Mercado

21

Fev

Mercado

Confiança da indústria potiguar é a mais alta em oito anos, mostra pesquisa ICEI/FIERN

Em fevereiro, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) potiguar, elaborado com base na Sondagem realizada entre os dias 1 e 13 do mês, subiu 3,6 pontos, passando de 59,9 para 63,5 pontos, revelando que os empresários potiguares estão confiantes (valores acima de 50 pontos indicam confiança). Com esse aumento, o ICEI chegou ao maior valor para um mês de fevereiro desde 2010, quando o indicador alcançou 66,8 pontos. Na comparação com fevereiro de 2018, o ICEI cresceu 7,8 pontos (55,7 pontos).

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) atingiu 63,5 pontos em fevereiro de 2019, o maior valor para o índice desde maio de 2011, quando registrou 63,9 pontos. Ademais, o indicador chega ao sétimo mês seguido de resultados positivos, acumulando alta de 14,1 pontos no período. Todavia, durante este período, a confiança vinha sendo alimentada apenas por expectativas otimistas em relação aos próximos seis meses. Na pesquisa de fevereiro, os empresários reportaram melhora nas condições atuais após uma série de, praticamente, 70 meses apontando piora.

Na opinião dos empresários potiguares, as condições atuais (relativas à situação da economia nacional e à da própria empresas e excetuando-se à do estado) melhoraram na comparação com os últimos seis meses. No que diz respeito às expectativas para os próximos seis meses, observa-se um aumento do otimismo ante o levantamento de janeiro. A pesquisa mostra também que os empresários de todos os portes e segmentos industriais do Rio Grande do Norte se mostram mais confiantes.

De acordo com a CNI, o ICEI nacional caiu 0,2 ponto entre janeiro e fevereiro, passando de 64,7 para 64,5 pontos, mostrando que os empresários permanecem confiantes. Com esse pequeno recuo, o ICEI interrompe sequência de quatro altas consecutivas, período no qual o indicador acumulou aumento de 11,9 pontos. Apesar disso, a confiança do empresário brasileiro segue elevada. O ICEI situa-se 5,7 pontos acima do registrado em fevereiro de 2018 (58,8) e 10,1 pontos acima da média histórica do índice (54,4 pontos).

Fonte: Fiern

20

Fev

Mercado

Pequenos negócios elevam número de novas contratações no RN

O mercado de emprego celetista demonstra sinais de recuperação no Rio Grande do Norte. O saldo de empregos com carteira assinada, que é a relação entre admissões e os desligamentos, encerrou o ano de 2018 com 5.542 postos de trabalho, como resultado de número maior de contratações em comparação com as demissões. Um crescimento significativo em relação a 2017, quando o estado fechou o ano com um saldo de apenas 847 vagas criadas.

Grande parte desse avanço na geração de novos empregos no ano passado é de responsabilidade do segmento das microempresas, onde foi aberta a maior quantidade de postos de trabalho: 9.904 novas contratações. Com exceção das grandes empresas, que contribuíram com 4% da geração de novos empregos, as empresas dos demais portes – médias e pequenas - demitiram mais do que contrataram no ano, finalizando com saldos negativos.

Os dados da geração de empregos por parte das empresas de pequeno porte estão na edição especial do Boletim dos Pequenos Negócios, publicação elaborada mensalmente pelo Sebrae no Rio Grande do Nortepara apresentar o resultado dos principais indicadores da economia potiguar. Neste número 41, divulgado nesta terça-feira (19), o boletim faz uma síntese conjuntural de todos os meses do ano passado, trazendo os principais resultados acumulados ao longo de 2018. Para conferir o boletim completo e outros estudos feitos pela instituição, basta acessar o portal www.rn.sebrae.com.br, na seção ‘Estudos e Pesquisas’.

De acordo com esse levantamento do Sebrae, baseado nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia, as empresas de pequeno porte perderam 1.714 vagas em 2018, e médias e grandes, juntas, outras 2.648 vagas. Por isso, as microempresas desempenharam um papel fundamental para o saldo de empregos formais terminar o ano positivo no Rio Grande do Norte.

