Mídias Sociais

6

Out

Telegram recebeu 70 milhões novos usuários após queda do WhatsApp

As redes sociais do Facebook caíram nesta segunda-feira (4) e outras plataformas apresentaram instabilidades. Durante o período de cerca de sete horas de apagão, muitos usuários aderiram à plataforma do Telegram para tentar se comunicar, de forma que a empresa experimentou um aumento recorde no registo de atividades, recebendo mais de 70 milhões de novos usuários.

O dado foi anunciado por Pavel Durov, CEO da plataforma, em seu canal do Telegram. No comunicado, Durov se diz muito orgulhoso em como sua equipe lidou com a chegada dos milhões de “refugiados” do WhatsApp, apesar de usuários da América terem experimentado lentidão no aplicativo.

Durov aproveitou a oportunidade para pedir aos usuários existentes que recebessem os amigos recém-chegados, e que se certificassem de mostrar porque o Telegram está “anos-luz” à frente dos outros aplicativos de conversa instantânea.

O CEO ainda aproveitou para alfinetar a concorrência e disse: “Para os novos usuários, eu gostaria de dizer isso — bem-vindos ao Telegram, a maior plataforma independente de mensagens. Não o deixaremos quando os outros o farão”.

Fonte: Tecmundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/redes-sociais/226349-telegram-recebeu-70-milhoes-novos-usuarios-queda-whatsapp.htm

6

Out

"Apagão" no Facebook foi erro interno e não ataque informático

O Facebook excluiu a hipótese de que o "apagão" mundial dos seus serviços na segunda-feira (4), durante seis horas, tenha sido causado por um ataque informático e o atribuiu a um erro técnico interno.

Em um blog da empresa o vice-presidente de Infraestruturas da rede social, Santosh Janardhan, afirmou que os serviços não ficaram inativos por atividade maliciosa. Foi por "um erro causado por nós próprios", disse.

O "apagão" do Facebook e das suas plataformas Instagram, WhatsApp e Messenger começou minutos antes das 14h (hora local) e deixou sem serviço milhões de pessoas em todo o planeta.

Horas mais tarde, o próprio administrador e cofundador da rede social, Mark Zuckerberg, pediu publicamente desculpas.

Segundo a empresa de Menlo Park, cidade da Califórnia, os esforços que têm sido feitos nos últimos anos para proteger os sistemas de possíveis ataques externos foram uma das causas que fizeram demorar o tempo de resposta ao problema.

"Acredito que se o preço a pagar por maior segurança do sistema no dia a dia é uma recuperação mais lenta dos serviços, vale a pena", disse Santosh Janardhan no blog.

Telegram

A queda do Facebook e das demais aplicações levou o Telegram, um serviço de mensagens instantâneas (como o WhatsApp), a receber mais de 70 milhões de novas adesões, informou o fundador da rede, o russo Pavel Dourov.

O número de 70 milhões, em apenas um dia, levou Douruv a afirmar que foi "um aumento recorde no número de adesões" e que estava orgulhoso da equipe, que soube lidar com esse crescimento sem precedentes.

Na segunda-feira o serviço de mensagens Telegram passou de 56º para 5º lugar das aplicações gratuitas mais descarregadas nos Estados Unidos, segundo a empresa especializada SensorTower.

Fundado em 2013 pelos irmãos Pavel e Nikolai Dourov, que criaram anteriormente a popular rede social russa VKontakte, o Telegram disse que faz da segurança a sua prioridade e recusa-se geralmente a colaborar com as autoridades, o que levou a tentativas de bloqueio em alguns países, especialmente na Rússia.

Facebook nega versão 

Vários executivos do Facebook procuraram desmentir, nessa terça-feira (5),  a ex-empregada Frances Haugen, após o seu testemunho perante uma subcomissão do Senado dos EUA. O diretor executivo e cofundador do Facebook, Mark Zuckerberg, defendeu a empresa das acusações: "No cerne dessas acusações está a ideia de que damos prioridade aos lucros em detrimento da segurança e do bem-estar. Isso simplesmente não é verdade", disse Mark Zuckerberg em um longo post em sua página na rede.

O chefe do Facebook disse ainda que "muitas das acusações não fazem sentido" e que não reconhece "o falso quadro da empresa que está sendo pintado".

