Mercado

4

Out

Após perder a mãe para o câncer de mama, potiguar cria projeto para recuperar autoestima de mulheres vítimas da doença

Todos os anos, este mês é conhecido como o ‘Outubro Rosa’, período em que são reforçadas as ações de conscientização e a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama.

Hoje trazemos uma matéria sobre o impacto que o câncer de mama teve na vida da potiguar Aline Costa, que perdeu a mãe para a doença, mas utilizou esse trauma para fazer a diferença na vida de diversas mulheres com a micropigmentação de aréolas.

A técnica permite fazer uma pigmentação nessa área, valorizando os seios. O pigmento é implantado na camada superficial da pele e devido ao peso molecular adequado, não atinge camadas mais profundas como acontece com uma tatuagem. O trabalho de micropigmentação da aréola enfoca as características naturais da área, principalmente em caso de mastectomia ou acidente, permitindo assim novos desenhos da aréola.

Há 21 anos, Dona Ludeni, mãe de Aline Costa, foi diagnosticada com câncer de mama e, na época, teve que fazer a remoção total de uma de suas mamas, a chamada mastectomia. Foram 12 anos de tratamento, onde ela não se reconhecia completamente, pela falta de um detalhe tão importante para a feminilidade, que é a mama. Dona Ludeni faleceu por causa da doença em 2012.

Aline, quando começou a trabalhar com a micropigmentação, colocou o curso de reconstrução aureolar como um foco total em sua vida, a fim de devolver a autoestima de mulheres que viveram o mesmo que sua mãe, de forma totalmente gratuita. Foi assim que surgiu o Projeto Reviver Mulher. “O objetivo é poder fazer por elas (mulheres), o que eu não pude fazer pela minha mãe, que foi vítima de câncer de mama e veio a falecer sem aréola”, afirmou.

“Essas mulheres vêm precisando de acolhimento e serem ouvidas. Entender essas dores é o principal, já que vivi isso em casa, com a pessoa que mais amei em toda minha vida! A principal missão nisso tudo é entregar cuidado e empatia para essas mulheres através de um serviço que irá devolver sua autoestima”, destacou Aline.

A profissional começou o projeto em 2018 e até hoje realizou cerca de 20  micropigmentações de aréolas. Quem quiser participar do projeto, basta procurar Aline pelo Instagram dela (https://www.instagram.com/alinecostamicropigmentacao/). 

Sou eternamente grata

Para mostrar a importância desse tipo de procedimento na vidas das mulheres, nada melhor do que conversar com uma que fez a micropigmentação da aréola.

A empreendedora natalense Fernanda Rafaela Hortência descobriu o primeiro câncer de mama bilateral aos 27 anos, ainda amamentando a filha de 1 ano 7 meses. “Fiz a mastectomia preventiva com preservação de bico e auréola. Depois de 7 anos  curada, aparece um cisto na mama esquerda, próximo do auréola,  bem sobre a pele. Dele eu suspeitei,  e pedi uma biopsia. E foi confirmado que o aquele cisto oleoso era um outro tipo de câncer de mama. 

No processo de tratamento, na mesa de cirurgia, foi percebido um aumento muito rápido do nódulo, e o cirurgião optou por não  preservar  a mama, e sim fazer a mastectomia radical. Tive que usar prótese de silicone por uns bons meses até fazer a cirurgia de reconstrução”, recorda.

Apesar de sempre estar bem consigo mesma em todos os aspectos e tendo feito a reconstrução do seio, Fernanda conta que viu na micropigmentação a oportunidade fazer algo a mais por ela. “Havia pensado em fazer uma tatuagem, mas como nada é por acaso, em pleno Outubro Rosa, uma amiga me indicou o projeto de Aline, resolvi aceitar o convite”.

O resultado, segundo Fernanda, não poderia ser melhor. “Estou muito satisfeita. A Aline me surpreendeu, me emocionou, ficou além das minhas expectativas. Projeto lindo que uniu perfeitamente, sou eternamente grata”.

3

Out

Magalu é listada entre empresas com mais mulheres no conselho administrativo

O índice de representatividade feminina no mercado corporativo ainda é baixo, mas algumas empresas têm procurado incluir cada vez mais as mulheres em seus conselhos de administração. Apesar disso, o esforço aumenta lentamente: nos últimos cinco anos, foram apenas 5,6% a mais de representatividade feminina nesse segmento.

Um levantamento conduzido pelo Nu invest (plataforma de investimentos que antes de ser adquirida pelo Nubank era chamada de Easynvest) em parceria com a Teva Indices, que desenvolve índices para fundos de ações brasileiros, aponta quais são essas companhias no Brasil. Anunciado nesta quarta-feira (29), o ranking avalia organizações presentes na bolsa de valores.

Entre elas, a primeira colocada é o e-commerce colaborativo Enjoei, que tem 60% do conselho formado por mulheres. A segunda posição é compartilhada pelo Banco BMG e pelas Lojas Marisa, com 50% cada. Em seguida, aparecem o grupo de logística Sequoia e TIM, com 43% e 40%, respectivamente. A lista das dez primeiras tem, ainda, a especializada em joias e acessórios Vivara (40%), o grupo de moda Guararapes (40%), a companhia do segmento de energia eólica Aeris (40%), Magazine Luiza (38%) e Banco do Brasil (38%). O critério de desempate é a maior capitalização de mercado.

Os resultados se referem a setembro e cada uma das empresas que aparece na pesquisa tem entre duas e quatro mulheres em seu conselho de administração. Paralelamente, mais de 57% das corporações não têm nenhuma mulher na diretoria, no conselho fiscal ou no comitê de auditoria. Das 7.819 vagas de liderança, apenas 1.160 são ocupadas por mulheres.

Benefícios da presença de mulheres

Ângela Tosatto, analista de investimentos do Nu invest, destaca que a presença feminina nos conselhos de administração traz benefícios às empresas. “Além de um quadro mais diverso e todo o benefício que essa estratégia traz para a gestão do negócio, a presença feminina auxilia as empresas a buscarem uma avaliação mais justa dentro dos critérios de ambiente, social e governança corporativa (ESG)”, diz.

Segundo ela, a valorização desses eixos, que são fatores não financeiros relevantes para as empresas, ajuda as organizações a obterem melhor avaliação no mercado. Ou seja, a aposta no aumento da presença feminina vai além da incorporação da diversidade no quadro de gestão.

A analista destaca que as empresas que aparecem no estudo são as que lideram a iniciativa no Brasil, mas que a maioria das empresas de capital aberto do país ainda tem um quadro pouco diverso. “Precisamos continuar a busca por ter mais mulheres em posição de comando para que todas as companhias possam chegar à igualdade de gênero.”

