explorando a evolução da mídia tradicional e o alcance entre as comunidades excluídas na América Latina” está disponível para download neste link.

Informação adicional

- O enfoque nos grupos excluídos na América Latina incluiu pessoas em situação de vulnerabilidade socioeconômica, comunidades rurais, mulheres, pessoas com deficiência, grupos indígenas, idosos e grupos LGBTQIA+, além de entrevistas com ativistas em vários países latino-americanos. 

2

Ago

Mais novo bistrô de Natal vai oferecer momento especial para celebrar o Dia dos Pais

Próximo domingo (08) é Dia dos Pais e nada melhor do que celebrar essa data em um espaço aconchegante, agradável e requintado, com uma comida saborosa e ao som de uma boa música. O Empório Neuma Leão, em Natal, vai proporcionar tudo isso em um momento muito especial para reunir a família.

Com decoração acolhedora e espaço “urban garden”, o mais novo bistrô da capital vai abrir para o almoço do Dia dos Pais oferecendo um menu completo, com entrada, prato principal, sobremesa, e prato infantil, com opções diferenciadas de massas, carnes e frutos do mar. Tudo isso ao som de uma boa música ao vivo, para deixar a reunião familiar ainda mais leve e descontraída.

As reservas de mesas podem ser feitas pelo telefone 9-9912-0911 ou pelo perfil do Empório Neuma Leão no Instagram, que é o @emporio_nl. O espaço fica na Avenida Brigadeiro Gomes, 1467, em Morro Branco, próximo ao Parque das Dunas e está aberto de terça a sexta-feira, das 11h às 19h, para almoço e lanches, e reservas à noite.

31

Jul

Especialista dá cinco dicas de contabilidade para e-commerce

O varejo vive uma nova era com o crescimento do e-commerce. Nesse contexto, é cada vez mais importante entender aspectos que podem auxiliar na gestão e manutenção da plataforma, mantendo assim, sua eficiência.

O especialista Lucas Marchon, diretor comercial e de expansão da Stegia, empresa goiana especialista no desenvolvimento de serviços de terceirização financeira e contábil e que tem como missão facilitar a vida do cliente de forma inovadora, cita cinco dicas para auxiliar a ter uma contabilidade para e-commerce de qualidade.

“A primeira é regularizar o seu e-commerce, já que, a partir do registro do CNPJ da marca, ele já passa a ser incluído na contabilidade da empresa”, afirma. Entre os benefícios de ter um CNPJ estão a realização de financiamentos e empréstimos com taxas e prazos especiais, compra de produtos no atacado e emissão de nota fiscal.

O segundo ponto é fazer o cadastro como Microempreendedor Individual (MEI). “Pequenas e médias empresas, que faturam até R$ 81 mil por ano, são elegíveis para realizar o cadastro. O MEI não precisa emitir nota fiscal ou escriturar livros fiscais, entre outras vantagens, e pode realizar seu cadastro do CNPJ no Portal do Empreendedor”, explica Lucas.

Calcular os impostos internacionais também está entre os pontos de atenção. O diretor explica que, como o e-commerce permite vendas para o mundo todo, é necessário que se informar sobre as condições e valores para entrega em outros países, caso deseje fazer negócios internacionais. “Existem ainda outras regras para certos tipos de produto na hora de exportar, por isso vale a pena estar bem informado sobre o seu segmento e quais são suas especificidades”, complementa.

“É crucial também acompanhar a movimentação da loja, pois, para ter sucesso, organização é fundamental”, afirma Lucas. É importante que saber calcular o valor final dos produtos, o lucro líquido, acompanhar os fluxos de caixa e outras movimentações financeiras. Existem diversas ferramentas digitais que podem ajudar com isso, como por exemplo a integração da plataforma Shopify à ferramenta de gestão TINY ERP, serviço homologado e oferecido pela Stegia.

Por fim, Lucas ainda menciona que empresários devem se programar para pagar impostos. “Não deixe para pagar taxas e impostos de última hora, faça uma programação de quais pagamentos você precisa realizar ao longo do ano e suas respectivas datas de vencimento”, aconselha. Também é importante guardar os recibos e comprovantes dos pagamentos para eventuais consultas e para manter tudo organizado.

