Lazer & Cultura

18

Jan

Feira dos Países e Artes aterrissa no Natal Shopping

Uma diversidade de cores, sabores e perfumes enche a praça de eventos do Natal Shopping e encanta os clientes que aproveitam o período de férias para passear e fazer compras. Até o dia 13 de fevereiro, o empreendimento sedia a Feira dos Países e Artes – oportunidade perfeita para os natalenses e turistas que nos visitam conhecerem um pouco mais sobre outras culturas e lugares sem sair da cidade.

Entre peças de bordado e tecelagem, objetos para decoração, móveis, roupas e acessórios diversos, 20 estandes exibem produtos de 12 países: luminárias da Turquia, tecidos da Índia, calçados do Paquistão, louça do Peru e Tailândia, e até as “matrioskas”, tradicional brinquedo russo que reúne uma série de bonecas de tamanhos variados que são encaixadas uma dentro das outras.

Estados de outras regiões brasileiras também estão presentes na feira, como o Tocantins com  bolsas, bijuterias e objetos de decoração feitos com capim dourado e a gastronomia do Rio Grande do Sul, com chimarrão, charcutaria, queijos e vinhos. 


“É sempre um prazer receber a Feira dos Países no nosso shopping, é um evento que possibilita um verdadeiro intercâmbio cultural, favorecido pelo período de férias. É uma experiência que agrada muito aos clientes pela riqueza dos produtos e, quem sabe, pode até inspirar futuros planos de viagem”, destaca Diana Petta, coordenadora de marketing do empreendimento. 

18

Jan

Bloco Suvaco do Careca comemora 12 anos com roda de samba no Castelo em Ponta Negra

Um dos blocos mais animados do carnaval de Natal, SUVACO DO CARECA está completando 12 anos, e para festejar a data, irá realizar prévias carnavalescas durante os domingos até o período do carnaval com a sua "RODA DE SAMBA DUCARECA" fazendo o esquenta dos foliões no Espaço Avalon do Castelo da Taverna Pub (Rua Manoel A. B. de Araújo, 500, Ponta Negra). Os portões serão abertos a partir das 17h, no domingo (23).

“Será uma grande celebração dos 12 anos do nosso bloco reunindo muita gente bacana que sempre acompanha o SUVACO DO CARECA, onde quer que a gente vá, com muita alegria, energia e vontade de ser feliz”, prometeu Leonardo Nunes, diretor do bloco.

A RODA DE SAMBA DUCARECA é formada por 7 (sete) instrumentistas: Raphael Almeida, no cavaquinho, Alexandre Moreira, no violão, Jane Eyre, na flauta, Bruno Pessoa, no pandeiro, Aluízio Pisão, no surdo, Zezinho Baracho e David Silva na percussão. 


Enquanto os músicos garantem o batuque e o gingado do samba, um quinteto de vozes cheias de suingue comandam a festa no castelo com as participações mais que especiais de Josi Ribeiro, Analuh Soares, Eri balanço e Bruno Pessoa.

Lembrando que o evento será realizado atendendo as exigências sanitárias e, por isso, será necessária a apresentação do comprovante de vacinação contra a Covid-19.Ingressos no site https://www.outgo.com.br/rodadesambaducareca.

O BLOCO

O bloco surgiu a partir da necessidade de trabalhadores do turismo, como bugueiros, recepcionistas, guias de turismo, camareiras, cozinheiros, comerciantes, entre outros profissionais que buscavam diversão durante o período de carnaval, com qualidade, sem precisar sair de Natal. 

Atrelado à folia, o bloco ressalta a importância da preservação ambiental ao reverenciar o Morro do Careca e a praia de Ponta Negra, um dos principais cartões postais de Natal.

Em 2022, o Bloco, mesmo com as limitações impostas pela pandemia, irá realizar diversos eventos, inclusive durante o período do Carnaval em formato híbrido, em locais fechados para público limitado e com transmissão pela Internet, para ninguém ficar de fora da folia mesmo com o distanciamento/isolamento social.

17

Jan

Primeiro cinema solar do Brasil chega a Natal

A magia do cinema movida à energia solar é a proposta do projeto Cinesolar. Após exibições no interior do estado no mês de dezembro, o projeto retorna ao Rio Grande do Norte no mês de janeiro realizando atividades em Natal, no dia 22, na Cidade da Esperança, com exibição de curtas-metragens brasileiros e do longa Cine Holliúdy.

