Comunicação, estratégia e mercado

O Blog da Juliska é um espaço para falar sobre os temas acima e ainda trazer dicas, abordar as tendências, acompanhar novidades do mundo corporativo, das mídias sociais e do mercado publicitário. Interaja comentando nos posts ou pelo e-mail juliska.azevedo@gmail.com. Conto com sua companhia!

28

Jan

Durante o ano de 2018 a frota de veículos zero quilômetro do Rio Grande do Norte contou com um acréscimo de 43.429 automóveis. Os dados levantados pelo setor de Estatística do Departamento Estadual de Trânsito do RN (Detran) mostram que a quantidade de emplacamentos de novos veículos teve uma leve alta em relação ao ano de 2017, contabilizando um aumento de 0,1%.

Em tabela comparativa, o relatório mostra que dos 12 meses de 2018 em dez deles a quantidade de emplacamentos de veículos zero quilômetro foi menor do que no ano anterior, porém a retomada aconteceu nos meses de outubro e novembro, quando a evolução dos processos de emplacamento subiu de maneira significativa quando comparado aos mesmos meses do ano anterior, alcançando índices de 12% e 16%, respectivamente.

Nessa situação, as informações estatísticas mostram que a frota de veículos do Rio Grande do Norte vem num crescente a cada ano. Em meados de 2014 a quantidade de automóveis em circulação no estado bateu a marca de um milhão e agora em janeiro de 2019 o dado atual aponta para 1.290.800 veículos cadastrados no sistema de informações do Detran. Foram quase 291 mil automóveis inseridos no estado em quatro anos e meio.

Natal continua no topo da lista quando comparada com os demais municípios do Estado, alcançando a soma de 407 mil veículos, o que corresponde a 31,55% de toda a frota automotiva do RN. Mossoró vem na vice-liderança com quase 163 mil e logo em seguida se apresenta Parnamirim somando mais de 104 mil veículos.

 

25

Jan

O aplicativo Feira em Casa, que tem conquistado natalenses ao facilitar as compras de supermercado via internet, com preços justos e entrega certeira, já completou os mil pedidos entregues e estendeu os serviços para Cotovelo e Pirangi neste início de ano.

Tecnologia, marketing, e-commerce e produtos de alta qualidade formam a base do serviço. Azeites e especiarias, frutas frescas e congeladas, itens culinários para preparos artesanais, hortifrutigranjeiros, produtos regionais, polpas de frutas – tudo embalado e caixas personalizadas e entregues em domicílio na tarde do dia seguinte à encomenda feita na internet.

O serviço acima descrito está ao alcance do consumidor natalense, via internet, por meio do aplicativo e do site Feira em Casa Natal (www.feiraemcasanatal.com.br), ideia nascida da união da expertise dos publicitários Odemar Neto e Erick Gurgel, da Executiva Comunicação, e de dois tradicionais atacadistas da Ceasa, Renato Melo e Flávio Varela, da Amarante Comércio e Representações. O Feira em Casa também está presente nas mídias sociais, no @feiraemcasanatal.

25

Jan

Por Jaqueline Barbosa

Já não se sabe ao certo onde começa ou termina a parte da nossa vida em rede. Conectados, ou não, todos estamos de alguma maneira interligados pela tecnologia. Da tomada elétrica, estrategicamente pensada na cabeceira da cama, à selfie do cardápio no café da manhã, as redes sociais modificaram o cotidiano da sociedade moderna.

O mais recente episódio dessa novela foi o #10yearchallege. A hashtag desafiava os seguidores a postarem uma foto de 2009 e comparar com uma atual. O que não se sabia era que a brincadeira causaria tanta polêmica com a suspeita que o Facebook estaria testando algoritmos de reconhecimento facial para aprimorar seu sistema.

