Mercado

18

Set

Mercado

Além dos efeitos da crise, descontrole financeiro está entre principais causas da inadimplência no país, revela pesquisa

O cenário macroeconômico do país tem contribuído para o alto nível de endividamento dos brasileiros, somado à falta de controle das finanças pela população. Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) aponta que dentre os principais vilões da inadimplência, os mais citados são a perda do emprego (37%), que chega a 38% nas classes C e D, a redução da renda (24%) e a falta de controle financeiro (12%).

Considerando apenas aqueles que se endividaram por descontrole do orçamento ou porque tiveram crédito fácil, 39% afirmam que quiseram aproveitar as promoções oferecidas pelas lojas, levando-os a contrair gastos extras sem avaliar o orçamento. Já 24% reconhecem não ter negociado bem os preços no momento da compra e 14% disseram que costumam comprar mais do que o necessário para se sentir bem quando estão ansiosos.

O levantamento mostra também que seis em cada dez brasileiros inadimplentes (61%) têm pouco conhecimento sobre a própria renda, entre salários e outros rendimentos. Para muitos, negligenciar as finanças se estende até os compromissos mais importantes do dia a dia. Um termômetro disso é que 45% reconhecem saber pouco ou quase nada sobre o valor das contas básicas que precisam pagar no fim do mês, mesmo que elas não estejam em atraso, como água, luz, telefone, aluguel, condomínio, plano de saúde e mensalidade escolar. Já 61% desconhecem o número exato de parcelas das compras realizadas por meio do crédito e, em geral, 36% não planejam o orçamento mensal.

“A conjuntura econômica continua afetando o bolso da população, que sente dificuldades financeiras com a perda do emprego ou a redução da renda. Mas a atitude do próprio consumidor tem papel fundamental diante dessa situação preocupante de alta inadimplência. O brasileiro possui o mau hábito de `andar no escuro´, ao não conhecer profundamente quanto gasta e quanto ganha”, alerta a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

Ansiedade e problemas no trabalho contribuíram para desequilíbrio no orçamento dos inadimplentes

Além da falta de controle sobre o orçamento, as emoções diante de determinadas situações acabam gerando um consumo desordenado em muitas pessoas. Ao investigar que tipo de acontecimento pode ter contribuído para o desequilíbrio das finanças no período em que os entrevistados fizeram a dívida, a pesquisa constatou que o fator número um está ligado à ansiedade (21%). Em seguida, foi mencionada a insatisfação ou problemas no trabalho (13%) como responsável por esse tipo de comportamento. Outros 12% contraíram dívidas em momentos de estado emocional abalado por dificuldades financeiras, enquanto 9% passavam por problemas no relacionamento familiar.

Mas mesmo após vivenciar todos os contratempos associados à inadimplência, a má notícia é que pouco são os consumidores dispostos a adotar novos hábitos para evitar a reincidência. Entre os que se endividaram por descontrole financeiro ou compras impulsivas praticamente seis em cada dez não tentaram mudar a atitude para reverter esse quadro (58%). Metade desses entrevistados alega não ser esse um problema tão grande (50%), 19% afirmam que o hábito faz parte do seu jeito de ser e que nunca irão mudar e 17% garantem que a situação não provoca nenhum incômodo.

Ainda sobre as medidas tomadas para manter as finanças em dia, apenas 19% buscaram algum tipo de ajuda para resolver suas dificuldades, enquanto 81% não fizeram nada. Nesse último caso, 49% justificam sua decisão dizendo que são capazes de resolver esses problemas sozinhos, ao passo que 18% afirmam não ter dinheiro para contratar ajuda profissional.

37% gastam mais do que podem para aproveitar a vida e 37% já deixaram de pagar alguma conta para comprar algo que desejam

O autocontrole é uma barreira importante contra o consumo exagerado, embora seja uma tarefa difícil para muitos. Quase metade dos inadimplentes ouvidos pela pesquisa disseram que quase sempre cedem aos desejos e impulsos quando querem comprar alguma coisa (46%), enquanto 43% não conseguem controlar os gastos, 42% demoram para cancelar serviços ou assinaturas que não usam e 31% vivem fora de seu padrão de vida.

A impulsividade e a imprudência financeira de parte dos inadimplentes ficam evidentes também quando respondem sobre sua relação com o dinheiro em várias situações. Para 40% é comum perder a noção do quanto podem gastar em uma balada ou jantar, extrapolando o orçamento, ao passo em que 40% se sentem pressionados a gastar mais dinheiro quando estão com amigos e família, 37% gastam mais dinheiro do que podem para aproveitar a vida e outros 37% às vezes deixam de pagar uma conta para comprar algo que têm vontade.