A Teva Indices é a única a medir quantitativamente a presença de mulheres na governança de empresas brasileiras. Para isso, usa ciência de dados e inteligência artificial. “É importante dar visibilidade à desigualdade”, avalia Gabriel Verea, CEO da Teva Indices. “Com esse tipo de informação, é possível fazer investimentos mais alinhados às próprias visões e convicções pessoais.”

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/mercado/magalu-e-listada-entre-empresas-com-mais-mulheres-no-conselho-administrativo-197362/

2

Out

Quatro dicas para investir em criptomoedas com segurança

As criptomoedas são ativos com um enorme potencial de crescimento, mas até que alcancem maior maturidade, seguirão incrivelmente especulativos e voláteis. Elas são uma forma descentralizada de dinheiro digital que elimina a necessidade de intermediários tradicionais, como bancos e governos, para transações financeiras. 

Por esta classe de ativos possuir baixa correlação com outros mercados e apresentar muita oscilação na demanda, existe muita instabilidade. Para se ter uma ideia, o Bitcoin, que é o criptoativo mais popular do mercado, valorizou mais de 100% no primeiro trimestre de 2021, mas fechou o segundo trimestre com uma queda de 41%. Sendo assim, é muito importante identificar quais oportunidades estão por trás deste tipo de investimento e como elas se encaixam ao seus objetivos.

Segundo Lucas Schoch, CEO e fundador da BItfy, primeira carteira multiuso para custódia própria de criptomoedas do Brasil, apesar dessa enorme volatilidade, o Bitcoin foi o ativo de melhor performance na última década, entregando retornos consistentes ano após ano. “Ao longo da história, aguardar mais de seis meses só trouxe resultados positivos ao investidor que comprou Bitcoin”, comenta.

Por serem uma classe de ativos independentes de bancos centrais e/ou instituições financeiras, os criptoativos também se mostram como uma alternativa de hedge, ou seja, um tipo de investimento que tem como objetivo proteger o valor de um ativo de futuras variações de carteira de investimentos em momentos de altas flutuações no mercado tradicional. “Por isso, hoje existe a alocação crescente de investidores institucionais em criptomoedas”, explica Schoch.

Como devo investir em criptomoedas?

Para um “broker” que já operou outros ativos e está acostumado a fazer análises gráficas e técnicas com a finalidade de comprar e vender no curto prazo e obter lucros a cada operação, a grande maioria dos criptoativos apresentam oportunidades - e também ameaças - com sua alta volatilidade. O CEO da Bitfy esclarece que, neste caso, o indicado é optar por uma corretora de confiança para custodiar seus ativos e que ofereça ferramentas e opções para entradas e saídas de posições dos mais variados cripto ativos.

Mas, se a pessoa investe sabendo que tais tecnologias podem trazer benefícios ao seu dia a dia mas ainda tem receio, ou mesmo se é um investidor que acredita que se trata de um mercado ainda pouco explorado, porém com bom potencial de expansão,, com enorme potencial de retornos assimétricos no longo prazo, Lucas Schoch separou algumas dicas para realizar um investimento com segurança: 

 - Utilize uma carteira digital - Possuir suas próprias chaves públicas e privadas para gerenciar suas moedas sem a necessidade de um terceiro é o ponto principal para se manter seguro. Ter a autonomia para efetuar transações rápidas, seguras, sem intermediários e com menor custo é a base da nova economia digital.

- Não invista mais do que você pode perder -  Ter as criptomoedas como parte de uma carteira é uma forma de diversificar os investimentos e fazer parte deste ecossistema tecnológico inovador. Mas é importante saber que o mercado é super volátil e que não há uma regulação clara que indique qual será o seu futuro. Sabendo que é possível ter altos lucros e também prejuízos, a recomendação é que se invista aos poucos, não excedendo 5% de seu patrimônio.

- Comece pelos ativos digitais mais consolidados - Diferente de empresas, em que o valor do equity é refletido na ação de uma empresa representado em moeda local e arbitrado pelo mercado financeiro, o valor de um criptoativo é reflexo do valor de sua blockchain e precificado por seus próprios participantes. Por isso, o recomendado é optar por moedas de maior capitalização de mercado, que são as mais seguras e melhores cotadas.

- Identifique o momento certo para comprar e vender, e tenha metas de retorno e saia quando atingi-las - Quando se trata de criptoativos, também vale a máxima: “comprar na baixa e vender na alta”.  Mesmo assim, por insegurança, é bastante comum ver novos investidores fazendo exatamente o contrário e se frustrando, pois ganham confiança para investir em momentos de alta e acabam comprando a preços elevados. Com isso, acabam se assustando quando o mercado sofre uma queda brusca e decidem sair de suas posições com desvalorização.  Antes de tudo, o investidor precisa ter sua estratégia predefinida, avaliar o potencial de ganho a longo prazo e manter a calma durante as fortes oscilações. 

1

Out

Agência de Fomento do RN bate recorde mensal de financiamentos em 2021

O mês de setembro foi responsável pelo maior número de financiamentos e valores financiados no intervalo de 30 dias na Agência de Fomento do RN (AGN-RN) no ano de 2021. Dentre os nove meses do ano, setembro resultou no apoio por meio de crédito a 886 empreendedores com um volume total injetado de R$ 3,8 milhões em apenas um mês.

Até então, o mês com o melhor desempenho no ano de 2021 em termos de recursos investidos era abril, quando R$ 3,3 milhões foram financiados no período. Já em termos de operações realizadas, o mês de agosto havia concentrado o melhor desempenho com 694 empreendedores atendidos pelas diversas linhas gerenciadas pela instituição financeira de desenvolvimento.

Somados os nove meses completos de 2021, a AGN financiou o total de R$ 25,1 milhões na economia do estado a partir de 5.149 empreendedores atendidos pelas alternativas de crédito disponibilizada pela instituição. Em média, são 572 negócios formais e informais de segmentos distintos atendidos por mês com a média de R$ 2,7 milhões injetados mensalmente. O resultado neste ano supera o volume total de recursos financiados anualmente entre 2015 e 2019.

A diretora-presidente da AGN, Márcia Maia, explica que o desempenho teve uma maior crescente a partir do mês de abril e que fatores com o avanço da vacinação contra Covid-19 no estado, o processo de reabertura gradual das atividades econômicas e o aumento da confiança dos empreendedores na perspectiva de a pandemia arrefecer contribuíram para o resultado alcançado pela instituição.