Em resposta ao Portal G1, o representante da empresa disse que “esse é um meme criado pelos usuários das nossas plataformas que viralizou espontaneamente. O Facebook não começou essa onda e o meme, geralmente, usa fotos que já estão no Facebook. Nós não ganhamos nada com isso, além de nos lembrar das tendências questionáveis de moda de 2009”.

Mas não podemos esquecer que, em 2018, a gigante da tecnologia se envolveu numa série de escândalos sobre a venda de dados pessoais de seus usuários para empresas. Uma reportagem do jornal The Guardian mostrou que até mesmo o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, havia discutido a possibilidade da venda por receita, marcas valiosas ou pagamentos em dinheiro.

Basicamente todas as ações que realizamos hoje envolvem tecnologia: usar o aplicativo do banco, dirigir com o auxílio do GPS, procurar um restaurante para almoçar e a necessidade incessante de mostrar ao mundo o que estamos fazendo. Nunca tivemos uma sociedade tão carente de atenção.

Recém-nascidos com milhões de seguidores, pessoas escondidas atrás de perfis fakes, fanpages e múltiplas funções que aparecem todos os dias garantindo melhorar nosso dia a dia. A sua vida nas plataformas digitais se distingue da realidade? Pesquisadores da área defendem que já não existem distinções entre eles.

Diante disso, não nos preocupamos com a segurança em rede. Nossos dados estão expostos e por não entender quais perigos isso pode causar não analisamos o que é real e o que é virtual. O que sabemos é que já na rotina das pessoas em muitos países desenvolvidos, a inteligência artificial promete ser o futuro da tecnologia e as redes sociais só crescem em número e em cifrão.

Jaqueline Barbosa é Jornalista, especialista em Comunicação Digital, CEO da Pirâmide Conteúdo Digital e colaboradora do Blog da Juliska

25

Jan

Três em cada quatro alunos de graduação no país estão matriculados em instituições privadas de Ensino Superior, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Educação (MEC), em 2018. Neste final de janeiro, com a divulgação do resultado do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), se acirra a corrida pelas buscas por matrículas nessas faculdades e centros universitários. Em Natal, a UNI-RN já começa a receber grande procura, tendo o curso de Direito na linha de frente com as vagas mais disputadas.

O início da jornada por uma vaga no ensino superior leva em conta a relação entre investimento, preço, localização e qualidade. De acordo com uma pesquisa online realizada pelo Google em julho de 2018, com mil respondentes, os estudantes levam hoje no máximo três meses entre o início da jornada e a matrícula. Em 2013, esse tempo era de cinco meses aproximadamente.

No Rio Grande do Norte, o aumento da procura acontece antes mesmo dos alunos aplicarem as notas no Sistema de Seleção Unificada (SISU), como analisa a UNI-RN. A instituição de ensino superior particular de Natal evidencia ainda que a expectativa é sempre receber um maior número de alunos a cada ano.

''Tendo em vista o padrão de qualidade da nossa Instituição, temos cursos reconhecidos pelo MEC, incluindo o de Educação Física Licenciatura, que é considerado o melhor do Brasil. O nosso campus é o melhor do estado, com infraestrutura de ponta, proporcionando uma vivência completa das aulas teóricas às práticas'', ressalta Marcelo Rodrigues, coordenador de Marketing da UNI-RN.

Dados daquela universidade revelam que o curso mais procurado da instituição é o de Direito, seguido por Psicologia, Engenharia Civil e Arquitetura. ''As metodologias de ensino diferenciadas e os projetos de extensão e estágios, que envolvem os alunos e professores, complementam a formação profissional. Tudo isso passa a ser também critério de pesquisa dos alunos e nossa constante atividade institucional'', afirma Marcelo Rodrigues.

Para 2019, um levantamento do Google, que tem uma força-tarefa com 25 profissionais para dar suporte às principais faculdades no Brasil, revela, neste ano, aumento de 3,4% nas buscas por Ensino a Distância (EaD) em relação ao ano passado. Em perspectiva dessa realidade, a UNI-RN se adapta e prepara para implantar a modalidade de ensino, como reitera Marcelo Rodrigues. '' Destacamos a importância do ensino presencial, mas ressaltamos também a necessidade de implantar o ensino a distância por se tratar, hoje, de uma exigência do próprio meio acadêmico''.