O estado emocional dos entrevistados também interfere na gestão do orçamento, uma vez que 36% admitem comprar, algumas vezes, coisas que não haviam planejado para se sentirem melhor. Já 27% excedem o orçamento para ficarem mais bonitos. “Se o consumidor cede frequentemente à impulsividade para satisfazer seus desejos de compra, se continua gastando sem planejar ou fazer reserva financeira é necessário reconhecer que algo precisa mudar. Valorizar o bem-estar imediato é uma tendência natural do ser humano, mas se a atitude não for bem pensada, pode trazer grandes prejuízos no médio e longo prazo. O primeiro passo é reavaliar o orçamento, identificando todas as despesas e receitas do mês, para então saber onde estão os gastos que podem ser cortados”, orienta a economista do SPC Brasil.

A pesquisa ouviu 609 consumidores que possuem contas em atraso há mais de 90 dias em todas as capitais do país, de ambos os gêneros, acima de 18 anos e de todas as classes sociais. A margem de erro é de no máximo 3,97 pp a uma margem de confiança de 95%. Baixe a íntegra da pesquisa em https://www.spcbrasil.org.br/pesquisas

17

Set

Mercado

Evento gratuito em Natal tira dúvidas de quem quer viver, morar ou investir em Portugal

Portugal tem sido o lugar procurado por muitos brasileiros que buscam fugir da crise econômica do Brasil e querem melhor qualidade de vida. Mais de 80 mil brasileiros residem hoje em terras lusitanas com vistos regulares, segundo o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), órgão responsável pelo controle de imigração português. Mas esse número deve ser bem maior porque muitos brasileiros com passaporte europeu ou que estão irregularmente em Portugal, não são contabilizados na estatística.

Aqui em Natal, pessoas também têm se organizado nessa mudança de país e é para atender esse público potencial, que a corretora da imobiliária RE/MAX de Portugal, Eliane Ribeiro, virá à capital potiguar no dia 26 de setembro, para ministrar uma palestra gratuita na CDL. Ela estará acompanhada de sua experiente equipe composta por advogado, contador e uma gestora de finanças, para esclarecer todas as dúvidas de quem tem interesse em viver, morar ou investir em Portugal.

“O que mais tem atraído os brasileiros para vir morar na Europa é a segurança, o direito de ir e vir nas ruas sem medo. Além disso, com dois mil Euros um casal vive bem aqui, ou seja, com menos dinheiro é possível ter uma vida melhor”, explica Eliane, que é brasileira, mas mora em Portugal há 25 anos e é campeã em vendas pela RE/MAX em toda a Europa.

Ela também explica que a maioria das pessoas com a intenção de morar em Portugal é economicamente ativa, como empresários, professores, médicos, advogados, arquitetos e engenheiros que querem trabalhar lá.

As cidades mais procuradas por esse público têm sido Lisboa, Cascais, Estoril e o norte de Portugal, onde estão municípios bem conhecidos, como Braga e Aveiro. No evento do próximo dia 26 em Natal - que tem o apoio e organização da franquia potiguar RE/MAX Top -, além de esclarecer todas as dúvidas, Eliane e sua equipe apresentarão aos participantes uma carteira de imóveis como apartamentos, casas e sítios. “Temos unidades a partir de 100 mil euros. Essa é a terceira edição que faremos no Brasil. Desde 2016 já fomos ao Amazonas, Amapá, Mato Grosso, Goiás, Pernambuco, Bahia, Minas, Rio, São Paulo e Rio Grande do Sul”, conta ela.

O evento “Viver, Morar, Investir em Portugal” é gratuito, será realizado no dia 26 de setembro, das 9h30 às 12h, no auditório da CDL Natal (Rua Ceará-Mirim, 322 – Tirol) mas para garantir a participação, o interessado precisa se inscrever através do link https://goo.gl/forms/4d2XvzsCs2STvP2a2. As vagas são limitadas.

Sobre a RE/MAX

A RE/MAX é uma multinacional fundada e sediada nos Estados Unidos há 45 anos e conta com a maior rede de franquias imobiliárias do mundo, 7.400. Está presente em 105 países e tem forte atuação no Brasil, com 180 lojas abertas. Tem cerca de 128 mil corretores sendo que só no Brasil, são 2 mil profissionais.

Foto/Divulgação

13

Set

Mercado

Estilista e modelista potiguares participam do Senai Brasil Fashion 2018

Todo mundo tá na moda! Esse é o tema da nova temporada do SENAI Brasil Fashion. O projeto é desenvolvido com estudantes de cursos de longa duração na área de moda, design e vestuário do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI). A edição 2018 recebeu cerca de 300 inscrições de alunos de 15 estados. Para a etapa final, foram selecionados 12 projetos de 12 duplas, sendo um estilista e um modelista. O SENAI/Clóvis Motta do Rio Grande do Norte está presente com Anna Elisa Dantas Salgado Pinto e Iure Medeiros Dantas.