“A partir do cenário de confiança criado em torno da perspectiva dos efeitos nefastos da pandemia em nosso estado, o empreendedor passou a buscar crédito para seu negócio, impulsionar estoque, investir em infraestrutura ou mesmo em garantir capital de giro para essa retomada. E, aqui na instituição, fortalecemos o trabalho em termos de presença nos municípios ao longo dos meses e, apenas no mês de setembro, conseguimos contemplar negócios em mais de 40 cidades, com a maior parte delas, com nossa equipe presente nos locais, em contato direto com o empreendedor formal, informal ou mesmo o agricultor familiar”, explicou Márcia.

Para se ter uma ideia, entre os dias 28 de setembro e 1 de outubro, a Agência de Fomento do RN financiou R$ 1,056 milhão para 234 beneficiários de 23 cidades do RN, dentre microempreendedores formais, informais e agricultores familiares. A equipe atendeu negócios dos municípios de Assu, Carnaubais, Ipanguaçu, São Rafael, Porto do Mangue, Upanema, Caraúbas, Felipe guerra, Patu, Pau dos Ferros, Viçosa, José da Penha, Riacho da Cruz, São Miguel, Martins, Mossoró, Tibau, Umarizal, Lucrécia, Olho D'água dos Borges, Janduís, Fernando Pedroza e Pedro Avelino.

A AGN-RN alcançou, inclusive, a marca de RS 72 milhões investidos na economia do estado nos últimos dois anos e nove meses. Os recursos chegaram por meio de financiamento a 17.112 empreendedores dos quatro cantos do RN até 30 de setembro deste ano.

Entre 24 de março de 2020 - quando os primeiros decretos foram estabelecidos no RN em razão da pandemia de Covid-19 - e 30 de setembro de 2021, 10.239 empreendedores tiveram crédito concedido. O volume total de recursos injetados nesses negócios representa R$ 49,7 milhões em financiamentos.

1

Out

Melhor idade: vida profissional ativa é cada vez mais comum após os 60 anos

O filme Um Senhor Estagiário (2015), que tem as estrelas do cinema Robert De Niro e Anne Hathaway como protagonistas, já relatava no ano de seu lançamento os sabores e dissabores de chegar à terceira idade sem uma atividade profissional e com uma bagagem gigante que ainda poderia ser muito utilizada. 

Saindo das telas e trazendo para a realidade cotidiana, milhares de brasileiros que atravessam a fronteira dos 60 anos também passam por movimentos parecidos ao do personagem de De Niro. Segundo dados mais atualizados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apesar dos idosos serem uma parcela ainda pequena da população ativa no mercado, os números vêm aumentando, saindo dos 5,9% em 2012 para 7,2% em 2018, o que representa algo em torno de 7,5 milhões de brasileiros idosos na força de trabalho do país.

“Empresas mais atentas estão se dando conta que a diversidade de gerações dentro de uma companhia é algo saudável e gera maior produtividade. Nossos idosos hoje são das gerações baby boomer e X. São pessoas, que no geral, têm mais disciplina, são regradas e se sentem úteis ao passar seus conhecimentos e experiências. Se este entendimento for captado pelas corporações, certamente a empresa terá bons resultados, destinando parte de suas vagas para profissionais da terceira idade”, avalia a psicóloga e professora da Estácio, Jocely Burda.

Segundo a professora, ainda temos uma sociedade um tanto preconceituosa em relação à terceira idade por, limitadamente, achar que pessoas nesta faixa etária são mais lentas, menos ligadas à tecnologia ou por não fazer muitas atividades ao mesmo tempo, desconsiderando a valiosa experiência de vida que esses idosos possuem. “Cabe às empresas quebrarem essa barreira e extrair o que há de melhor dentro das gerações. Se dispostas, precisam entender como melhor acolher esse público bem como preparar o ambiente para que o mesmo possa ser acessível às pessoas da terceira idade”, lembra ela.

O Estatuto do Idoso, que neste dia 1º de outubro completa 18 anos, trata dos direitos dos idosos, incluindo aqueles relativos a trabalho e renda. Não é preciso encarar o documento como algo punitivo, mas sim como uma lei de orientação que permite valorizar o ser humano. “Respeitar essas regras não é somente fundamental pelo respeito às pessoas idosas, mas é também uma forma de preparar nosso próprio caminho, que converge para uma vida após os 60 anos”, diz a professora.

Saúde em dia

Para a médica e coordenadora de pós-graduação em Geriatria da Estácio, Dra. Menila Barbosa, ter uma vida profissional ativa após os 60 anos é algo benéfico. Porém, a pessoa precisa também ter a consciência de que o seu pique e ritmo não estão mais nos patamares de quando ela tinha seus 30 ou 40 anos. “Para que a profissão esteja alinhada à qualidade de vida nesta altura do campeonato é preciso uma rotina desacelerada, visando utilizar o máximo de sua experiência para a resolução das demandas. Nada de jornadas longas, exaustivas e sem folgas”, diz a geriatra.

Sabe-se ainda que na sociedade contemporânea muitos idosos são os provedores das famílias brasileiras. Logo, trabalhar acaba não sendo uma opção, mas sim uma necessidade efetiva para que se possa manter a renda familiar.

É preciso ter espaço na agenda para a realização de refeições saudáveis, exercícios físicos de rotina, lazer com a família e amigos e um tempo para si. Hoje, essas moedas são extremamente caras para a geração que se encontra no mercado de trabalho. “O idoso que está na ativa, por necessidade ou por opção, deve buscar fugir dessa correria, senão o efeito pode ser contrário e menos benéfico devido a uma demanda exaustiva”, explica a geriatra completando ainda, que “exames de rotina e consultas ao médico não podem sair da agenda por eventuais desculpas de uma agenda apertada devido ao trabalho”.

Já a psicóloga Jocely Burda faz um alerta com relação à socialização necessária nesta idade. “É saudável a pessoa manter o seu relacionamento com amigos, parentes e comunidade, isso faz a pessoa se sentir mais feliz, incita a compartilhar ideias e manter uma mente saudável. A rotina de um trabalho na terceira idade não pode comprometer essa convivência. Por isso é necessário sempre colocar na balança e buscar o equilíbrio”, ressalta.

Histórias inspiradoras

Até onde os sonhos podem nos levar? Joais Tavares de Morais (60) mirou alto e não deixou que a idade fosse um empecilho na sua jornada. Em 2018, aos 58 anos, após trabalhar quase três décadas no setor de geoprocessamento da Companhia de Águas e Esgotos do RN (Caern), ele concluiu o curso de Engenharia Civil na Estácio.