26

Jul

57% dos brasileiros começaram a ouvir podcasts durante a pandemia, revela pesquisa da Globo

A pandemia veio para mudar muitos hábitos dos brasileiros, incluindo a rotina de ouvir podcasts. Essa é a conclusão de uma nova pesquisa realizada pela Globo em parceria com o Ibope, que aponta que 57% da população começou a ouvir programas de áudio no último ano.

O crescimento da área é espantoso no país. Realizada entre setembro de 2020 e fevereiro de 2021 com mais de mil entrevistados, o estudo também aponta que o público que já ouvia passou a consumir mais podcasts – cerca de 31% dos participantes confirmaram esse aumento no período – e que o hábito se faz em meio a outras atividades. De acordo com os resultados, cerca de 44% dos entrevistados escutam programas enquanto lidam com tarefas domésticas, enquanto 38% o fazem navegando pela internet, 25% antes de dormir e 24% estudando ou trabalhando.

O estudo ainda aponta que a escuta de podcasts mudou bastante entre o antes e depois da pandemia, com cada faixa etária possuindo uma prática particular. Os brasileiros com mais de 50 anos, por exemplo, começaram a escutar mais durante a execução das tarefas domésticas, indo de 24% a 41% entre os entrevistados. O público de 16 a 24 anos, enquanto isso, naturalmente deixou de ouvir no trânsito para o trabalho e a faculdade, com queda de 17% nesse tipo de consumo.

Entre os formatos, os podcasts mais populares entre os brasileiros são os de duração curta, com os episódios de 15 a 30 minutos ganhando preferência de 31% dos respondentes. Já os de até 15 minutos ganharam voto de 21% dos entrevistados, e os de 30 a 45 minutos 20%. A partir daí, o interesse despenca: episódios de 45 minutos a uma hora obtiveram interesse de apenas 13% do grupo de pesquisa, e os de uma hora a 1h30 e de mais de uma 1h30 chegam a 9% e 5% do público.

A partir daí a frequência de consumo é alta – 43% dos entrevistados dizem ouvir programas uma a três vezes por semana – e o envolvimento de marcas na área é valorizado. A pesquisa aponta que os ouvintes acreditam que os anúncios em podcast são uma forma de se manter atualizados sobre os últimos lançamentos, enquanto 51% se lembram de escutar publicidade nas produções que frequentam. Marcas que se envolvem no formato são consideradas “modernas”, e cinco em cada 10 ouvintes veem maior proximidade com empresas que se envolvem em podcasts.

Sobre os resultados, o gerente de áudio digital da Globo Guilherme Figueiredo acredita que o crescimento da área reforça a aposta da empresa. “Os podcasts falam ao pé do ouvido e criam uma relação íntima com o público, e a pesquisa vem para comprovar isso ao mostrar que mais pessoas passaram a se interessar pelo formato no contexto de isolamento social”, escreve o executivo na divulgação do estudo; “Entre os entrevistados, são comuns os relatos de pessoas que dizem se sentir parte da conversa dos programas e, assim, se sentem menos sozinhas. Dos quase 100 milhões de brasileiros que consomem alguma forma de áudio digital, 28 milhões já declaram ouvir podcasts. Esse crescente interesse reforça nossa aposta neste segmento”.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/147932/57-dos-brasileiros-comecaram-a-ouvir-podcasts-durante-a-pandemia-revela-pesquisa-da-globo/

25

Jul

Magalu abre inscrições para programa de aceleração em TI exclusivo para mulheres

O Magalu abriu inscrições para a terceira edição do programa Luiza <Code>, curso de aceleração na área de desenvolvimento de software, com 210 novas bolsas de estudo exclusivas para mulheres. O programa tem como parceiro a escola Gama Academy, e tem como objetivo incentivar a entrada do público feminino no setor de tecnologia da informação, cujo mercado de trabalho ainda é predominantemente masculino. As interessadas podem se cadastrar, pelo link: https://corp.gama.academy/luiza-code/inscricao

Nesta edição, a formação terá duas turmas de 105 mulheres, que poderão escolher entre a linguagem Node.js ou a ferramenta de infraestrutura Google Cloud. Metade das vagas serão abertas para o público interno do Magalu e a outra parte para público externo, sendo que 50% delas serão destinadas à mulheres negras. Não é necessário ter formação na área ou curso superior.

