Comunicação, educação e tecnologia

Fale com a gente pelo e-mail blogdajuliska.news@gmail.com e nos siga no Instagram @blogdajuliska.

11

Out

Deu no Portal Meio e Mensagem:

As redes sociais estão cada vez mais presentes na vida dos brasileiros e já se tornaram o canal que 80% das pessoas utilizam para acompanhar as notícias do País e do mundo, de acordo com estudo realizado pela MindMiners, empresa especializada em pesquisa digital, em parceria com a Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP). Apesar disso, 52% das pessoas acreditam que esse canal é pouco ou nada confiável para acompanhar ou compartilhar notícias. Já, TV fechada é considerada confiável ou muito confiável para se atualizar sobre notícias por 68% da população brasileira, e TV aberta por 64%.

“A facilidade de agregar informações de maneira ágil é uma das características que ocasionaram o sucesso das redes sociais, mas diante desse contexto da organização social em que todos podem produzir e consumir conteúdo, perdemos referências importantes de checagem de fatos e credibilidade, que antes eram exercidas pelo estado e pela mídia”, Beatriz Menezes, analista de marketing da MeSeems, responsável pela pesquisa realizada de 22 à 27 de agosto, que contou com 1000 entrevistados de todas as classes e regiões do Brasil, da base de respondentes proprietária da MindMiners, o MeSeems.

De forma geral, o estudo mostra que o WhatsApp é a plataforma social mais utilizada pelos brasileiros, seguida por Facebook, Youtube e Instagram. Entretanto, quase metade dos respondentes disseram que o aplicativo de mensagens instantâneas, é a rede social onde mais notícias falsas são compartilhadas. O levantamento ainda revela que 48% dos brasileiros concordam parcialmente ou totalmente com a afirmação de se sentir próximo das pessoas que seguem nas redes, mesmo que não as conheçam pessoalmente. Em contrapartida, apenas 17% dos entrevistados confiam em notícias ou informações vindas dos produtores de conteúdo digitais (influenciadores).

A responsável pelo estudo ainda avalia que diante do amplo debate sobre a circulação de notícias falsas em canais digitais, as pessoas estão adquirindo o hábito de checar informações e notícias que recebem, mesmo quando parte vem de pessoas próximas ou que consideram confiáveis. “O processo de checagem pode revelar informações incoerentes ou completamente falsas, por isso atualmente ser próximo a alguém não pressupõe mais total confiança no que é transmitido pelo interlocutor”, completa.

Fonte disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2019/10/10/redes-sociais-sao-os-canais-mais-usados-para-acompanhar-noticias.html

11

Out

O Sebrae no Rio Grande do Norte deu o primeiro passo para a implantação no estado de um roteiro histórico e cultural baseado na Segunda Guerra Mundial. A instituição lançou ontem (9) o projeto Natal & Parnamirim Field na Segunda Guerra, que deve viabilizar o estado como um destino turístico histórico. O lançamento ocorreu na Casa da Ribeira em uma noite temática, que resgatou o ambiente da época ao som de orquestra big bands, espetáculo Bye Bye Natal e uma exposição de peças e artigos temáticos da guerra. O evento reuniu no bairro da Ribeira empresários do trade turístico, representantes de instituições ligadas ao setor, governantes e convidados.

“O projeto busca a integração e reforça laços sobre o que aprendemos com essa convivência e troca de costumes que influenciou e ainda influencia nossa cultura, nossos hábitos, nossa história. Nossa intenção é criar um roteiro que irá apresentar (ou reapresentar) ao mundo o ponto de conexão que, orgulhosamente, fomos para a vitória do mundo sobre o nazifascimo. Teremos como contar até mesmo partes da fascinante história da aviação mundial, registrando passos dados aqui por companhias alemãs, italianas e francesas”, enfatizou o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-RN, Marcelo Fernandes de Queiroz, durante o lançamento.

O projeto Natal & Parnamirim Field já vinha sendo trabalhado há cerca de dois anos e, atualmente, faz parte das ações do programa Investe Turismo, que é promovido pelo Sebrae, Ministério do Turismo, Embratur e Secretaria Estadual de Turismo (Setur). Sebrae elaborou um estudo das potencialidades que podem ser exploradas ao tema, pontuando atrações que podem ser exploradas já a curto prazo em roteiro que reúne prédios e fatos marcantes.

Um dos objetivos do programa é diversificar a oferta turística que vá além do turismo de mar. Por isso, o projeto tomou a participação do RN na Grande Guerra como forma de atrair turistas para um destino que um fato histórico ímpar no Brasil. Com isso, o Sebrae espera ampliar em mais um dia a permanência do visitante que vem ao RN aproveitar as praias e estimular a criação de eventos alusivos ao tema, como o Dia D, com espetáculos e apresentações de big bands. A expectativa é que o roteiro gere um incremento no setor de comércio e serviços dos dois municípios com retorno para bares, restaurantes e o artesanato.