"O argumento de que promovemos deliberadamente conteúdos que enfurecem as pessoas para obterem lucro é ilógico. Ganhamos dinheiro com a publicidade e o que os anunciantes nos dizem constantemente é que não querem que os seus anúncios apareçam ao lado de conteúdos que sejam prejudiciais ou que gerem raiva", acrescentou.

Fonte: Agência Brasil

5

Out

Google Fotos agora deixa você alterar data e hora de fotos ou vídeos

O Google Fotos se tornou uma solução bastante popular não somente pelo serviço de backup de arquivos na nuvem, mas pelos recursos extras oferecidos, como funções de edição e as memórias. Agora, o app para Android liberou a possibilidade de editar data e hora de fotografias e vídeos guardados na sua biblioteca.

O objetivo é possibilitar o ajuste de informações (metadados) que podem ser importadas de forma errada, mas cujos dados de registro são importantes, como datas comemorativas ou viagens marcantes. Esses metadados ajudam na entrega de resultados precisos na hora da pesquisa, quando você se recorda da data e hora de um evento, mas têm muitos arquivos para analisar um a um.

Até então, a única forma de fazer essa alteração era com o auxílio de apps de terceiros, o que, em muitos casos, exigia o download, edição manual e upload para o serviço. A versão 5.57.0.394309483 ou posterior passará a oferecer essa capacidade de modo nativo, com suporte a qualquer extensão de imagem e vídeo.

Como alterar a data e hora de uma foto ou vídeo no Google Fotos?

Para visualizar a data e hora de um material audiovisual, basta clicar sobre o arquivo e pressionar o ícone de três pontos no canto superior direito da tela. De lá, você deve ir para uma tela com várias opções em carrossel e informações como data, hora, local e detalhes. Se o recurso tiver sido liberado para você, um ícone de lápis surgirá ao lado das opções editáveis:

image

Tocar nele abre uma nova janela onde é possível definir a data a partir de um calendário e a hora em um relógio. A adição vai permitir melhorar a organização de quem lida com grandes bibliotecas, já que será possível categorizar os arquivos com muito mais precisão, seja por ano, mês, dia e horário.

Essa é uma novidade atualizada no lado do servidor, o que significa que não é necessário atualizar o app para ter acesso. No entanto, para evitar conflitos ou falhas, além de manter seu dispositivo mais seguro, o ideal é manter o app do Google Fotos sempre atualizado. Se você ainda não tiver recebido o recurso, é só esperar mais alguns dias até que o Google conclua a entrega para todos.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/apps/google-fotos-agora-deixa-voce-alterar-data-e-hora-de-fotos-ou-videos-197799/

5

Out

Facebook se explica aos anunciantes sobre recentes denúncias

*Por Meio & Mensagem

O Facebook está se defendendo, perante os anunciantes que têm dúvidas a respeito da segurança da rede social após a denúncia apresentada no programa “60 Minutes”, exibido nos Estados Unidos.

Nessa segunda-feira, 4, o Facebook enviou uma nota para as agências de publicidade e anunciantes para responder a mais recente crise de imagem em que se envolveu, após Frances Haugen, uma ex-gerente de produtos da plataforma, ter exposto suas preocupações em relação à empresa em uma entrevista no programa “60 Minutes”. Haugen revelou ser a informante que guardou milhares de páginas de documentos secretos que mostraram deliberações internas do Facebook. Nesta terça-feira, 5, Haugen irá testemunhar no Congresso a respeito dos documentos, que revelam a postura da empresa em relação à maneira como o Instagram afeta a saúde mental dos adolescentes e outros temas relacionados à segurança.

Os vazamentos de Haugen também formaram a base de uma série de reportagens do Wall Street Journal a respeito de como a rede social modera ou não conteúdos considerados ofensivos.

Na segunda-feira, 4, o Facebook enviou um comunicado para as agências de publicidade para refutar as informações mostradas no “60 Minutes”. O documento, que foi obtido pela reportagem do Advertising Age, não trouxe informações muito diferentes daquelas que a rede social já compartilhava há algumas semanas. “Fazemos pesquisas internas para fazer perguntas difíceis e entender como podemos melhorar a experiência para as pessoas em nossa plataforma. Temos um forte histórico de uso de nossas pesquisas – bem como de pesquisas externas feitas em parceria com colaboradores e organizações especializadas – para informar as mudanças de nossos aplicativos e melhoras nossos produtos e políticas.”

