Comunicação, estratégia e mercado

O Blog da Juliska é um espaço para falar sobre os temas acima e ainda trazer dicas, abordar as tendências, acompanhar novidades do mundo corporativo, das mídias sociais e do mercado publicitário. Interaja comentando nos posts ou pelo e-mail juliska.azevedo@gmail.com. Conto com sua companhia!

10

Dez

O Indicador de Intenção de Investimentos da Indústria, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), cresceu 4,4 pontos no quarto trimestre deste ano em relação ao trimestre anterior. Com a alta,ele chegou a 117,4 pontos, o maior nível desde o primeiro trimestre deste ano (123,7). Segundo a FGV, o indicador mede a disseminação do ímpeto de investimento entre as empresas industriais, colaborando para antecipar tendências econômicas.

Esse trimestre também registrou o sétimo resultado consecutivo acima dos 100 pontos, nível em que a proporção de empresas prevendo aumentar o volume de investimentos produtivos nos 12 meses seguintes supera o das que projetam reduzir os investimentos. A proporção de empresas que planejam investir mais cresceu de 28,3% no terceiro trimestre para 30,7% no quatro trimestre. Aquelas que preveem investir menos caíram de 15,3% para 13,3% no período.

A proporção de empresas que estão certas de que executarão seu plano de investimentos foi de 31%, ficando acima da parcela de 25,9% de empresas incertas. Segundo o pesquisador da FGV Aloisio Campelo Jr., apesar da melhora, o indicador ainda está distante do nível médio registrado nos dois anos anteriores à recessão de 2014-2016. Para ele, o resultado mostra que a recuperação dos investimentos deve seguir em rota moderada nos próximos meses.

“Entre os fatores que impedem uma alta mais consistente do indicador estão a persistente incerteza econômica e as dúvidas quanto ao ritmo da economia no primeiro ano do novo governo”, finalizou.

Com informações da Agência Brasil

 

10

Dez

Completando 21 anos, o espetáculo Um Presente de Natal será apresentado hoje (10) no Instituto Juvino Barreto às 18h30. Com música e texto de Danilo Guanais inspirado em Rubem Alves, o espetáculo tem Direção de Diana Fontes e Bianca Dore. Mais de 40 artistas compõem o elenco. A entrada é uma doação de fralda geriátrica, toalha ou lençol branco ou uma taxa de R$ 20 reais; Além da apresentação, o público pode visitar os 37 ambientes reformados da mostra elos.

O espetáculo pioneiro no tocante aos Autos no Rio Grande do Norte, que inegavelmente tocou os corações de quem assistiu, neste ano trabalha a necessidade de nunca deixar de ouvir a criança que existe em nós. Um Presente de Natal - O nosso quintal, traz a harmonia entre a imaginação e a realidade. Essa junção, esse entendimento, cremos ser de extrema importância para se atingir a plenitude.

"Nessa época tão virtual, necessário nos fazer relembrar o gosto do abraço, da fraternidade. Inclusive alimentar um valor inestimável que é o nascimento da nossa cidade Natal. Dessa forma, seguiremos com um ramo de alecrim em cada mão, trilhando corações e mentes, cantando: Abençoado seja o Natal, Abençoada seja a nossa Natal!

10

Dez

Sob o tema “Em Órbita”, a Roboeduc realizou na manhã deste sábado (8) a décima sétima edição da Mostra de Robótica. Na ocasião, os estudantes da instituição desvendaram para o público presente as curiosidades sobre espaço. De acordo com a organização do evento, cerca a elaboração dos trabalhos contou com 200 participantes, com idades entre 3 e 15 anos.

Lua, sistema solar, buracos negros, planetas e Objetos Voadores Não Identificados (OVIN’s). Os visitantes tiveram a oportunidade não só de ver e ouvir, mas também interagir com a apresentação, uma vez que em cada local da Mostra havia desafios sobre os temática central, dos quais a robóticas foi aplicada.

Em uma das salas, o estudante Yuri Procópio Ferreira, de 9 anos, contou sobre o sistema solar, a disposição dos astros e desafiou os visitantes a viajarem entre as esferas que representava cada planeta. Para os pais de Yuri, que estavam lá acompanhando de perto o desempenho do garoto, foi só orgulho ver a desenvoltura do filho. “É muito gratificante ver que ele está desenvolvendo habilidades”, disse Carlos Alberto Ferreira, advogado e pai do estudante.