A exemplo das edições anteriores, os estudantes terão o desafio de desenvolver uma mini coleção de três peças com base no tema Todo mundo tá na moda. A expectativa do curador do SENAI Brasil Fashion, Marcelo Ramos, é que as peças atendam as necessidades e demandas de determinado público consumidor. “Quando pensamos neste tema, nós tivemos como objetivo levar os alunos participantes a pensar na diversidade dos consumidores, suas necessidades, desejos, expectativas e valores, para o desenvolvimento de sua minicoleção. Nesse contexto, temos projetos direcionados para idosos, cegos, pessoas portadoras de necessidades especiais e para corpos diversos”, explica.

Só que pra desenvolver as peças, as duplas serão orientadas pelos estilistas Alexandre Herchcovitch, Lenny Niemeyer, Lino Villaventura e Ronaldo Fraga. Eles serão os coaches dos alunos durante o processo de criação e produção da minicoleção. O primeiro encontro dos estudantes com os coaches foi na última terça-feira (11), na unidade do SENAI CETIQT (Centro de Tecnologia da Indústria Química e Têxtil), no Rio de Janeiro.

Além de apresentar os projetos, participar de palestras e escolher os coaches, as duplas vão fazer uma visita ao setor de figurinos dos estúdios Globo, na cidade carioca. Já nos dias 3 e 4 de outubro, em outro encontro no Rio, os alunos vão apresentar os protótipos da minicoleção para serem avaliados pelos coaches. A partir daí, começa a produção final. O grande dia será o desfile com tops na passarela e também modelos que vão representar a diversidade de público. O desfile será no dia 22 de novembro, no Espaço Ação Cidadania, também no Rio.

Foto/Divulgação

12

Set

Mercado

Sesc está com Inscrições abertas para 183 cursos gratuitos em outubro

De 13 a 25 de setembro, o Sesc está com inscrições abertas para os cursos gratuitos de outubro. São 183 vagas distribuídas em turmas em Natal, Mossoró, Caicó, São Paulo do Potengi e Nova Cruz.

Na área de culinária serão oferecidos cursos sobre o preparo da ceia natalina, festival de brownie, doces gourmets. Em trabalhos manuais teremos cursos de bolsas organizadoras, peças para cama, mesa e banho, acessórios e enfeites natalinos.
Para quem tem habilidade ou se interessa por corte e costura será oferecido o curso de bordado de Caicó.

Os cursos integram o Programa de Comprometimento e Gratuidade (PCG) do Sesc, instituição do Sistema Fecomércio RN. O resultado da seleção será divulgado neste site no dia 28/09, e as aulas começam em datas especificadas no edital.

Critérios de seleção

Podem se inscrever nos cursos gratuitos, os trabalhadores do comércio de bens, serviços e turismo e seus dependentes, além de estudantes de escolas públicas cuja renda familiar mensal não ultrapasse três salários mínimos nacionais.

No ato da inscrição, é preciso levar os documentos originais (com cópias): RG ou certidão de nascimento, CPF do candidato e do responsável legal, comprovante de residência (com emissão inferior a 60 dias) e de escolaridade, e ainda, caso necessário, documento que comprove deficiência física ou mental.

Também deverá ser entregue a autodeclaração de renda familiar e o questionário socioeconômico. Caso o interessado em fazer o curso seja menor de idade, deverá estar acompanhado do responsável.

12

Set

Mercado

Livros e carros lideram mercado de produtos usados no país nos últimos 12 meses, revela estudo

Pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revelou que livros e automóveis foram os produtos usados mais comprados nos últimos 12 meses. De acordo com os dados, nove entre dez consumidores pesquisados indicou preferência pela economia com a compra de produtos usados em sites ou aplicativos especializados.

O ranking dos objetos usados mais comercializados foi encabeçado por livros (54%), seguido por automóveis e motos (43%), eletrônicos e móveis (38%), telefones celulares e eletrodomésticos (36%). Os entrevistados também apontaram que eletrônicos (40%), automóveis (39%) e móveis e eletrodomésticos (36%) foram os objetos mais colocados à venda no período.

O estudo apontou que a maioria dos entrevistados acredita que a compra de um objeto usado satisfaz suas necessidades. Entre os itens mais aprovados estão os livros, com 76% de aprovação; seguido pelos automóveis, com 60%; itens esportivos, como bicicletas (59%); e instrumentos musicais (50%).

Por outro lado, utensílios para cozinha ou itens de cama, mesa e banho têm reprovação de 81% dos entrevistados, que acreditam ser mais vantajoso comprar um produto novo. O mesmo ocorre com os aparelhos celulares com 66% de reprovação; eletrodomésticos, como geladeira, fogão e TV, também com 66%; e roupas e acessórios (65%).

