Comunicação, estratégia e mercado

O Blog da Juliska é um espaço para falar sobre os temas acima e ainda trazer dicas, abordar as tendências, acompanhar novidades do mundo corporativo, das mídias sociais e do mercado publicitário. Interaja comentando nos posts ou pelo e-mail juliska.azevedo@gmail.com. Conto com sua companhia!

7

Nov

Compartilhamos no Blog vídeo produzido pelo Portal Meio e Mensagem que alerta aos profissionais de comunicação sobre as novas leis de proteção de dados e como elas impactam na nossa rotina. Vale a pena conferir: 

7

Nov

Metade da população brasileira ouve músicas e assiste a vídeos pela internet. A informação foi divulgada na segunda-feira (5) pelo Comitê Gestor da Internet (CGI) no Fórum da Internet no Brasil, que ocorre nesta semana em Goiânia. Ela faz parte da pesquisa TIC Domicílios Cultura, elaborada pelo CGI como detalhamento do estudo anual TIC Domicílios, lançado em julho deste ano.

Entre os entrevistados, 29% baixam músicas, 26% publicam textos, fotos ou vídeos de criação própria, 16% fazem download de filmes e 10% baixam séries. Entre 2014 e 2017, o hábito de consumir em tempo real áudio e vídeo (ou streaming, no termo em inglês) aumentou de 2014 até 2017: saiu de cerca de 58% para 71%. Já a prática de baixar obras sonoras ou audiovisuais ficou menos popular, caindo de 51% para 42% no caso de músicas e de 29% para 23% em relação a filmes.

“A ampliação do consumo é muito devido às plataformas de streaming. Essa prática, que antes era mais predominante de fazer download e ter arquivo próprio no seu computador, agora as pessoas estão conseguindo mais acessar plataformas que disponibilizam esses conteúdos online”, analisa a coordenadora da pesquisa TIC Cultura, Luciana Lima.

Tipo de conexão

O tipo de conexão impacta esse acesso a conteúdos culturais. Enquanto o hábito de ouvir músicas na internet é de 70% dos usuários com conexão em banda larga fixa, entre aqueles que dependem de 3G e 4G o índice cai para 59%. No caso de vídeos, a diferença entre as pessoas com conexões fíxas e móveis é de 72% e 57%. Entre aqueles que usam a internet para ler notícias, os percentuais são, respectivamente, de 57% e 43%.

“Você tem uma questão de renda. Enquanto as classes mais altas têm conexão tanto 3G quanto wi-fi [conexão sem fio], a população de baixa renda depende exclusivamente do dispositivo móvel. Isso tem impacto no consumo de conteúdos culturais, pois faz com que quem tem conexões fixas de banda larga no seu domicílio consuma mais streaming do que quem tem acessos só no celular”, destaca Alexandre Barbosa, gerente do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (CETIC Br), órgão vinculado ao Comitê Gestor da Internet.

Frequência e origem

Quanto à frequência, o tipo de conteúdo consumido mais comumente é a música: 29% da população ouve todo dia, 16% pelo menos uma vez por semana e 3% uma vez por mês. O restante não informou. A popularidade do streaming de filmes é menor: 12% assistem todo dia, 15% pelo menos uma vez por semana e 5% pelo menos uma vez por mês. Entre os fãs de séries, os índices foram, respectivamente, de 11%, 10% e 3%.

Os serviços pagos ainda não têm grande preferência entre a população. Do total, 10% pagam para ver filmes ou séries 5% são clientes de streaming de música e 3% relataram compram filmes para baixar e assistir em seus computadores ou telefones celulares.

A pesquisa também perguntou aos entrevistados a origem dos conteúdos consumidos. Do total, 48% ouvem músicas brasileiras e 28%, estrangeiras. No caso dos filmes, a diferença é menor, com 26% de obras nacionais e 24% internacionais. Em relação às séries, a preferência se inverte: 21% assistem a programas estrangeiros e 13% veem obras produzidas aqui.

Publicações e compartilhamento

O estudo avaliou o comportamento dos usuários na produção e compartilhamento de conteúdos diversos. Enquanto o hábito de postar textos, imagens e vídeos em blogs, sites e plataformas como redes sociais ficou estável entre 2014 e 2017, a prática de compartilhar esses tipos de mensagens e conteúdos cresceu no mesmo intervalo, saindo de 60% para 73% dos usuários de internet.