Para Eronilson Silva, coordenador pedagógico da Roboeduc, a Mostra revela a robótica como um meio para o aprendizado em diversos temas, como neste caso onde os estudantes desenvolveram projetos sobre o espaço. “O ensino de programação e robótica facilita muito o aprendizado de diversos temas. Durante a preparação para o grande dia do evento, a nossa equipe busca trabalhar de maneira pedagógica para contribuir efetivamente com o desenvolvimento de habilidades e atitudes investigativas”, contou.

 Sobre a Roboeduc

Indicada para crianças a partir de três anos de idade, a Roboeduc funciona de segunda-feira a sexta-feira, das 8h30 às 11h30 e das 14h30 às 17h30, e aos sábados, das 8h30 às 12h. Na Complexo, o conteúdo é ministrado uma vez por semana e o aluno pode optar também por um segundo dia opcional. A escola é dividida em quatro níveis de ensino, para atender com eficiência crianças em todas as faixas etárias.

Fotos: Ranmaildo Revorêdo

9

Dez

O Blog da Juliska dá continuidade à série de reportagens em parceria com o Sinapro/RN com as principais agências de propaganda do mercado potiguar, que reúne algumas das mais longevas e atuantes empresas de publicidade do Nordeste. A agência de hoje é New Comunicação.

Por Juliska Azevedo

Agilidade, compromisso com o cliente e confiança. O tripé é a base apontada pelo publicitário Pedro Paulo Bezerra, proprietário da New Comunicação, como a receita de sucesso para a o longo tempo de sucesso no mercado publicitário, atendendo a algumas das principais potiguares há 17 anos. “Toda a semana apresentar campanha, sair do cliente com essa campanha aprovada, elogiada, é o que realmente nos motiva. Eu faço questão de passar para a minha equipe o sentimento de que este é o verdadeiro combustível do nosso trabalho”, declara Pedro.

Conseguir o alto índice de aprovação e aproveitamento das ideias significa, para o publicitário, estar em sintonia com o cliente e ter a compreensão de que o que o empresário precisa, de fato, é de resultados. “A New é uma agência ágil, comprometida com o cliente, e principalmente, é uma agência onde ele encontra a confiança necessária para entregar a sua verba, as suas estratégias. E confiança só se adquire com o tempo”, explica.

O publicitário relata que, na atividade e na relação com o cliente, não há espaço para a vaidade, um dos mitos mais fortes do mundo da propaganda. “Existe uma piada que diz que quando o publicitário quer se suicidar sobe em cima do ego e se atira lá embaixo. Já passei por isso na minha juventude. Mas várias passagens da minha vida profissional me ensinaram a ser como sou hoje, a compreender que a necessidade do cliente exige, muitas vezes, nossa humildade de mudar”, relata.

Atualmente com sete funcionários, a New Comunicação enfrenta as mudanças do novo mundo digital e sua influência na propaganda, como a necessidade de desenvolver soluções cada vez mais rápidas em prazos cada vez mais apertados. Pedro Paulo destaca, no entanto, que uma equipe enxuta, mas muito focada no trabalho, que conhece profundamente as características dos clientes que atende, é fundamental para reduzir o “retrabalho” e enfrentar a velocidade que a tecnologia impõe.

“A tecnologia trouxe algumas coisas muito bacanas e outras não tanto. O cliente pensa que a gente pode resolver tudo em um estalar de dedos. O advento das redes sociais fez com que as agências tivessem que trabalhar ainda mais e a concorrência desenfreada fez com que os produtos diminuíssem de preço então hoje, um dos desafios das agências, é valorizar a produção do seu conteúdo”, comenta.

Clientes da tecnologia optam por meios convencionais

Para Pedro Paulo Bezerra, o período atual de “ebulição” do mundo digital dá margem para algumas interpretações erradas, por exemplo, sobre o universo da mídia e da propaganda. “As agências, de uma maneira geral, demoraram a perceber essa mudança radical que o mercado sofreu. Isso abriu margem para algumas interpretações erradas. Porque as redes sociais não vieram para substituir as mídias comerciais off line. Elas vieram para agregar e, provavelmente, se a gente perguntar a 100 pessoas onde viram a propaganda do Trivago, por exemplo, 99 vão dizer que viram na televisão”, comenta, citando o exemplo da gigante digital que opta por um meio tradicional para focar sua força de propaganda.