Foto: Divulgação/ Fonte: Sebrae RN

20

Fev

Mercado

UNI-RN abre vagas para contratação de enfermeiros

O Centro Universitário do Rio Grande do Norte (UNI-RN) deu início nesta terça-feira ao processo seletivo para contratação de enfermeiros. As inscrições devem ser realizadas até o dia 21 de fevereiro, próxima quinta-feira.  

É oferecida uma vaga com destino de atuação na Clínica de Enfermagem do UNI-RN. Para participar do processo, os interessados devem enviar currículo para o e-mail  rhcurriculo@unirn.edu.br

A seleção será realizada por meio de análise de currículo e entrevista. É requisito para concorrer a vaga possuir graduação em enfermagem e registro no Conselho Regional de Enfermagem, além de ter experiência profissional comprovada na área Clínica e Clínica Escola. Confira o edital do processo no LINK

20

Fev

Mercado

Mobister seleciona profissionais nas áreas de tecnologia e desenvolvimento

A agência de marketing digital Mobister está selecionando dois profissionais das áreas de tecnologia e desenvolvimento para compor a equipe da empresa. Para participar da seleção os candidatos devem preencher o formulário https://goo.gl/forms/lScAi7yGnDaU6ZaX2 e fazer um teste de conhecimento https://github.com/tccmbr/mobdev/tree/master.

Entre os pré-requisitos estão Lógica de Programação; Orientação a objetos; Design Patterns; Metodologias Ágeis e Boa comunicação. Caso os interessados tenham alguma dúvida sobre o processo podem escrever para contato@mobister.com.br.

Com cerca de 10 anos atuando no mercado potiguar, a Mobister já entregou mais de 2 mil projetos contando atualmente com 20 colaboradores.

19

Fev

Mercado

CDL Natal discute com empresários estacionamento rotativo em vias públicas

A CDL Natal retomou com a Prefeitura do Natal o diálogo sobre a implantação de estacionamento rotativo no comércio de rua da capital potiguar. A ideia é dar maior rotatividade de veículos no comércio de rua, fazendo com que aumente o fluxo de consumidores nas regiões onde hoje é considerado escasso de vagas para estacionamento.

A falta de vagas é inclusive considerada por empresários das regiões do Centro da Cidade e Alecrim por exemplo, como sendo uma das principais causas da queda de fluxo de consumidores.

O modelo do projeto de estacionamento rotativo será apresentado aos empresários na noite dessa quarta-feira 20/02, às 18hs, na sede da CDL, localizada na rua Ceará-Mirim, para que os lojistas e a população em geral possam debater sobre o assunto.

19

Fev

Mercado

Artesãos potiguares comemoram faturamento atingido na Fiart 2019

Com o apoio do Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por meio da Secretaria de Estado do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social (Sethas-RN) e Governo Cidadão via empréstimo com o Banco Mundial, os cerca de 250 artesãos, que participaram da Feira Internacional de Artesanato (Fiart), venderam R$ 660.584,00 mil em produtos, nos 10 dias do evento. A Fiart foi realizada no Centro de Convenções de Natal, entre o dia 31 de janeiro e 03 de fevereiro.

Foram mais de 7 mil produtos vendidos de todas as tipologias como Esculturas, brinquedos, pinturas, roupas, objetos decorativos, utensílios, cama, mesa e banho. O espaço do Governo ocupou uma área de 1.400 metros quadrado, com seis salões de mestres e cerca de 50 estandes.

“Esse número de vendas mostra o quanto o artesanato potiguar é importante para economia. Em apenas 10 dias esses artesãos venderam milhares de produtos. Precisamos investir em mais espaços de comercialização para que o artesão comercialize na sua região e que ele ganhe autonomia financeira. O Proarte-RN vai buscar atuar na interiorização do artesanato, de modo articulado a interiorização do Turismo, para que nosso artesanato seja ainda mais valorizado, dentro e fora do estado”, ressaltou a secretária da Sethas-RN, Iris de Oliveira.

Esse ano foram beneficiados artesãos de 44 municípios, 43 associações, 05 cooperativas, 12 empreendimentos solidários, além de instituições públicas como a Fundase-RN com artesanato dos socioeducandos, o "Projeto Tranforme-se" com artesanato produzido pelas internas da penitenciária João Chaves e a Central de Comercialização da Agricultura Familiar (Cecafes).