Lançado em 2013, o projeto Cinesolar é o primeiro cinema itinerante do Brasil movido à energia limpa e renovável. O projeto exibe filmes a partir da energia solar e promove arte e sustentabilidade, levando a sétima arte a comunidades afastadas e com acesso restrito à cultura. Além das sessões de cinema, o projeto contempla a Oficinema Solar – uma oficina de vídeo para crianças e jovens sobre sustentabilidade. Como resultado dessa atividade, um filme é produzido com os participantes e exibido durante a sessão de cinema para comunidade local.

“As oficinas são atividades complementares, com uma linguagem muito simples que dialogam de forma lúdica com os jovens e as crianças da região os colocando ainda mais em contato com os temas de sustentabilidade e energia renovável”, destaca Cynthia Alario - coordenadora e idealizadora do Cinesolar.

“Fazer parte desse projeto pioneiro é uma grande honra. Como um dos líderes do mercado de financiamento de energia solar, sabemos da importância de levar pelo país a mensagem de sustentabilidade que esse mercado traz, além de aliar com um tema relevante que é a cultura”, afirma Flavio Suchek, diretor de Novos Negócios e Empréstimos do Banco Votorantim.


Devido às restrições impostas pela pandemia de Covid-19, as exibições seguirão todos os protocolos de segurança. Será disponibilizado álcool em gel para higienização das mãos, haverá controle de acesso e distanciamento entre as cadeiras; além disso, o uso de máscara será obrigatório durante todo período de exibição.

O Cinesolar - circuito Natal é viabilizado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura, com patrocinio do Banco Votorantim e realizado pela Brazucah Produções e Governo Federal, por meio do Ministério do Turismo.

PROGRAMAÇÃO:

Natal - Data: 22/01 – Sábado

14h30 às 17h – Oficinema solar

18h Sessão Curtas e 19h Filme Cine Holliúdy
Local: Praça da Igreja Nossa Sra. da Esperança - Praça Matriz
Endereço: Rua Adolfo Gordo, s/n - Cidade da Esperança - Natal

Local em caso de chuva: Rua da Campina Grande com Rua das Cajazeiras

Sinopses dos filmes:

Açaí - Direção: André Cantuária – Brasil, 18min, Ficção. Livre

Sinopse: O curta “Açaí” conta a saga de Dionlenon, um homem de 30 anos que está acostumado com a vida que leva ao lado da mãe, com quem mora numa periferia de Macapá. Ele sai em busca de dois litros de açaí para almoçar, mas não conta com uma viagem tão distante assim.

Vento Viajante – Direção: Alunos da rede pública municipal de ensino fundamental de Icapuí/CE - Brasil 6min, Animação/Infantil. Livre

Sinopse: Um dia o vento decidiu viajar para o nordeste. Pelo caminho ele fez muitas descobertas, amigos e deixou saudades.

Plantae – Direção: Guilherme Gehr – Brasil, 10´25, Animação. Livre

Sinopse: Ao cortar uma grande árvore no interior da floresta, um madeireiro contempla uma inesperada reação da natureza. Uma reflexão sobre as consequências irreversíveis do desmatamento e da subjugação lamentável dos humanos aos demais seres da Terra.

O Gigante – Direção:  Júlio Vanzeler & Luis da Matta Almeida – Portugal, 10 min, Animação. Livre

Sinopse: "De todas as histórias que meu pai me contou, a que nunca esqueci foi a do rei que sempre carregou uma princesa dentro de seu coração ..."

Procura-se – Direção: Iberê Carvalho – Brasil, 10min - Ficção

Sinopse: O filme conta a aventura de três crianças que rompem a fronteira social motivadas pelo sentimento sincero por um cachorrinho de estimação. Nossos heróis são: Camile, Didi e Gugu. Camile é uma menina de 10 anos, muito corajosa e rica, que ao perder Bolinha, foge de casa em busca do cãozinho, iniciando uma aventura cheia de descobertas, perigos e novas amizades; Didi tem a mesma idade de Camile, é pobre e vende chicletes para ajudar em casa. Ela descobre que existe uma boa recompensa pela devolução do cachorro que seu pai encontrara e dera de presente para seu irmão Gugu. Ela decide devolver o animal, mas Gugu não aceita a ideia de perder seu novo amigo, agora batizado de Panela.

- Cine Holliúdy - Duração: 1h31min - Gênero: Romance/ Comédia - Diretor: Halder Gomes - País: Brasil

Sinopse: Nos anos 70, habitantes de uma cidade do interior passaram a desfrutar de um bem até então desconhecido: a televisão. Porém, o aparelho afastou as pessoas do cinema. Agora, cabe ao proprietário do cinema local tentar atrair o público de volta.

