Comunicação, estratégia e mercado

O Blog da Juliska é um espaço para falar sobre os temas acima e ainda trazer dicas, abordar as tendências, acompanhar novidades do mundo corporativo, das mídias sociais e do mercado publicitário. Interaja comentando nos posts ou pelo e-mail juliska.azevedo@gmail.com. Conto com sua companhia!

29

Nov

O novo filme do Detran e Governo do RN criado pela Executiva Agência de Comunicação, utiliza estética e recursos de cinema para ilustrar o tema “A pressa passa, as consequências ficam”, voltado aos motociclistas. Para criar a peça, que reproduz a atitude precipitada de um piloto no trânsito, a agência tomou por base o alto índice de acidentes que envolvem esse tipo de veículo em situações de alta velocidade e imprudência.

Campanhas educativas como essa têm uma importância fundamental para a saúde pública. Os números apontam que cerca de 80% das entradas nos hospitais de emergência são de pessoas envolvidas em acidentes com motocicletas. A campanha, além de certeira no quesito “mensagem”, é muito necessária à conscientização daqueles que andam sobre duas rodas.

O esforço de conscientização começa a se refletir em estudos como o divulgado recentemente pelo Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel, que apresenta um comparativo entre os anos de 2016 e 2017 e constata que o número de pessoas acidentadas com motos foi reduzido de 8.729 para 8.010 - indicando diminuição de 719 ocorrências. Além de vidas poupadas, a redução significa economia para a saúde pública.

 

29

Nov

A partir do mês de novembro as escolas entram em processo de encerramento das atividades do ano letivo. Com o boletim em mãos, os pais avaliam o rendimento escolar de seus filhos, na expectativa de que sejam aprovados. Mas será que apenas as notas quantificadas pela escola são suficientes para a análise da aprendizagem como um todo? Para Elaine Eufrásio, professora de Psicologia da Faculdade Estácio de Natal, a aprendizagem deve ser avaliada em seu sentido mais amplo, não por meio da absorção de conteúdos, pois até o comportamento é um indicador de sua evolução ou não.

A avaliação escolar costuma utilizar parâmetros que classificam o aluno como ‘regular, bom, na média, ótimo’ e essa percepção passou a ser absorvida como conceito dentro das famílias, relata a professora. “Crianças do Ensino Fundamental, por exemplo, que estão na fase de alfabetização, acabam sendo cobradas em excesso pela família quando não atingem o estabelecido como meta da escola, não se levando em consideração, em muitos casos, a socialização, participação nas aulas, interação com a equipe escolar. Todos estes fatores também abrangem o conceito de aprendizagem nesta fase escolar”, pondera.

Segundo a especialista, não é indicado que os pais comparem seus filhos com outras crianças, pois cada uma tem sua fase, seu tempo, sua maneira de aprender. Ela destaca também que o acompanhamento dos pais deve ser contínuo, desde o início do ano letivo, buscando identificar dificuldades que vão além dos conteúdos. “Na minha experiência, percebo que os pais passam a se preocupar com as notas e avaliações apenas no final do ano, quando, se o acompanhamento tivesse acontecido desde o início do período letivo, o progresso do aluno poderia ser mais proveitoso”.

Neste contexto da vida escolar, é preciso observar as mudanças no comportamento dos filhos, se a metodologia utilizada pela escola para a avaliação é considerada justa e procurar comparecer às reuniões de pais para conversar com os professores. “Caso sejam percebidas dificuldades acentuadas, é necessário procurar ajuda especializada como auxílio para vencer as barreiras que podem surgir durante o processo da aprendizagem”, orienta.

29

Nov

Um estudo realizado pela Kaspersky Lab em parceria com a CORPA, empresa chilena de pesquisa, mostrou que quase um terço dos brasileiros – mais exatamente 27% - preferem sofrem um roubo de carro ou em suas casas do que ter suas redes sociais invadidas por hackers e perder o acesso a elas para sempre. Esse apreço que as pessoas dão para suas contas de sites como Facebook, Instagram, etc., é refletido entre outros latino-americanos, como na Colômbia, onde 32% da população têm essa mesma opinião.