Entre as participantes das edições anteriores do Luiza Code, mais de 30 já foram contratadas pela empresa como desenvolvedoras, Product Owner ou Cientista de dados. “O Luiza Code, além de ser uma oportunidade de aprender com a equipe do Luizalabs, um dos times mais preparados do setor de tecnologia brasileiro, é uma chance para mulheres que desejam mudar de carreira ou conquistar uma vaga em uma das maiores empresas de tecnologia do país”, afirma Patricia Pugas, diretora executiva de gestão de pessoas do Magalu.  

Na última edição, realizada no início de 2021, foram oferecidas 105 bolsas de estudo, sendo 50% delas destinadas às colaboradoras do Magalu. “Por muito tempo não se via mulheres em áreas técnicas, isso porque, historicamente, elas tiveram que lutar por espaços dentro e fora das organizações. Mas, além de ter lugar, é necessário que as empresas sejam capazes de fornecer ambientes de inclusão, igualdade e respeito. O Magalu sempre defendeu essa causa", diz André Fatala, vice-presidente de plataforma do Magalu. "Formar desenvolvedoras e novos talentos em tecnologia é parte da nossa contribuição para que isso aconteça."

O programa tem duração de cinco semanas, acontece de segunda a sábado, em treinamento online, com mais de 100 horas de conteúdo. Há um desafio final, com base em um case real da companhia, para a conclusão do curso e recebimento do certificado. Além disso, as bolsistas terão uma sessão de mentoria com  profissionais do Luizalabs e workshop de treinamento para participação em processos seletivos. 

24

Jul

Fim do e-mail é tendência na comunicação interna das empresas

Parece algo distante, mas os e-mails estão com os dias contados, pelo menos da forma como conhecemos hoje. Diariamente, bilhões de e-mails são enviados e o excesso de mensagens que lotam as caixas de entrada nos e-mails corporativos geram cada vez mais estresse e angústia entre os colaboradores, sem contar o risco de perder informações importantes, não ser copiado em alguma mensagem e o recebimento crescente de spams.

Algumas empresas utilizam a caixa de e-mails como lista de tarefas que precisam ser feitas, como arquivo de informações importantes, registro de aprovação de propostas, discussão de ideias e até como detalhamento do escopo de projetos. Esta forma de gestão torna a organização da informação quase impossível. 

A startup Ummense, uma plataforma de gestão de equipes para micro, pequenas e médias empresas, é um exemplo de empresa que optou em não utilizar mais e-mails na comunicação interna, utilizando apenas com clientes e fornecedores. Mesmo antes da startup ser lançada, os fundadores já idealizavam o fim da troca de e-mails internamente, utilizando a própria plataforma para organizar as informações, de uma forma segura, ágil e inteligente. “Este assunto a Ummense fala com propriedade. Temos alguns colaboradores que, desde que entraram na empresa, nunca enviaram um  e-mail, tudo é pela plataforma”, afirma Raul Sindlinger, CEO e co-fundador da Ummense.

Armazenar todos os e-mails recebidos diariamente pode gerar diversas implicações, principalmente quando as mensagens são perdidas ou apagadas de um servidor, por exemplo, é o que aconteceu com o CEO da Ummense. “Fui engenheiro de obras por 10 anos Toda a comunicação era por e-mail, e recebíamos mais de 100 mensagens por dia. Eu arquivava as mensagens em pastas para tentar organizar a informação para o caso de precisar delas um dia. Chegou o dia em que o responsável pela TI resolveu reduzir custos e limpou as mensagens antigas do servidor de e-mails. A obra que eu tocava ficou sem nenhuma informação: contratos, negociações, aprovações, detalhamentos, alterações. O prejuízo foi gigante”.

Mudança cultural é fundamental para eliminar a troca de e-mails internos

Toda mudança exige tempo e também começa com o exemplo, principalmente da liderança. Com uma equipe de 13 pessoas, a Ummense não parou de usar e-mails de um dia para o outro. Esta mudança, que foi muito mais cultural, aconteceu de forma gradual, conforme novas funcionalidades da plataforma da startup eram implementadas, utilizando cada vez menos a troca de mensagens por e-mail. “Aos poucos, não usar e-mails passou a ser parte da cultura da empresa. Conforme novas pessoas iam se juntando ao time, acessar a caixa de e-mail já não fazia mais parte da rotina desde o primeiro dia na empresa”, comenta Keli Campos, co-fundadora da Ummense.