14

Jan

Complexo Cultural Rampa e UFRN firmam parceria para lançamento de livro sobre Augusto Severo

Neste ano, completa 120 anos do encantamento de Augusto Severo, expoente norte-rio-grandense, político, jornalista, inventor e aeronauta de relevância internacional. A data marca a realização do seu invento mais ousado, o Pax, dirigível que explodiu em Paris durante seu primeiro voo experimental. Com o objetivo de recuperar essa memória histórica e tornar ainda mais conhecido esse personagem, diversas parcerias e homenagens estão em curso. Uma delas envolve o Complexo Cultural Rampa e a UFRN, com a publicação do livro “Os balões de Augusto Severo”, do escritor Rodrigo Visoni.

As tratativas para essa parceria foram firmadas por Gustavo Wanderley, curador do projeto Rampa - arte museu paisagem e pela professora  Ângela Paiva, coordenadora do Parque Científico Tecnológico do Rio Grande do Norte Augusto Severo (PAX/UFRN), em reunião realizada na última terça-feira, 11, na Governadoria, exatamente no dia em se celebrava os 158 anos do nascimento de Augusto Severo. O encontro capitaneado pelo vice-governador do Estado, Antenor Roberto, contou com diversas entidades ligadas ao tema.

A publicação do livro deverá ser a primeira do selo Rampa Edições, do projeto Rampa - arte museu paisagem, em parceria com a Editora da UFRN e projeto PAX. Com abertura prevista para o primeiro semestre de 2022, o espaço Complexo Cultural Rampa, em Santos Reis, está na fase de criação do acervo e do programa educativo.

Segundo Gustavo Wanderley, curador do Rampa - arte museu paisagem, apoiar esse tipo de obra está diretamente relacionado ao propósito do complexo, que além de abrigar exposições de arte, quer oportunizar o desenvolvimento humano e de novas ideias. “Mais do que revelar um homem que inventou uma máquina, falar de Augusto Severo é falar de um jovem inquieto que conseguiu imaginar-se voando. Com essa publicação, queremos impulsionar a memória de alguém que sonhou e conseguiu. Queremos pensar e fomentar a potência do sonho, a potência do realizar”, explica o curador.


Para Ângela Paiva, representante da UFRN, a parceria reforça o compromisso com a justiça social, a sustentabilidade socioambiental, a democracia e a cidadania da instituição. “O livro dialoga diretamente com a exposição que está em planejamento para a Rampa inspirada no sonho e no voar que moveram a criança, o jovem e o homem Augusto Severo. Sem dúvida, realizar parcerias como essa é de extrema relevância para todas as instituições que lidam com a história e a memória no Estado do Rio Grande do Norte”, aponta a professora.

Resultado de anos de pesquisa, o livro “Os balões de Augusto Severo”, de Rodrigo Moura Visoni, é ricamente ilustrado e resgata a vida e a obra de Augusto Severo de Albuquerque Maranhão, que foi concorrente de Alberto Santos Dumont na busca pela dirigibilidade aérea. Augusto Severo foi o projetista dos dois primeiros dirigíveis semirrígidos do mundo, o Bartholomeu de Gusmão (1894) e o Pax (1902), e inventor de novos tipos de motores e engenhos aéreos.

12

Jan

Colônia de férias traz benefícios para o tratamento de crianças com autismo

“Aprender brincando”. É com essa premissa que a Clínica de Atendimento Personalizado em Terapias Avançadas (CLIAP) preparou uma programação especial para a colônia de férias até o dia 21 de janeiro. Especializada no tratamento de crianças e adolescentes com autismo e outros transtornos de desenvolvimento, a instituição planejou atividades que estimulam o desenvolvimento psicomotor, cognitivo e intelectual, enquanto proporciona momentos de interação social, criatividade e diversão. 

A psicóloga Jordylene Andrade, coordenadora do corpo clínico infantil da instituição, explica que as atividades lúdicas são um meio de expressão e maturação no plano social, cognitivo, físico e psicológico infantil, e que a experiência em grupo oferece benefícios aos pacientes.

“É por meio das brincadeiras coletivas que as crianças podem ter contato com outras da mesma idade, e isso ajuda para que conheçam as pessoas que as rodeiam, aprendam com os comportamentos dos seus iguais e, com isso, tenham um ganho no seu repertório social”, pontua a especialista.


Atividades ao ar livre como oficinas de brinquedos, de pintura, campeonato de futebol, circuito psicomotor e brincadeiras na piscina são algumas das ações planejadas para a colônia, sempre respeitando a singularidade de cada criança. Também será realizado um campeonato de jogos de tabuleiro, além de oficina de slime, de culinária, sessões de cinema, piquenique e uma boate sensorial adaptada para o público, que tem maior sensibilidade a sons, luzes e contato físico.