Para a maioria dos entrevistados, a compra e venda de utensílios usados é uma oportunidade de economizar e poupar: do total de entrevistados, 65% deles calcularam suas economias desde que aderiram à prática, sendo 41% no caso de compra e 24% no caso de venda. Entre esses, 92% acreditam que a economia foi significativa para o bolso.

A pesquisa ouviu 824 consumidores acima de 18 anos, de todas as classes sociais, em capitais do país. As perguntas admitiam respostas múltiplas, motivo pelo qual a soma de percentuais ultrapassa 110%.

Com informações da Agência Brasil

12

Set

Mercado

Marketing, atendimento criterioso e produtos selecionados são base de aplicativo que oferece nova forma de fazer a feira de casa

Tecnologia, marketing, e-commerce e produtos de alta qualidade formam a base de um serviço ainda novo em Natal, mas que tem atraído cada vez mais clientes. Azeites e especiarias, frutas frescas e congeladas, itens culinários para preparos artesanais, hortifrutigranjeiros, produtos regionais, polpas de frutas – tudo embalado e caixas personalizadas, entregues em domicílio na tarde do dia seguinte à encomenda feita na internet, a um preço semelhante ou até mais barato do que se todos esses itens fossem retirados da gôndola do supermercado.

O serviço acima descrito está ao alcance do consumidor natalense, via internet, por meio do aplicativo e do site Feira em Casa Natal (www.feiraemcasanatal.com.br), que acaba de completar um mês com um número crescente de clientes, especialmente em condomínios da Grande Natal. A proposta foi bem recebida e o serviço já realiza 20 entregas diárias, com potencial de recepção de pedidos para triplicar essa demanda.

O Feira em Casa Natal nasceu da união da expertise dos publicitários Odemar Neto e Erick Gurgel, da Executiva Comunicação, e de dois tradicionais atacadistas da Ceasa, Renato Melo e Flávio Varela, da Amarante Comércio e Representações.

O quarteto desenvolveu um serviço de entregas que livra os consumidores das filas para pagar suas compras no caixa e oferece a comodidade de entregar produtos frescos, bem embalados e já selecionados no conforto da casa do consumidor.

O publicitário Odemar Neto explica que foram muitos meses de preparação e ensaios antes de lançar o serviço no mercado, mas que a logística já está testada e aprovada. “Não só conseguimos acolher todos os pedidos como monitorar cada um deles, avisando os horários de cada entrega pelo WhatsApp do cliente e perguntando depois se ele gostou e o que faltou para melhorar”, lembra.

Esse pós-venda tão necessário no varejo para criar a fidelização da clientela foi apenas uma das motivações que levou tradicionais atacadistas a unir forças com especialistas de marketing. Enquanto os primeiros se ocupam de fazer as compras, organizar os estoques e a logística de entregas, a outra parte da sociedade se dedica a cuidar divulgação e na funcionalidade do aplicativo, agregando continuamente facilidades à interface de seu e-commerce.

Odemar Neto explica que ao se cadastrar no site, o cliente passa a ter controle automático de todas as compras anteriores e dos valores pagos, tendo em mãos um verdadeiro aplicativo para controlar seus gastos com alimentação. Eventualmente, se ele quiser, pode repetir compras e sugerir melhorias, avisando o fornecedor sobre suas preferências na aquisição de algumas linhas de hortifrúti.

As entregas são feitas por veículos apropriados, adesivados e realizados por pessoal uniformizado, cujo nome é passado pelo WhatsApp ao cliente por questões de segurança. A mercadoria, embaladas em caixas com o logo do fornecedor, pode subir ao apartamento ou ser entregue na portaria ao desejo do cliente. Hoje são 250 itens e as encomendas pelo site podem ser feitas até às 20 horas de domingo a domingo para entrega no dia seguinte sempre a partir das 13 horas, de segunda à sexta-feira.

11

Set

Mercado

Lei de Defesa do Consumidor faz hoje 28 anos com direitos ainda pouco conhecidos

Mesmo com avanços no acesso às informações e quase 30 anos depois de aprovada, a Lei de Defesa do Consumidor ainda é uma ilustre desconhecida pela população brasileira. Boa parte não sabe quais os reais direitos que lhe são assegurados, quais as responsabilidades do fornecedor, os prazos que pode ter para devolução do produto, por exemplo, e quais as práticas consideradas ilegais e abusivas por parte do fornecedor.

Nesta terça-feira (11), a Lei de Defesa do Consumidor faz 28 anos que foi sancionada. Segundo o professor de Direito da faculdade Estácio, Alexandre Fagundes, a Lei é boa, mas a maior dificuldade encontrada para a efetivação de suas determinações ainda é a falta de conhecimento por parte da população para buscar os seus direitos.

