Comunicação, estratégia e mercado

O Blog da Juliska é um espaço para falar sobre os temas acima e ainda trazer dicas, abordar as tendências, acompanhar novidades do mundo corporativo, das mídias sociais e do mercado publicitário. Interaja comentando nos posts ou pelo e-mail juliska.azevedo@gmail.com. Conto com sua companhia!

3

Dez

Por meio da Divisão de Precatórios, a Contadoria Judicial (Cojud) do Tribunal de Justiça do RN abriu processo de seleção para estagiário de Pós-Graduação em Ciências Contábeis. É oferecida uma vaga, havendo classificação até o 13° colocado, para cadastro de reserva.

Para o estagiário, a jornada consiste em 30 horas semanais, sendo 6 horas diárias. Receberá bolsa-auxílio no valor de R$ 1.874,00 mais auxílio-transporte no valor de R$ 127,60. O edital completo pode ser visto AQUI.

Inscrições e Seleção

É necessário realizar a inscrição pessoalmente, no período de 3 de dezembro a 14 de dezembro, das 8h às 15h, na recepção da Divisão de Precatórios, no 1° andar do prédio Sede do TJRN, localizado em frente à Praça 7 de Setembro, Cidade Alta.

A seleção será feita mediante prova discursiva, de caráter eliminatório e classificatório, com um total de 10 questões e duração de 4 horas. Será aplicada no dia 11 de fevereiro de 2019, na sede da Escola da Magistratura. No dia 20 de fevereiro será divulgada a lista de aprovados no Diário da Justiça Eletrônico.

Os 24 primeiros colocados na prova discursiva passarão por uma entrevista, no dia 25 de fevereiro, quando serão analisados os currículos, esclarecendo- se dúvidas acerca de interesses, expectativas e experiências profissionais anteriores.

Com informações do TJRN

3

Dez

A Inteligência Artificial (IA) está cada vez mais presente no dia a dia. Na Indústria 4.0 ela já é uma realidade, sendo apontada como uma das formas mais eficientes de transformar dados em informação. Sua aplicação pode melhorar a produtividade e o desempenho do setor industrial, aumentando a competitividade, pois um dos seus objetivos é reproduzir a capacidade de aprendizagem humana e resolver até os problemas mais complexos.

A avaliação é do diretor do Instituto de Inovação em Tecnologias da Informação e Comunicação (ISI-TICs), Sérgio Soares, um dos maiores especialistas em Indústria 4.0 no país. Nesta entrevista à Agência CNI de Notícias, ele cita alguns casos de uso da IA no setor produtivo, ajuda a identificar as chances de aplicá-la nas empresas e explica por que os empresários deveriam implantar essa tecnologia em suas empresas. O centro de pesquisa e desenvolvimento que ele comanda, localizado no Recife, é um dos 26 institutos integrantes da rede de inovação do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI).

Soares também avalia que a maior parte da indústria brasileira é composta por pequenas empresas que ainda estão distantes da Indústria 4.0, por isso a estratégia utilizada pelo SENAI é a elaboração de amplas soluções que ajudam a gerar desenvolvimento para todo o país com uso das novas tecnologias. Confira os principais pontos da entrevista concedida para Agência CNI de Notícias a seguir:

AGÊNCIA CNI DE NOTÍCIAS – Por que investir em Inteligência Artificial? 

SÉRGIO SOARES – O objetivo da Inteligência Artificial é aumentar a competitividade, otimizar a produção e diminuir o desperdício. Assim, uma empresa que já utiliza essa tecnologia possui um diferencial competitivo, podendo usar as informações para comprar matéria-prima mais barata, economizar energia, entre outras vantagens. Acreditamos que as empresas vão perceber a importância e a sua necessidade, e como uma onda, o uso dessa tecnologia vai se espalhar pelo setor industrial.

 

AGÊNCIA CNI DE NOTÍCIAS – Você pode citar alguns casos de uso dessa tecnologia na indústria?

SÉRGIO SOARES – Na prática, o principal auxílio da Inteligência Artificial é na tomada de decisões e a manutenção preditiva é uma das ferramentas que auxilia qualquer empresa. Ela funciona da seguinte forma: por meio do estudo de dados, é possível controlar custos e prever o momento certo de se fazer uma manutenção nos equipamentos para prevenir falhas, desperdício de tempo e economia de energia.

 

AGÊNCIA CNI DE NOTÍCIAS – Como o SENAI implanta Inteligência Artificial nas indústrias?  