11

Out

Começou ontem (10) no Rio de Janeiro a Hackfest 2019 – Um Rio de Dados, promovida pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), em parceria com o Ministério Público da Paraíba (MPPB). O objetivo da maratona de programação, que está em sua quinta edição, é buscar soluções tecnológicas que contribuam para o combate à corrupção. 

Serão quatro dias de imersão para debater o tema e desenvolver aplicativos com soluções para promover o controle social do Estado e na busca por uma sociedade mais justa e participativa. Participam estudantes e profissionais de tecnologia da informação, direito, design, contabilidade e gestão pública.

As equipes terão dois dias para programar e desenvolver os aplicativos, que serão apresentados no domingo (13).  Os três melhores projetos serão selecionados como finalistas para participar da segunda etapa da competição, que ocorrerá em dezembro, quando os softwares deverão ser entregues prontos para usufruto gratuito da sociedade.

O prêmio será de R$ 9 mil para a equipe que fizer o melhor projeto, de R$ 6 mil para o segundo lugar e de R$ 4 mil para o terceiro colocado. No ano passado, foram premiados com medalha de ouro projetos de aplicativos com os temas: Cadê meu Remédio, Lupa na Toga, Não nasci para ser a outra, Brasirama, Focaqui, Câmara das Deputadas e Me diz quem tu és.

Fonte: Agência Brasil

11

Out

Um passeio leve, curioso e lúdico no dia a dia da capital potiguar, usando como pano de fundo os principais acontecimentos ocorridos no período de 1901 a 2000. Essa é a proposta dos irmãos Fred e Carlos Sizenando Rossiter com o novo livro Natal do Século XX, Memória, Fatos e Fotos Marcantes.  Com 575 páginas e ilustrado com 435 fotografias, o livro mostra as transformações urbanas, sociais e econômicas da cidade, cobrindo momentos marcantes e curiosos nos campos da política, costumes, esporte, música, educação, arte, fatos policiais, figuras populares, além dos instantes hilários e de lazer.

Desde o provincianismo dos bondes puxados por burros e o impacto dos primeiros cinemas até o desbunde da Boite Hippie Drive In e do bloco Bandagália, tudo está contemplado no livro. Os pioneiros voos transatlânticos, Natal Comunista (1935), Natal na II Guerra, Era do Rádio (anos 50), Futebol no Juvenal Lamartine e no Castelão, Evolução das Telecomunicações são outros temas abordados na obra. 

O livro também flerta com o autobiográfico, ilustrando o clima festivo e musical na Londres Nordestina dos anos 60/70/80, o ambiente colegial, os playboys transviados, as tribos de jovens, o surgimento das primeiras bandas de rock e os festivais que lotavam o Palácio dos Esportes em tempos de Beatles e Jovem Guarda. O lançamento ocorrerá no dia 24 de outubro (quinta-feira), no Clube de Rádio Amadores/Estação Mil e Quatro (Av. Rodrigues Alves, ao lado da Cidade da Criança), a partir das 18h. 

11

Out

O Magazine Luiza (ou Magalu, se preferir) anunciou na última quarta-feira (9) que abriu inscrições para seu primeiro pitch day de serviços digitais. O objetivo da rede varejista é selecionar startups para se tornarem parceiras no desenvolvimento de soluções oferecidos para o consumidor e que possam ser vendidas on e offline, promovendo ainda inclusão digital

“Estamos procurando todos os tipos de startups. Podem ser soluções financeiras, para saúde, educacionais, de entretenimento, não temos barreiras: queremos ser surpreendidos”, afirma Juliana Silva, gerente de serviços digitais do Magazine Luiza. “Só precisamos que a ideia tenha alguma ligação com os produtos que vendemos aqui no Magalu, como smartphones, smartwatches, notebooks, tablets etc.”

Inicialmente, a empresa escolherá os parceiros, mas a relação pode ser aprofundada. Isso porque, nos últimos três anos, foram cinco startups parceiras que acabaram compradas pela varejista. Entre elas, a Softbox, focada em ferramentas digitais e a LogBee, especializada em soluções logísticas. “Neste momento, não é necessário ter um plano de negócios ou estar financeiramente estável. Estamos atrás de ideias. Se ela for muito boa, trabalharemos o plano de negócios juntos”, afirma Juliana.