Mais produtividade e organização foram os principais pontos que a startup notou após eliminar os e-mails na rotina diária. Atualmente, toda a comunicação interna é realizada pela plataforma da Ummense, que também pode ser acessada por aplicativo no celular, e funciona como um Kanban Digital, organizando todas as informações das equipes em fluxos, cards e tarefas, sendo possível centralizar a comunicação em único lugar. Atualmente, a Ummense conta com mais de 1.500 usuários assinantes que também utilizam a plataforma para centralizar a comunicação das equipes, e as informações dos seus projetos, processos e clientes. 

“Essa mudança está alinhada com o nosso propósito de melhorar a qualidade de vida no trabalho das pessoas. Com as informações organizadas, tudo fica mais fácil para ser acessado pela equipe, reduzindo o tempo de busca por informações e esse é um dos motivos que a produtividade aumenta. Os gestores não precisam perder tanto tempo em reuniões para saber o andamento dos projetos ou para discutir informações pontuais. Na plataforma da Ummense essas informações ficam acessíveis de forma visual e prática, propiciando um ambiente mais colaborativo e produtivo", explica Keli Campos.

Sobre o futuro da comunicação interna, a co-fundadora da Ummense dá a sua opinião: “Provavelmente não eliminaremos completamente os e-mails de nossa vida tão cedo, mas para a comunicação interna e organização das informações nas empresas, que representa grande parte do problema, sabemos que hoje já existe uma forma muito mais inteligente e organizada para fazer isso”. 

Além de organizar a comunicação interna, a Ummense também comercializa um aplicativo por assinatura, 100% integrado com a plataforma, e que é entregue com a identidade visual da empresa que contrata, para organizar e reduzir consideravelmente os e-mails também na comunicação com os clientes. Para saber mais sobre como eliminar os e-mails na comunicação interna da sua empresa, acesse o canal do YouTube da Ummense no link https://bit.ly/36BtuNh e saiba mais sobre este e outros assuntos, como a organização das tarefas do dia a dia e o gerenciamento de equipes de micro, pequenas e médias empresas. 

 

24

Jul

Especialista dá dicas para descobrir o nível de adequação da empresa à LGPD

Passando a valer a partir de 1º de agosto e com multas que podem chegar a R$ 50 milhões, muitas empresas ainda não têm conhecimento do atual estágio de maturidade em que se encontram para a adequação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Algumas estão em fase de mapeamento de processos e riscos, outras se movimentam para reforçar controles de segurança externa, como o bloqueio de cookies, e há aquelas companhias mais avançadas, que optaram pela figura do DPO (Data Protection Officer) as a Service como forma de garantir a proteção de dados dos indivíduos, sob os olhos de um profissional especializado.

“Muitas organizações em estágio progressivo de governança vivem o dilema de não saberem lidar com o famoso o dia depois de amanhã, que é quando as punições já estão em vigência, mas falta o entendimento prático e técnico em manter em dia as atualizações e proteções dos dados”, explica Fernando Santos, especialista em cibersegurança e head de soluções da Certsys, empresa especializada em soluções para Transformação Digital e inovação.

Pensando nisso, com o objetivo de apoiar companhias de todos os tamanhos nas melhores práticas à LGPD, o executivo da Certsys elencou as três fases principais que determinam em qual estágio de maturidade as organizações se encontram.  

Fase 1 – LGP...O quê? 

Sabe o que é a lei, mas não tem conhecimento para iniciar a jornada. Nessa etapa é interessante sempre indagar como as seguintes perguntas: “Nós sabemos quais os dados são tratados pela minha empresa?”; “Eles são pessoais?”; “São RG, CPF, número da conta-corrente do banco... E quais destes dados são sensíveis?”. O desafio aqui é ter um time multidisciplinar capaz de ter visibilidade sobre todos os dados que são tratados pela empresa, do RH ao financeiro, da portaria até o comercial. Isto precisa ser feito sob a supervisão de um profissional qualificado para entender o risco e a necessidade do tratamento correto de cada uma das informações. Ações de transparência com o mercado são essenciais nesta fase. Desconfie se a organização tiver um site que não possibilita ao cliente, ou ao visitante, selecionar a coleta de cookies; que não permite entender a política de privacidade ou entrar em contato com os responsáveis pela privacidade.  Por isso, é importante realizar não só as adequações internas, mas demonstrar o compromisso ético com os dados pessoais utilizados dos clientes e usuários. 