SÉRGIO SOARES – Eu diria que existem duas formas gerais. Em um dos métodos, nós podemos elencar diversas aplicações, exemplos que nós já temos, para a empresa dizer quais são necessárias e interessantes para ela. Caso nenhuma se aplique, nós usamos a outra forma, na qual fazemos um diagnóstico na empresa para entender o que ela precisa. Assim desenvolvemos uma solução específica com Inteligência Artificial para sanar o problema.

 

AGÊNCIA CNI DE NOTÍCIAS – Quais são as principais orientações para as empresas que desejam se inserir na Indústria 4.0?

SÉRGIO SOARES – Quando uma empresa surge com uma proposta, os institutos do SENAI fazem um diagnóstico para saber o quão próxima da Indústria 4.0 ela está. Assim, os institutos entram com a parte mais complexa, fornecendo o suporte e a infraestrutura para elaborar soluções abrangentes, que além de atenderem àquela demanda, também poderão ser disseminadas por toda a indústria brasileira.

 

AGÊNCIA CNI DE NOTÍCIAS – Como estimular as empresas brasileiras a serem mais inovadoras?

SÉRGIO SOARES – Um dos grandes estímulos foi a criação da rede de institutos SENAI de inovação. Cada um dos 26 centros é voltado para um tema específico, por isso o atendimento de  demandas e desafios mais complexos se torna mais fácil. Quando uma empresa traz um desafio, nós conseguimos montar uma equipe multidisciplinar e entregar uma solução completa para essa empresa. Em relação a projetos que se encaixam na quarta revolução industrial, foi criado um subconjunto com alguns institutos, conhecido como aliança de mercado, no qual a estratégia é preparar as indústrias para as transições com soluções genéricas a fim de elevar, de uma forma geral, o patamar da indústria brasileira.

Fonte: FIERN, disponível em: https://www.fiern.org.br/inteligencia-artificial-ajuda-industria-ser-mais-produtiva/

3

Dez

O UNI-RN lançou o Vestibular Prêmio 2019, visando à seleção de candidatos para ingresso nos cursos de graduação presencial no primeiro semestre letivo de 2019.1. Os candidatos inscritos no Vestibular Prêmio UNI-RN 2019 estarão concorrendo a bolsas de estudo de 100%, 60%, 50% e 40%, destinadas aos melhores classificados nas provas.

Serão concedidas ainda bolsas parciais, em níveis percentuais inferiores, aos demais candidatos classificados, a critério do Centro Universitário, considerada a classificação e o ponto de corte. As provas serão realizadas no dia 18 de dezembro de 2018, com início às 18h30, com fechamento dos portões às 18h20.  Clique aqui para conferir o edital.

3

Dez

Em tempos de constantes ameaças à liberdade de expressão, o Instituto Vladimir Herzog, a Artigo 19, a Repórteres sem Fronteiras, a Abraji e o Intervozes promovem em São Paulo, nos dias 4 e 5 de dezembro, o Encontro Nacional de Proteção a Comunicadores. Para participar do evento, é necessário fazer inscrição usando o formulário on-line.

O encontro tem como principal objetivo a construção de uma rede nacional de pessoas e de instituições que atuem concreta e efetivamente na proteção de comunicadores e criar estratégias para dar visibilidade a esta realidade de agressão à liberdade de expressão e, consequentemente, de ameaça à democracia.

Confira aqui a programação completa:

DIA 1 – 04/12

9h: Recepção e cadastramento

9h30: Abertura
Kees van Rij (Embaixador do Reino dos Países Baixos no Brasil)
Rogério Sottili (Diretor Executivo do Instituto Vladimir Herzog)

10h: Mesa 1 – Censura e criminalização de comunicadores
Marina Atoji
Abraji

Gizele Martins
Comunicadora popular da Maré (Rio de Janeiro/RJ)

Cristian Góes
Jornalista (Aracaju/SE)

Carlos Weis
Defensoria Pública do Estado de São Paulo (São Paulo/SP)

12h: Intervalo para almoço

14h: Mesa 2 – Impunidade em crimes contra comunicadores
Thiago Firbida
Artigo 19

Emmanuel Pellegrini
Ministério Público Federal (Brasília/DF)

Andrew Downie
Comitê para Proteção de Jornalistas (São Paulo/SP)

Valério Luiz Filho
Advogado do Instituto Valério Luiz (Goiânia/GO)

16h: Mesa 3 – Violência contra comunicadores no Brasil
Artur Romeu
Repórteres sem Fronteiras

Buba Aguiar
Coletivo Fala Akari (Rio de Janeiro/RJ)

Cláudio dos Santos
Blogueiro (Recife/PE)

Raiana Falcão
Ministério dos Direitos Humanos (Brasília/DF)