Atualmente, o artesanato potiguar consolida-se como uma fonte de renda para famílias que buscam melhorias nas condições socioeconômicas. Buscando incentivar essa cadeia produtiva, o Programa do Artesanato do Estado do Rio Grande do Norte (Proarte-RN), atua na valorização, divulgação e comercialização dos trabalhos realizados por artesãos independentes, associações, cooperativas e grupos de produções dos 167 municípios. O programa também incentiva a participação dos artesãos potiguares em feiras, exposições e eventos, realiza o cadastro dos artesãos e emite a Carteira Nacional do Artesão. 

Foto: Anderson Santos

18

Fev

Mercado

Carnaval vai movimentar R$ 6,78 bilhões e gerar 23 mil vagas em todo o Brasil

O carnaval de 2019 deve impulsionar a receita das atividades turísticas no País, com uma alta de 2,0% na comparação com 2018, gerando movimentação financeira de R$ 6,78 bilhões, segundo estimativa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A combinação de inflação baixa e dólar aproximadamente 20% mais caro, em relação ao início do ano passado, o que favorece os gastos com o turismo no território nacional, vai gerar o primeiro crescimento na receita do setor para o período festivo, após três anos de quedas consecutivas.

“Neste ano, a massa de rendimentos está mais favorável e mais pessoas estão ocupadas. Isso, em um ambiente de inflação baixa e crédito mais barato, beneficia gastos não essenciais”, explica Fabio Bentes, economista-chefe da Confederação. Para ele, a conjuntura econômica também favorece aumento do fluxo de turistas dentro do País.

Geração de vagas

Para atender ao aumento sazonal de demanda, a CNC estima a contratação de 23,6 mil trabalhadores temporários entre janeiro e fevereiro de 2019, alta de 23,4% em relação ao carnaval de 2018 (19,1 mil) e o maior contingente de temporários desde 2015 (21,2 mil). Com aproximadamente 18,4 mil vagas ofertadas, o segmento de serviços de alimentação deverá ser o responsável por cerca de 78% das oportunidades geradas.

Segmentos em alta

Os segmentos de alimentação fora do lar, como bares e restaurantes, devem movimentar R$ 4,1 bilhões, seguido pelo de transporte rodoviário, com R$ 859,3 milhões, e o de serviços de meios de hospedagem, que vão faturar R$ 774,3 milhões. Juntas, essas atividades vão responder por mais de 84% da receita gerada com o carnaval.

Regiões

Os Estados do Rio de Janeiro (R$ 2,1 bilhões) e de São Paulo (R$ 1,9 bilhão) vão ser responsáveis por 62% da movimentação financeira durante a folia, seguidos por Minas Gerais (R$ 615,5 milhões), Bahia (R$ 561,9 milhões), Ceará (R$ 320 milhões) e Pernambuco (R$ 217,6 milhões). Os demais estados, juntos, contabilizam pouco mais de R$ 1 bilhão de reais.

Fonte: Fecomércio

12

Fev

Mercado

Natal terá primeiro Bazar Fora do Padrão próximo sábado

Incentivando o empreendedorismo feminino, o Bazar Fora do Padrão promove na no próximo sábado (16) sua segunda edição na Natal Tattoo Tirol em clima de carnaval. Durante o evento, serão vendidas peças de roupas a partir do tamanho 44.

Idealizado por Luciene Ferreira, Carla Nogueira, Cecília Oliveira e Alana Cascudo, o bazar mostra mais uma vez que beleza não tem limite de peso, além de promover o consumo consciente. Serão vendidas peças com preços que variam de R$1,00 a R$99,99 reais. Adereços carnavalescos também estarão à venda.

A programação conta ainda com debate sobre autoestima com o título ‘Sobre ser gorda na sociedade: empoderamento e desconstrução’, além de discotecagem, foodtrucks, sorteios, apresentação de dança do ventre com Michele Oliveira e workshop de maquiagem carnavalesca com Ynna Borges.

Fora do Padrão é promovido pelo blog Apartamento 702, e conta com apoio da Natal Tattoo, Massas Jucurutu, Bella Sempre Moda Grande, Amanditta Modas, Estúdio Carlota, Will Makeup, Que tal Lingerie, Bárbara Cosméticos, Pudim Artesanal e Doce Chocolates.