Fase 2 – "Estou tranquilo, já tenho mapeados os processos, tenho um antivírus e minha TI cuida dos dados" 

É a empresa intermediária, que está entre a fase de estruturação e de adequação. Realiza movimentos tímidos e, muitas vezes, opta por soluções caseiras, tanto na acomodação de colaboradores vindos de outras áreas quanto na adesão tecnológica de soluções modulares de segurança. Porém, vez e outra, bate a consciência e se pergunta sobre a legitimidade dos dados que circulam nos sistemas da companhia. “Qual a finalidade de uso destes dados? Eu tenho direito de usar esses dados?”.

Este é o cenário mais comum e, igualmente, o mais arriscado. Quando a companhia acredita estar pronta para a LGPD, mas na prática ainda existem muitas brechas e trabalho de conformidade pela frente. Não é raro ver empresas designando profissionais da TI ou do departamento jurídico para o papel do DPO sem uma qualificação prévia ou um plano para que estes profissionais saibam como conduzir um projeto de adequação da forma correta. O comitê de privacidade, junto do DPO, deverá determinar as ações preventivas com o objetivo de identificar e mitigar possíveis riscos jurídicos e técnicos que podem afetar a empresa como um todo, além de ter um modelo de respostas em caso de questionamentos dos titulares ou até mesmo da autoridade nacional de proteção de dados. 

Nesta fase é importante que a empresa saiba responder alguns questionamentos básicos, de forma clara, segura e objetiva como, por exemplo: “Eu sei quais são os dados pessoais que são tratados?”; “Tenho isto documentado?”; “Consigo identificar a localização de um dado pessoal em sistemas e arquivos?”; “Quais medidas foram tomadas para proteger estes dados e quem tem acesso a eles?”. 
Se a resposta for difícil, é sinal de que ainda tem bastante trabalho pela frente e possíveis riscos que ainda não foram sequer identificados. O maior problema nesta fase é não saber quais as reais vulnerabilidades que a empresa corre. 

Fase 3 – 02 de agosto: o dia depois de amanhã 

A companhia investiu em estrutura robusta, profissionais especializados em governança de dados e tecnologias capazes de bloquear qualquer vazamento interno ou até mesmo uma má intenção de hackers. Está tudo certo no que tange às regras da LGPD. Porém, os esforços de conscientização não podem se concentrar apenas nos dias que antecederão agosto. É preciso pensar no ‘pós’. Por isso, sempre peça para o responsável revisitar sistemas, mapear riscos e outras ações visadas para assegurar os dados dos usuários. O lema aqui é: prudência nunca é demais!

As mudanças acontecem de maneira dinâmica, as áreas de negócios têm cada vez mais autonomia de decidir quais softwares serão utilizados, os fornecedores escolhidos e os quais serão os processos criados. Com esta agilidade, também vem o questionamento se todas estas mudanças estão sob os olhares do DPO e do comitê de privacidade. A aquisição de uma plataforma de marketing ou de um sistema de vendas podem implicar diretamente no respeito ao direito dos titulares. É importante saber que a LGPD não é algo nos moldes de “implantado e finalizado”. Pelo contrário, a privacidade aos dados pessoais deve fazer parte da cultura da empresa e ser assunto recorrente hoje, amanhã e sempre.



Para ter uma ideia de como o consumidor está atento à lei, em menos de um ano de vigência, a LGDP já embasou cerca de 600 sentenças judiciais de cidadãos que questionam o uso de seus dados por empresas. Das 598 decisões já tomadas em todos os tribunais do país de 18 de setembro de 2020, data de sanção da lei, a 25 de junho deste ano, a metade trata diretamente de proteção de dados pessoais e privacidade, conforme levantamento realizado pela Juit, especializada no uso de ferramentas automatizadas para fazer varredura de tribunais. 

Santos finaliza ao dizer que a visão da LGPD para algumas empresas ainda é limitada apenas a uma conformidade legal. O que não é errado, segundo o executivo, porém, é necessário enxergar muito mais do que uma postura reativa de cumprimento de lei. “Embarcar na jornada da LGPD de forma madura e integral daqui para frente será uma vantagem competitiva. A organização que combinar conformidade, segurança e agilidade nos negócios terá chances maiores de ganhar a fidelidade e a empatia do cliente.”, conclui o especialista. 