18h: Exibição do documentário “Truth Detectives”

DIA 2 – 05/12

9h: Recepção

9h30: Apresentação de todos/as participantes

10h30: Debate de estratégias de atuação sobre censura, criminalização e impunidade

12h: Intervalo para almoço

14h: Debate de estratégias de atuação sobre violência contra comunicadores

15h30: Plenária sobre encaminhamentos finais do encontro

3

Dez

O programa de estágio da Thomson Reuters para 2019 está com inscrições abertas. Até o dia 3 de dezembro, a agência de notícias receberá participações de universitários para as 22 vagas oferecidas. Os estudantes selecionados irão atuar em uma das quatro cidades em que a empresa de mídia tem base: Campinas (SP), Criciúma (SC), Juiz de Fora e São Paulo.

A capital paulista é a cidade com mais oportunidades em aberto. Dividida em dois endereços, com operações nos bairros da Barra Funda e Vila Olímpia, a Thomson Reuters divulga que, em São Paulo, dez funções serão atendidas pelo novo programa de estágio. Entre os setores agraciados no processo seletivo para o município estão central de marketing e treinamento. As duas áreas destacam que graduandos em comunicação (marketing, publicidade…) podem concorrer às bolsas.

Editorial de produção

Em São Paulo, há, ainda, outras oportunidades ligadas diretamente a quem cursa comunicação social. Na cidade, a Thomson Reuters tem vaga para “editorial de produção”, “editorial comercial” e “operações de conteúdo” (dois postos). Para as três áreas, é necessário ter inglês intermediário. O mesmo requisito vale para os departamentos de treinamento e central de marketing.

Além da comunicação

Fora a área de comunicação, o programa de estágio da Thomson Reuters prevê a chegada de estudantes para trabalhar em núcleos de programação e administração. Em Campinas, são sete postos: desenvolvimento de produtos, arquitetura de sistemas, desenvolvimento de produtos, produtos, desenvolvimento de customização, suporte premium e suporte a clientes. “Desenvolvimento” e “desenvolvimento testes” são as duas vagas em Criciúma. Para Juiz de Fora, há chance de colaborar com especificação de softwares, testes de qualidade e datacloud.

Como participar?

A Thomson Reuters informa que são dois os pré-requisitos para participar do processo seletivo de seu programa de estágio. Os estudantes precisam ter previsão de concluir a graduação de dezembro de 2019 a dezembro de 2020. Também é necessário ter disponibilidade para estagiar seis horas diárias. Universitários que se encaixem no perfil solicitado devem se candidatar por meio da página divulgada pelo site 99 Jobs (botão “inscrever-se”). Tem, ainda, de preencher o perfil, realizar o teste online e responder a perguntas adicionais.

Fonte: Portal Comunique-se

3

Dez

Otimistas com o cenário econômico pós-eleições e com a chegada do fim de ano, o empresariado dos setores de comércio e serviços têm planos para reforçar seus investimentos. É o que revela dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). De acordo com o levantamento, quatro em cada dez (39%) empresários disseram que pretendem investir nos próximos três meses. Este é o maior valor da série histórica, desde maio de 2015 quando esse percentual era de 30%.

Por outro lado, 44% não preveem investimentos para seus negócios — menor índice registrado até o momento. Entre estes empresários, 46% afirmaram não ver necessidade e 24% entendem que o país ainda não se recuperou da crise. Outros 16% alegam que já investiram recentemente e 15% mencionam falta de recursos.

Mesmo com o crescimento observado entre os resultados de outubro e novembro, o percentual dos que não pretendem investir supera o dos que planejam fazê-lo, o que mostra cautela de uma parcela significativa dos micro e pequenos empresários que continuam sentindo os reflexos remanescentes da recessão econômica de 2017. Em uma escala de zero a 100, o Indicador de Propensão a Investir registrou 46,8 pontos em novembro, 12% acima do mês anterior. Pela metodologia, quanto mais próximo de 100, maior a propensão para o investimento. Quanto mais próximo de zero, menor a propensão.

Na avaliação do presidente da CNDL, José César da Costa, a volta do apetite por novos investimentos por parte dos micro e pequenos empresários representa um bom sinal, apesar de outra boa parte aguardar um cenário econômico mais definido. “Os empresários esperam maior previsibilidade em relação aos rumos do país e um quadro de menor risco para que possam tirar do papel seus projetos”, avalia o presidente da CNDL.