Além dos benefícios sociais de experienciar uma colônia de férias, um estudo feito pela Universidade de Brasília (UnB) com crianças entre 6 e 12 anos mostra que esse tipo de programa são as preferidas dos pequenos: 70% escolheram brincadeiras tradicionais e esportivas como as preferidas e apenas 11,4% indicaram que os gadgets – games, computadores e outros eletrônicos – são as brincadeiras favoritas. 

“Acima de qualquer coisa, queremos proporcionar aos nossos pacientes diversão em clima de férias, afinal, crianças são crianças e esse é um momento especial para elas”, diz Jordylene. Contato: (84) 2030-3041.

11

Jan

Arena das Dunas realiza trabalho de recuperação do gramado para padrão FIFA

A cada ano, a Arena das Dunas realiza o trabalho de recuperação do gramado. Um processo importante para manter a qualidade e o 'Padrão FIFA' do campo de jogo. A previsão é para que tudo fique pronto até o dia 20 deste mês de janeiro. 

Em 2022, a Arena das Dunas receberá jogos do Campeonato Estadual, da Copa do Nordeste, da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro, além das competições de futebol feminino e das categorias de base. 

Manutenção do 'tapete verde'

Os serviços realizados têm o objetivo de manter o gramado sempre nos parâmetros ideais de nivelamento, compactação e drenagem, garantindo as condições para a melhor performance e segurança dos atletas, ao mesmo tempo em que prolonga a vida útil. 

Para garantir a nova temporada, a grama recebe de três a quatros vezes por semana cortes helicoidais para manter suas características e é realizado ainda um corte vertical com o objetivo específico de eliminar o excesso de matéria orgânica acumulada durante o ano. 


Segundo informações da equipe técnica que trabalha na conservação do gramado, o campo de jogo é diariamente examinado em busca de verificar a presença de doenças, insetos nocivos ou plantas daninhas e iniciar as correções dessas eventuais anomalias. 

Quinzenalmente, é realizado procedimento de descompactação do terreno através de pequenas perfurações do solo, as quais incrementam tanto o conforto quanto as condições de fertilidade da grama.

11

Jan

Sesc RN divulga calendário de projetos musicais abertos ao público no interior

A agenda de projetos musicais do Serviço Social do Comércio (Sesc RN) está recheada de opções para o público no mês de janeiro, com o início das edições 2022 do Letra & Música e Domingo Recreativo, em Mossoró e Caicó. Os eventos são abertos ao público, seguem protocolos de biossegurança e têm o objetivo de valorizar, principalmente, artistas potiguares. 

O Projeto Letra & Música começa já na sexta-feira, 14, acontecendo simultaneamente em duas cidades. Em Caicó, o Quarteto MPB começa às 19 horas, com acesso mediante a doação de 1 kg de alimento não perecível. Em Mossoró, também, às 19 horas, a animação fica por conta da cantora Renata Falcão. 

A iniciativa volta a acontecer nos dias 21e 28, em Mossoró, com Dayane Nunes e Banda Ultimato. Já em Caicó, se repete no dia 28, com a dupla Saulo e Altemar. Em ambas as datas e locais, o Sesc RN exige a apresentação do comprovante de vacinação completa contra a Covid-19. 

Já o Domingo Recreativo, está previsto em Caicó nos dias 16 e 30 de janeiro, com participação da cantora Veronice Pereira e Banda Sistema Nervoso, respectivamente, a partir das 8 horas. Neste caso, o acesso dos não associados acontece com a taxa de R$ 10,00, com banho de piscina liberado. Em Mossoró, o evento acontece no dia 16, a partir das 11 horas, com a Banda Koisa Nossa. 

11

Jan

Shopping Cidade Verde oferece diversão e lazer com o Circo de Bisteca & Bochechinha

A diversão está garantida durante o mês de janeiro no Shopping Cidade Verde com o Circo dos palhaços Bisteca & Bochechinha. A partir do próximo sábado (15), a criançada e toda a família vão poder aproveitar as férias e assistir a um show de atrações com malabarista, acrobata, mágico, bailarinos, artistas aéreos e muito mais. 

Os espetáculos vão acontecer nas sextas (20h), sábados (18h e 20h) e domingos (18h e 20h). A estrutura do circo está montada no estacionamento do Shopping Cidade Verde, que fica na Avenida Ayrton Senna, em Nova Parnamirim, e surge como mais uma opção de lazer em umas das regiões que mais cresce na Grande Natal. 


A estrutura tem capacidade para receber até 300 espectadores por sessão e conta com palco, amplo equipamento de luz e sonorização, além de praça da alimentação. No espetáculo, Bisteca & Bochechinha dividem o picadeiro com outros artistas circenses, além de convidados especiais. 