 

23

Jul

TRE-RN lança campanha “Acesso, Sim! Assédio, Não!”

A Comissão de Prevenção e Enfrentamento do Assédio Moral, Sexual e da Discriminação da Justiça Eleitoral do RN lançou a campanha “Acesso, Sim! Assédio, Não!”. A iniciativa faz parte de diversas ações que a Comissão está realizando com o objetivo de contribuir para o diagnóstico institucional das práticas de assédio moral e sexual. 

“O Conselho Nacional de Justiça instituiu a política de prevenção e enfrentamento do assédio moral, sexual com o fim de promover um ambiente de trabalho digno, saudável e seguro no âmbito do Poder Judiciário e o TRE-RN, através da sua Comissão de Prevenção e Enfrentamento do Assédio Moral, Sexual e da Discriminação, está trabalhando neste sentido. Esse é um assunto muito delicado, mas que precisa ser debatido ampla e abertamente. Campanhas educativas e a disseminação de informações são as melhores armas para combater essas práticas", destacou o presidente do TRE-RN, desembargador Gilson Barbosa.

No lançamento da campanha, a presidente da Comissão, juíza Ticiana Nobre, apresentou uma Cartilha e um vídeo, que são as primeiras ações para poder dar efetividade à política de prevenção e enfrentamento do assédio moral, sexual e da discriminação no âmbito da Justiça Eleitoral potiguar. A Comissão foi criada pela Portaria nº 14/2021, atendendo à Resolução CNJ nº 351/2020.

“A cartilha e o vídeo institucional são instrumentos da campanha Acesso, Sim! Assédio, Não! e servirão para difundir entre os servidores da Justiça Eleitoral as informações sobre o que possivelmente pode ser um assédio moral, sexual ou uma discriminação em um ambiente de trabalho e também uma forma de enfrentar e prevenir essa prática”, disse a presidente da Comissão, juíza Ticiana Nobre. A magistrada destacou ainda a importância da cartilha e do vídeo institucional para os colaboradores da Justiça Eleitoral do RN. “Ambos são instrumentos de difusão do conhecimento sobre a prevenção e enfrentamento do assédio moral, sexual e a discriminação no ambiente de trabalho”, enfatizou a magistrada.

Para visualizar a Cartilha, clique AQUI.

Assista:

A Comissão 

A Comissão de Prevenção e Enfrentamento do Assédio Moral, Sexual e da Discriminação é composta pela juíza Ticiana Nobre, presidente do grupo, pelo juiz Pedro Paulo Falcão Júnior, pela juíza Tathiana Freitas de Paiva Macedo, pelos servidores Lílian Almeida e Albuquerque Melo, Maxelli Xavier de Andrade Rebouças, Anna Christina Pisco Rocha da Silva, Antonio Klaus Vilas Boas de Souza Silva, pela terceirizada Sayonara Araújo da Silva e pelo estagiário Gabriel de Macedo Leite. Os deveres da Comissão são contribuir para o diagnóstico institucional das práticas de assédio moral e sexual; solicitar relatórios, estudos e pareceres aos órgãos e unidades competentes; sugerir medidas de prevenção, orientação e enfrentamento do assédio moral e sexual no trabalho; alertar sobre a existência de ambiente, prática ou situação favorável ao assédio moral ou assédio sexual; e articular-se com entidades públicas ou privadas que tenham objetivos idênticos aos da Comissão.

Canais de Comunicação com a Comissão

A Secretaria de Gestão de Pessoas do TRE-RN criou um formulário de denúncias (disponível no Canal do Conhecimento da SGP) que deve ser preenchido e enviado diretamente para o e-mail comissaoassediomoral@tre-rn.jus.br. Também está disponível o Canal de Acolhimento da SAMS (3654-5399), através do qual é possível um atendimento psicológico.

23

Jul

Juiz Carlos Wagner encerra biênio como titular da Corte Eleitoral potiguar

O Juiz Federal Carlos Wagner Dias Ferreira se despediu, na ´última quinta-feira (22), das sessões plenárias da Corte Eleitoral do Rio Grande do Norte enquanto membro titular do colegiado. Ele encerra nesta sexta-feira, 23, seu biênio na cadeira reservada para magistrados da Justiça Federal. Apesar de se despedir da titularidade no TRE-RN, ele seguirá como membro suplente da Corte.