25

Jan

O ambiente ao ar livre, o charme da rua e uma programação rica em entretenimento para toda a família foi a soma perfeita para garantir que o “Mercado Bem-te-vi” se tornasse uma opção de lazer para os natalenses a partir de dezembro de 2018. O evento, que nasceu em meio à programação natalina, conquistou o público e passa a acontecer uma vez por mês em 2019. O conceito de vida ao ar livre, o resgate das brincadeiras de rua, somados às atrações culturais, à gastronomia e às compras faz do evento uma experiência para toda a família. 

Com início às 15h e encerramento às 21h, o Mercado Bem-te-vi se concentra no trecho da Avenida Afonso Pena compreendido entre as Ruas Mipibu e Trairi, onde são montadas tendas com opções de compras nos mais variados segmentos. Espaços Gourmet de lojas físicas da cidade, que se somam aos da região criam um hall gastronômico. Além de espaços de convivência e uma área livre que permite atividades como patinação, skate e bicicletas para as crianças, palco para apresentações culturais e conceito pet friendly. 

O propósito é reunir pessoas, criar experiências e transformá-los em alegria e bem-estar. A edição de janeiro traz, mais uma vez, uma programação exclusiva para crianças, comandado pela Vila do Brincar, com oficina de modelagem, oficina de barangandã e brincadeiras de rua. E um tratamento especial para os pets, que vão ter a equipe do Pet Luso dando dicas e suporte para os animais e também com mini aulas de adestramento. 

A parte de alimentação também ganha um atenção especial, onde terá um mix da área gourmet do mercado, com espaços da Pizzaria Reis Magos, Cuore di Pano, Rafaela Fontes, Cacau Show e Creperie 84, que se unem ao Restaurante Flor de Sálvia, Canela Emporium e Jolie Café &Pâtisserie para criar um leque de opções gastronômicas com cara de domingo e opões para todos os paladares. O evento é uma realização da Line Experience, com patrocínio da Prefeitura de Natal, e apoio do Mandato Cidadão Dickson Júnior e do vereador Kleber Fernandes. 

25

Jan

O sentimento de pessimismo em relação ao futuro e o desejo urgente de mudança social associados ao ambiente midiático digital caótico, repleto de desinformação, têm proporcionado interesse crescente das pessoas na busca por fatos. Esse comportamento aproximou e elevou o consumo e compartilhamento de notícias produzidas pelas empresas jornalísticas, revela a edição de 2019 do Trust Barometer, estudo global da empresa de relações públicas Edelman que analisa a confiança do público em governo, mídia, empresas e ONGs. Ao mesmo tempo, as redes sociais voltaram a apresentar queda de credibilidade. As informações são da ANJ.

De acordo com a matéria, a pesquisa revela que o número dos entrevistados que consome semanalmente ou mais conteúdo produzido por empresas jornalísticas (referidas no relatório como mídia tradicional) e compartilham ou publicam essas notícias várias vezes por mês ou mais aumentou 14 pontos percentuais, passando de 26% para 40%. O número de entrevistados que afirma que consome notícias semanalmente ou mais aumentou em oito pontos percentuais, de 24% para 32%. Inversamente, o número de pessoas que afirmam consumir o material jornalístico menos que semanalmente caiu mais 20 pontos percentuais, de 49% para 28%.

Por outro lado, a confiança nas mídias sociais (média global de 44%) permaneceu em baixa, especialmente nas regiões desenvolvidas, onde há enormes lacunas de confiança entre mídias tradicionais e sociais. Nos Estados Unidos e Canadá a brecha é de 31 pontos – 65% dos entrevistados disseram confiar na mídia tradicional. Na Europa a diferença é de 26 pontos percentuais em favor do jornalismo. Na América Latina a diferença favorável à mídia tradicional é menor, de 13 pontos percentuais. Em todo o mundo, 73% dos entrevistados disseram ter preocupação que notícias falsas ou desinformação estejam sendo usadas como armas nas redes sociais.