Apesar de tudo estar definido no Código de Defesa do Consumidor (CDC), em vigor desde setembro de 1990, e ainda haver a obrigação de ter um exemplar da Lei nos estabelecimentos comerciais, os direitos continuam a ser negados. “Todos os estabelecimentos comerciais do Brasil são obrigados a manter pelo menos um exemplar do Código de Defesa do Consumidor acessível”, informa Fagundes. De acordo com a Lei 12.291/2010, o descumprimento da norma resulta em multa no valor de R$ 1.064,10.

Um dos direitos estabelecidos pela Lei ainda desconhecido, por exemplo, é o ‘direito ao arrependimento’. Previsto no art. 49 do Código de Defesa do Consumidor, garante que o consumidor pode devolver o produto, sem necessidade de justificativa e sem ônus, no prazo de sete dias.

O professor, especializado em Direito Civil, explica que nestes casos, não há necessidade de o produto ter vícios ou defeitos, simplesmente pode não ter correspondido à expectativa. Inclusive, todos os gastos com frete para devolução e restituição cabem ao fornecedor, ressalta o professor.

Outras razões de os consumidores não reivindicarem os seus direitos é o difícil acesso ao serviço jurídico público. Para sanar esse empecilho, na faculdade Estácio Alexandrino existe o Núcleo de Atendimento Jurídico (NPJ) que presta serviço gratuito à população nas áreas cível, de família, sucessões, e ações no âmbito do Juizado Especial Cível. O Núcleo funciona de segunda a sexta em horários alternados. Informações pelo telefone 84 3198.1644.

10

Set

Mercado

Celebridades e especialistas do mundo empresarial vêm a Natal para o Fórum Negócios 2018

Com a ousadia de querer transformar pessoas e se estabelecer no mercado como um dos maiores eventos corporativos do Brasil, o Fórum NEGÓCIOS abriu as suas inscrições para a edição 2018. Celebridades do mundo dos negócios, como Sandro Magaldi, Martha Gabriel, Tathiane Deândhela, Caíto Maia e Fred Alecrim confirmaram participação. Eles vão dividir o palco com mais sete palestrantes, cada um em sua especialidade, durante dois dias (9 e 10 de novembro), na Arena das Dunas. As reservas já podem ser feitas pelo site www.forumnegocios.com.br. Os inscritos vão receber gratuitamente a edição especial de 11 anos da revista NEGÓCIOS.net, o anuário da economia.

As palestras vão girar em torno de várias temáticas: gestão, produtividade, foco em resultado, marketing digital, vendas, alta performance, inovação, realidade virtual e aumentada, tecnologia, criatividade e empreendedorismo. “O Fórum Negócios é uma grande oportunidade para adquirir uma evolução completa do mundo empreendedor, com líderes do mercado nacional e internacional. Não medimos esforços e vamos aproximar os participantes desta jornada do primeiro escalão das mentes que fazem o mercado brasileiro acontecer”, afirma o jornalista e promotor do evento, Jean Valério. "Será o primeiro evento completo de empreendedorismo do Brasil, realizado numa arena de futebol", reforça o jornalista.

Além de Caíto, Sandro, Martha, Deândhela e Fred, estão confirmados: João Kepler, Fábio Silva, Silva Patriani, Paulo Maranhão, Marcos Scaldelai, Rick Chester e Fernando Godoy. Um verdadeiro timaço, que vai entrar em campo, na Arena das Dunas, em novembro.

Estrutura

O evento vai se concentrar no setor Oeste da Arena das Dunas, envolvendo parte da arquibancada e área de hospitalidade. Para quem ainda não conhece o estádio que sediou 4 jogos da Copa do Mundo de 2014, o espaço fica no lado que dá para a Avenida Prudente de Morais. Um grande palco será montado à beira do campo, com frente virada para a arquibancada. A área de hospitalidade será utilizada para relacionamentos, ações e ativações de marcas, através de workshop, feira de oportunidades e gastronômica, Coffe Station e Happy Hour. O Fórum Negócios 2018 tem o apoio da Condor Participações, Arena das Dunas, Grand Nordeste, revista e portal NEGÓCIOS e ACarta Comunicação.

Foto: Bruno Póvoa

10

Set

Mercado

Preço baixo é principal atrativo de quem compra em sites internacionais, revela pesquisa

Os brasileiros têm comprado cada vez mais em sites internacionais e a principal razão para esse fenômeno são os preços atrativos dos produtos em relação aos praticados nas lojas virtuais no país. Uma pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostra que 29% dos consumidores conectados fizeram compras em sites internacionais nos últimos 12 meses. Desse total, 67% afirmaram que os valores mais baixos tiveram influência na hora de comprar em lojas online fora do Brasil, enquanto 46% apontaram a possibilidade de achar artigos difíceis de serem encontrados localmente. Outros 46%, procuram variedade de produtos e 35% vão em busca de itens novos que quase ninguém possui.