Pedro Paulo traz ainda outros exemplos semelhantes ao Trivago na estratégia. Ele lembra que o Uber foca seus anúncios em televisão e outdoor. “São veículos essencialmente digitais que utilizam meios off line convencionais para divulgar sua marca. Então isso reflete a importância fundamental que os veículos de comunicação têm e terão ainda por muito tempo no mercado”, profetiza.

Experiência e ousadia desde a sala da criação

A experiência na condução da New Comunicação vem de situações vividas também antes de empreender em seu próprio negócio. Antes de abrir a agência, Pedro Paulo passou por algumas das principais empresas de publicidade do RN à época. Na Dumbo, começou como estagiário e foi contratado como redator. “Desenvolvi campanhas para todos os clientes da Dumbo. Se juntarmos as cinco ou seis principais agências de hoje não dá a quantidade de clientes privados que a Dumbo tinha naquela época”, relata. “Foi uma verdadeira escola, uma faculdade que tive, e tenho muita gratidão a Cassiano (Arruda), (Silvino) Sinedino e Joacy (Medeiros)”, comenta.

A grande agência funcionava na Ribeira, próximo a onde hoje está instalado o ITEP. Em torno dela, fervia o movimento de uma publicidade pujante. Nos últimos dois anos de Dumbo, Pedro Paulo foi designado para ser o redator exclusivo do grupo Nordestão. “Eu me envolvia em tudo: criava, planejava e apresentava a campanha, e isso foi fundamental para a minha carreira”, lembra. “Dois anos depois surgiu a oportunidade de sair da Dumbo e abrir meu próprio negócio. Recebi o convite de Flávio Alcides - a quem sou eternamento grato pela oportunidade - e ficamos com a conta da Rio Center por um ano, o que foi suficiente para a gente seguir”, relata. Na época, a agência foi aberta ao lado do sócio Max Revoredo, mas a sociedade se dissolveu um ano depois, e Pedro seguiu adiante na direção da New.

Hoje a New Comunicação atende a alguns clientes de grande destaque no mercado de Natal. A padaria Mercatto, por exemplo, está com a agência desde que foi fundada. Empresas como o Instituto de Radiologia e Grupo Fleury, Hospital de Olhos, Água Mineral Santa Maria, Casa Apoio à Criança com Câncer Durval Paiva, Ponto dos Botões, Belezaria e Rede PG Postos são outros de destaque na carteira da New.

Com sua origem profissional na redação publicitária, na criação propriamente dita, Pedro Paulo já teve a oportunidade de conquistar prêmios locais, regionais e nacionais. “Mas aprendi, com a experiência, que o verdadeiro prêmio que o cliente almeja é o resultado. E mais do que isso, o que fideliza o cliente à agência não é somente a criatividade. E aí não estou desprezando a criatividade. Mas dizendo apenas que ela é um dos instrumentos, mas a correção, a ética, a assiduidade, a agilidade, a verdade. Você tratar um cliente como parceiro, valorizar essa parceria realmente no sentido da palavra e transparecer isso é um fator fundamental para você ter longevidade no mercado publicitário”, afirma.

“Eu não quero ganhar prêmios. Quero ganhar dinheiro”

Entre os cases que viveu no universo da publicidade ao longo dos anos, Pedro Paulo guarda um como um dos ensinamentos valiosos que recebeu para sua vida na propaganda. Ainda na época da Dumbo, quando atendia ao Nordestão, Pedro Paulo estava apresentando uma campanha ao diretor da rede de supermercados potiguar, Manoel Etelvino de Medeiros, quando o empresário pediu que ele fizesse uma modificação no material apresentado.