"A última década testemunhou uma perda de confiança nas figuras e instituições tradicionais de autoridade", disse Richard Edelman, CEO da Edelman. Mais recentemente, as pessoas perderam a confiança nas plataformas sociais. Essas forças levaram as pessoas a mudar sua confiança para os relacionamentos dentro de seu controle, principalmente seus empregadores (75% dos entrevistados). A pesquisa entrevistou, via online, entre 19 de outubro e 16 de novembro de 2018, 33 mil pessoas em 27 países, entre eles o Brasil.

Fonte: ANJ, disponível em: https://www.anj.org.br/site/institucional/2013-01-31-07-20-51/73-jornal-anj-online/15962-crescimento-do-pessimismo-e-da-desinformacao-digital-reforcam-confianca-das-pessoas-no-jornalismo.htm

25

Jan

O Facebook anunciou mudanças nas regras para as páginas dentro da plataforma. A principal delas é a identificação de publicações consideradas “notícias falsas” e que, em razão disso, têm a distribuição reduzida. Os administradores das páginas poderão ver quais mensagens foram enquadradas nesta categoria. Também terão acesso a outros conteúdos retirados por violarem as normas internas da companhia (os Parâmetros da Comunidade).

Os administradores de páginas passarão a ter acesso a uma “aba” denominada “Qualidade da Página”. Nela, ficarão listados os posts avaliados como “falsos”, “mistos” ou com “título falso”, conforme categorias definidas pela empresa. A classificação é feita por agências de checagem de fatos parceiras (conheça as regras de análise aqui). Até agora, quando uma publicação era marcada desta maneira não havia qualquer sinalização nem ao autor nem aos administradores de páginas. O autor, contudo, seguirá sem ser notificado.

A redução de alcance de conteúdos considerados "notícias falsas" vem sendo adotada pela rede social, sem remover os posts mas criando obstáculos a sua difusão. “Esperamos que isso forneça às pessoas as informações necessárias para policiar comportamentos inadequados de administradores de uma mesma página, entender melhor nossos Padrões da Comunidade e, em alguns casos, nos informar quando acreditarem que tomamos uma decisão incorreta sobre um determinado conteúdo”, afirmou a empresa em comunicado oficial. No Brasil, o Facebook estabeleceu parceria com entidades de checagem de fatos, como a Agência Lupa, aos Fatos e France Press para verificar circulação de notícias falsas durante as eleições de 2018.

Conteúdos removidos

Os administradores de páginas poderão ver os conteúdos removidos por não respeitarem as normas internas, os chamados Parâmetros da Comunidade. Entram aí mensagens enquadradas como “discurso de ódio”, “violência”, “conteúdo explícito”, “assédio”, “bullying”, “produtos controlados”, “nudez adulta”, “atividades sexuais” e “apoio ou glorificação de indivíduos não permitidos no Facebook”

Segundo o anúncio do Facebook, o administrador passa também a poder contestar uma remoção. Alguns tipos de derrubada não serão informados nesse processo, como “spam”, “posts caça-cliques” ou “violações de propriedade intelectual”.

Reincidência

Outra medida anunciada foi a fiscalização mais rígida de autores de páginas removidas. A plataforma já impedia a criação de um espaço deste tipo semelhante a um derrubado por violar as normas internas. Mas, segundo a companhia, foram identificadas “pessoas trabalhando para contornar nossa política, usando páginas existentes que elas já gerenciavam para o mesmo propósito que a página removida por violar nossas políticas”.