Para piorar a situação, nessa segunda-feira, 4, o Facebook, Instagram e o WhatsApp (todos os aplicativos da empresa) enfrentaram uma queda global simultânea. “Estamos trabalhando para normalizar a situação o mais rápido possível e pedimos desculpas por qualquer inconveniência, tuítou Andy Stone, diretor de comunicação do Facebook, assim que a instabilidade começou. Essa queda, logicamente, também interrompe as programações dos anunciantes nas plataformas.

De acordo com alguns executivos de anunciantes, a resposta do Facebook para as denúncias feitas no programa “60 Minutes” forma inadequadas. “O Facebook esquecer os anunciantes e as agências”, declarou um líder de agência dos Estados Unidos, que trabalha próximo à rede social, mas que preferiu manter o anonimato.

O escrutínio dos negócios do Facebook está se tornando um problema para a comunidade publicitária, de modo geral. As principais agências de publicidade trabalham com milhares de marcas que estão tentando compreender os impactos das políticas do Facebook. A plataforma atende mais de 10 milhões de anunciantes que investiram cerca de US$ 85 bilhões no ano passado.

O Facebook tem conversado com os líderes da indústria nas últimas semanas, de forma geral, para explicar sua posição a respeito das recentes denúncias. A empresa declarou que os relatórios apresentados pela denunciante traziam erros a respeito das pesquisas e que as intenções da companhia foram mal interpretadas.

“Todos os dias nossas equipes vêm equilibrando a proteção aos direitos de bilhões de pessoas se expressarem de forma aberta para manter nossa plataforma como um local seguro e positivo”, declarou um porta-voz da companhia, por e-mail, em resposta aos questionamentos da reportagem do Advertising Age a respeito das denúncias do programa “60 Minutes”. A resposta foi parecida com a enviada às agências de publicidade. “Continuamos fazendo investimentos significativos para combater a disseminação de desinformação e de conteúdo prejudicial. Sugerir que encorajamos conteúdo ruim e que não fazemos nada não é verdade.”

O Facebook não quis comentar a respeito de como está se comunicando com seus anunciantes a respeito do assunto. Uma pessoa próxima à rede social, que falou sob anonimato, disse que as interações da companhia com líderes de publicidade têm sido positivas. O Facebook está entrando em contato com os anunciantes para explicar sua posição e oferecer orientação às agências, especialmente porque os holofotes negativos continuam sobre a companhia.

Fonte: Meio & Mensagem, disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2021/10/05/facebook-se-explica-aos-anunciantes-sobre-recentes-denuncias.html

4

Out

Google lança prévia de design do Chrome inspirado no Windows 11

O Google revelou mudanças de design do navegador Chrome em seu canal de testes Canary para se ajustar à nova estética do Windows 11, que chega em 5 de outubro. No entanto, as novidades também estão disponíveis para clientes no sistema atual da Microsoft.

As alterações são sutis, sendo que as bordas do menu de sobreposição estão arredondadas e as sombras projetadas pelas janelas são mais evidentes. Esta mudança no serviço foi originalmente observada pelo usuário  do Reddit LeoPeva64 no repositório de análises Chrome Gerrit no dia 28 de setembro.

Apesar da alteração inicial, o material translúcido Mica não está presente. A linguagem de design, que será utilizada no novo sistema operacional, aproxima os temas dos aplicativos com o plano de fundo do usuário.

Menu de sobreposição atualizado

A janela de personalização e controle no canto superior direito da interface sofreu as mesmas mudanças. Dito isso, a nova aparência não é perceptível em elementos como o menu de favoritos e a janela de compartilhamento.

O portal Windows Latest afirma que a atualização também aumentou o nível de transparência dos cartões que aparecem quando o cursor passa por cima de abas, mas não identificamos a alteração em nosso teste no sistema operacional vigente. O site também especula que atualizações mais significativas no navegador estão a caminho.

Material Mica no Microsoft Edge do Windows 11 para comparação

Vale ressaltar que a Microsoft já afirmou que mudanças como as bordas arredondas e o material Mica não afetarão a performance do computador.

E como ter acesso?

Para habilitar a iniciativa, instale a versão mais recente do Google Chrome Canary e acesse a página de experimentos escrevendo o comando "chrome://flags/" na barra de pesquisa.