Os ingressos estão disponíveis no site ou no app Sympla e também na bilheteria do circo. A entrada inteira custa R$ 30 e a meia-entrada, R$ 15.

11

Jan

Faaca Boteco prepara programação especial para celebrar aniversário

Nesta terça-feira (11), o Faaca Boteco e Parrilla completa três anos de funcionamento em Natal. Para celebrar a data, além de música ao vivo a partir das 18h, com Diogo das Virgens, o menu do happy hour estará disponível durante todo o funcionamento da unidade, das 17h às 01h. 

O Faaca Boteco é conhecido pelos cortes premium de carnes, petiscos e burgers saborosos, além das bebidas.

“ Pensamos em uma programação especial para comemorar essa data com os nossos clientes. Liberamos o happy hour durante o dia todo e convidamos um artista para animar o nosso público enquanto degustam os nossos pratos e conversam com amigos”, comenta o gestor da unidade, Bruno Carvalho.

O local funciona no famoso bairro costeiro de Ponta Negra, na Av. Praia de Ponta Negra, 9084.. Mais informações pelo telefone (84) 99604-0001 ou @botecofaaca.

7

Jan

Veranistas da Praia de Pirangi terão modalidades esportivas gratuitas a partir deste sábado (8)

Os veranistas potiguares têm mais um motivo para aproveitar as areias da Praia de Pirangi, no litoral sul. Durante os quatro sábados de janeiro, a Bodytech Tirol, sediada em Natal, invade a orla com diversas modalidades esportivas. Tudo gratuito em uma programação que vai das 10h às 13h.

"O objetivo é incentivar a prática de atividade física entre os veranistas, neste período do ano considerado um dos melhores para se fazer exercícios, já que naturalmente o calor favorece e potencializa os resultados", afirma a gerente operacional da BT Tirol, Paula Carvalho.

Além da Bodytech Tirol, a programação é chancelada pelas rádios 98 FM e Jovem Pan News Natal, que vão transmitir as aulas e disponibilizarão uma estrutura com tenda, barracas, hidratação e brindes para os participantes.

Confira a programação das modalidades
10h: Circuito Funcional
11h: Aula de Abdominal
11h30: Alongamento
12h: Dance Mix

7

Jan

Museu do Seridó inicia plano de preservação histórico-cultural

“O Museu do Seridó (MDS/UFRN) é, ao mesmo tempo, um local de pesquisa acadêmica, ponto turístico de Caicó e uma instituição aberta à preservação e à comunicação das manifestações populares regionais”. A frase é de Tiago Tavares, historiador e coordenador adjunto do projeto Museu do Seridó: preservação de acervo e divulgação da memória seridoense. Com início no dia 3 janeiro, o trabalho é uma extensão das atividades de higienização e organização dos acervos do Museu, reiniciado em 2019, e visa à superação dos desafios na luta por divulgação e manutenção da história local. Só nos últimos três anos, centenas de peças já passaram pelo projeto e foram resguardadas conforme os critérios da museologia.

Tiago esclarece que esse trabalho é interno, silencioso e costuma passar despercebido pelos visitantes, uma vez que grande parte dos acervos não entra em exposição. Para guiar a iniciativa, o Museu do Seridó finalizou, em dezembro de 2021, seu Plano Museológico. O objetivo foi analisar a situação atual da instituição, expectativas futuras e que etapas cumprir para alcançá-las. Até fevereiro, o projeto de conservação recebe a coordenação de Vanessa Spinoza, diretora do MDS, e conta com o apoio das comunidades acadêmicas e externas à UFRN.


Na luta pela conservação da memória, Tiago aponta que a principal barreira tem sido aproximar o tema da população geral e, posteriormente, estabelecer um processo educativo. “Por preservação, entendemos mais que acondicionar e catalogar corretamente as peças de um museu, embora isso seja primordial. Por isso, nós estamos sempre procurando contato com nosso público, de forma, inclusive, não presencial”, enfatiza o historiador.

Entre as medidas tomadas pelo MDS para fortalecer esse diálogo, estão a aproximação do espaço com a mídia, visita mediada virtualmente em escolas de diversas localidades (públicas e privadas), incluindo as de Educação de Jovens e Adultos (EJA), constante interação nas redes sociais e publicação de artigos. Outra iniciativa é o e-book O museu vai às escolas: roteiros histórico-culturais para a preservação e promoção da memória seridoense, que pretende aproximar a instituição das escolas do Seridó.

Em formato digital, o trabalho é voltado para professores da educação básica e tem o objetivo de somar no apoio à promoção da cultura regional. “É uma parceria entre a UFRN e a equipe do Museu do Seridó e professores e estudantes do Departamento de História do Centro de Ensino Superior do Seridó (Ceres), o curso de Turismo da Faculdade de Engenharia, Letras e Ciências Sociais do Seridó (Felcs) e o Museu Câmara Cascudo (MCC)”, explica Tiago, que também ajudou na apresentação do MDS.