“Era uma campanha institucional para o Nordestão, apresentei, ele elogiou, aprovou, mas disse: ‘mas aqui você aumente um pouco a marca’. E eu fui argumentar: ‘mas Seu Manoel, essa peça foge do convencional de supermercado, isso aqui está tão criativo que corre o risco de a gente ganhar um prêmio’. Ele pacientemente me ouviu e disse: ‘tá certo, mas aumente a marca’. E eu fui argumentar novamente. E em um dado momento ele parou, me olhou e foi enfático: ‘Eu não quero ganhar prêmio. Eu quero ganhar dinheiro. Aumente a marca!’.

“Nós aumentamos a marca conforme ele mandou, a campanha foi para a rua e aquilo ali foi uma lição que ficou para mim. Então, quando eu digo que não tenho amor às minhas ideias, é que eu estou aberto a novas ideias. Nada está tão bom que não possa melhorar. O cliente tem a agregar e a gente tem que buscar extrair esse conhecimento e transformar em uma coisa bacana”, assinala Pedro Paulo.

8

Dez

Deu na Tribuna do Norte:

Uma nova conexão saborosa entre gastronomia, tecnologia e comodidade já está ao alcance dos natalenses bons de garfo: o aplicativo de entrega de comida Uber Eats foi lançado esta semana na capital potiguar, conectando uma nova leva de internautas a 44 estabelecimentos gastronômicos da cidade, dos mais variados cardápios, ao alcance de sua digitação. O Uber Eats é a plataforma do gênero que mais cresce no mundo – e nestes primeiros dias de funcionamento em Natal, terá entrega grátis.

Para usar, primeiramente é preciso baixar o aplicativo direto do Play Store ou da App Store. A partir daí basta escolher um endereço de destino, encontrar o estabelecimento e o prato favorito, e acompanhar o deslocamento do pedido no mapa, em tempo real. O Uber Eats também permite que o usuário agende o dia e o horário da entrega. As entregas podem ser realizadas por motoristas de carro, motoqueiros e até ciclistas, ampliando as possibilidades do serviço para aqueles que não atendem os requisitos obrigatórios da Uber.

Menus online

Os restaurantes associados estão disponíveis no app conforme seus horários próprios de funcionamento. Entre os locais estão o McDonald’s, Brasa’s Food, Kalaz Restaurante, Jolie Patisserie, Sushideli, Flor de Sálvia, Disque Quentinha e Caranguejo, Panini House, Crooks Cookie Shop, Dom Picanha, Doce Portugal, Massa Mia, Cordeiro Chique, Bixiga, Famiglia Reis Magos, Blacktichen, Marenosso, Borelli Tortas Finas, Gaucho’s Grill, Tirinete Gastrobar, O Padeiro, Pizzaria Napolis, Salus Healthy Food, Boca do Forno, entre outros.

O restaurante Kalaz, por exemplo, trabalha cozinha contemporânea no quilo e está servindo um menu em que o cliente escolhe a proteína e o molho, e mais quatro acompanhamentos a um preço a partir de R$19,90.  E por enquanto está o serviço de entrega gratuito do aplicativo. Os estabelecimentos deverão atingir novos públicos através do novo serviço, e até entrar numa nova fase de comércio, já chamada de “restaurantes virtuais”, de lojas que só existem no ambiente online, nos quais muita gente não tem interesse em ir pessoalmente.

Segundo Delon White, diretor geral da Uber Eats no Brasil, o país já é considerado o maior mercado de entrega de comida da América Latina. “Desde a chegada desse app vimos o quanto os brasileiros ansiavam por uma plataforma que conecta os usuários aos melhores restaurantes da cidade. Ele ressaltou que até o fim do ano o aplicativo chegará a ainda mais cidades, com o objetivo de se tornar a plataforma mais popular entre os brasileiros. O Uber Eats chegou a São Paulo em dezembro de 2016, e desde então já está presente em mais de 25 cidades.

Fonte:http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/aplicativo-uber-eats-ja-opera-em-natal-com-44-credenciados/432373 

 

7

Dez

O Instagram e o Facebook anunciaram esta semana um concurso para premiar os usuários que mais inovam no uso de vídeos verticais, os stories, em suas plataformas.

O Stories Festival, como será chamado o concurso, vai eleger os melhores em cinco categorias: Vale Tudo, que premiará conteúdos experimentais com tom divertido, criado por influenciadores ou usuários comuns; Advertising, voltada para campanhas de marcas; Short Film Stories, que premiará micro-curtas; Doc Stories, que reconhecerá os melhores ensaios autorais, registros de viagem ou documentários; e Clip Stories, para stories ligados a performances de música.