O tipo de informação mais difundido é a imagem, publicada por 24% da população. Em seguida vêm textos, com 13%, vídeos, com 11%, e músicas, com 4%. A motivação mais comum, conforme o levantamento, foram a divulgação de situações cotidianas, com 17%, dar opinião sobre temas de seu interesse, com 14%, e aproximar-se de pessoas com interesses comuns (13%).

A pesquisa TIC Domicílios é realizada anualmente pelo Comitê Gestor da Internet. Na edição relativa ao ano de 2017, foram ouvidos moradores de 23.592 domicílios em 350 cidades entre novembro de 2017 e maio de 2018.

Foto: Pixabay/ Fonte: Agência Brasil

7

Nov

Pesquisadores e especialistas em tecnologias digitais divergiram hoje no Fórum da Internet no Brasil (FIB) sobre o uso dos chamados cookies, que são pequenos 'pedaços de código' que registram dados da navegação das pessoas, tais como números de IP, se o aparelho é um celular ou um computador de mesa, as configurações do navegador e a localização da pessoa. O FIB é o maior evento sobre Internet do país e ocorre em Goiânia até hoje (7).

Esse tipo de tecnologia é utilizada, em geral, por agências de marketing digital para que os anúncios “sigam” os usuários pelos sites nos quais navegam. Nesses casos, o usuário pode apagar os cookies instalados. Cada navegador oferece essa funcionalidade em determinado local de suas configurações. Mas também pode ser adotada por governos quando cidadãos visitam seus sites, como os poderosos cookies que a agência de inteligência dos Estados Unidos, a CIA, instalava nos computadores de quem visitava sua página.

No debate sobre o tema realizado no Fórum nesta terça-feira (6), a avaliação sobre o uso desses recursos técnicos opôs defensores de práticas de vigilância para combate a crimes no ambiente online, de um lado, e pesquisadores e ativistas preocupados com riscos à privacidade e à proteção de dados, do outro.

O perito em crimes cibernéticos Wanderson Castilho defendeu o uso dos cookiescomo um recurso necessário para investigar e prevenir esse tipo de delito. Ele relatou casos em que o monitoramento por essas tecnologias auxiliou forças de segurança a chegar a pessoas que preparavam atentados terroristas. Para Castilho, esse tipo de possibilidade justificaria a coleta massiva de informações realizada por cookies.

“O problema não está somente na coleta, mas no uso dela. Do ponto de vista de investigação, ela é necessária. Essas troca de arquivos é importante para a sua navegação. Da mesma forma como as empresas acabam sabendo tudo de vocês, na investigação queremos obter essa informação. Acabamos invadindo privacidade sim, para saber se você está cometendo delito. A nossa sociedade vai ficar mais segura a partir do momento em que você consegue prever, antecipar ataques terroristas”, comentou.

Foto: Pixabay/ Fonte: Agência Brasil

7

Nov

No Fórum da Internet no Brasil, maior evento da área no país, diferentes setores convergiram na defesa da necessidade da existência de uma autoridade nacional de proteção de dados. O órgão foi prevista no Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709), aprovada em julho, mas sua criação foi vetada pelo presidente Michel Temer – o veto está na pauta do Congresso Nacional hoje (7).

A Lei 13.709 disciplinou quais dados são considerados pessoais, em que casos podem ser coletados a processados, os direitos dos titulares em relação a essas informações e quais são as obrigações de empresas e do Poder Público no tratamento de registros, inclusive em casos específicos, como na área de saúde ou em atividades envolvendo crianças e adolescentes.

Pelo texto aprovado pelo Congresso, a autoridade ficaria responsável pela edição de normas complementares e pela fiscalização das obrigações previstas na lei. O órgão poderia exigir relatórios de impacto à privacidade de uma empresa, documento que deve identificar como o processamento é realizado, as medidas de segurança e as ações para reduzir riscos. Teria também a prerrogativa também de fazer uma auditoria, em que se verifique no local da empresa se o manejo dos dados está sendo feito corretamente.

Após o veto do presidente Temer, houve discussões entre o governo e representantes de empresas e de organizações da sociedade civil, e o Executivo sinalizou com a possibilidade de enviar novo projeto de lei para criar a autoridade. A proposta, contudo, não foi encaminhada ao Parlamento até agora.