Joais faz parte de uma parcela da população que, além de ainda ter pique para continuar no mercado de trabalho, aproveita a melhor idade para voltar aos estudos e aumentar sua qualificação. Segundo o último Censo da Educação Superior do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), o número de idosos matriculados em cursos de graduação aumentou 46,3% entre 2013 e 2017. E a tendência é que o comportamento aumente com o crescimento da população idosa no país. 

“Como minha formação na área era de nível técnico, eu sempre tive interesse em adquirir mais conhecimento e me aperfeiçoar. Passei anos trabalhando no interior, em Pau dos Ferros, e pela distância e pela falta de oferta do curso que eu queria fazer, cursei Economia na UERN, mas continuei com o sonho da Engenharia Civil”, lembra. Anos depois, com a nota do Enem, ele seguiu a indicação do chefe de seu setor, fez a inscrição no curso e se formou com louvores, mesmo diante de outras dificuldades que surgiram. 

“Em 2017, eu fui diagnosticado com um tumor maligno no colo do intestino grosso e em novembro do mesmo ano, veio a cirurgia, com a quimioterapia porteriormente. Durante o tratamento da doença, passei um ano e dois meses usando a bolsa de colostomia que dificultava um pouco assistir aula, mas sempre fui muito aplicado, não sou de faltar às aulas, e tive muito apoio da família, dos colegas de curso, dos professores e da coordenação da unidade para que eu não desistisse”, conta. 

Depois da formatura, ele já completou uma pós-graduação em Patologia, terapia e reforço de concreto armado, e considera fazer uma segunda especialização em Cálculo Estrutural. “Gosto de aprender e, justamente na área de Engenharia, é uma realização pessoal muito grande”, afirma o engenheiro.

30

Set

Pequenos negócios somam 24,5 mil novas vagas abertas no ano

O Rio Grande do Norte continua em ritmo de recuperação dos postos de trabalho com carteira assinada perdidos, sobretudo na fase mais aguda da pandemia, e as micro e pequenas empresas têm desempenhado um papel decisivo nessa retomada das vagas de emprego. Em agosto, os pequenos negócios responderam por mais de 54% do total de novos empregos gerados no estado com a abertura de 4.058 novas vagas. O saldo de empregos no estado no oitavo mês do ano foi de 7.473 vagas geradas, o que posiciona o Rio Grande do Norte com o quinto melhor resultado entre os estados do Nordeste.

O dinamismo de novas contratações verificado no segmento das empresas de pequeno porte está sendo determinante para a economia potiguar. Porém, em agosto, as médias e grandes empresas também voltaram a apresentar resultados positivos, já que no saldo geral do mês não houve encerramento de vagas em nenhuma das organizações, independentemente do porte. As contratações nas médias empresas ultrapassaram as demissões em 1.301 vagas criadas, enquanto as grandes atingiram um saldo de 2.073 novos empregos no mês.

Esses dados constam no Mapa do Emprego no RN de agosto, uma publicação elaborada mensalmente pelo Sebrae no Rio Grande do Norte, que analisa a evolução das contratações e demissões formais, tendo como base os números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), referentes aos oito primeiros meses do ano, divulgados nesta quarta-feira (29), pelo Ministério do Trabalho e  Previdência. Desde janeiro do ano passado, o uso do Sistema do Caged foi substituído pelo eSocial (Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas) para as empresas, o que traz diferenças na comparação com resultados dos anos anteriores a 2019. O boletim está disponível para visualização e download no portal do Sebrae www.rn.sebrae.com.br.

Vestidos, Vestimenta, Confecções, Roupas

Ao longo do ano, os pequenos negócios acumulam a abertura de 24.501 novas frentes de trabalho no Rio Grande do Norte, ultrapassando o saldo total de novas vagas abertas entre os meses de janeiro e agosto, que foi de 23.957 empregos gerados. O resultado é superior porque, entre janeiro e maio, houve baixas consideráveis nas médias empresas, onde o número de demissões superou em muito as contratações, assim como também ocorreu nas empresas de grande porte.

Comparando as vagas abertas até agora no Rio Grande do Norte com o acumulado no mesmo intervalo do ano passado, verifica-se um crescimento notório e uma pronta recuperação do mercado de trabalho potiguar, uma vez que nos oito primeiros meses de 2020 o estado teve uma perda de 11,6 mil postos de trabalho, que foram encerrados.

Melhor agosto

O boletim analisa a série histórica para o mês de agosto desde 2012 e, neste ano, a geração de emprego bateu recorde no Rio Grande do Norte. Foi melhor resultado, seguido do mesmo período no ano passado, quando o saldo de empregos formais foi de 5. 094 vagas, e de agosto de 2013, com 4.486 novas vagas criadas. Em relação a agosto de 2020, houve um crescimento de 26,6% no quantitativo de novos empregos. O saldo de agosto do ano passado foi de 5.904 postos.

No mês passado, a indústria foi o ramo de atividade que registrou a maior quantidade de contratações, com 2.590 postos de trabalho criados. O setor agropecuário também apresentou crescimento semelhante com 2.424 novas vagas abertas. Nos setores de comércio, serviços e construção, os saldos foram de 1.182 vagas, 720 vagas e 557 vagas, respectivamente.

Continuous Research | How to Do Brand Awareness Tracking

O estudo do Sebrae-RN também mostra que a massa de trabalhadores empregados no Rio Grande do Norte atualmente chega a 456.198 pessoas contratadas com carteira assinada, o quinto maior estoque de empregos entre os estados nordestinos.

O Mapa do Emprego aponta ainda as regiões onde as contratações estiveram em alta ou em baixa no período. Em agosto, as oportunidades de novos empregos formais surgiram principalmente nos municípios de Natal, que gerou 1.929 vagas, e de Baia Formosa, com a criação de outras 1.056 vagas. Já Mossoró abriu no mês passado 1.016 novas vagas. As cidades, onde foram registrados os maiores números de fechamento de postos de trabalho, foram Patu (-103), Coronel João Pessoa (-59), Pedra Grande (-43), Caiçara do Rio do Vento (-30) e Goianinha (-24).

30

Set

Mês de setembro termina com alta nos pedidos de auxílio à doenças mentais no INSS

Rotinas exaustivas, assédios e insatisfação com o cargo ocupado têm sido os principais motivos de afastamento dos postos de trabalho no Brasil. Com isso, psicólogos, especialistas, órgãos públicos e empresas privadas tentam minimizar riscos de doenças mentais entre os colaboradores. O país fecha o mês de setembro, destinado à Campanha Setembro Amarelo, com aumento nos afastamentos por doenças mentais.