Foto: Lucélia Stevenin

8

Fev

Mercado

Natal Shopping apresenta tendências de varejo para lojistas em evento seleto

Depois de mais de 15 anos frequentando a National Retail Federation (NRF), maior feira de varejo do mundo, a Ancar Ivanhoe, uma das maiores plataformas de shopping centers do país, repete a dose e realiza a segunda edição do Pós-NRF em cinco cidades do Brasil, com o objetivo de apresentar as tendências e o rumo do segmento aplicados na prática. O evento acontece na sala 1 da Cinépolis do Natal Shopping na próxima quarta-feira (13), a partir das 8h, com um welcome coffee para os lojistas convidados. O evento conta com a parceria do Clube de Diretores Lojistas (CDL).

Com início no Rio de Janeiro, o ciclo de palestras também passa por Fortaleza, Cuiabá e Porto Velho e conta com as presenças de Gustavo Schifino, presidente do Conselho de Ética da ABF e Tiago Mello, diretor de Operações da M.Officer, além de Mariana Carvalho, sócia da Ancar Ivanhoe e o time de superintendentes dos shoppings da rede. Dentre os conceitos debatidos estarão a experiência do consumidor, os valores e propósito da marca, além do meio pelo qual se pratica o varejo, integrando o físico com o digital.

O evento, tradicionalmente realizado por empresas de consultoria, busca consolidar os conceitos aprendidos durante a feira e, alinhado com o plano estratégico da companhia, dividir com os lojistas convidados qual o perfil e o que motiva a compra desse novo consumidor, mais exigente e consciente.

“Como uma grande plataforma, temos usado cada vez mais nossa rede para aprimorar todos aqueles que, juntos com a gente, fazem o nosso negócio acontecer. Por isso, pela segunda vez, estamos promovendo um road show pelo país para que nossos lojistas possam aprender e encontrar soluções práticas para um futuro em que o universo digital e físico se integre”, analisa Evandro Ferrer, CEO da Ancar Ivanhoe.

Nos últimos anos, a NRF tem pautado o planejamento estratégico da empresa e promovido a implementação de diversos projetos de inovação na companhia. Dentre eles está um investimento de cerca de R$ 4 milhões no aprimoramento de sistemas e criação de uma frente de inovação focada em estudar soluções omnichanels para o negócio. Outro grande projeto foi o desenvolvimento da área de CRM na empresa que busca, a partir do comportamento digital do cliente, criar campanhas hipersegmentadas para influenciá-lo no mundo offline.

A partir da NRF ainda surgiram projetos como comitês de cliente voltados para a geração Millennials, a universidade corporativa desenvolvida para os lojistas, assim como a implementação de uma agência digital interna para desenvolver Marketing de Conteúdo especificamente focado no resultado do negócio. O projeto mais recente é a integração entre o físico e o digital com o apoio de ferramentas de delivery como o Delivery Center.

“Trouxemos os melhores insights debatidos na maior feira de varejo do mundo de maneira totalmente gratuita para nosso principal parceiro: o lojista. O varejo está mudando rápido e precisamos repensar a maneira com a qual estamos falando com os nossos consumidores ou ficaremos para trás”, conclui Ferrer.

5

Fev

Mercado

Infração de dirigir sem possuir CNH é a mais notificada pelo Detran

O Departamento Estadual de Trânsito do RN (Detran) registrou por mais um ano a infração de “Dirigir sem possuir CNH ou Permissão para Dirigir” como a primeira no ranking das autuações de trânsito assinaladas durante o ano de 2018 na área de jurisdição do órgão. O dado apontado pelo setor de Estatística do Departamento informa que 4.875 infrações dessa natureza foram notificadas no decorrer do ano, correspondendo a 22,30% do total de multas catalogadas no sistema do Detran no período.

Em números absolutos, esse tipo de infração teve uma queda quando comparado com o ano anterior. Nesse caso, foram notificadas 5.254 infrações em 2017, resultando numa queda de 379 autuações em 2018. O percentual de queda foi de 7,2%. Já no ranking geral, em 2017 a infração de dirigir sem possuir documento de habilitação também estava no topo da lista, correspondendo a 22,45% de todas as multas registradas pelo Detran naquele ano.