Na opinião da professora do Instituto de Direito Público (IDP) e uma das formuladoras da lei, Laura Schertel, o órgão é essencial à efetividade da lei, pois ela é responsável pela aplicação das obrigações não apenas para empresas como também para instituições públicas, como ministérios, tribunais e casas legislativas.

“A autoridade é o fiel da balança. É ela que vai fazer com que a lei possa ser aplicada em tantos setores de uma forma consistente. Especialmente se pensamos que vai ter que ser aplicada tanto ao setor privado como público. Primeiro desafio é restaurá-la”, afirmou Laura.

A gerente de Políticas Públicas e Privacidade do Facebook no Brasil, Nathalie Gazzaneo, argumentou que a autoridade é importante para garantir segurança jurídica às empresas que vão se adaptar às regras da lei. Este é um desafio para o setor privado, já que a norma traz muitos princípios, mas ainda há muitas dúvidas entre firmas quanto à cobertura destas pela legislação e como devem atuar para se enquadrar nas obrigações.

“Parece-me que uma autoridade central, que saiba valorizar princípios que a própria lei traz, é o principal antídoto para que a lei se esvazie, seja pelas pessoas não conhecerem seus direitos seja porque não existem requisitos de segurança jurídica que ajudem os atores a implementá-la de maneira adequada”, pontuou.

O pesquisador da Rede Latino-Americana de Estudos sobre Vigilância, Tecnologia e Sociedade (Lavits) Bruno Bioni destacou que o papel da autoridade e das instituições regulatórias, em conjunto com usuários e empresas, é criar uma cultura de proteção de dados, pois a simples aprovação da lei não assegura que esta prática seja disseminada. “A gente tem hoje no Brasil uma baita lei de proteção de dados. Será que vamos conseguir ativar esses mecanismos de maneira a formar uma cultura de proteção de dados no país?”, questionou.

A coordenadora do Coletivo Intervozes, Bia Barbosa, alertou para o fato de que a concretização da autoridade pode se dar hoje (7), já que o Congresso votará um conjunto de vetos do Executivo, dentre eles aqueles à Lei Geral de Proteção de Dados, que retirou a previsão da autoridade do texto. A ativista reforçou a importância do modelo constante na norma em vez de delegar os papéis do órgão para outras estruturas do governo federal.

“Há um risco dessa autoridade virar uma secretaria, coordenadoria submetida ao Gabinete se Segurança Institucional. No lugar de ter autoridade de proteção de dados teríamos uma autoridade de vigilância de dados. Sem a autoridade nesses moldes, temos o risco das garantias da lei serem desvirtuadas”, disse Bia.

Fonte: Agência Brasil

7

Nov

Com o objetivo de incentivar a arte da fotografia e divulgar os pontos históricos da capital potiguar, o “1º Concurso Fotográfico de Natal – Um retrato de nossa História” acontece dentro da programação da Caminhada Histórica do Natal, um evento oficial Natal em Natal. A participação é aberta para fotógrafos amadores e profissionais que participem e fotografem os pontos durante o evento.

Os participantes percorrerão 19 monumentos históricos da cidade conhecendo sobre suas origens e importância durante 7ª Caminhada Histórica do Natal, que acontece dia 17 de novembro de 2018. Apenas fotografias feitas durante a Caminhada poderão participar do concurso e cada fotógrafo pode enviar entre 1 e 5 imagens. O concurso será dividido em duas categorias: amador, que pode utilizar câmeras fotográficas digitais de qualquer modelo, inclusive smartphone; e profissional, na qual serão aceitas apenas imagens feitas com equipamentos profissionais HDSLR.

Para participar da competição, o candidato deverá enviar o material através do e-mail concursofotograficonatal@gmail.com. As imagens precisam estar renomeadas com o nome do participante + categoria e conter todas informações no metadados dos arquivos. As fotografias devem ser em formato JPG, com o lado maior do arquivo com 1024 pixels e conter apenas manipulações digitais básicas (ajustes de níveis, contraste, cor e saturação). O participante tem até às 18h do dia 19 de novembro de 2018 para realização do envio.

Com seleção realizada por uma comissão julgadora especializada, recebem premiação financeira as três melhores fotografias de cada categoria. Na categoria amadora, as premiações são: 1º Lugar - R$ 600,00; 2º Lugar - R$ 400,00; 3º Lugar – R$ 200,00. Na categoria profissional, as premiações são: 1º Lugar - R$ 1.000,00; 2º Lugar - R$ 800,00; 3º Lugar - R$ 600,00.