Em resposta a isso, o Facebook poderá retirar outras páginas de autores de páginas removidas mesmo que aquelas não tenham incorrido em alguma violação. Para fazer isso, explicou a plataforma, será avaliado “um amplo conjunto de sinais”, como os administradores ou se o nome é similar.

Medida “tímida”

Na avaliação do mestre em direito e pesquisador do Instituto Beta Paulo Rená, as medidas anunciadas sinalizam para maior transparência na remoção de conteúdos, mas ainda são “tímidas” e podem “não fazer muita diferença”.

“Não me parece haver nenhum indicativo de mais permeabilidade do Facebook para ouvir a comunidade. Isso pode manter a situação de inércia perante falsos positivos, quando conteúdos legítimos são removidos sem que haja real possibilidade de reação pelas pessoas interessadas; ou quando conteúdos ofensivos, especialmente relacionados a discurso de ódio, são mantidos online a despeito de protestos na própria rede”.

Já a advogada e integrante do Comitê Gestor da Internet no Brasil Flávia Lefévre argumenta que a despeito das novas regras, permanece o problema dos Parâmetros da Comunidade serem pouco transparentes. Ela cita casos, como situações que ela própria viveu, em que usuários têm conteúdos removidos e mesmo após questionamento o Facebook não explica a razão da remoção ou reverte a situação.

Com informações da Agência Brasil

24

Jan

O governo do Estado do Rio Grande do Norte confirmou a realização da Campus Party para o segundo semestre de 2019 e para os próximos três anos. A continuidade do evento, considerado uma das maiores experiências tecnológicas do mundo, foi assegurada nesta quarta-feira, durante reunião entre as equipes do Governo e do Instituto Campus Party.

"O Estado fará um esforço para apoiar e garantir o local de realização do evento, que tem nítida importância do ponto de vista educacional, social e de desenvolvimento econômico e do turismo local", afirmou a chefe do Executivo estadual. Ela garantiu a continuidade da Campus Party até 2022. “Sem dúvida, trabalharemos para que o evento seja realizado também nos próximos anos. Se depender de nós, ele será realizado em 2020, 2021 e 2022”, confirmou ao justificar que a data de realização da feira tecnológica será estendida para o próximo semestre, em virtude de ajustes na obra do Centro de Convenções.

O presidente do Instituto Campus Party enfatizou o sucesso da primeira edição. “Cerca de 60 mil pessoas visitaram a Open Campus, enquanto que São Paulo não alcançou 80 mil visitantes. Se considerarmos as condições proporcionais de um estado para o outro, o evento em Natal teve uma aceitação muito boa, o que justificou o tredding topic (TT) da #cpjerimum nas redes sociais virtuais na época”, argumentou. “Vamos colocar Natal no mapa digital do mundo, trazendo as melhores realidades de pesquisa e investimentos na área para cá”, completou o presidente. 

Ao lembrar dos Laboratórios Includes - laboratórios de tecnologia que são implantados em comunidades das cidades que sediam as Campus Party,  os quais permitem acesso de forma mais inovadora à ciência e à tecnologia aos mais carentes -, o subsecretário da Juventude Gabriel Medeiros disse que o evento é capaz de render projetos que podem transformar a realidade dos jovens no nosso estado. “É evidente que o evento é um acontecimento sensacional, envolve muitos estudantes e parceiros. Mas é muito pouco pensar que devemos nos preocupar apenas com os quatro dias de evento. A Campus Party abre uma possibilidade para convertemos a ação em ganhos reais para a juventude do estado, a médio e longo prazo. Discutiremos em que sentido o Instituto pode contribuir, por exemplo, para diminuir os índices de evasão escolar, na medida em que os projetos são capazes de dar um alento, uma esperança para os jovens do RN”, destacou.