De acordo com os dados, a infração de conduzir veículo por motorista não habilitado é mais presente nos municípios do interior do Estado. Nesse caso, é comum as blitzen de fiscalização flagrarem menores de idade pilotando, principalmente, motocicletas ou ciclomotores, o que resulta num perigo maior para segurança no trânsito, já que esses tipos de veículos são os que mais se envolvem em acidentes.  

Dirigir sem possuir CNH é registrada no Código de Trânsito Brasileiro (CTB) como infração de natureza gravíssima, com notificação de 7 pontos na CNH do proprietário do veículo automotor conduzido por cidadão não habilitado. O valor da multa gravíssima é multiplicado pelo fator três, o que elevar a multa para R$ 880,41. Outra punição administrativa é que o veículo fica retido até a apresentação de um condutor habilitado.

4

Fev

Mercado

Número de pessoas que trabalham menos horas do que gostariam chegou a recorde em 2018

A quantidade de pessoas que trabalham menos horas do que gostariam (subocupados) foi recorde em 2018, mostram dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), por meio da pesquisa Pnad Contínua, divulgados  últimana quinta-feira (31). Em 4 anos, este contingente saltou 45,7%.

O IBGE classifica como subocupadas por insuficiência de horas as pessoas de 14 anos ou mais que trabalhavam menos de 40 horas por semana, mas gostariam de trabalhar mais e estavam disponíveis para isso nos próximos 30 dias.

No trimestre encerrado em dezembro de 2018, o número de pessoas nesta condição chegou a 6,9 milhões – o maior já registrado na série histórica do IBGE, iniciada em 2012. Com isso, a população com poucas horas de trabalho cresceu 11% na média de 2018. Isso se traduz em mais 662 mil pessoas subocupadas na comparação com o trimestre encerrado em dezembro de 2017, segundo a PNAD.

‘Desemprego parcial’

A subocupação pode ser vista como um “desemprego parcial”, embora ela ajude a reduzir a taxa de desocupação do IBGE, explica o professor da USP e especialista em trabalho Hélio Zylbertajn. “As causas deste aumento são as mesmas do desemprego: o desaquecimento da economia que ainda persiste”, explica. A taxa de desemprego no Brasil ficou em 11,6% no trimestre encerrado em dezembro do ano passado, atingindo 12,2 milhões de brasileiros.

Segundo o professor da USP, uma pessoa que trabalha 20 horas por semana e gostaria de trabalhar 40 está numa espécie de subemprego, embora possa ter registro em carteira. Zylbertajn descarta a relação do aumento de subocupados com a criação de vagas de trabalho intermitente, modalidade implementada pela reforma trabalhista.

Em 2018, foram criadas pouco mais de 50 mil vagas de trabalho intermitente, segundo o ministério da Economia, número considerado baixo pelo professor da USP. “Esse aumento [da população desocupada] não tem a ver com a reforma trabalhista. Os intermitentes já eram informais antes e agora têm registro em carteira”, diz.

Taxa de subutilização ficou em 23,9%

Os subocupados compõem a chamada taxa de subutilização, que também inclui a população desocupada (que procuraram trabalho e não encontraram) e a força de trabalho potencial (aqueles que podem trabalhar, mas não procuram). A taxa de subutilização ficou em 23,9% no trimestre encerrado em dezembro, uma redução de 0,3 ponto percentual em relação ao trimestre anterior, quando estava em 24,2%. Já no confronto com o mesmo trimestre de 2017, a taxa ficou estável. Já na média anual, esta taxa subiu 0,5 ponto percentual, de 23,9%, em 2017, para 24,4% no ano passado, segundo o IBGE.

 

24

Jan

Mercado

Aéreas brasileiras transportaram 103 milhões de passageiros em 2018

As empresas aéreas brasileiras transportaram 103 milhões de passageiros em voos domésticos e internacionais no ano passado. De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), esse número representa aumento de 4,1% em relação ao ano anterior. Os dados fazem parte do relatório Demanda e Oferta do Transporte Aéreo.