As imagens campeãs serão exibidas em exposição a ser realizada no dia 22 de novembro, no Shopping Cidade Jardim. Na mesma ocasião, acontecerá a entrega da premiação aos fotógrafos ganhadores.

As fotografias inscritas farão parte do banco de imagens da Viva Entretenimento podendo ser utilizadas por tempo indeterminado pela referida empresa. Podem participar do concurso maiores de 16 anos e qualquer comprovação de fraude acarretará em desclassificação. Dúvidas sobre o concurso e solicitação do edital devem ser enviados para o e-mail concursofotograficonatal@gmail.com.

O 1º Concurso Fotográfico de Natal – Um retrato de nossa História acontece com o apoio da Viva Entretenimento e Mercado da Foto e tem o patrocínio da Unimed Natal.

7

Nov

Uma oportunidade de treinar as crianças para ficarem bem nas fotos e, ao mesmo tempo, contribuir com uma causa nobre e necessária. É com essa proposta que o Instituto do Bem (iBEM), instituição que atua na promoção da cultura da doação de órgãos e na viabilização de transplantes, será beneficiado com a realização do 1º Fashion Day Solidário, no próximo dia 29 de novembro.

O evento será um minicurso de modelo fotográfico ministrado pela agência Tráfego Models e pelo fotógrafo das misses Humberto Lopes, e é destinado a crianças entre 05 e 12 anos. O curso será realizado em duas turmas, sendo a da manhã das 8h às 12h e a da tarde, das 14h às 18h. O local será o Estúdio Humberto Lopes, que fica na Rua Manoel Ovídio, 1381-B, no Barro Vermelho. As inscrições seguem até o dia 10 de novembro e as vagas são limitadas. Mais informações nos telefones (84) 99672-5053 e (84) 99672-4949.

A diretora do Instituto do Bem, Raquel Barbosa, acrescenta que também vão participar do 1º Fashion Day Solidário crianças que fazem parte do projeto “Criança Ativa”, que precisam de transplante renal. “É bem interessante para haver essa troca entre crianças saudáveis e as que têm alguma debilidade de saúde, tornando o evento ainda mais especial”, ressalta.

7

Nov

Há 30 anos, um evento marcava a história do heavy metal no Rio Grande do Norte: no mês de novembro de 1988, o concerto “Metal em Natal” reunia, no Centro de Turismo, grupos potiguares do estilo musical e trazia a Viper, banda paulistana que já chamava atenção da mídia internacional. Essa história que está marcada até hoje na mente dos head bangers (os famosos “batedores de cabeça”) da cidade será lembrada na próxima sexta-feira (09/10), a partir das 16h, no Festival de Música da UnP, evento gratuito e aberto ao público.

Em sua 6ª edição, o Festival de Música já se consagrou como palco de novos talentos. Com músicas nas categorias autorais e não autorais, o evento distribuirá cerca de R$ 12 mil em prêmios para os concorrentes. Além disso, trará de maneira especial a banda de heavy metal natalense Deadly Fate (formada por amigos que participaram no Metal em Natal na banda Lótus Negra). 

Haverá também uma jam session, abrindo o palco a artistas que queiram comemorar junto com os roqueiros os 30 anos do evento que consolidou o estilo na capital potiguar. Compondo a programação, a área de Eventos da Unidade Roberto Freire também receberá uma exposição contando um pouco da História do Metal em Natal: vestimentas, vinis, fotografias e outros materiais lembrarão o estilo que, até hoje, ainda reúne adoradores.

LÓTUS NEGRA
A ideia do Metal em Natal começou bem antes e se confunde com a história da banda Lótus Negra, criada em janeiro de 1988. O grupo de amigos – todos na faixa etária entre 17 e 22 anos – era um dos novos nomes do heavy metal no estado e definia seu estilo com tradicional, com letras em português. O ponta pé inicial foi dado pelos dois guitarristas: Onofre Neto e Mauro Oruam. Logo vieram os demais membros da banda: Marcelo Nogueira (Vocal), Lênio Santos (Bateria e Vocal) e Júnior Ciqueira (Baixo). 