Os itens mais adquiridos são vestuário, calçados e acessórios, como cintos, bolsas e carteiras (47%, percentual que sobre para 60% entre as mulheres), acessórios de informática e celular (33%), cosméticos e perfumes (26%), brinquedos, jogos e games (26%) e eletrônicos, como tablets, notebooks e câmera digital (22%, número que cresce para 30% entre os homens).

De acordo com o estudo, o valor médio gasto na última compra foi de R$ 140,28. “A compra virtual tem ganhado adeptos, sobretudo pelos preços altamente competitivos praticados por esses sites, que se somam à oferta de produtos que nem sempre estão à disposição no mercado nacional”, avalia a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

Prazo de entrega é maior desvantagem para 62% dos consumidores; segurança no processo de pagamento é fator considerado por 51%

Os entrevistados apontaram também as desvantagens em comprar produtos por meio de sites internacionais. O prazo na entrega foi considerado a principal delas, mencionado por 62%. Em seguida, os internautas citaram  a incerteza de que o produto será entregue (50%), o risco de apreensão da compra ou cobrança de impostos pela Receita Federal (48%) e o pagamento de taxas de importação (40%). Além disso, metade admite receber com frequência os itens adquiridos fora do prazo (50%).

Ainda segundo a pesquisa, três em cada dez compras são recebidas em um intervalo de 31 a 60 dias (30%), enquanto 26% dos produtos adquiridos chegam entre 61 a 90 dias. Em média, o prazo para a entrega de compras em sites internacionais é de 67 dias. Quanto aos custos de entrega, 51% afirmam ter pago frete na última compra feita e 63% dos compradores não tiveram de pagar impostos de compras internacionais no Brasil. Outro dado mostra que 58% dos consumidores digitais adquiriram algum produto em sites do exterior nos últimos três meses e em média foram feitas três compras no período.

Entre os fatores levados em conta ao realizar uma compra em sites fora do país, em primeiro lugar está o preço baixo (65%). Depois, os internautas destacam a segurança do sistema de pagamento (51%) — percentual que aumenta para 59% entre os homens —, o fato de ser uma loja conhecida (49%), o site ser traduzido para o português (43%) e a experiência de outros compradores (29%).

Para o educador financeiro do Meu Bolso Feliz, José Vignoli, um ponto de atenção é a possiblidade de fraude. Se no Brasil é preciso cuidado com sites duvidosos, os riscos de golpes são ainda maiores com as compras virtuais no exterior. “É preciso redobrar a atenção e pesquisar bem sobre o site. Vale a pena olhar quem já comprou e analisar os depoimentos, como reclamações, por exemplos. Trocas e devoluções costumam ser mais difíceis de se resolverem”, orienta.

No estudo foram entrevistados consumidores das 27 capitais brasileiras, entre homens e mulheres, com idade igual ou maior a 18 anos, de todas as classes econômicas que fizeram compra pela internet no último ano. A amostra de 815 casos foi feita em um primeiro levantamento para identificar o percentual de pessoas que compraram pela internet nos últimos 12 meses. Em seguida, continuaram a responder o questionário 611 casos, que fizeram alguma compra ao longo deste período. A margem de erro é de 3,4 pontos percentuais para um intervalo de confiança a 95%. Baixe a íntegra da pesquisa em https://www.spcbrasil.org.br/pesquisas

6

Set

Mercado

Receita Federal declarará inaptos 3,4 milhões de inscritos no CNPJ por omissão de declaração

A Receita Federal está intensificando as ações para declarar a inaptidão de inscrições no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) de contribuintes que estejam omissos na entrega de escriturações e de declarações nos últimos 5 anos, em especial das Declarações de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF).

O Ato Declaratório Executivo (ADE) de inaptidão passará a ser publicado no sítio da Receita Federal na internet pela Delegacia da Receita Federal do domicílio tributário do contribuinte.

Estima-se que até 3,4 milhões inscrições no CNPJ sejam declaradas inaptas até maio de 2019.
Para evitar a declaração de inaptidão de sua inscrição, o contribuinte deve sanear as omissões das escriturações e declarações dos últimos 5 anos.

Mais informações acesse www.idg.receita.fazenda.gov.br

4

Set

Mercado

Rio Grande do Norte ocupa primeiro lugar em leilão nacional de energia eólica

O Rio Grande do Norte foi destaque no leilão de energia A-6 realizado na última sexta-feira (31), pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). O RN ficou em primeiro lugar, com 742,30 MW de potência, de um total de 1.250,70MW. O segundo lugar foi para o estado da Bahia com 508,4MW. Para o leilão foram viabilizados 48 novos projetos no setor de eólica, e destes, 27 ficaram no Rio Grande do Norte. O total contratado somou R$ 23,67 bilhões.

O resultado positivo retrata o trabalho e a agilidade do IDEMA no trâmite para a liberação de licenças ambientais no setor eólico. Para o leilão de energia A-6, o setor de energias do Instituto intensificou os trabalhos de análise técnica e individual dos processos visando atender a demanda dos empreendimentos e enviar os projetos dentro do prazo determinado para o leilão.