Segundo a agência reguladora, a elevação no mercado doméstico em 2018 foi de 3,3% ante o ano anterior. Nesse mercado, as empresas brasileiras, juntas, transportaram 93,6 milhões de passageiros, contra 90,6 milhões no ano anterior. Este foi o maior resultado do indicador nos últimos três anos.

O relatório mostra também que as aéreas brasileiras transportaram um número maior de passageiros no mercado internacional em 2018, aumentando esse índice em 11,9% em relação ao ano anterior, registrando um total de 9,4 milhões de passageiros.

Com informações da Agência Brasil

23

Jan

Mercado

Sebrae apresenta projetos para o turismo e microempresa em audiência com o Governo do Estado

A Lei Geral da Micro e Pequena Empresa e o Projeto Natal na Segunda Guerra Mundial foram temas da audiência entre o Governo do Estado e o Sebrae-RN, na tarde desta terça-feira (22). O projeto para a criação da Lei Geral é uma iniciativa que visa valorizar e dar segurança jurídica às micro e pequenas empresas do Rio Grande do Norte, bem como proporcionar uma maior abertura de mercado nos mais diversos segmentos. “Este é um pleito antigo do Sebrae. Na maioria dos municípios do RN existem leis municipais que regulamentam a atuação das micro e pequenas empresas, mas a criação da lei estadual será um marco regulatório que favorecerá o desenvolvimento econômico potiguar”, enfatizou José Ferreira de Melo Neto, Diretor Superintendente do Sebrae-RN.

Sobre a lei, a governadora Fátima Bezerra destacou que a iniciativa comunga com o plano de governo. “Vamos trabalhar para que ainda no primeiro semestre deste ano, possamos ter esta lei aprovada na Assembleia Legislativa. Incentivar o desenvolvimento das micro e pequenas empresas é uma das metas do nosso plano de governo”, disse. Para Jaime Calado, Secretário de Desenvolvimento, a insegurança jurídica é uma das principais reclamações do pequeno empreendedor. “A lei estadual beneficiará a todos, pois traz segurança jurídica para o microempresário e para o contratante”, afirmou.

Outro assunto discutido na audiência foi o turismo do Rio Grande do Norte. O Sebrae-RN apresentou o projeto “Natal na II Guerra Mundial”, que tem como objetivo criar novos roteiros com o foco no potencial histórico do Estado. Além dos roteiros de sol e mar, comuns a outras capitais brasileiras, Natal é a única capital do País que foi base dos Estados Unidos durante o período da II Guerra Mundial. A iniciativa promove o turismo para o turista brasileiro e estrangeiro, valoriza a cultura e a história do RN pouco explorada até os dias atuais. Sobre o projeto a Governadora destacou: "É uma excelente iniciativa. Vamos capitanear este projeto por meio da SETUR tendo o Sebrae como parceiro, gerando desenvolvimento, emprego e renda", ressaltou.

Pelo Governo, além de Fátima, participaram da reunião o vice Antenor Roberto, os secretários Carlos Eduardo Xavier (Tributação), José Aldemir Freire (Planejamento e Finanças), Jaime Calado (Desenvolvimento Econômico), Ana Maria Costa (Turismo), Fernando Mineiro (Gestão de Projetos e Articulação Institucional). Pelo Sebrae, Marcelo Fernandes de Queiroz (Presidente do Conselho Deliberativo), José Ferreira de Melo Neto (Diretor Superintendente), João Hélio Cavalcanti (Diretor Técnico) e Marcelo Saldanha Toscano (Diretor de Operações). O Senador Jean Paul Prates também participou da reunião.

23

Jan

Mercado

FMI revela que 20% dos jovens de países emergentes não estudam nem trabalham

Os jovens dos países em desenvolvimento estão enfrentando um ambiente perverso. Cerca de 20% da população de 15 a 24 anos não estuda nem trabalha, segundo um relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgado na úçtima terça-feira (22). A fatia apurada equivale ao dobro do observado nos países avançados.

A ausência de jovens do mercado de trabalho e da escola tem como principal consequência a redução do crescimento potencial dos países e aumento dos conflitos sociais, de acordo com o FMI. As economias emergentes costumam se beneficiar da entrada de novas pessoas no mercado de trabalho para acelerar o crescimento. Se essa força de trabalho não é bem utilizada, o avanço econômico dos países acaba limitado.