Foram eles que pensaram no “Metal em Natal” que também foi palco de sua primeira apresentação. Junto a eles, além da Viper, estavam Auschwitz e Hórus. No setlist, músicas como "Origem Maligna", "Criadores do Fim", "Condenada", "Possessão"(instrumental) e "Lotus Negra".

DEADLY FATE
Em 1990, surgiu a Deadly Fate, que carrega uma grande história: participou da primeira coletânea de Heavy Metal lançada no Nordeste; em 2000, teve um álbum eleito por revistas especializadas em Metal e Sites Japoneses como um dos Cinco Melhores Álbuns de Heavy Metal lançados no ano; e responsável por abrir shows internacionais de nomes como: Blind Guardian, Paul Di'Anno & Blaze Bayley (ex-vocalistas do Iron Maiden), Angra, Dr.Sin, Stratovarius e Tim "Ripper" Owen (ex-vocalista do Judas Priest).

Caracterizada por apresentar um estilo próprio que envolve influências de várias bandas de Heavy Metal, a Deadly Fate transparece em suas músicas e letras uma forte poesia e harmonia com a natureza. Em 2003, o grupo venceu o projeto Cosern Musical 2003, envolvendo bandas de todos os estilos musicais, conseguindo o status de melhor banda do Rio Grande do Norte neste evento. Com novo layout de shows e nova formação em 2018, o Deadly Fate se organiza para uma turnê no Brasil e exterior comemorando seus 30 anos de estrada.

Foto: Cedidas

6

Nov

“Para cada realização, apresentaremos uma nova proposta”, afirmou Paulo Coutinho em noite que lotou o Olimpo com representantes da advocacia potiguar

O lançamento oficial da chapa 10 “Avança OAB” para as eleições da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/RN) foi marcado por apresentação de resultados e propostas do advogado Paulo Coutinho, candidato à reeleição ao cargo em uma chapa que tem quase 80% de renovação e a advogada Samara Couto, de Mossoró, como candidata a vice-presidente. O evento reuniu centenas de membros da advocacia potiguar que lotaram o Olimpo Recepções, na noite desta segunda-feira (5).

Em sua fala aos presentes, Paulo Coutinho prometeu uma campanha limpa, que não cederá à pressão de chapa adversária para baixar ao nível como divulgação de notícias falsas. “Não vi ainda nenhuma proposta da chapa adversária, mas vi Fake News, deslealdade, informação invertida, mentiras. Mas é a última vez que vocês vão me ouvir falar sobre isso. Porque para cada ataque, responderemos com uma realização, com uma proposta”, declarou Paulo Coutinho, ressaltando que a advocacia não aprova uma campanha de provocações.

O presidente falou sobre o trabalho que vem sendo realizado na Ordem, de valorização da advocacia e defesa das prerrogativas, e de sua preocupação com a jovem advocacia, para a qual destina algumas das principais propostas para a próxima gestão. “Estou aqui para liderar e ser liderado por vocês. Sou candidato por vocês e é preciso avançar ainda mais. Avança OAB!”, disse. Paulo Coutinho apresentou os resultados da sua primeira administração, que cumpriu 90% das propostas apresentadas na última campanha. Entre as ações, destacou a inauguração da nova sede da Ordem e os mais de 20 mil atendimentos realizados na CAARN.

A candidata a vice-presidente Samara Couto, com 18 anos de experiência dedicados a advocacia, destacou que a gestão será de continuidade e avanços com a liderança de Paulo Coutinho. “Aceitei o convite e sei do desafio que me foi dado. Eu vi que que o trabalho foi feito e acredito que podemos fazer muito mais”, afirmou Samara.

O advogado Erick Pereira, candidato ao Conselho Federal, destacou em sua fala que ninguém conhece mais a OAB, do que Paulo Coutinho. "Nós temos que acreditar. O ideal que desejamos já foi plantado, mas precisamos avançar ainda mais para alcança-lo”, enfatizou. O conselheiro federal Aurino Giacomelli destacou que Mossoró e todo o interior estão com a Chapa 10. “Não podemos retroceder no trabalho que vem sendo realizado”, disse. A atual vice-presidente, Marisa Almeida, que é candidata na chapa 10 ao Conselho Federal, falou do trabalho na luta em defesa dos direitos das mulheres. “Tenham a certeza de que nós seremos a voz de todos vocês”, assinalou.