De acordo com dados do Ministério da Economia, no ano passado foram 576,6 mil afastamentos, uma alta de 26% em relação a 2019, e em 2021 os números devem aumentar. Segundo pesquisa divulgada pelo órgão, o transtorno misto ansioso e depressivo, como é identificado na Classificação Internacional de Doenças (CID), é a principal consequência apontada nos pedidos de benefícios ao Instituto Nacional de Seguro Social (INSS).

A pandemia da Covid-19 e o isolamento social também contribuíram para o aumento desses transtornos, como analisa Karen Fantine Oliveira, coordenadora do curso de Psicologia da Estácio. “O isolamento, a falta de contato, o medo do contágio e o número elevado de mortes fazem parte de um contexto que podem ter agravado (mudaria apenas isso no texto) o estado de quem já estava em sofrimento”, explica.

“Com a pandemia veio o isolamento e, com ele, o home office. No mesmo pacote também surgiram novas cobranças e uma mudança radical na rotina. O celular e as redes sociais ajudaram na comunicação, mas aumentou o tempo dedicado a responder todas as mensagens e demandas da empresa. Com a volta ao trabalho presencial, o nível de exigência continuou”, acrescenta Karen.

O retorno às atividades presenciais impactou a saúde física e mental dos trabalhadores: horas extras para cumprir as demandas em atraso, acúmulo de atividades, aumento de obrigações, tudo isso, segundo a psicóloga, pode causar ansiedade, síndrome do pânico, doenças cardiovasculares, estresse, sobrecarga, entre outros.

O fato é que, de acordo com a especialista, as empresas deveriam desenvolver ações não só durante o Setembro Amarelo, mas ao longo de todo o ano. No entanto, os dados de uma pesquisa realizada pela International Stress Management Association (Isma-BR) demonstram que apenas 18%  das empresas brasileiras possuem programas que foquem na saúde mental dos seus funcionários.

Ana Cláudia Medeiros, gestora de recursos humanos da Rui Cadete Consultores, defende a manutenção de atividades de promoção à saúde mental dos colaboradores. “Trazemos sempre especialistas para falar com as equipes. Mensalmente, temos um momento chamado “Falando sobre Emoções”, no qual escolhemos um tipo de emoção e conversamos sobre ela. É a hora de colocar tudo para fora, falar sobre o que a gente sente. Também desenvolvemos ações voltadas à saúde física, porque o cuidado com o corpo também impacta na saúde mental”, exemplifica.

A gestora argumenta que os colaboradores precisam estar bem emocionalmente para poder gerar bons resultados. É o que também aconselha a psicóloga Karen Fantine: “as empresas devem ter programas de prevenção e de apoio, assim como acolher e escutar os profissionais. É necessário descobrir a melhor maneira de conversar com cada funcionário, ter bem definidos os papéis e responsabilidades individuais e comunicar-se por meio de feedbacks que permitam ao funcionário analisar seu desempenho e ter mais segurança quanto ao emprego”, conclui. São iniciativas como essas que tornam o ambiente de trabalho mais agradável e acolhedor.

“Outra dica é gerar um clima organizacional saudável e a realização de atividades em conjunto com outros colegas de trabalho traz experiências prazerosas e incentiva o bom relacionamento entre os membros da equipe”, incentiva Karen. De acordo com ela, as empresas devem estar atentas a sintomas como: cansaço extremo, angústia, ansiedade, problemas de sono, irritabilidade, distanciamento e sensação de frustração constante. Caso identifique algum desses indicativos, deve-se buscar ajuda profissional com um psicólogo ou psiquiatra.

30

Set

Microempreendedores individuais têm até hoje para regularizar débitos

Termina hoje (30) o prazo para os microempreendedores individuais (MEIs) regularizarem o pagamento dos impostos devidos desde 2016 ou há mais tempo. Caso não quitem os tributos e as obrigações em atraso ou não parcelados, os MEIs serão incluídos na Dívida Ativa da União. A inscrição acarreta cobrança judicial dos débitos e perda de benefícios tributários.

De acordo com a Receita Federal, os MEIs que tiverem apenas dívidas recentes, em razão das dificuldades causadas pela pandemia de covid-19, não serão afetados. Também não serão inscritas as dívidas de quem realizou parcelamento neste ano, mesmo que haja alguma parcela em atraso ou que o parcelamento tenha sido rescindido.

Os débitos sob cobrança podem ser consultados no Programa Gerador do DAS para o MEI. Por meio de certificado digital ou do código de acesso, basta clicar na opção "Consulta Extrato/Pendências" e, em seguida, em "Consulta Pendências no Simei". O Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS) para quitar as pendências pode ser gerado tanto pelo site quanto por meio do Aplicativo MEI, disponível para celulares Android ou iOS.

Ainda é possível fazer o pagamento ou parcelamento das dívidas acessando o Portal e-CAC. O passo a passo sobre o parcelamento também está disponível no Portal Gov.br.

De acordo com a Receita, existem 4,3 milhões de microempreendedores inadimplentes, que devem R$ 5,5 bilhões ao governo. Isso equivale a quase um terço dos 12,4 milhões de MEIs registrados no país. No entanto, a inscrição na dívida ativa só vale para dívidas não quitadas superiores a R$ 1 mil, somando o valor principal, multa, juros e demais encargos. Atualmente, o Brasil tem 1,8 milhão de microempreendedores nessa situação, que devem R$ 4,5 bilhões.

Para ajudar na regularização, a Receita Federal disponibiliza os núcleos de Apoio Contábil e Fiscal (NAF), uma parceria com instituições de ensino superior que oferece serviços contábeis e fiscais a pessoas físicas de baixa renda, MEIs e organizações da sociedade civil.

Durante a pandemia, também há núcleos operando de forma remota. Os locais de atendimento e os respectivos contatos estão disponíveis na página da Receita Federal.

Dívida ativa

Com um regime simplificado de tributação, os MEIs recolhem apenas a contribuição para a Previdência Social e pagam, dependendo do ramo de atuação, o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) ou o Imposto sobre Serviços (ISS). O ICMS é recolhido aos estados e o ISS, às prefeituras.

Em caso de não pagamento, o registro da dívida previdenciária será encaminhado à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), para cobrança na Justiça, com acréscimo de 20% a título de encargos com o processo. Nesse caso, os débitos poderão ser pagos ou parcelados pelo portal de serviços da PGFN, o Regularize.