O Stories Festival foi criado especificamente para o Brasil, primeiro país a receber uma competição do tipo, mas o Facebook está estudando levar a iniciativa a outros mercados. O objetivo é incentivar a produção de conteúdo vertical de qualidade. As inscrições para o concurso vão até o dia 21 de dezembro.

Cada categoria terá cinco finalistas, e a banca de jurados que vai escolher os vencedores é composta por personalidades como Hugo Gloss, Andrea Siqueira, Fernanda Guimarães, Domenico Massareto e Marcio Fritzen. “Montamos um time de jurados com vasta experiência em desenvolvimento de conteúdo criativo para o Stories. Queríamos trazer um olhar diversificado sobre a produção de conteúdo vertical, então teremos desde pessoas influentes dentro das nossas plataformas”, disse o Instagram em comunicado.

Os vencedores serão premiados com um troféu e uma oficina para aprimorarem suas habilidades com vídeos verticais. Para se inscreverem, basta que os usuários incluam os Stories desejados nos Destaques do Instagram, e depois acessem ao site do Stories Festival para efetivar a inscrição. Cada usuário ou marca pode inscrever até cinco stories.

Fonte: Meio e Mensagem, disponível em: http://www.meioemensagem.com.br/home/ultimas-noticias/2018/12/07/instagram-e-facebook-promovem-concurso-de-stories.html

7

Dez

Os jornais brasileiros foram responsáveis pela metade das veiculações dos anúncios da campanha global da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) alusiva ao Dia Internacional pelo Fim da Impunidade dos Crimes contra Jornalistas, em 2 de novembro. A informação é da própria organização que enviou à Associação Nacional de Jornais (ANJ) agradecimento a todos os seus associados.

“É fundamental a colaboração dos jornais em causas como essa, que valorizam nosso meio e defendem o livre exercício do jornalismo”, diz o diretor-executivo da ANJ, Ricardo Pedreira, em comunicado aos veículos ligados à entidade no qual informa o agradecimento da UNESCO. A campanha #TruthNeverDies (#VerdadeNuncaMorre) tem por objetivo a conscientização sobre a necessidade de garantir a elucidação dos crimes contra jornalistas, em meio à crescente violência contra esses profissionais. Para o Dia Internacional pelo Fim da Impunidade dos Crimes contra Jornalistas, foram produzidas peças publicitárias que podiam ser divulgadas pelos veículos de comunicação em diferentes meios, tanto impresso quanto digital.

Dentro da campanha, a UNESCO também lançou em novembro uma base de dados na internet com informações sobre jornalistas assassinados e o estado das investigações de cada caso denominada Observatório de Jornalistas Assassinados. Nos últimos doze anos (entre 2006 e 2017), afirma a organização, cerca de 1010 jornalistas foram mortos por denunciar e trazer informações ao público. Em média, um assassinato a cada quatro dias. A cada dez desses casos, nove ficam impunes. Essa impunidade, diz a UNESCO, prejudica todas as sociedades ao encobrir abusos sérios de direitos humanos, corrupção e crime.

Os governos, a sociedade civil, a mídia e todos os envolvidos, destaca a organização, devem defender o estado de direito no esforço global para acabar com a impunidade. "É nossa responsabilidade garantir que os crimes contra jornalistas não fiquem impunes. Temos de garantir que os jornalistas trabalhem em condições seguras que permitam que uma imprensa livre e pluralista floresça", diz Audrey Azoulay, diretora-geral da UNESCO.

Fonte: ANJ, disponível em: https://www.anj.org.br/site/associe-se/73-jornal-anj-online/14878-jornais-brasileiros-tem-atuacao-destacada-na-campanha-global-da-unesco-pelo-fim-da-impunidade-dos-crimes-contra-jornalistas.html

7

Dez

O auto-cuidado com a saúde está se tornando uma realidade para os trabalhadores de empresas atendidas pelo Serviço Social da Indústria (SESI). Lançado nesta semana, o aplicativo SESI Viva+ permitirá que os usuários acompanhem a evolução dos indicadores de saúde por meio de dados coletados nas consultas ocupacionais e autodeclarados. Esses dados integrarão uma base de dados da empresa na plataforma SESI Viva+ e vão ajudar na gestão de segurança e saúde.