Ele complementa afirmando que a equipe do MDS pretende usar todos os meios virtuais para a divulgação do material, como suas redes sociais, e vai disponibilizar o livro ao maior número de escolas públicas da região. Na perspectiva do historiador, a troca de saberes com a comunidade é o que torna um museu vivo. Diante disso, destaca que a variedade das ações do MDS traduz o interesse em diversificar cada vez mais seu público.

foto cedida

6

Jan

Cinco tendências de decoração para 2022

A pandemia transformou a forma das pessoas olharem para dentro da sua casa. Coisas que não recebiam tanta atenção antes, começaram a receber por conta do tempo que as pessoas ficaram em casa devido ao isolamento social. Para se ter ideia, de acordo com um levantamento do aplicativo de serviços GetNinjas, entre março e maio de 2020, a procura por arquitetos avançou 112% em relação ao mesmo período de 2019. Muito disso se deve à vontade das pessoas transformarem seu ambiente de moradia para que passem mais tempo confortáveis e se sentindo bem dentro de casa. Desde então, a relação das pessoas com seus lares mudou bastante. 


De acordo com as arquitetas do Studio M&A Arquitetura, Renata Assarito e Camila Marinho, uma das maiores mudanças no comportamento das pessoas foi em relação a ter um espaço de home office dentro de casa. “Antes da pandemia, os clientes costumavam pensar em um espaço home office como extensão de outro, ou seja, não tinha um cômodo único para isso, era uma extensão na mesa de jantar, na sala ou no próximo quarto. Com a pandemia, todos começaram a pensar nisso como um espaço de trabalho mesmo, algo mais isolado por conta do barulho e que seja mais fácil de se concentrar. Agora esse é um espaço que está sendo bastante planejado dentro dos lares”, explica Renata. 



Além disso, algo que poucos pensavam antes da pandemia e agora prestam mais atenção, é ter um canto na entrada da casa para chegar e tirar os sapatos e casacos. “Esse espaço eram poucos os clientes que pensavam, mas agora todos querem algo assim. Serve também para facilitar e deixar o álcool gel logo na entrada da casa. Como as pessoas começaram a ficar mais tempo em casa, elas querem um ambiente mais aconchegante e acolhedor, que seja um refúgio, um espaço de descanso do dia a dia. Por conta da pandemia, conseguimos perceber que as pessoas começaram a olhar de um jeito diferente para sua casa”, explica a também arquiteta Camila Marinho.


De acordo com o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR), são registrados mais de 106 mil arquitetos e urbanistas ativos no país. Para Renata, em meio a tantos profissionais e às mudanças no comportamento dos clientes, a melhor forma de se destacar no próximo ano é manter o cliente fiel ao seu trabalho. “Cada escritório tem uma forma de trabalhar e os projetos refletem isso. Os clientes se identificam com isso. Em um momento de pandemia, as pessoas estão mais imediatistas, então elas buscam profissionais que estão disponíveis para elas. O mais importante nisso tudo é conhecer o cliente, o seu dia a dia, as características e os gostos dele. Dessa forma, é possível entregar o melhor projeto possível, da forma que os clientes mais desejam”, complementa Assarito. 


Pensando no próximo ano, as arquitetas listam as principais tendências de decoração que devem tomar conta dos projetos. Confira:


1. Ambientes confortáveis: “Uma tendência será buscar pelo conforto, evitando exageros e aproveitando as cores neutras. O conforto é algo que as pessoas têm buscado mais dentro de casa, principalmente por conta da pandemia. O tempo dentro de casa tem sido maior, então é imprescindível morar em um lar que proporcione conforto e bem-estar”, diz Camila. 


2. Ambientes funcionais: “Nós sabemos que a pandemia transformou a forma das pessoas viverem. De todas as formas, os clientes buscam morar em lugares que apresentem uma funcionalidade maior, que tenha praticidade. Então principalmente os ambientes integrados vão continuar muito em alta no próximo ano”, acredita Renata.


3. Decoração retrô: “O período de pandemia e isolamento social mexeu muito com o comportamento das pessoas, até mesmo com o emocional. Por conta disso, é importante estar em um lugar que faça você se sentir bem. O estilo retrô remete às memórias afetivas, histórias e memórias do passado que trazem lembranças boas para os dias de hoje”, completa Camila. 