Novo menu de personalização e controle

Em seguida, habilite o "Windows 11 Style Menus". Caso o interessado não esteja com o novo SO, utilize a opção "All Windows Versions". Por fim, reinicie o navegador.

Fonte: Tecmundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/software/226176-google-lanca-previa-design-chrome-inspirado-windows-11.htm

4

Out

WhatsApp Beta: mensagens que somem ganham mais opções de validade

O mensageiro WhatsApp começou a adicionar novos recursos para o mecanismo de mensagens que somem automaticamente depois de um tempo. A mais nova implementação nesse sentido foi identificada pelo site WABetaInfo na versão Beta 2.21.200.11 do aplicativo para iOS.

A principal novidade é a possibilidade de personalizar um pouco mais a validade das mensagens que sumirão com o tempo. Agora, é possível programar essa "autodestruição" para três opções: 24 horas, sete dias ou 90 dias. Anteriormente, só havia a opção de uma semana.

Além disso, agora é possível habilitar por padrão as mensagens que somem com o tempo, sempre com a duração estabelecida pelo usuário na configuração anterior. Entretanto, isso só é válido para grupos criados depois da configuração e conversas ainda não iniciadas — o que significa que chats em andamento não serão afetados.

De acordo com o WABetaInfo, a versão Beta para Android receberá a função em breve. Bastante aguardado pela comunidade e já consagrado no rival Telegram, o recurso começou a ser testado oficialmente há quase um ano e ainda está em desenvolvimento, sem previsão de chegar para a versão estável do aplicativo.

Fonte: Tecmundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/software/226179-whatsapp-beta-mensagens-somem-ganham-opcoes-validade.htm

1

Out

Campanha do Google mostra como unicórnios brasileiros usam suas ferramentas

O Google lançou na última quarta-feira, 29, mais uma parte da sua campanha “How It’s Done” em tradução para o português “É Assim Que Se Faz”, com participação do ifood. Esta é uma campanha global do Google Workspace, antigo G Suite, que está sendo veiculada em oito países: Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, França, Alemanha, Japão, Índia e Brasil. Além dos filmes, a empresa produziu também uma landing page que traz informações sobre alguns dos clientes participantes. No Brasil, em parceria com a R/GA, o Google focou no trabalho de localização.

Ao demonstrar como pessoas, times e organizações de todos os tamanhos estão se adaptando e trabalhando com as ferramentas colaborativas, o Google pretende aumentar sua consideração entre os tomadores de decisão. Segundo a empresa, 13 das 16 dos unicórnios do Brasil usam o Google Workspace.

“O Google está investindo nessa campanha pois esta é uma nova marca que une todas as outras ferramentas de colaboração. Ela nasceu para apresentar o Google Workspace para que outras empresas pessoas considerem utilizá-la no dia a dia. Tínhamos um desafio muito grande de conectar todos esses produtos e ferramentas que as pessoas já conhecem, dentro de uma marca maior. Um grande pilar é a ideia de que este já é um produto utilizado por várias pessoas e muito do core da campanha é trazer essa multiplicidade de usos e colocar os parceiros como protagonistas”, explica Leonardo Pinto, group product marketing manager do Google Cloud.

Além das peças no digital e em veículos, o out of home está sendo fortemente explorado, partindo do princípio de que as pessoas estão voltando a circular com mais frequência na rua. A campanha inclui também uma pesquisa sobre o futuro do trabalho, disponível para download na landing page, que revela que 43% dos entrevistados consideram o modelo híbrido como padrão nas empresas em que trabalham. Três em cada quatro pessoas que costumam criar documentos compartilhados sentem facilidade em manter conexão com os colegas. 

“Esse conjunto de ferramentas é sobre empoderamento de culturas. As culturas das empresas têm de se adaptar cada vez mais a desafios. A pandemia foi um deles, mas quais são os próximos que elas vão enfrentar? No final do dia, essas ferramentas são soluções que empoderam essas culturas que são cada vez mais demandadas a serem adaptáveis, ágeis, colaborativas”, comenta Karina Corchs, diretora executiva de estratégia da R/GA São Paulo.