A pesquisa foi realizada para entender o contexto vivido por usuários de dispositivos eletrônicos e redes sociais em países como Argentina, Brasil Chile, Colômbia, México e Peru e como eles encaram as ondas de crimes cibernéticos. Desses países, 25% dos argentinos e chilenos também preferem ser roubados do que ter suas contas hackeadas. Entre os peruanos, a quantidade cai para 25% e entre mexicanos, 22%.

Mais jovens em perigo?

Dentre os afetados por ataques cibernéticos nesses países, a maioria encontra na faixa etária de 18 a 24 anos de idade. Os mais velhos, entre 25 e 34 anos, relatam menos problemas desse tipo. Mesmo com o medo desse tipo de crime, os brasileiros não são tão precavidos no ambiente digital. Ao menos 44% dizem que já compartilharam suas senhas nos smartphones e tablets com terceiros, 92% forneceram seus dados pessoais em pelo menos cinco páginas web e 78% mantém sessões abertas de suas contas em seus dispositivos móveis.

“Boa parte das invasões é causada por maus hábitos dos usuários e porque muitos deles ignoram os perigos a que estão expostos quando estão online”, afirma Dmitry Bestuzhev, diretor da Equipe Global de Análise e Pesquisa da Kaspersky Lab na América Latina. “Parece que as pessoas pensam que sua vida digital e sua vida são separadas e, por isso, não percebem que o que elas fazem ou falam online impactará a vida offline”.

Fonte: Portal TechMundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/seguranca/136620-terco-brasileiros-preferem-roubados-hackeados.htm

29

Nov

O marketing de influência vem se tornando mais complexo com a profissionalização da cadeia que inclui influenciadores, anunciantes e diferentes intermediários. Nesta quarta-feira, 28, o Youpix realizou um debate sobre a regulamentação da atividade dos influenciadores, que foi tema de dois projetos de lei propostos no início deste mês pelo deputado federal Eduardo Fontes.

Embora tenham sido arquivados esta semana pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, os projetos levantaram a discussão sobre até que ponto é interessante formalizar a atuação dos influenciadores.

O primeiro projeto sugeria que os profissionais que trabalham com influência compactuassem com um código de recomendações semelhantes às do código de ética dos jornalistas – com tópicos que vão desde o respeito aos direitos autorais de terceiros  até a proibição à veiculação de conteúdos que configurem descriminação ou perseguição de qualquer natureza.

Já o segundo propunha a formalização da atividade dos youtubers de acordo com alguns termos das leis trabalhistas, estabelecendo, por exemplo, uma carga horária máxima diária (de até seis horas e meia), o pagamento de horas extras e a garantia de jornadas de trabalho seguras.

Na opinião da advogada Flávia Penido, especializada em direito digital, algumas questões indicadas nos projetos podem ser facilmente resolvidas através do treinamento de influenciadores sobre questões legais envolvendo direitos autorais, o Estatuto da Criança e do Adolescente e o Código de Defesa do Consumidor, por exemplo.

“A legislação muitas vezes se repete. Muitos dos pontos estabelecidos nestes projetos já estão previstos na Constituição. Todos os influenciadores já não podem em teoria cometer injúrias ou difamação. O desafio é colocar em prática as leis que já existem”, disse a advogada durante o debate no Youpix, em São Paulo.

Se as próprias plataformas sociais às vezes têm dificuldades em barrar discursos discriminatórios, por sua vez, a fiscalização deste conteúdo pelo governo seria ainda mais difícil, na avaliação do consultor de marketing Nino da Silva. Segundo ele, cabe à todos os players da indústria monitorar o conteúdo e educar os influenciadores.

“Para muitas marcas, o interesse pelos influenciadores vem justamente da subjetividade e do fato de eles poderem falar o que quiserem. Agências, anunciantes e outros intermediários, contudo, precisam assumir sua responsabilidade em relação ao discurso das pessoas que contratam”, diz.