A dívida relativa ao ISS e/ou ao ICMS será transferida ao município ou ao estado, conforme o caso, para inscrição em Dívida Ativa municipal e/ou estadual. O MEI terá de pagar multas adicionais sobre o valor devido, de acordo com a legislação de cada ente da federação.

Com a inscrição em dívida ativa, o microempreendedor deixa de ser segurado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e perde benefícios como auxílio-doença e aposentadoria; tem o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) cancelado; é excluído do Simples Nacional pela Receita Federal, estados e municípios, que têm alíquotas mais baixas de imposto; e pode ter dificuldades para conseguir financiamentos e empréstimos.

Fonte: Agência Brasil

29

Set

Sebrae identifica alimentos regionais diferenciados no Rio Grande do Norte

Uma bebida artesanal feita com frutos típicos do Rio Grande do Norte, a flor de sal que é produzida em salinas potiguares, a tilapia cultivada com rastreamento, gêneros com certificação orgânica, alimentos com o selo de Indicação Geográfica (IG) ou produtos terroir, como é o caso do mel de Jandaíra e os queijos do Seridó. Esses são apenas alguns dos produtos que podem se candidatar para compor o catálogo de produtos com a cara do Rio Grande do Norte, que vão integrar uma grande ação de mercado para os Alimentos Brasileiros Diferenciados, com promoção desses produtos nacionalmente. O Sebrae no Rio Grande do Norte está identificando os itens que entrarão na lista.

Os produtores interessados podem se cadastrar gratuitamente até o dia 5 de outubro pelo link https://forms.office.com/Pages/ResponsePage.aspx?id=o7TF3kJYW0eig0UfSJJmuCtiYIsR8fNHsUFkkCQaDwZUQVJSOVlRUjA5RjVWQldETlFLNjhNMkNHQy4u/. Nessa primeira etapa, será feito um levantamento prévio dos empreendimentos com potencial para entrar no rol de alimentos diferenciados que carregam o DNA potiguar.

Serão considerados aqueles alimentos e bebidas in natura e processados que tenham as seguintes características: tradicionais, coloniais, típicos, regionais e artesanais. Também são levados em conta atributos adicionais, como ser orgânico certificado, estar no Comércio Justo, possuir certificações socioambientais, serem oriundos da biodiversidade, inovadores ou gourmet.

 

Para participar, os empreendimentos precisam ser um pequeno negócio produtor de alimentos, in natura ou processados, ou bebidas, Microempreendedores Individuais (MEI), Microempresa, Empresa de Pequeno Porte ou produtor rural. Além disso, é requisito fundamental atender a pelo menos um desses conceitos: Tradicional e Colonial Típicos e Regional Artesanal.

A ideia é dar visibilidade e ampliar a comercialização dos alimentos e bebidas diferenciados produzidos pelos pequenos negócios. Pesquisas indicam que 39% das empresas com produtos e serviços diferenciados aumentam as chances de sobrevivência. “Estamos buscando produtores que tenham alguns desses alimentos regionais, locais ou artesanais para selecionarmos e inserí-los em portfólio nessa grande vitrine que vai ficar disponível para o Brasil inteiro”, explica a analista técnica da Unidade de Desenvolvimento Rural do Sebrae-RN, Mona Paula Nóbrega.

Segundo a analista técnica, nessa primeira fase, que é a de cadastramento, serão identificados alguns desses produtores e as agroeindústrias, e avaliados os produtos apresentados. “A intenção é identificar esses produtos para que possamos conhecer os diferenciais”, diz Mona Paula. Após essa análise, os produtores selecionados serão entrevistados. Os produtos aprovados terão uma produção visual de fotos e serão inseridos numa grande vitrine de Alimentos Brasileiros Diferenciados. “São produtos que contam história de uma determinada região, de um determinado local, como temos muitos aqui, no Rio Grande do Norte, os nossos terroir. Esses são produtos potenciais”, conclui Mona Nóbrega.

28

Set

MEI tem até dia 30 para regularizar débitos com a Receita Federal

O prazo para Microempreendedor Individual (MEI) regularizar débitos junto à Receita Federal gerados até 2016 termina na próxima quinta-feira (30). A dívida deverá ser quitada ou o valor parcelado sob o risco de o débito ser enviado para a Dívida Ativa da União para execução fiscal. O Sebrae no Rio Grande do Norte alerta que o envio da Declaração Anual do Simples Nacional (DASN-Simei) referente aos anos devidos é determinante para a regularização e a entrega precisa ocorrer 48 horas antes da renegociação dos débitos. A instituição está com uma equipe de analistas técnicos para auxiliar os empreendedores a ficarem em dia com o Fisco Federal.

A negociação pode ser feita pela internet diretamente na página do Simples Nacional. Os débitos sob cobrança podem ser consultados no Programa Gerador do DAS para o MEI. Por meio de certificado digital ou do código de acesso, basta clicar na opção "Consulta Extrato/Pendências" e, em seguida, em "Consulta Pendências no Simei". Esta opção também permite a geração do DAS para pagamento. Para parcelar, o MEI deve acessar o serviço Parcelamento – Microempreendedor Individual. O Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS) para quitar as pendências pode ser gerado, tanto pelo site, quanto por meio do Aplicativo MEI, disponível para celulares Android ou iOS.

Mas há outra alternativa. Devido à quantidade de microempreendedores com dúvidas a respeito do procedimento, o Sebrae no Rio Grande do Norte disponibiliza atendimento a esse público para ajudar a regularizar a situação. Uma equipe de analistas técnicos está realizando atendimentos individuais para calcular dívida, emitir as declarações e envio do boleto referente à primeira mensalidade do parcelamento, além de outras orientações necessárias.

O serviço está sendo disponibilizado na Agência do Sebrae - Grande Natal, que fica situada na sede da instituição, em frente ao estádio Arena das Dunas, na capital, das 7h30 às 17h30.  Além disso, a instituição disponibiliza o atendimento digital. Basta acessar o link http://bit.ly/atendimento-online-sebrae/  e clicar em 'Regularização do MEI' que terá o atendimento remoto.

Número da inadimplência

Segundo dados da Receita Federal, cerca de 1,8 milhão de Microempreendedores Individuais (MEI) em todo o país estão com tributos e obrigações em atraso referentes a 2016 e a anos anteriores. Essa figura empresarial representa mais de 70% dos optantes pelo Simples Nacional no Rio Grande do Norte, com 155.281 negócios constituídos até agora. Ainda de acordo com a Receita, a inadimplência chega perto de R$ 5,5 bilhões, volume devido por quase um terço dos 12,4 milhões de MEIs registrados no país. No RN, até julho, a taxa de inadimplência beirava os 48%. No entanto, a inscrição na dívida ativa só vale para dívidas não quitadas superiores a R$ 1 mil, somando principal, multa, juros e demais encargos. Atualmente, o 1,8 milhão de MEI nessa situação devem R$ 4,5 bilhões. 