Após a fase de inscrição, o Magalu vai pré-selecionar 20 startups para apresentarem seus serviços para os diretores da companhia, no dia 6 de novembro. Os empreendedores terão de três a cinco minutos para explicar melhor o seu negócio. As melhores ideias desse grupo serão escolhidas para, ao lado do Magalu, discutir opções financeiras e uma etapa de análise de plano de negócios. Aqueles que forem aprovados pela empresa receberão uma proposta de contrato. Os empreendedores digitais interessados em participar podem se inscrever no site oficial do concurso.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/inovacao/magazine-luiza-cria-concurso-para-formar-parcerias-com-startups-152153/

10

Out

Dezesseis vidas transformadas pelo câncer de mama. É esta mensagem que a nova exposição Mulheres Bonitas apresenta aos clientes do Natal Shopping até o próximo dia 20. Quem passar pelo segundo piso do shopping vai poder conhecer de perto, por meio das fotografias assinadas por Sandro Menezes, as histórias de 16 pacientes oncológicas que superaram ou ainda lutam contra a doença e exaltam sua beleza junto com as marcas do tratamento.

A ação faz parte das atividades do shopping para o Outubro Rosa, conhecido como o período dedicado à prevenção do câncer de mama que, apenas neste ano, deve registrar quase 60 mil novos casos no Brasil. A exposição, organizada pelo Grupo Bonitas, já está na sua terceira edição e mostra, ao retratar a autoestima e beleza dessas mulheres, como o diagnóstico não é sinônimo de fim.

A importância do autoexame e a conscientização sobre o diagnóstico precoce da doença seguem em pauta no Natal Shopping durante todo o mês. O shopping também recebe, no dia 18, mulheres da Liga Norteriograndense Contra o Câncer em um coral emocionante para os clientes do shopping. A ação é realizada pelo “Grupo Despertar”, composto por mulheres que já foram pacientes e hoje ajudam a outras vítimas do câncer a superar a doença.

 “Neste mês voltamos os nossos olhares à importância da prevenção do câncer de mama, o que mais atinge mulheres em todo o mundo. O Natal Shopping apoia essa causa e reforça a importância de ações que conscientizem sobre o autoexame e sobre os riscos da doença. Estamos sempre atentos para levar informações aos nossos clientes”, comenta Diana Petta, coordenadora de marketing do Natal Shopping.

10

Out

Deu no Portal B9:

Disney fechou contrato com o Instituto Geena Davis de Gênero na Mídia para utilizar, de agora em diante, um software que analisa os roteiros das futuras produções do estúdio. O objetivo é mapear como os gêneros são abordados nas obras e buscar uma participação igual para todos os gêneros.

Nomeada GD-IQ: Spellcheck for Bias, a ferramenta foi criada em parceria com a Universidade do Sul da Califórnia e a Escola Viberti de Engenharia. O software analisa a totalidade do roteiro para identificar as participações de personagens homens e mulheres e, então, mapear como eles são utilizados na narrativa e, caso haja problemas na forma como a obra retrata os gêneros, apontá-los para que sejam corrigidos.

O recurso também pode ser utilizado para analisar personagens LGBTQ+, negros e de outros grupos minoritários. A Disney deve utilizar a ferramenta não só para seus principais lançamentos do estúdio, incluindo Pixar e Marvel Studios, mas também para as obras encomendadas diretamente para seu vindouro serviço de streaming, o Disney+.

Pelo fato de se tratar de uma ferramenta que analisa o roteiro, não haverá nenhuma alteração em obras prontas. Todos os textos serão estudados e alterados antes das filmagens, obviamente. A Disney já vinha demonstrando engajamento nos temas sociais há um bom tempo, algo que podemos ver ao notar como os últimos filmes da Pixar e da Marvel trazem mais personagens femininas protagonistas ou, mesmo que coadjuvantes, fugindo da fórmula de personagem feminina de apoio básica.

O uso do software, porém, deve diminuir a chance de as próximas produções da empresa apresentarem problemas no retrato de mulheres, negros, pessoas LGBTQ+ e demais minorias, já que haverá não só uma visão consciente ao escrever o roteiro, mas também a ajuda tecnológica para analisar o resultado do script.

Fonte disponível em: https://www.b9.com.br/115512/disney-vai-utilizar-inteligencia-artificial-para-mapear-diversidade-de-genero-em-suas-producoes/amp/

10

Out

Postes e fiação aérea em breve serão extintos na Vila Olímpia, na capital paulista. Em parceria com o governo de São Paulo, a concessionária de energia elétrica Enel lançou o Urban Futurability, que vai investir R$ 125 milhões para transformar a rede elétrica do bairro com o uso de novas tecnologias. No futuro, devem ser adicionados itens conectados em áreas públicas, mobilidade elétrica e iluminação inteligente.

Atualmente, a região tem 15,53Km de cabos subterrâneos. Outros 4,86Km serão enterrados pela Enel em 26 ruas. Assim que as empresas de telecomunicações que os compartilham fizerem o mesmo com sua fiação, cerca de 150 postes poderão ser retirados. O projeto vai instalar, nos próximos três anos, 4,9 mil sensores para coletar dados da rede remotamente em tempo real. Essas informações serão usadas para auxiliar a distribuidora na operação e para localizar defeitos na rede.