Murilo Oliveira, CEO da agência de influenciadores IWM Agency, sugere a criação de um manual de boas práticas com apoio de diferentes players do mercado, que aborde inclusive questões legais, como uma alternativa à regulamentação rígida da profissão. “Quando uma marca contrata um influenciador, o contrata como fornecedor e não como um veículo, e por isso não faz sentido enquadrar uma profissão como esta nas regras da CLT”, explica.

O influenciador PC Siqueira, por sua vez, acredita que deve haver algum tipo de regulamentação para influenciadores menores de idade. “É uma atividade de muita exposição e responsabilidade, e quando são crianças influenciadoras há muitas questões envolvidas”, justifica.

Com a profissionalização do mercado, personalidades digitais também passaram a lidar com pressões e cargas de trabalho mais intensas. Por isso, PC Siqueira e a agenciadora de influenciadores Egnalda Côrtes também frisaram a importância de criar mecanismos (institucionais ou não) para preservar a saúde mental dos influenciadores digitais.

“Toda a vez que fecho um contrato anual com um influenciador, já estabeleço que ele faça algumas sessões de terapia, já que o burnout é um problema que vem aumentando entre creators”, exemplificou Egnalda, que agencia youtubers como Nataly Neri, Gabi Oliveira e Tati Sacramento.

Fonte: Portal Meio e Mensagem, disponível em: http://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2018/11/28/mercado-discute-regulamentacao-da-profissao-influenciador.html

29

Nov

O mercado de franquias brasileiro cresceu 6,3% no terceiro trimestre do ano na comparação com o mesmo período do ano passado, com o faturamento passando de R$ 41,850 bilhões para R$ 44,479 bilhões. Nos últimos 12 meses, a elevação foi de 7%, de R$ 159,826 bilhões para R$ 170,988 bilhões. Os dados são da Pesquisa Trimestral de Desempenho do Franchising, divulgada pela Associação Brasileira de Franchising (ABF). 

De acordo com o presidente da ABF, Altino Cristofoletti Junior, as incertezas do cenário eleitoral, o aumento da inflação e a queda da confiança do consumidor e do empresariado refletiram no desempenho do terceiro trimestre. 

“Embora tenhamos registrado um mês de agosto bastante positivo, nos meses de julho e setembro o consumidor estava mais retraído, possivelmente impactado pelas incertezas inerentes ao cenário pré-eleições. Para manter seu crescimento, o franchising brasileiro intensificou a busca por eficiência e novas soluções, o que se traduziu na busca por novos formatos, perfis de público e mercados”, disse.

Abertura de lojas

Os dados mostram que a abertura de lojas cresceu 1,4% no período - sendo 3% de abertura e 1,6% de fechamento de unidades. 

A pesquisa indicou também alta de 6,7% no número de postos de trabalho, o que equivale a mais de 80 mil pessoas contratadas. O número de vagas passou de 1,205 milhão para 1,286 milhão. Na comparação com o segundo trimestre, o crescimento foi de 5%. De acordo com o presidente da ABF, além da sazonalidade, os novos modelos de contratação previstos na reforma trabalhista contribuíram com o movimento. 

Segundo o estudo da ABF, 11 segmentos tiveram desempenho superior no terceiro trimestre em relação ao mesmo período de 2017. O segmento com maior crescimento no período foi entretenimento e lazer, com alta de 25,2%. Em segundo, aparecem Serviços e Outros Negócios, com 10,3% de crescimento, impulsionado, principalmente, pelos serviços logísticos. 

O terceiro melhor colocado foi Saúde, Beleza e Bem-Estar, com 9,7%, alavancado pela venda de produtos de higiene e beleza e o desempenho de redes de depilação e demais serviços estéticos. Alimentação ficou em 4º lugar (6,7%), graças aos investimentos das redes em promoções, eficiência operacional e novos modelos e canais de venda, principalmente o delivery. 

De acordo com as projeções da entidade, o ano de 2018 deve ser encerrado com crescimento de 7% em faturamento e de 5% em unidades franqueadas. Já o volume de redes em operação no país deve se estabilizar em 2.800.