Confira o filme principal:

Fonte: Meio e Mensagem

Disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/comunicacao/2021/10/01/google-destaca-uso-de-ferramentas-de-trabalho-entre-unicornios-nacionais.html

30

Set

Facebook terá Reels para tentar renovar imagem da plataforma

O Facebook está levando o Reels, sua ferramenta de vídeos curtos inspirada no TikTok, para o ambiente de seu aplicativo principal (o próprio Facebook). Com programa, criado para o Instagram, a companhia também espera ter novas opções de publicidade.

Nessa quarta-feira, 29, o Facebook anunciou algumas mudanças para sua plataforma principal, entre elas a introdução do Reels, em um movimento que indica que a empresa está tentando evoluir para não se tornar uma rede social obsoleta. O TikTok, da chinesa ByteDance, tem se mostrado um rival formidável ao combinar edições de vídeos criativas a um algoritmo viciante.

“As pessoas podem descobrir Reels com base em seus interesses ou na seção News Feed, dedicada a mostrar o que é popular”, disse o Facebook em seu blog oficial.

Há um ano, a companhia introduziu a ferramenta Reels no Instagram, o que ajudou a dar aos creators uma nova forma de exibir seus vídeos e participar das conversas e das tendências exibidas, assim como faz o TikTok. Nesta semana, o aplicativo chinês anunciou o marco de 1 bilhão de usuários ativos. O Facebook possui uma média diária de 1,9 bilhão de usuários e de 2,8 bilhões de usuários considerando todos os seus aplicativos, incluindo o Instagram.

O Facebook Reels é mais um exemplo de como as empresas de mídias sociais nos Estados Unidos estão tentando oferecer aos seus usuários, especialmente os influenciadores populares, que podem se tornar celebridades da internet, uma forma de alcançar audiências maiores. Os vídeos do Reels são exibidos para todos os usuários do aplicativo, não apenas para quem segue aquela conta.

Os vídeos também são populares entre as marcas. “Assim como no Instagram, em breve começaremos a testar anúncios de tela cheia e imersivos no Reels”, declarou o Facebook, no comunicado. “Assim como acontece com o conteúdo orgânico, as pessoas podem comentar, dar likes, visualizar, salvar, compartilhar ou pular os anúncios”, completou.

Em junho, o Instagram começou a exibir seus primeiros anúncios na ferramenta Reels, com marcas como BMW, Nestlé, Nespresso, Louis Vuitton, Uber e Netflix.

Agora, o Facebook está promovendo o Reels como uma nova forma para as empresas e marcas se conectarem com uma nova audiência. “No Facebook, testaremos anúncios em stickers e banners”, declarou a empresa.

A rede social também tem um modelo de remuneração para os maiores creators pelo programa Reels Play, que é parte do compromisso da companhia em doar US$ 1 bilhão como estímulo aos criadores de conteúdo de suas plataformas. O Snapchat tem um programa similar que concedeu US$ 1 milhão por dia aos creators que tiveram melhor performance no Spotlight, uma seção lançada no ano passado para fazer frente à concorrência do TikTok.

O YouTube também tentou criar uma resposta ao TikTok com o YouTube Shorts e até mesmo o Reddit está desenvolvendo uma seção de vídeos curtos depois de ter comprado o Dubsmash, outra rival do TikTok, no ano passado.

A expansão do Reels acontece em um momento sensível para o Facebook e Instagram, já que ambos estão sob os holofotes nas discussões de como a mídia social afeta os adolescentes. Provavelmente nenhuma outra tendência das mídias sociais tenha capturado tanto os adolescentes nos últimos anos como os vídeos curtos e divertidos de plataformas como TikTok e Instagram. Nessa terça-feira, 28, o Wall Street Journal publicou mais um capítulo de uma série de reportagens intitulada “Os Arquivos do Facebook”, que revela documentos internos da companhia. A reportagem mostrava a preocupação dos executivos da companhia em criar produtos que mantivessem os jovens atraídos as plataformas e apontava o sucesso de aplicativos como Snapchat e TikTok como perigos para o futuro do Facebook.

Essa não é a primeira vez que o Facebook faz uma mudança importante em sua plataforma principal inspirada nos novos comportamentos da audiência. Em 2016, o Instagram adicionou o Stories, as postagens de 24 horas de duração por conta da popularização do Snapchat. Os vídeos se tonaram onipresentes no mundo da publicidade e obrigou as marcas a desenvolver nossas estratégias criativas para formatos verticais e adaptados ao mobile.