A inscrição na dívida ativa acarreta prejuízos significativos. O microempreendedor pode ser excluído do regime de tributação do Simples Nacional, com alíquotas mais baixas de imposto e pode enfrentar dificuldades para conseguir financiamentos e empréstimos. A inclusão no cadastro de dívida ativa também aumenta o valor do débito. Quem tem pendência com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) será cobrado na Justiça e terá de pagar pelo menos 20% a mais sobre o valor do débito para cobrir os gastos da União com o processo. Em relação ao ISS e ao ICMS, caberá aos governos locais incluir o CNPJ do devedor na dívida ativa estadual ou municipal. O MEI terá de pagar multas adicionais sobre o valor devido.

Com um regime simplificado de tributação, os MEIs recolhem apenas a contribuição para a Previdência Social e pagam, dependendo do ramo de atuação, o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) ou o Imposto sobre Serviços (ISS). O ICMS é recolhido aos estados; e o ISS, às prefeituras.

27

Set

Clube de Permuta Natal: associados reduzem custos em até 25% ao utilizar plataforma de trocas multilaterais

Reduzir gastos e tornar a empresa mais lucrativa é o objetivo de todo empresário. Mas a tarefa não é tão simples assim. Além de planejamento e estratégia, é necessário buscar alguns meios para isso. Foi o que fez o mentor empresarial Péricles Medeiros, da Way Contabilidade, ao se associar ao Clube de Permuta, plataforma virtual de trocas multilaterais. O resultado foi a redução de 25% dos custos operacionais no planejamento anual da empresa. 

Péricles afirmou ter conseguido minimizar os gastos da empresa em serviços como:  buffet e aluguel de espaços para eventos, já que realiza várias atividades, como reuniões, wokshops e palestras durante todo o ano,  e ainda com a implantação do sistema em nuvem, onde armazena todos os arquivos da sua empresa. Com a redução, o mentor empresarial está fazendo uma reserva de caixa para futuros investimentos.

Além de receber os benefícios em produtos e serviços sem desembolsar dinheiro, Péricles também oferece o trabalho de consultoria e assessoramento da Way Contabilidade para outros associados, formando uma grande rede de networking para o seu negócio. “O Clube de Permuta é um ambiente saudável, viável, pois não serve apenas para vender e comprar, mas para o relacionamento entre empresários e suas empresas”, garantiu.

Sobre o Clube de Permuta

O Clube de Permuta é uma alternativa para que empresários possam adquirir produtos e serviços sem mexer no seu caixa, por meio de permutas multilaterais realizadas em uma plataforma virtual. Para ingressar, é preciso ser indicado por uma das empresas participantes. Acessando www.clubedepermuta.com.br é possível ter acesso ao rol de empresas de cada cidade onde o clube atua.

24

Set

Cervejaria comemora 2 anos de expansão com festa em Natal

De uma associação entre os estados do Rio Grande do Norte e Goiás surgiu uma das marcas de cervejas que está conquistando o Nordeste do Brasil: a Oktos. E para festejar dois anos dessa parceria, a marca, que tem fábrica em Natal e está presente em 17 estados do Brasil, além do Distrito Federal, promove a festa 'Bobeira'. 

Com Marcelo Falcão cantando os maiores sucessos do Rappa, o evento será realizado no dia 23 de outubro, a partir das 15h, no Espaço Oktos, localizado ao lado do Hotel Imirá, na Via Costeira. E ainda: duas horas de chope grátis e participações dos DJs Jopin, Pri Oliveira e Flávio Alvarez, além da banda potiguar Alphorria. 

As vendas antecipadas já começaram em três lojas da Ótica Diniz - Midway, Natal Shopping e Petrópolis - ou pela internet, pelo site ou aplicativo da OutGo: https://www.outgo.com.br/. A promoção é da Viva Promoções e Agência Oxigênio.

Vale ressaltar que serão cumpridos todos os protocolos sanitários estabelecidos pelas autoridades, além de segurança e infraestrutura. A festa vai marcar também a inauguração do novo ambiente e conceito em eventos à beira-mar de Natal: Espaço Oktos, antiga Cervejaria Continental.

Muito Chope

Para comemorar os dois anos de sucesso em Natal, a Cervejaria Oktos contará com uma capacidade produtiva de 100 mil litros de chope, com destaque para o recém-registrado estilo de chope IPA (cerveja de característica bem lupulada, com amargor mais acentuado), que passará a integrar o rol de estilos oferecidos pela fábrica natalense. A demanda principal será para o delivery de chope, com entrega especializada para o consumidor final. 

A Cervejara Oktos Natal surgiu de uma fusão entre a Cervejaria Continental em Natal e a marca Oktos Goiânia. Com a modernização e expansão da marca, a fábrica natalense ampliou de 8 para 60 mil litros de chope por mês, a partir de outubro de 2019. Atualmente, a Oktos está presente em cerca de 500 pontos comerciais espalhados pelo Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco. Só no RN, registrou um crescimento de 650%, mesmo com a pandemia em andamento durante os últimos meses.

24

Set

Feira do Empreendedor ganha versão virtual com foco na inovação

No momento em que há um esforço para a retomada das atividades econômicas, fragilizadas em função das restrições impostas pela pandemia da Covid-19, o Sebrae estruturou uma versão digital da Feira do Empreendedor focada na inovação e em temáticas que podem ajudar empresários a alavancar negócios. Neste ano o evento será em nível nacional, tendo como lema “Empreender é para todos!”. Todos os estados estão envolvidos no planejamento e realização do evento.

A Feira do Empreendedor será realizada entre os dias 23 e 27 de outubro próximo, com o lançamento previsto para o Dia do Empreendedor, comemorado em dia 5 de Outubro, às 18h. A programação de lançamento dá uma mostra de como será essa edição e contará com a participação do humorista Fábio Porchat, a CEO do Movimento Black Money, Nina Silva, e o fundador da Cacau Show, Alexandre Costa. As inscrições para ambos são gratuitas e podem ser feitas no site https://feiradoempreendedor.sebraesp.com.br/, tanto para participantes quanto para expositores e empresas interessadas nas rodadas de negócios.