“Os dados individuais são sigilosos, mas os gestores receberão informações globais e saberão quais são os principais problemas de saúde dos trabalhadores”, destaca o gerente-executivo de Saúde e Segurança na Indústria do SESI, Emmanuel Lacerda. “Isso permitirá focar em ações mais assertivas para melhoria do bem-estar das pessoas, redução de faltas ao trabalho e aumento da produtividade", explica o gerente-executivo. 



Por meio da ferramenta, os profissionais receberão ainda alertas sobre campanhas de segurança e saúde no trabalho e os prazos para realização de exames periódicos. “Pela lei, se perderem esses prazos, os trabalhadores têm o salário suspenso e as empresas são multadas. O aplicativo ajudará a evitar prejuízos”, complementa Lacerda.

No aplicativo, os usuários receberão notícias e dicas para melhorar a saúde. Outro benefício é a possibilidade de trabalhadores criarem e participarem de grupos para troca de experiências entre eles. É possível que os grupos tratem de qualquer tema de interesse das pessoas, como viagens, leitura, alimentação, esportes etc. Lacerda diz que isso permitirá maior cooperação e o fortalecimento de laços de amizade, que contribuirão para o aumento do bem estar dentro do ambiente de trabalho.

Com informações e foto da CNI

7

Dez

Doze pesquisadores brasileiros estão entre os cientistas mais influentes do mundo em suas respectivas áreas de conhecimento. A lista, produzida anualmente pela empresa de consultoria Clarivate Analytics desde 2014, considera o número de citações por artigos publicados em um período de dez anos. Os selecionados pertencem ao grupo de 1% de pesquisadores que mantiveram as mais altas médias de citações durante o período. Ao todo, foram selecionados cerca de 6 mil pesquisadores, em 21 áreas do conhecimento, além de campos transversais.

O pesquisador Paulo Eduardo Artaxo Netto, da Universidade de São Paulo (USP), é o brasileiro que mais aparece na lista. Ele foi mencionado em 2014, 2015 e 2018. Professor do Instituto de Física, Artaxo atua em áreas como mudanças climáticas globais, meio ambiente na Amazônia e poluição do ar urbana. “As pesquisas que nós temos feito na Amazônia têm trazido implicações para o desenvolvimento de políticas públicas”, disse.

Ele estuda, por exemplo, o impacto de emissões de queimadas na saúde pública e no meio ambiente amazônico. “Nós demonstramos através de uma série de trabalhos que o desmatamento e as queimadas têm impacto global muito grande no meio ambiente.”

As pesquisas desenvolvidas por Artaxo mostram como o processo de ocupação da Amazônia está afetando o ciclo hidrológico na região. “Isso é importante e tem implicações, por exemplo, na produção agrícola brasileira, e tem implicações no papel da Amazônia no ciclo global”.

Lista

Os Estados Unidos são o país com maior número de pesquisadores mencionados, 2.639 ao todo; em seguida aparece o Reino Unido, com 546; e em terceiro lugar a China, com 482. As três primeiras universidades mais citadas são estadunidense: Universidade de Harvard (EUA), 186; National Institutes of Health (NIH), com 148; e Universidade de Stanford, que tem 100 pesquisadores entre os mais citados.

A USP é a instituição brasileira com maior número de brasileiros mencionados na lista, um total de quatro. Além de Artaxo, fazem parte do ranking Paulo Andrade Lotufo e Guilherme Vanoni Polanczyk, da Faculdade de Medicina (FM); e Carlos Augusto Monteiro, da Faculdade de Saúde Pública (FSP).

Os demais são: Alvaro Avezum (Instituto de Cardiologia Dante Pazzanese), Luísa Gigante Carvalheiro (Universidade Federal de Goiás), Adriano Gomes da Cruz (Instituto Federal do Rio de Janeiro), Daniel Granato (Universidade Estadual de Ponta Grossa), Miriam Dupas Hubinger (Unicamp), Renata Valeriano Tonon (Embrapa), Ana Maria Baptista Menezes e Cesar Gomes Victora (Universidade Federal de Pelotas).