A pesquisa foi realizada entre redes que representam cerca de 35% das unidades e 44% do faturamento total do setor.

Com informações da Agência Brasil

28

Nov

Hoje o 96 MINUTOS entrevistou o diretor superintendente da Federação Nacional das Agências de Propaganda (Fenapro) Alexis Pagliarini, e o diretor do Sindicato das Agências de Propaganda do RN (Sinapro), João Daniel Vale. Eles falaram sobre comunicação, propaganda, e sobre o Cannes Lions Road Show que acontece hoje, em Natal. O 96 Minutos é apresentado por mim – Juliska Azevedo – e pelos jornalistas Gustavo Negreiros e Silvio Henrique. O programa vai ao ar de segunda a sexta, entre 12h e 13h36, com um formato dinâmico e recheado de notícias.

28

Nov

O SENAI/CTGAS-ER está com inscrições abertas gratuitas para formação de turmas dos cursos Boas Práticas em Sistemas e Refrigeração Comercial e Boas Práticas em Sistemas de Ar Condicionado do Tipo Split e Janela. Os treinamentos vão ocorrer com o apoio da agência alemã de cooperação internacional (GIZ, em alemão) e do Ministério do Meio Ambiente, no âmbito do Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs (PBH).

Com carga horária de 32 horas, os cursos serão realizados nas instalações do SENAI CTGAS-ER, à Avenida Capitão Mor Gouveia, em Lagoa Nova. O pré-requisito dos cursos gratuitos é experiência na área de refrigeração e ar condicionado.

As aulas serão iniciadas na próxima segunda-feira, 03/12. As aulas da turma de Boas Práticas de Manut. em Sist. Ar Condic. Split e Janela acontecerão das 7h30 às 11h30; Boas Práticas em Sistemas de Refrigeração Comercial, no horário das 13h30 às 17h30.

Para realizar a inscrição o interessado deve demonstrar interesse através do e-mail secretaria@ctgas-er.com.br ou procurar o setor de atendimento do SENAI CTGAS-ER, pelos telefones (84) 3204-8000 ou (84) 3204-8114.

Para se inscrever é necessário apresentar os seguintes dos documentos: RG e CPF; Cópia do comprovante de residência atual; Cópia do diploma de ensino fundamental; Cópia de comprovante de conhecimento na área - Carteira de trabalho ou declaração de auto punho informando a experiência na área.

28

Nov

O potiguar Gustavo Almeida, estudante do Senac RN na ocupação Serviço de Restaurante, vai disputar uma vaga para representar o Brasil na olimpíada mundial de profissões, a Worldskills. O evento será realizado na Rússia, em agosto de 2019, reunindo jovens de todos os continentes.

Ele foi habilitado para concorrer à vaga, após ter obtido a medalha de prata nas Competições Senac de Educação Profissional 2018, realizadas entre os dias 20 e 23 deste mês, no Espírito Santo. Agora, Gustavo concorrerá com o baiano Lucas dos Santos, que foi ouro no torneio nacional.

Os estudantes iniciam uma intensa jornada de treinamentos até a seletiva final, que ocorrerá em março do ano que vem.

Para o norte-rio-grandense, o momento é de comemoração. “A competição foi desafiadora e com provas muito bem elaboradas. Foi uma oportunidade única, pois pude colocar em prática tudo o que aprendi ao longo de oito meses de preparação. Estou muito feliz com o resultado, mas permaneço focado para a próxima seletiva”, afirmou.

O diretor regional do Senac RN, Raniery Pimenta, explica que as Competições buscam refletir as competências e os atributos dos alunos, desafiando-os a resolver situações de trabalho específicas de sua área de atuação. “Esta iniciativa também estimula o participante a adquirir maior comprometimento com a qualidade do seu trabalho e, ainda, desenvolver uma visão ampla e consciente da atuação profissional. Saímos da competição com a certeza do dever cumprido”, afirmou.