50% dos empresários que pretendem investir buscam aumento das vendas; principal finalidade é ampliar estoques

De olho na proximidade do fim de ano, 50% dos empresários que têm intenção de investir planejam aumentar suas vendas. Já 26% destinarão recursos para atender ao aumento da demanda em seus estabelecimentos. Dados do indicador mostram que a principal finalidade dos investimentos de quem pensa em vender mais é ampliar os estoques (32%).

Além desses, 25% pretendem reformar a própria empresa; 22% comprar equipamentos e maquinário; 13% usar os recursos em mídia e propaganda; e 12% expandir o portfólio de produtos e serviços. A sondagem revela ainda que a maior parte dos que pretendem investir irá recorrer a capital próprio, seja na forma de aplicações financeiras (49%) ou da venda de algum bem (13%). O motivo do uso de capital próprio está ligado ao juro elevado, mencionado por 51%. Outros 20% devem recorrer a empréstimos.

Número de MPEs que devem tomar crédito nos próximos três meses tem alta de 21% em novembro; 36% consideram contratação difícil

Em novembro, o Indicador de Demanda por Crédito também apresentou aumento na comparação com o mês anterior. Na escala, que varia de zero a 100, o indicador passou de 21,4 para 26,0 pontos, apesar de ainda apresentar baixo interesse dos MPEs na tomada de crédito nos próximos três meses. Quanto mais próximo de 100, maior o apetite; quanto mais distante, menor é o apetite. Na comparação com o mês de outubro, houve uma alta de 21% na intenção de contratar crédito.

Em termos percentuais, 17% dos MPEs pretendem tomar alguma modalidade de crédito nos próximos três meses, ante 10% em outubro. Já 14% não sabem ainda se contratarão e 69% não devem buscar crédito. A principal razão apontada pela maioria que não planeja contrair crédito foi o fato de conseguir manter os negócios com recursos próprios (59%). Outro aspecto é a percepção de que os juros são muito altos (29%), além da insegurança com relação ao cenário econômico (15%).

“As altas taxas de juros, que ainda seguem elevadas apesar das quedas recentes, acabam inibindo a tomada de crédito por boa parte do empresariado. Além disso, há o fator confiança. Embora exista um maior clima de otimismo em relação ao cenário atual, o quadro dificuldades econômicas persiste para muitas empresas”, destaca o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior.

O Indicador também mostra que apesar do aumento na intenção de tomar crédito, o percentual dos que acham o processo de contratação difícil permanece elevado (36%). Desse total, 59% justificam que o excesso de burocracia é o maior entrave e 46% atribuem aos juros elevados.  Os créditos mais difíceis de serem contratados, segundo observou a sondagem, são empréstimos (32%) e financiamentos (21%) em instituições financeiras.

Metodologia

Os Indicadores de Demanda por Crédito e de Propensão para investimentos do Micro e Pequeno Empresário calculados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) levam em consideração 800 empreendimentos com até 49 funcionários, nas 27 unidades da federação, incluindo capitais e interior. As micro e pequenas empresas representam 39% e 35% do universo de empresas brasileiras nos segmentos de comércio e serviços, respectivamente.  Acesse a íntegra do indicador e a metodologia em https://www.spcbrasil.org.br/imprensa/indices-economicos

Fonte: CNDL, disponível em: http://site.cndl.org.br/quatro-em-cada-dez-micro-e-pequeno-empresarios-pretendem-investir-nos-proximos-tres-meses-apontam-cndlspc-brasil/

3

Dez

Mais de trinta jornalistas em todo o mundo foram assassinados nos dois últimos anos a mando de grupos mafiosos, denunciou na última quinta-feira (29) a organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF). Os profissionais, disse a entidade, foram vitimados em represália a seus trabalhos de investigação jornalística e pela falta de proteção das autoridades. As informações são do Portal ANJ.

Em 2018, segundo o secretário-geral de RSF, Christophe Deloire, pelo menos doze jornalistas foram assassinados por diferentes organizações criminosas. "A este número poderiam ser somados ao menos quatro casos no México que ainda estão em investigação”, diz o mais recente relatório da entidade.

“Jornalistas que investigam assuntos perigosos como a máfia são muitas vezes deixados sozinhos e indefesos diante de represália. Os Estados devem envidar todos os esforços para fornecer-lhes apoio e proteção adequados, e não se fazer de surdos aos pedidos de proteção”, ressaltou Deloire.

De acordo com a matéria, pelo menos dez jornalistas foram mortos em 2018 pelas máfias no México (4), Brasil (3) e Colômbia/Equador (3, a equipe do jornal El Comércio), países com forte presença dos cartéis de drogas. A situação do México é a mais dramática. Ao menos 32 jornalistas foram mortos pelos cartéis desde 2012, que muitas vezes contam a conivência de autoridades políticas, além da impunidade e falta de transparência nas investigações. O informe também enfatizou a situação da província de Esmeraldas, na Colômbia, cenário de constantes enfrentamentos entre os narcotraficantes e as autoridades.