Entre as áreas de conhecimento desenvolvidas pelos pesquisadores brasileiros estão ciências agrárias, meio ambiente, geociência, medicina e ciências sociais, além de áreas transversais.

A pesquisadora Miriam Hubinger, da Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), teve, entre os trabalhos mais citados, as pesquisas desenvolvidas com a polpa de açaí. “Nós tentamos estabilizar essa polpa, secá-la e fazer com que ela conservasse propriedades antioxidantes e se tivesse uma vida de prateleira, uma vida útil grande e isso foram artigos publicados em 2009 e depois de 10 anos sendo muito citados estão sendo reconhecidos”, explicou.

Outro trabalho inovador foi a microencapsulação de óleo de linhaça e óleo de café torrado. “No caso do óleo de café, para que ele conservasse as suas propriedades de aroma, de flavour, mais estável, e do óleo de linhaça para que ele fosse mais estável ao armazenamento, não se oxidasse tão facilmente. Teve todo um trabalho de desenvolvimento, de formulação e de processo e fez com que eles fossem inovadores na época em que foram publicados”, apontou.

Investimentos

Os pesquisadores consideram promissora a inclusão de brasileiros na lista, mas chamam atenção para a necessidade de investimento continuado em ciência e tecnologia. “Nós temos os cérebros, mas também precisamos de dinheiro. Claro que o ideal era que tivesse muito mais. Nos Estados Unidos, você sabe que o sistema é muito mais incentivado e a pesquisa é muito mais valorizada do que aqui. Por isso que o Brasil tem a metade dos pesquisadores da universidade que está a posição 50º [Universidade de Maryland], mas acho que já é alguma coisa a gente estar na lista”, avaliou Hubinger.

Artaxo considera que, por estar entre as dez maiores economias do mundo, o Brasil deveria ter uma posição melhor entre os autores científicos mais citados. “O recado é que estar nessa lista dos pesquisadores mais citados no mundo mostra que o Brasil tem enorme potencial de produção científica, mas que não está sendo devidamente aproveitado pela falta de investimento em ciência e tecnologia. Isso atrasa o nosso desenvolvimento e atrasa implementação de políticas públicas baseadas em ciência”, afirmou.

Com informações da Agência Brasil

7

Dez

Um estudo da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) constatou que, na comparação com 2017, quatro em cada dez varejistas – 43% - acreditam que as vendas devem melhorar neste final de ano; 32% que as vendas se manterão no mesmo patamar e apenas 9% esperam um desempenho pior, uma queda de 12 pontos percentuais em relação a 2017. O número dos que não souberam responder cresceu 15%.

As entidades revelaram também que 46% dos entrevistados se preparam ou pretendem se preparar para as festas do final de ano.

Por outro lado, 44% afirmam não ter um plano especial para o seu comércio para o Natal e o Ano Novo. Dentre os que farão algum investimento, as principais estratégias mencionadas são ampliação do estoque (50%), diversificação de produtos e serviços (34%) e investimento na infraestrutura da empresa (20%).

Os empresários que não pretendem fazer alguma ação específica no período justificam que não enxergam necessidade de investir, sobretudo por não ver aumento significativo na demanda (45%); 21% alegam falta de dinheiro e 9% estão desanimados com o resultado das vendas este ano.

De acordo com o SPC, a expectativa da reação sobre a economia ainda não reflete na criação de novos postos de trabalho no curto prazo. Apenas 20% dos comerciantes já contrataram ou contratarão mão de obra extra para reforçar o quadro de trabalhadores nesse período – sejam eles temporários, informais, efetivos ou terceirizados.

A CNDL e o SPC explicam ainda que, tradicionalmente, o varejo registra um crescimento nas vendas nesse período e que, embora o cenário econômico ainda esteja pouco aquecido, o Natal é a data mais importante para os setores de comércio e serviços, e por essa razão, os empresários seguem animados.

A pesquisa ouviu 605 empresários e gestores responsáveis pela contratação de mão de obra de empresas do comércio varejista localizadas nas capitais e interior do país. A margem de erro é de 4 pontos percentuais e uma confiança de 95%.

Com informações da Agência Brasil