Em seu discurso de despedida, o juiz agradeceu à família, aos colegas de bancada, à equipe de assessoria de seu gabinete e aos demais servidores do TRE-RN. “Meu xará Carlos Drummond de Andrade disse, certa vez, que sentimos saudades de momentos da vida e de pessoas. Vou sentir muita saudade dos momentos que aqui vivi e de todos vocês, indistintamente”, afirmou.

“Despeço-me agradecendo a Deus por ter me proporcionado essa inigualável passagem neste Tribunal, tornando-a, inequivocamente, a melhor e mais rica experiência judicante que vivi em toda minha vida. Muito obrigado”, encerrou o magistrado.

Também discursou a Juíza Érika Paiva, em despedida ao colega de bancada. “É da vontade de todos os membros deste Tribunal talhar na história a marca do reconhecimento pelo trabalho aqui desenvolvido por Vossa Excelência. Um reflexo belo do que é ser um juiz. O que o TRE-RN diz sobre o senhor é que aqui fez história um magistrado brilhante, justo, prudente, cauteloso, atento e dedicado”, proclamou.

Também falou o Procurador Regional Eleitoral, Ronaldo Sérgio Chaves. “Vossa Excelência se despede nesta tarde após dois anos integrando com brilhantismo essa egrégia corte como juiz titular. Como tive oportunidade de registrar nas despedidas de dois magistrados da Corte ainda neste ano, Vossa Excelência também fará parte da composição histórica do TRE-RN que enfrentou as desafiadoras Eleições pandêmicas de 2020. Já sendo testemunha do excelente trabalho desempenhado por Vossa Excelência, seja como magistrado, professor ou gestor, aqui vi renovado, como era de se esperar, seu brilhantismo e desenvoltura”, disse.



Por fim, o advogado Wlademir Capistrano se despediu do magistrado. “É voz comum entre os advogados seu trato elegante, fino e educado, mas sem deixar de ser firme na aplicação da lei. Vossa Excelência é um juiz reconhecido pela serenidade de seus pronunciamentos e pela justiça de suas decisões. Sua saída não significa uma perda, mas a permanência nesses dois anos significou um ganho enorme para este tribunal”, destacou o jurista.

Na próxima terça-feira, 27, a vaga na Corte será assumida pelo Juiz Federal José Carlos Dantas Teixeira de Souza, titular da 3ª Vara da Justiça Federal do Rio Grande do Norte. Bacharelado em Direito pela UFRN, em 2002, ele é magistrado federal desde 2005, além de ter obtido mestrado em Direito Constitucional em 2011, também pela UFRN.

 

23

Jul

Ação Pela Vida: SESI inicia entrega de 10 mil cestas básicas a Paróquias com atuação social no RN

Os colaboradores do SESI-RN fizeram em dois dias, a entrega de 1.050 cestas básicas para paróquias de Natal e do interior do Rio Grande do Norte, que vão distribuir os alimentos para famílias que estão em situação de “vulnerabilidade social”, por estarem sem fonte regular de renda.

No total, serão mais de dez mil cestas distribuídas nos próximos dias. A entrega será feita em três semanas e deve chegar a 116 municípios quando a mobilização estiver concluída. O SENAI-RN também participa da mobilização logística para a doação dos alimentos.

“Essa é mais uma das ações de enfrentamento e redução dos impactos causados pela Covid-19, como forma de mitigar os efeitos percebidos em razão da pandemia. Esperamos poder, por intermédio dessas iniciativas, auxiliar estas famílias”, disse Juliano Martins, superintendente regional do SESI-RN.

Diácono do Setor Social da Arquidiocese, Márcio Francisco de Andrade afirmou que “essas doações serão fundamentais para a ação das Paróquias que atendem famílias em situação de vulnerabilidade no Rio Grande do Norte”. Ele disse que em bairros da periferia de Natal e outras comunidades carentes, como áreas de assentamentos, mais de cinco mil famílias são cadastradas, e muitas são chefiadas por mulheres que estão sem emprego e renda. As dificuldades aumentaram com a pandemia. Por isso, a chegada das cestas básicas vai assegurar, segundo o diácono, uma contribuição relevante no apoio às famílias que são atendidas.