O maior evento de empreendedorismo ocorre em cinco dias, nos vários pavilhões virtuais com temáticas voltadas para quem pretende empreender ou já tem uma pequena ou microempresa. A programação será diversificada e oferecerá muita informação e oportunidades de negócios. A Feira vai ser realizada na plataforma de realidade virtual Sebrae Experience, que permite uma navegação em ambiente 3D fácil, intuitiva, com acesso imediato aos expositores, conteúdos e soluções para os pequenos negócios. Com poucos cliques, os empreendedores também poderão fazer contato com o atendimento remoto e conversar com os consultores do Sebrae, disponíveis para tirar dúvidas e passar orientações. O Sebrae Experience é compatível com os navegadores Chrome, Firefox, Edge, Safari e IE, podendo ser acessado por tablet, celular e desktop.

“A Feira será um grande momento de capacitação e oportunidades para quem quer empreender ou melhorar o seu negócio. Teremos Arena do Conhecimento, Arena de Negócios, Pavilhão de Exposição, área de atendimento e o Pavilhão da Retomada da Economia. Os potiguares que estão pensando em abrir um negócio não podem perder essa chance, a Feira do Empreendedor virtual em 2021 será um grande marco no empreendedorismo brasileiro”, afirma a analista técnica da Unidade de Negócios, Inovação e Tecnologia do Sebrae-RN, Daniela Tinoco.

Durante a feira, haverá palestras – todas com intérpretes de Libras – formando jornadas de conhecimento sobre finanças, vendas, atuação na internet, inserção no mercado internacional, MEI, franquias, entre outros temas.  A Feira do Empreendedor terá uma arena virtual exclusiva para tratar da inovação nos negócios. O ambiente chamado ‘O que posso fazer para inovar?’ oferecerá diversas atividades para os donos de pequenos negócios que desejam inovar de forma prática e simples, gerando valor e diferencial competitivo para seus empreendimentos.

Outra atração da Feira será a Vitrine, um formato novo para o empreendedor apresentar sua marca, produtos e serviços ao público, trocar cartões de visita virtuais e já encaminhar negociações.

Negociação de dívidas

Já o Espaço Retomada será voltado especialmente para os empreendedores que buscam soluções inovadoras na área de gestão empresarial. Nesse pavilhão, haverá informações sobre crédito consciente e serviços financeiros adequados para cada tipo de negócio.Nesse espaço, os empreendedores serão direcionados para acessar palestras e oficinais online, previstas na programação ao longo dos cinco dias, e ainda terão o suporte do Sebrae por diversos canais de atendimento, entre eles, chat e whatsapp.

Também será possível acessar materiais para download, como guias, cartilhas e e-books sobre temas como crédito consciente, crédito emergencial, acesso ao crédito para o Microempreendedor Individual - MEI. Inscreva-se através do site: www.feiradoempreendedor21.com.br

24

Set

Imersão Empresarial será oportunidade para formação estratégica em gestão

Ter mais liberdade, conquistar o lucro desejado e acelerar os resultados. Estes são alguns dos sonhos dos empreendedores, sejam eles de pequeno, médio ou grande porte. Mas para que esses desejos se tornem realidade, é preciso foco, dedicação, persistência e orientações. Para esclarecer temas como estratégia de negócio, gestão e planejamento de ação, o mentor empresarial Péricles Medeiros estará à frente da “Imersão Empresarial – da estratégia à pratica. Entenda como fazer negócio com o pé no chão”.

Direcionado a quem está iniciando, mas também para os que já estão no ramo empresarial, mas sentem falta de maior direcionamento de gestão, o evento vai explorar conceitos teóricos e dar exemplos práticos para empreendedores que trabalham ativamente no dia a dia dos seus negócios. “Será um treinamento de gestão básica, mas para quem está todos os dias na empresa vai ser excelente, pois vai poder usar depois muitas ferramentas que vamos ensinar na imersão”, adiantou o mentor Péricles Medeiros.

Durante a parte da manhã serão debatidos conceitos teóricos, enquanto à tarde será a aplicação prática. Os participantes receberão material didático. Os empreendedores da Imersão Empresarial contarão com um diferencial: durante 15 dias terão uma mentoria em grupo com o especialista. “Como vamos entregar muito material, queremos acompanhar o pós-imersão, ver realmente quem conseguiu colocar em prática, como aplicou e quais foram os resultados”, explicou Péricles.

A Imersão Empresarial - da estratégia à prática será realizada no dia 20 de outubro, no Hotel Villa Park, em Natal, das 8h às 18h. O evento contará com coffee break e almoço inclusos. Os ingressos estão à venda na página http://pericles-1-imersaoempresarial.cheetah.builderall.com

23

Set

Projeto que incentiva empreendedorismo feminino será lançado hoje

Será nesta quinta-feira (23) o lançamento da Rede Mulher de Valor, encabeçado pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Natal (CDL). O evento acontece a partir das 15h no Espaço Neuma Leão. Além da apresentação oficial do projeto, o evento vai contar com a participação de Maria Brasil, especialista em comunicação estratégica e gestão de marcas, que vai proferir a palestra “Branding com propósito”.

O projeto se propõe a incluir as mulheres de forma que se tornem protagonistas na transformação socioeconômica da capital potiguar por meio do empreendedorismo. De um lado, empresárias já estabelecidas que vão ajudar outras mulheres - em vulnerabilidade ou informais – a se fortalecer e incrementar a renda.

A Rede Mulher de Valor se propõe a trabalhar com quatro eixos de sustentação: capacitação, crédito, networking e inclusão. Inicialmente serão colocados em prática três projetos focados nas mulheres vítimas de violência doméstica, apenadas e trabalhadoras informais.

À frente do projeto Mulher de Valor está a vice-presidente da CDL, Malu Fontes, única mulher a ocupar o cargo de primeira vice-presidente da instituição. “Há 60 anos a CDL é liderada por homens, então, buscamos um jeito de fortalecer a presença feminina na instituição por meio de um projeto que mobilize as empreendedoras a mudar a vida de outras mulheres, para que, dessa forma, possamos crescer juntas”, aponta.

Os recursos já estão garantidos para colocar em prática de forma imediata esses projetos, seja por meio de emendas parlamentares, por liberação de verbas do Tribunal de Justiça, da Agência de Fomento do RN, ou por apoio de instituições como o Sebrae e outros parceiros e parceiras que se agreguem para incremento financeiro das ações da rede.

A Rede Mulher de Valor será composta por 15 embaixadoras que ficarão responsáveis pela coordenação desses projetos. No entanto, outras mulheres das mais variadas áreas de atuação podem se agregar como membros, desde que possam dar apoio de alguma forma.