4. Formas orgânicas: “As formas orgânicas têm começado a ser mais buscadas nos projetos, algo que estava sendo dominado pelas linhas retas nos últimos anos. A decoração com forças orgânicas é capaz de beneficiar o bem-estar, já que elas costumam se assemelhar às formas naturais do corpo humano, então proporcionam conforto. É algo que costuma ser bastante usado nas decorações em cadeiras, poltronas e sofás. Além disso, a biofilia é algo que está e vai continuar em alta em 2022. Então, representar a natureza com formas orgânicas no design também estará bastante presente no próximo ano”, diz Renata.


5. Cor dourada: “O dourado é uma cor que reflete bastante sofisticação e elegância nas decorações. Além disso, é uma cor que representa abundância. Então a busca por metais dourados e peças com detalhes nessa cor estará bastante em alta pelos clientes no próximo ano”, conclui Camila Marinho.

4

Jan

Ilha Ecomax abre temporada 2022 com muito forró e piseiro no sábado (8)

A abertura da temporada 2022 da Ilha Ecomax será com muito forró e piseiro no sábado (8) na estrutura montada na praia de Pirangi e que já é referência no verão do Rio Grande do Norte.

www.ingressando.com.br) além das lojas A Graciosa (Natal Shopping e Midway).

Mais informações dos shows da Ilha Ecomax podem ser obtidas nos perfis @maisclap_ e @ilhaecomaxoficial no Instagram.   

3

Jan

Colônia de férias que alia diversão e conhecimento é opção para crianças e adolescentes neste início de janeiro

A primeira semana do ano pode ser recheada de diversão e conhecimento na colônia de férias “Os cientistas que mudaram o mundo”, da escola Robô Ciência. As atividades vão até essa semana, mas ainda dá tempo de se inscrever e participar. 

Na colônia de férias, que acontece na nova unidade de Cidade Verde e no Tirol, crianças e adolescentes de 03 a 17 anos fazem uma imersão sobre os maiores cientistas do planeta, além de produzirem robôs, experimentos e participarem de atividades lúdicas e recreativas. “É uma oportunidade de aliar conhecimento e diversão”, resumiu o professor Alexandre Amaral, diretor da Robô Ciência. 


Ainda há vagas disponíveis. Os telefones para contato na unidade Cidade Verde, que fica na rua Poços de Caldas, 2802, esquina com a rua Macaúba, são o (84) 2020-6243 ou (84) 99427-1547. Na unidade Tirol, localizada na avenida Ruy Barbosa, 935, os contatos são (84) 3025-7601 ou (84) 99164-1415. Mais informações no site robociencia.com.br ou pelo Instagram @robociencia. 

Sobre a Robô Ciência

A Robô Ciência é uma escola genuinamente potiguar que atua em vários estados do Brasil, fundada e dirigida pelo professor Alexandre Amaral. 

Por meio de projetos de robótica adequados para cada nível de ensino, a metodologia utilizada incentiva os alunos a questionarem e investigarem os problemas propostos, fazendo com que trabalhem de maneira lúdica, participativa, criativa e colaborativa, em busca de soluções.

Com mais de 10 anos de existência, a Robô Ciência já está presente com seu método de ensino em mais de 100 escolas no Brasil, ajudando a transformar o conhecimento de mais de 50 mil alunos.a

3

Jan

Cartas na língua tupi são traduzidas na íntegra pela primeira vez

Seis cartas na língua tupi trocadas entre indígenas no século 17 durante a invasão holandesa na Região Nordeste foram traduzidas para o português pelo professor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, da Universidade de São Paulo (USP) Eduardo Navarro. Pela primeira vez, um pesquisador conseguiu traduzir os documentos integralmente.

“Essas cartas são os únicos documentos que existem, até agora descobertos, que foram escritos por índios no Brasil colonial, não existe mais nada. Tudo o que se sabe sobre a língua tupi foi escrito por europeus. Não tivemos documentos escritos por índios a não ser essas únicas cartas. Elas foram então escritas durante a Insurreição Pernambucana”, disse Navarro, explicando que o moderno estudo histórico valoriza as fontes originais.

Nas cartas, há relatos dos indígenas que lutavam na guerra travada entre portugueses e holandeses. Os indígenas convertidos ao protestantismo estavam ao lado dos holandeses que invadiram terras brasileiras, que na época era colônia portuguesa, enquanto junto aos portugueses estavam os indígenas catequizados ao catolicismo.


“Em 1645, começou a guerra, aí foi que alguns índios do lado português, entre os quais o mais famoso foi Felipe Camarão, escreveram cartas para seus parentes que estavam lutando no campo holandês, pedindo que eles voltassem para o lado dos portugueses, dizendo que a religião protestante era pecaminosa, que aquilo era a mesma coisa que estar com o diabo, coisas assim, dizendo que se eles não saírem do lado holandês eles seriam mortos [pelos portugueses]”, disse o professor.