Na Europa, três países foram "golpeados pela máfia em menos de um ano", diz o informe: Eslováquia, Malta e Itália. Entre os profissionais italianos, afirma a RSF, quase duzentos se encontram em situação de risco. Entre eles, dezenove precisam de proteção pessoal. Mas a violência de organizações mafiosas contra jornalistas, ressaltou a organização, está mesmo presente em todo o mundo.

O informe cita a recorrência do problema em países como Rússia, Turquia e Índia e Camboja. Nos dois últimos casos e em alguns países africanos, grupos mafiosos fazem fortuna roubando recursos naturais, desafiando as regras ambientais. Jornalistas que revelam esses negócios de minério, madeira e petróleo se expõem às piores represálias. A RSF, entretanto, adverte que nem mesmo nações como França, Holanda ou Japão "escapam dessa situação".

Com informações da ANJ

30

Nov

O presidente do Sistema Fecomércio, Marcelo Queiroz, foi eleito por unanimidade presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae RN para o quadriênio 2019/2022. A eleição aconteceu nesta sexta-feira (30). A posse de Queiroz será no dia 4 de janeiro. Após a definição, ele agradeceu o apoio.

“Desafio de, em nome do setor de Comércio, Serviços e Turismo, dar nossa contribuição ao trabalho de reconhecida excelência da entidade no apoio ao desenvolvimento do nosso estado. Obrigado aos companheiros pela confiança e conto com o apoio de todos no trabalho que está por vir”, disse.

30

Nov

A Ericsson divulgou o seu Relatório Anual de Mobilidade e faz uma previsão interessante para os próximos anos: em 2024, o mundo terá nada menos do que 1,5 bilhão de smartphones 5G, o equivalente a 17% das 8,9 bilhões de redes móveis ativas em todo o planeta daqui a seis anos. As informações são do Portal Tecmundo.

Para a companhia, temos atualmente “um forte impulso no mercado global de 5G”, com Estados Unidos, China, Japão, Coreia do Sul e outros países europeus implementando redes 5G entre o final de 2018 e metade de 2019.

Segundo a matéria, outra previsão interessante feita pela Ericsson dá conta do volume de conexões de banda larga móvel: segundo a companhia, essas representarão 95% das quase 9 bilhões de linhas operando em todo o mundo em 2024. Ainda de acordo com a avaliação, esse total de celulares ativos serão distribuídos ente 6,2 bilhões de usuários únicos.

Para se ter uma ideia da supremacia do smartphone, a expectativa é de que “apenas” 330 milhões de PCs e tablets estejam conectados a uma rede móvel em 2024. A previsão é de que existam 7,2 bilhões de smartphones no mundo dentro de seis anos, com “praticamente todos usando uma banda larga móvel”, garante a Ericsson

Fonte: Tecmundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/dispositivos-moveis/136693-mundo-tera-1-5-bilhao-smartphones-5g-2024-diz-relatorio-ericsson.htm

30

Nov

O investimento público do Brasil ficou abaixo da média dos países emergentes e da América Latina, nas duas últimas décadas. É o que conclui relatório com avaliação da gestão do investimento público no Brasil, divulgado hoje (30) pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

No período de 1995 a 2015, o investimento público no Brasil foi, em média, de 2% do Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Já os países emergentes registraram 6,4% e os países da América Latina, 5,5%.

Em 2015, o estoque de capital público era de apenas 35% do PIB, em comparação com a média de 92% das economias emergentes e 86% da América Latina.

O relatório ressalta que há uma grande margem para aumento da eficiência do investimento público no Brasil. O hiato de eficiência do Brasil em relação aos países mais eficientes é de 39%. Esse resultado é maior do que a média observada nos demais países emergentes (27%) ou da América Latina (29%).

O documento propõe um plano de ação que recomenda, entre outros pontos, fortalecer a priorização estratégica do investimento público e desenvolver um banco de projetos de alta qualidade; padronizar os procedimentos de avaliação e seleção de projetos; e o aperfeiçoamento das análises e da estrutura dedicada às concessões e parcerias público-privadas.

O relatório é resultado de uma missão do FMI, solicitada pela Secretaria do Tesouro Nacional, realizada ao longo do segundo semestre de 2017. Foram avaliados 15 temas chaves, relacionados às fases de planejamento, alocação de recursos e implementação de projetos.

Com informações da Agência Brasil