Sobre a Campus Party

Realizada pela primeira vez em 1997, na Espanha, tem hoje mais de 500 mil campuseiros cadastrados em todo mundo em países como Holanda, Alemanha, Reino Unido, Argentina, Panamá, Colômbia, Itália e Cingapura. O evento está presente no Brasil há onze anos e coloca Natal em evidência no cenário tecnológico mundial, com a vinda de empreendedores, investidores, cientistas e entusiastas de tecnologia, movimentando a economia e fomentando a ciência e tecnologia local. Natal foi a 3ª cidade do Nordeste a receber a Campus Party (Recife e Salvador foram as pioneiras), tendo sua primeira edição realizada em 2018.

24

Jan

As empresas aéreas brasileiras transportaram 103 milhões de passageiros em voos domésticos e internacionais no ano passado. De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), esse número representa aumento de 4,1% em relação ao ano anterior. Os dados fazem parte do relatório Demanda e Oferta do Transporte Aéreo.

Segundo a agência reguladora, a elevação no mercado doméstico em 2018 foi de 3,3% ante o ano anterior. Nesse mercado, as empresas brasileiras, juntas, transportaram 93,6 milhões de passageiros, contra 90,6 milhões no ano anterior. Este foi o maior resultado do indicador nos últimos três anos.

O relatório mostra também que as aéreas brasileiras transportaram um número maior de passageiros no mercado internacional em 2018, aumentando esse índice em 11,9% em relação ao ano anterior, registrando um total de 9,4 milhões de passageiros.

Com informações da Agência Brasil

24

Jan

Mais facilidade para pagar a fatura de energia. A Cosern, empresa do Grupo Neoenergia, está apresentando mais uma alternativa para que o cliente possa realizar o pagamento da sua fatura de energia com mais facilidade, comodidade e rapidez. O aplicativo Ewally já está disponível para download, e permite a quitação da conta num ambiente digital, porém sem a necessidade de vínculo com qualquer instituição bancária. A novidade, que deve incentivar os clientes a migrarem para o um método mais seguro e prático de pagamento, está disponível naApp Store (iOS) e Play Store (Android).

O funcionamento é simples, o aplicativo opera como uma “carteira virtual” onde o cliente pode depositar um determinado valor, que fica registrado como crédito, podendo ser utilizado para pagar a fatura de energia. A comodidade é que o cliente não precisará se deslocar, evitando filas para conseguir pagar a sua conta, além de não necessitar ter uma conta corrente ou poupança em uma instituição financeira. Outra facilidade é que o aplicativo pode ser utilizado para pagamento mesmo por quem possui restrição financeira, permitindo ao cliente a continuidade de sua adimplência com a Cosern.

Para utilizar a novidade, basta o cliente acessar as lojas de aplicativos App Store ou Play Store, buscar pelo nome “Ewally”, baixar o app e realizar um rápido cadastro com seus documentos de identificação e comprovante de residência. Pronto! A partir daí, é só recarregar a conta por meio de depósito, em uma agência ou correspondente bancário do Banco Bradesco, pagando um boleto emitido no próprio aplicativo e pago em qualquer rede bancaria e seus correspondentes, utilizando o cartão de crédito ou ainda no agente Ewally mais próximo - que pode ser localizado no próprioapp. Depois da recarga, o cliente já pode utilizar o saldo para pagar a fatura de energia com praticidade e segurança.

A nova modalidade de quitação possibilita que os clientes que não possuem conta em bancos tenham mais agilidade, evitando as filas nos locais físicos de pagamento. “A proposta do aplicativo é oferecer uma ganho em comodidade para nossos clientes que ainda preferem se deslocar até um ponto físico para realizar o pagamento da fatura de energia. Com a modalidade, eles terão mais praticidade, agilidade e segurança. A novidade já está disponível nas lojas de aplicativos para facilitar o cotidiano do nosso cliente”, comenta Gustavo Santos, gestor da Unidade de Planejamento da Arrecadação do Grupo Neoenergia. Além do Ewally, os clientes também podem contar com o aplicativo Jeitto, que também deve facilitar a quitação das faturas de energia da Cosern. O download pode ser feito na App Store ePlay Store.