“Os números concretizam o estado do Rio Grande do Norte como maior produtor de Energia Eólica do país. Como gestor, fico lisonjeado com o resultado do trabalho de uma equipe comprometida, que atua pelo desenvolvimento econômico e sustentável do estado e que vem colhendo os frutos de todo o esforço e empenho nesse projeto de fazer do RN, o estado número 1 em energia limpa do país”, ressaltou o Diretor Geral do IDEMA, Rondinelle Oliveira.

A viabilidade do número de projetos aprovados no leilão A-6 é também fruto da liberação dos linhões de transmissão e das subestações da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (CHESF), que permitem o escoamento da produção de energia. O Idema conseguiu destravar esses linhões.

Atualmente, são 137 parques em operação no Rio Grande do Norte, cerca de 60% deles instalados na atual gestão do Idema. Um trabalho que alia as necessidades empresariais, ao fortalecimento da economia de forma sustentável.

4

Set

Mercado

Pesquisa revela que quase metade dos jovens brasileiros está insatisfeita com o trabalho atual

Uma grande parcela dos jovens brasileiros revelou em pesquisa estar insatisfeita com o trabalho atual (43%). Mais da metade (56%) gostaria de trabalhar em uma empresa que incentive a geração de ideias e melhorias, 45% em companhias que permitem a comunicação aberta e transparente entre as pessoas e 38% em negócios com políticas de igualdade e inclusão. Os dados foram coletados no levantamento Jovens Transformadores, do Centro de Inteligência Padrão (CIP).

 “A questão do trabalho hoje é um grande conflito para essa juventude. Eles encaram com alguma insatisfação a maneira como eles trabalham”, destaca Meir. Isso tem a ver, segundo ele, com as transformações pelas quais a sociedade tem passado.

Por isso, passam tanto o engajamento com diversos temas da agenda política como uma visão diferente sobre o trabalho. Os direitos das minorias em sentido amplo (homossexuais, imigrantes, negros) são defendidos pela maior parte desses jovens (64%) e 75% se dizem engajados em causas ambientais.

Sobre as empresas, 55% acreditam que elas têm como único interesse fazer dinheiro e 36% não acham que as companhias estão empenhadas em melhorar a sociedade. Um quarto (25%) acredita que as empresas atuem para melhorar a sociedade. Já os empreendimentos que promovem o compartilhamento de bens e serviços, a chamada economia compartilhada, são vistos por 70% como algo que traz impacto positivo no mundo.

“Esse jovens conseguiram perceber que existem outras formas de organização do trabalho e se destacam por assumir propósitos, assumir causas”, define Meir.

Essas características, tendem, de acordo com ele, a provocar mudanças na forma desse contingente de mão de obra se relacionar com o trabalho. “Essa é a tendência que mais merecerá atenção das instituições nos próximos anos: a reinvenção do trabalho. De que forma poderemos acomodar os jovens, uma grande legião de trabalhadores, dentro de uma atmosfera de substituição digital, grande automação, pouca qualificação e aspiração em relação ao trabalho que traga propósito”, destaca.

Com informações da Agência Brasil

3

Set

Mercado

Senac RN abre processo seletivo para contratação de profissionais em Natal e Caicó

O Senac RN está com processo seletivo aberto para contratação de pessoas para seus quadros na Grande Natal e no município de Caicó. Há diversas oportunidades disponíveis para profissionais do segmento de Gestão e Administração, bem como vaga para Instrutor do Eixo de Beleza.

As inscrições estão disponíveis até amanhã (04). Para participar, os interessados deverão enviar seu Currículo, Formulário de Disponibilidade e documentos exigidos no Edital de acordo com o cargo, através do e-mail editalsenac@rn.senac.br. Deve constar obrigatoriamente no assunto do e-mail o cargo/função para o qual está se candidatando e a respectiva jurisdição, sob pena de desclassificação.

A seleção será realizada em duas etapas. A primeira será através da análise dos currículos, e a segunda por meio da avaliação de conhecimentos específicos. Só será permitido concorrer apenas a um cargo, ao qual o candidato deverá realizar a candidatura no ato da inscrição.

Todos os detalhes do processo seletivo estão disponíveis no Edital, que pode ser acessado no endereço www.rn.senac.br/trabalhe-conosco.

Presente no Rio Grande do Norte há mais de 70 anos, o Senac conta com cerca de 500 colaboradores no estado. A Instituição possui nove unidades fixas e três unidades móveis. Desde 2014, integra o ranking do Guia Você S/A – As 150 Melhores Empresas para Você Trabalhar, referência nacional em boas práticas na área de Gestão de Pessoas.