O advogado Daywsson Gurgel, do Conselho Seccional, afirmou que o gesto de mãos abertas espalmadas que simboliza a chapa, é também símbolo de que os que ali estão têm “mãos limpas”, transparência e trabalho. Já o presidente da Caixa de Assistência à Advocacia, Thiago Simonetti, afirmou que quem critica o trabalho da CAARN, é porque não conhece a instituição e seu papel social junto aos advogados.

Mais de 100 iniciativas em favor dos jovens

A Jovem Advocacia teve destaque já na abertura do evento, com o discurso do presidente da Comissão de Apoio ao Advogado Iniciante, Nicácio Carvalho, e a presença de um grande número de jovens. Nicácio informou que graças ao apoio da gestão de Paulo Coutinho, foram desenvolvidas mais de 100 iniciativas em favor da jovem advocacia. “Um trabalho possível com a liderança Paulo Coutinho. Com ele aprendemos que na OAB podemos ser do tamanho que quisermos ser!”, ressaltou.

A candidata a vice-presidente da CAARN, Fabiana de Souza lembrou do trabalho de Paulo Coutinho junto a formação dos advogados e promoção de ações institucionais. “Nunca vimos tantos cursos serem desenvolvidos pela Escola Superior de Advocacia, nem tantos eventos serem realizados. Com humildade, dedicação e apoio dos advogados, vamos construir uma ordem ainda melhor”, ressaltou a advogada. Natural de Parelhas, Fabiana também falou da participação das mulheres que representam 40% da chapa, além da presença de integrantes de várias regiões do estado. “Na nossa chapa não existe OAB da Capital ou do interior. Acreditamos na valorização igual para todos os advogados do estado”, completou o advogado Marx Helder Pereira, presidente da seccional da OAB em Caicó/RN.

O evento contou ainda com a apresentação dos membros da diretoria, integrantes da composição da CAARN e membros do Conselho Estadual e Federal. A diretoria do Conselho Seccional conta ainda com os advogados Rodrigo Menezes, como secretário-geral; Marília Almeida Mascena, como secretária-geral adjunta e Jaciratan Ramos como tesoureiro.

Após o lançamento, Paulo Coutinho segue com agenda de campanha pelas cidades de Goianinha (hoje), Assú e Macau (amanhã), Mossoró (8), Currais-novos (9) Parelhas (9), Caicó (9) e Pau dos Ferros (10).

6

Nov

O deputado federal Eduardo da Fonte (PP/PE) apresentou um projeto que prevê a regulamentação da profissão de youtuber. As informações são do Portal B9. De acordo com o Portal, o projeto alega que youtuber já é uma profissão, na maioria das vezes autônoma, ou com contratos sem proteções legais previstas. Assim, a proposta é que a profissão seja regulamentada, com 6 horas de trabalho por dia (30 horas semanais), incluindo não apenas gravação, mas também edição, pesquisas, divulgação, etc.

A proposta também sugere que os profissionais passem a seguir as mesmas normas do Código de Ética dos Jornalistas. Segundo o site, o texto também prevê que apenas quem já tem um grande alcance em seus canais do YouTube poderia “se profissionalizar”. E obviamente, só fala para quem pública os conteúdos no YouTube e não em outras plataformas. A proposta deve ser analisada pelo atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ). Se ele aprovar, ela vai para a votação geral da Câmara.

Foto: Pixabay. 

 

6

Nov

A 12ª Semana Nacional de Conciliação na Justiça Federal no Rio Grande do Norte (JFRN), em Natal, segue a todo vapor. Destaque para o mutirão dos conselhos profissionais locais, que preparam audiências pré-processuais, ou seja, aquelas que ainda não foram judicializadas.

As negociações acontecem nesta quarta-feira (7), das 9h às 12h, e são voltadas para associados com débitos, como anuidades em atraso, nos conselhos regionais de Contabilidade, de Enfermagem, de Engenharia e Agronomia, de Medicina, de Educação Física, de Medicina Veterinária e de Odontologia. São esperadas cerca de mil conciliações.

As instituições participantes também apresentam para os associados os trabalhos realizados na sociedade. A feira de exposições começou nesta terça-feira (6) e segue até quinta-feira (8), sempre a partir das 9h.

No estande do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Norte (CRC-RN), uma equipe técnica da entidade estará à disposição da classe contábil, divulgando e tirando dúvidas sobre os diversos serviços oferecidos aos estudantes e profissionais de Ciências Contábeis.