Nas cartas, segundo o professor, Camarão pede a seus parentes Pedro Poti e Antônio Paraupaba, indígenas protestantes, que abandonassem os holandeses. Os indígenas do lado português também diziam que, caso os portugueses vencessem a guerra, os indígenas do lado holandês não seriam poupados, seriam mortos.

“Os holandeses eram poupados para servir depois como moeda de troca, quando eram presos assim na guerra. Mas os índios não, eram todos assassinatos. E é isso que ele estava dizendo nas cartas: vem para o nosso lado enquanto vocês podem”, disse Navarro. 

Segundo o pesquisador, há muitas informações históricas interessantes que vão enriquecer o conhecimento sobre essa guerra e aquele momento da história do Brasil.

Eduardo Navarro lembra que, quando se fala de indígenas, o que se conhece foi escrito pelos europeus. “São cartas que têm um valor maior do que outras fontes, porque eles mesmo estão escrevendo aquilo que eles sentem. Felipe Camarão fala por exemplo da angústia dele de não poder mais viver segundo as tradições dos seus avós, que ele tinha vontade de reunir os índios todos para eles poderem voltar a ter a vida antiga que eles tinham.”

O pesquisador aponta a importância histórica das cartas “que nos trazem informações da própria pena dos que foram dominados no Brasil colonial, a pena dos derrotados da história, os índios. E também pelo ponto de vista linguístico, revela a língua tupi um pouco modificada já em meados do século 17”. 


Essa foi a principal língua falada nos primeiros 200 anos do período colonial no país, disse.

Tradução

Estudadas desde o século 19, Navarro explica porque só foi possível traduzi-las na íntegra agora. “Primeiro, que ortografia é difícil, esses índios eram alfabetizados em português. Agora, na hora de escrever a língua tupi, eles usavam o alfabeto latino e escreviam do jeito que ouviam, do jeito que falavam, não havia regras muito precisas e tudo isso dificulta a leitura para quem não entende bem a língua.”

Navarro explica ainda que “depois, não havia um dicionário que reunisse todo esse conhecimento que se tem da língua [tupi] das fontes portuguesas, francesas, holandesas, todas essas nacionalidades produziram textos. Os missionários portugueses e franceses escreveram gramáticas, dicionários, vocabulários, mas era necessário reunir tudo o que se conhecia em um único texto”. 

O professor foi o primeiro a reunir todas essas fontes, quando publicou um dicionário Tupi há oito anos. A partir daí, segundo ele, foi possível chegar à tradução completa das seis cartas que estão guardadas na Holanda, na Real Biblioteca de Haia. 

“Esses documentos são os mais preciosos que existem no campo dos estudos de Tupi, porque são escritos pelos próprios índios, não existe mais nada que nós conheçamos que venha dos índios no período colonial brasileiro, de 1500 até a Independência.” 

A tradução será publicada no Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, de Belém (PA).

O historiador brasileiro José Hygino Pereira esteve na Holanda, onde encontrou as cartas. “Ele fotografou as cartas, no ano de 1885, e entregou as cartas nas mãos do engenheiro Teodoro Sampaio, que era também estudioso de Tupi. E ele vai tentar traduzir essas cartas no ano de 1906”. 

Navarro disse que Sampaio escreveu um artigo contando que ele só havia conseguido compreender alguma coisa de duas das cartas, mas que as outras eram um verdadeiro mistério para ele.

Tempos depois, houve nova tentativa de outro estudioso na tradução, mas também sem sucesso. “Eu fiquei sabendo dessas cartas na década de 90, quando o professor da Unicamp, chamado Aryon Rodrigues, tentou traduzi-las. Ele foi à Holanda buscar essas cartas, naquela época não havia internet ainda, mas ele não conseguiu traduzir.”

Sobre o desfecho da situação dos indígenas do lado holandês após a guerra, Navarro contou que o alerta feito nas cartas se concretizou. “Os indígenas do lado holandês foram mortos porque os holandeses perderam a guerra, não havia perdão para os índios que estivessem com os holandeses. Com relação a Antônio Paraupaba, ele morreu na Holanda. Ele foi embora com os holandeses e morreu lá”.

Já Pedro Poti foi capturado pelos portugueses, sofreu tortura e morreu em 1649, segundo o professor. “Há quem diga que ele morreu na prisão portuguesa e há quem diga que ele morreu no navio indo para Portugal. Em ambos os casos, ele foi torturado, foi realmente muito maltratado”, disse.

Fonte: Agência Brasil / Fotos: Arquivo Eduardo Navarro