Confira as vagas disponíveis:

Natal e Grande Natal: Técnico Operacional I – Manutenção; Assistente Administrativo – Biblioteca; Analista Administrativo Jr. – Compras (Suprimentos) e Técnico Operacional II – Administrativo.

Caicó: Instrutor do Eixo de Ambiente e Saúde – Beleza (Cabeleireiro)

3

Set

Mercado

Propaganda educativa no trânsito contribui para redução das estatísticas de acidentes no RN

As campanhas de propaganda educativas do Detran (Departamento Estadual de Trânsito do RN) vem sendo uma marca positiva para diminuição dos acidentes e mortes no trânsito no Rio Grande do Norte. A cada levantamento feito no Hospital Walfredo Gurgel, em Natal, a constatação da redução. Em recente estudo revelado pelo HWG, comparando o ano todo, ou seja 2016 e 2017, o número de pessoas acidentadas com motos reduziu de 8729 para 8010, foram 719 ocorrências a menos, uma economia a saúde pública do Estado. As campanhas são assinadas pelo projeto Vidas no Trânsito do Ministério Público do RN.

A redução de 10% é comemorada pelo Diretor Geral do Detran, Eduardo Machado. Para ele, as campanhas refletem o dia-a-dia da população e tem uma planejamento muito claro. “As campanhas educativas, a publicidade educativa, são feitas para salvar vidas, e o resultado está aí, com esses novos números do Hospital Walfredo Gurgel, nosso maior hospital de trauma. É uma grande economia que o estado vem tendo com uma redução considerável”, comenta.

Para o publicitário Odemar Neto, diretor da Executiva Propaganda, agência licitada do Detran para desenvolver e criar as campanhas, os novos números comprovam que a campanha vem atingindo o objetivo.

“O Detran terá agora com nova campanha sobre motos em setembro, justamente no mês nacional do trânsito. A estratégia será reduzir cada vez mais acidentes. Os números ainda são muito altos e um custo absurdo para o Estado. O novo conceito da campanha sugere reflexão ao piloto sobre as consequências de seus atos em cima da moto, principalmente a pressa de ganhar alguns segundos que podem ser fatais”, conta Odemar Neto.

1

Set

Mercado

Justiça está próxima de 83,4% da população brasileira

No Brasil, 83,4% da população reside em municípios que são sede de comarcas numa demonstração da elevada capilaridade do Poder Judiciário no País. A informação integra o relatório “Justiça em Números”, produzido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e apresentado ao público na segunda-feira (27/8).

A edição 2018 da publicação com dados referente ao ano de 2017 informa que o primeiro grau do Poder Judiciário está estruturado em 15.398 unidades judiciárias – 20 unidades a mais que em 2016.

No desdobramento das unidades judiciárias, 10.989 constituem varas estaduais, trabalhistas e federais (71%); 1.606 (10,4%) são juizados especiais; 2.771 (18%) compõem zonas eleitorais; 13 são auditorias militares estaduais; e 19 são auditorias militares da União.

A maior parte dessa estrutura pertence à Justiça Estadual, que conta com 2.697 comarcas e 10.035 varas e juizados especiais em uma distribuição que favorece a aproximação da Justiça à população.

População e território

Do total de municípios brasileiros, o “Justiça em Números” informa que quase a metade, 48,4%, é sede de comarca. Tais comarcas possuem grande concentração populacional, o que explica a capilaridade dos serviços jurisdicionais disponíveis.

Com essa rede, as unidades da Federação com maior cobertura de serviços à população são Distrito Federal (100%), Rio de Janeiro (99,6%), Ceará (99,7%), Amazonas (99,5%) e Amapá (98%). Em situação inversa encontram-se os estados do Pará (48,9%), Espírito Santo (44,7%), Alagoas (49%) e Sergipe (42,2%) com menos da metade da população residente em sede de comarca.

Em outro dado sobre a distribuição territorial dos serviços jurisdicionais, o “Justiça em Números” relata que os maiores índices de habitantes por unidade judiciária de primeiro grau estão no Maranhão e no Pará, com mais de 7.699 habitantes por unidade judiciária, seguidos pelo estado do Amazonas. “Esses três Estados possuem 9% da população brasileira, 37% da extensão territorial do Brasil e apenas 7% das unidades judiciárias”, informa a publicação.

Despesas e força de trabalho

Em um vasto panorama da Justiça brasileira, o “Justiça em Números” informa que em 2017 a despesa total dos órgãos do Poder Judiciário foi de R$ 90,8 bilhões, 4,4% maior em relação a 2016.

Desse total, R$ 82,2 bilhões foram destinados a recursos humanos e o restante a outras gastos, incluindo despesas correntes e de capital. Com isso, em 2017 o custo pelo serviço de Justiça foi de R$ 437,47 por habitante, R$ 15,2 a mais do que em 2016.

Com informações CNJ