Assim, será possível reconfigurar e isolar o trecho afetado automaticamente — de forma a reduzir o número de clientes afetados. Segundo Francesco Starace, CEO global da Enel, a localidade será referência para a expansão do projeto e a consequente transformação digital da capital paulista. “Vila Olímpia é só o início de um projeto maior. Queremos levar a tecnologia que vamos empregar no bairro para toda a metrópole.”

Centro de inovação

O governador do Estado, João Doria, anunciou, ainda, a criação do Centro Internacional de Tecnologia e Inovação (Citi). A unidade será implementada até 2020 no Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) da Universidade de São Paulo (USP). Doria chama o Citi de “primeiro Vale do Silício da América do Sul”. A Enel é parceira do projeto e informa que vai investir em inovação e tecnologia para melhorar a qualidade dos serviços oferecidos à população.

Fonte: Portal Olhar Digital, disponível em: https://olhardigital.com.br/noticia/sao-paulo-tera-primeiro-bairro-100-digital-do-brasil/91372

10

Out

No Brasil, 67% dos meninos e meninas com idades entre 10 e 12 anos não se sentem suficientemente protegidos contra violência, enquanto a média mundial é de 40%, de acordo com estudo do ChildFund Brasil divulgado nesta quarta-feira (9). O levantamento é um recorte nacional da pesquisa Small Voices, Big Dreams 2019, realizada com 5,5 mil crianças com idades entre 10 e 12 anos de 15 países.

No Brasil, o ChildFund Brasil ouviu 722 meninos e meninas de Minas Gerais, Ceará, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Amazonas, Piauí, Bahia e Goiás e constatou que 90% dos meninos e meninas entrevistados rejeitam a violência física como um instrumento de educação. No levantamento global, o percentual ficou em 69%.

Sobre a percepção das crianças em relação a ações de políticos e governantes para proteger as crianças contra a violência, menos de 3% das crianças acreditam que essas autoridades cumprem seu papel, contra 18,1% no mundo.

Para Águeda Barreto, assessora de Advocacy e Comunicação do ChildFund Brasil, é preciso ouvir as crianças para saber como melhorar as políticas públicas, oferecendo atenção, apoio e carinho e reconhecendo os seus direitos. “Em regiões socialmente vulneráveis do Brasil, é possível observar aspectos mais agravantes com relação à prática de maus-tratos. Compreender todas as dimensões da violência e, principalmente, ouvir as expectativas e concepções das crianças é fundamental para erradicá-la”, afirma.

Fonte: Agência Brasil

10

Out

O compartilhamento em redes sociais de vídeos e áudios manipulados por meio de inteligência artificial com o objetivo de propagar desinformação – deepfakes – quase dobrou nos últimos sete meses, segundo estudo da Deeptrace, empresa holandesa de cibersegurança. A maioria, 96%, é composta por conteúdos pornográficos, que quase sempre atacam reputações, em especial as mulheres. Um número menor tem como alvo políticos, empresários ou celebridades. Os dados indicam que esse tipo de fraude pode em breve se consolidar como uma potente arma para campanhas de difamação, alertam os pesquisadores. 

A pesquisa da Deeptrace destaca uma crescente mercantilização de ferramentas e serviços para a criação da chamada mídia sintética. Na prática, isso possibilita que amadores consigam produzir adulterações com qualidade semelhante às realizadas por especialistas. A empresa também identificou a China e a Coréia do Sul como polos de criação de deepfakes.

Por enquanto, a maioria dos deepfakes não é boa o suficiente para enganar a maioria das pessoas, mas se tornará mais realista e sofisticada, disse Henry Ajder, principal autor do relatório da Deeptrace – "The State of Deepfakes" –, à revista Fortune. "As falsificações profundas, verdadeiramente indistinguíveis, ainda não estão aqui em larga escala, mas estão chegando e, no momento, não estamos preparados para elas", afirmou.

Em cartas a 11 empresas de mídia social, incluindo Facebook, Twitter e YouTube, Rubio e Warner instaram as empresas a desenvolver padrões da indústria para compartilhar, remover e arquivar conteúdo sintético o mais rápido possível, tendo como preocupação central as eleições norte-americanas de 2020. Além disso, tramitam no Congresso dos Estados Unidos pelo menos quatro projeto de lei para criminalizar a mídia sintética usada para enganar ou desestabilizar o público.

Fonte: ANJ, disponível em: https://www.anj.org.br/site/component/k2/73-jornal-anj-online/23212-numero-de-deepfakes-nas-redes-sociais-quase-dobrou-em-apenas-sete-meses-diz-estudo.html