Além da medalha de prata, o Senac RN também garantiu uma medalha de Excelência, pelo desempenho do estudante Lucas Araújo, na ocupação Cozinha. Os alunos foram acompanhados pelos experts da instituição, Ângelo Medeiros (Cozinha) e Eliane Soares (Serviço de Restaurante).

28

Nov

Depois que pós-verdade (Oxford Dictionaries) e notícias falsas (Collins Dictionary) foram escolhidas palavras ou expressões dos anos de 2016 e 2017, respectivamente, o termo de 2018 é misinformation (que pode ser traduzido como desinformação, mas aqui representa informação incorreta), segundo o dicionário online Dictionary.com. As informações são da ANJ.

Em comunicado à imprensa, a organização afirmou ter escolhido a palavra – que define como “informações falsas que se espalham, independentemente de haver intenção de enganar” – em meio ao crescente papel das empresas de tecnologia na disseminação deste tipo de conteúdo fraudulento no meio digital.

"Desinformação também teria sido uma palavra interessante para este ano, mas nossa escolha por ‘informação incorreta' foi intencional", disse Jane Solomon, linguista da organização. “É um termo de autorreflexão e pode ser um chamado para uma ação. Você pode ser uma boa pessoa e ainda disseminar informações erradas."

Segundo a matéria, na língua inglesa há ainda a palavra "disinformation", que também pode ser traduzida como desinformação. Mas a escolha do prefixo "mis" e não "dis", segundo Jane, foi deliberada uma vez que, como ressaltou Jane, é destinada a servir como um apelo para a batalha contra notícias falsas e teorias da conspiração. "O surgimento de um léxico para descrever a desinformação por si só é um sinal revelador", disse Liz McMillan, CEO da Dictionary.com.

"A propagação desenfreada de má informação está proporcionando novos desafios para a vida em 2018", destacou Jane Solomon. “A má informação existe há muito tempo, mas na última década a ascensão das mídias sociais mudou a forma como as informações são compartilhadas. Acreditamos que entender o conceito de má informação é vital para identificá-la quando a encontramos e ajudar a reduzir seu impacto."

De acordo com o Portal, a entidade citou vários eventos no ano passado que contribuíram para sua decisão na escolha da palavra do ano. Entre eles, incluem-se o papel continuado do Facebook na disseminação de fraudes e os rumores no WhatsApp que levaram à violência popular na Índia e a desinformação generalizada durante as eleições brasileiras.

Fonte: ANJ, disponível em: https://www.anj.org.br/site/component/k2/73-jornal-anj-online/14754-informacao-incorreta-espalhada-nas-redes-sociais-e-o-termo-de-2018-segundo-dicionario-digital.html

28

Nov

Rossandro Klinjey é palestrante, escritor e Psicólogo Clínico. Fenômeno nas redes sociais, seus vídeos já alcançaram a marca de mais de cem milhões de visualizações. Autor de vários livros, sendo os mais recentes, “As Cinco Faces do Perdão”, “Help: Me Eduque!” e “Eu Escolho Ser Feliz”. Em Natal, a palestra "Limites na Educação: Uma Prova de Amor", ocorre no dia 04 de dezembro, no Teatro RiachueloConfira o serviço completo abaixo.

É consultor da Rede Globo, no programa Encontro com Fátima Bernardes, em temas relacionados a comportamento, educação e família, além de colunista da Rádio CBN. Foi professor universitário por mais de dez anos, quando passou a se dedicar à atividade de palestrante, no Brasil, na Europa e nos Estados Unidos.

Na palestra "Limites na educação: Uma Prova de Amor", ele fala que a personalidade é a soma total das maneiras pelas quais um indivíduo reage e interage com os outros. Ela é geralmente definida como os padrões profundamente arraigados e relativamente duradouros de pensamento, sentimento e comportamento. A personalidade é a soma total de traços psicológicos do indivíduo, características, motivações, hábitos, atitudes e crenças que vão determinar o modo como esse indivíduo vai agir no futuro, sobretudo com relação à assimilação das normas e condutas sociais e da obediência à Lei.