“A perda potencial implícita para a economia é agravada pela demografia – cerca de um terço da população em idade ativa nos mercados emergentes e nas economias em desenvolvimento é composta por uma população jovem, quase o dobro da participação observada nas economias avançadas”, escreveu o FMI no relatório.O estudo também mostrou que, apesar de o desemprego juvenil ter recuado nos anos 2000, ele segue elevado nos países emergentes, em 18%. Nas economias avançadas, é de 12%.

Uma das explicações para os resultados ruins do mercado de trabalho entre jovens se dá pela diferença de condição entre gêneros. Segundo o FMI, a taxa de mulheres que não trabalha nem estuda é de 30% nas economias emergentes. É o dobro do apurado entre homens jovens na mesma posição.“Essa discrepância pode ser explicada pela consequência econômica de ter filhos”, disse o FMI.

Políticas necessárias

De acordo com o FMI, várias políticas podem ajudar a melhorar a condição do jovem no mercado de trabalho. A melhora da educação, por exemplo, é fundamental, mas sozinha não deve resolver. Também será preciso, de acordo com o órgão, adotar medidas que tragam a igualdade entre gêneros, melhorar as regulamentações do mercado de trabalho, com a limitação de regras excessivamente rigorosas, e incentivar o empreendedorismo.

18

Jan

Mercado

Número de mulheres em cargos de nível executivo aumenta 40%

Deu no Meio & Mensagem:

O Gender-Equality Index (GEI) 2019, realizado pela Bloomberg, selecionou 230 empresas comprometidas em serem transparentes em suas comunicação de gênero e em avançarem na igualdade entre homens e mulheres no ambiente de trabalho. O relatório, que permite que as empresas divulguem voluntariamente informações sobre como se engajam diariamente nessa conversa, afirma que 60% das companhias realizam revisões para identificar variações salariais baseadas em gênero, a fim de reduzir a diferença — que, em média, é de 20%.

Desde o ano passado, o relatório mais que dobrou de tamanho e, em sua mais recente edição, passa a incluir companhias de dez setores, sediadas em 36 países e regiões. Coletivamente, essas empresas possuem uma capitalização de mercado de US$ 9 trilhões e empregam mais de 15 milhões de pessoas, incluindo 7 milhões de mulheres.

O estudo analisa as empresas por meio de quatro áreas: estatísticas da companhia; políticas; envolvimento da comunidade; e produtos e serviços. As companhias que apresentam notas acima de um limite estabelecido globalmente, com base na extensão de suas divulgações, na obtenção dos melhores números e na conquista de políticas adequadas à categoria, são incluídas no GEI. Todas as empresas públicas podem enviar dados para a Bloomberg. Aquelas com títulos listados em uma bolsa de valores dos Estados Unidos e com capitalização de mercado de US$ 1 bilhão ou mais são elegíveis para inclusão no índice.

Segundo Peter Grauer, chairman da Bloomberg, maior transparência em torna da inclusão, no local de trabalho, ajuda as empresas a demonstrarem responsabilidade perante seus funcionários, investidores e comunidades. O profissional explica que o índice auxilia que as companhias meçam e gerenciam a igualdade de gênero em todas suas ações e negócios. “Também proporciona a essas organizações líderes uma oportunidade de inspirarem-se e desenvolverem melhores práticas”, acrescenta.

De acordo com dados do GEI, o número de mulheres em cargos de nível executivo aumentou em 40%, entre os anos fiscais de 2014 e 2017. Além disso, 34% das empresas possuem programas para recrutar mulheres que desejam retornar ao trabalho depois de uma pausa na carreira, e 68% das companhias analisam se seus conteúdos de publicidade e marketing afirmam preconceitos de gênero antes de serem publicados. “Estamos animados com o crescimento do índice, o que demonstra que, em todo mundo, mais organizações estão priorizando a transparência e a igualdade no local de trabalho”, disse Kiersten Barnet, manager do GEI.

Fonte: Meio & Mensagem, disponível em: http://www.meioemensagem.com.br/home/marketing/2019/01/17/numero-de-mulheres-em-cargos-de-nivel-executivo-aumentou-40.html