Fonte: Meio e Mensagem

Disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2021/09/30/facebook-tera-reels-para-tentar-renovar-imagem-da-plataforma.html

29

Set

Instagram testa função 'Pessoas Selecionadas' em Stories no Brasil

Nesta quarta-feira (29), o Instagram iniciou os testes, exclusivamente no Brasil, de um novo recurso chamado "Pessoas Selecionadas". Ele funcionará como o recurso "Amigos Próximos", porém mais avançado. Nesse caso, no lugar de ter uma única lista, o usuário poderá escolher quem conseguirá visualizar cada publicação dos Stories.

Dessa forma, os usuários poderão selecionar diferentes grupos de pessoas que poderão visualizar os seus Stories. A ideia, cita a empresa, é "oferecer mais controle sobre sua experiência no Instagram". No novo teste, será possível incluir, remover ou manter os perfis a cada nova publicação.

Como usar a nova função

Para utilizar o recurso Pessoas Selecionadas nos Stories do Instagram, porém, o caminho é o mesmo da versão anterior. Na página de perfil, o usuário precisa tocar no menu suspenso (no canto superior direito), depois em "Pessoas Selecionadas" e então escolher os amigos para a lista.

Já no compartilhamento direto de Stories, também será possível adicionar ou remover amigos da lista. A rede social mostra que, nesse caso, é preciso tocar na "seta" da aba de compartilhamento, depois em "Pessoas selecionadas" e então fazer as alterações. Após isso, a lista permanece a mesma até que o usuário resolva fazer uma nova edição.

A nova funcionalidade deve ser liberada aos poucos para os usuários brasileiros a partir de hoje.

Fonte: Tecmundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/redes-sociais/225895-instagram-testa-funcao-pessoas-selecionadas-stories-brasil.htm

29

Set

Instagram passa a direcionar mensagens para WhatsApp

Para facilitar a relação entre usuários e negócios, o Instagram decidiu lançar um botão que direciona os usuários da plataforma para o WhatsApp do perfil comercial que deseja falar. Antes, o usuário devia acionar as contas no WhastApp manualmente.

Além disso, a rede criou a possibilidade de empresas fazerem anúncios que direcionam o usuário para o WhatsApp e impulsionar publicações que incentivam o cliente a usar o WhatsApp.

“Frequentemente ouvimos de pequenas empresas ao redor do mundo que o Instagram é a sua vitrine virtual para os clientes descobrirem a marca, enquanto o WhatsApp funciona como o balcão de atendimento, onde as pessoas buscam mais informações sobre os produtos, tiram suas dúvidas e efetuam as compras”, disse o Instagram, em comunicado.

Fonte: Meio e Mensagem

Disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2021/09/28/instagram-passa-a-direcionar-mensagens-para-whatsapp.html

28

Set

Instagram interrompe projeto de versão infantil

O Facebook Inc. anunciou que está interrompendo os trabalhos para lançar o Instagram Kids, depois de a empresa ter sido criticada pelo efeito negativo que a iniciativa poderia gerar nas crianças, especialmente nos adolescentes.

O Facebook afirmou que não está abandonando a ideia de criar uma experiência dedicada para menores de 13 anos, mas reservará um tempo para discutir com especialistas, pais e legisladores para “demonstrar o valor e a necessidade deste produto”.

“Os críticos do ‘Instagram Kids’ verão isso como um reconhecimento de que o projeto é uma má ideia”, escreveu Adam Mosseri, head do Instagram, em uma postagem do blog nesta segunda-feira, 27. “Esse não é o caso. A realidade é que as crianças já estão online e acreditamos que desenvolver experiências adequadas à idade, projetadas especificamente para elas, é muito melhor para os pais do que onde estamos hoje”, afirmou.

Uma recente reportagem do Wall Street Journal revelou como o Facebook consistentemente minimizou sua própria pesquisa de que seu aplicativo de compartilhamento de fotos, o Instagram, pode prejudicar o bem-estar de seus usuários mais jovens. Quase um terço das adolescentes disseram ao Facebook que se sentiram pior com seus corpos depois de percorrer o site, de acordo com documentos analisados pelo jornal.

O Facebook tem trabalhado na criação de um site especificamente para pré-adolescentes que exigiria permissão dos pais para ingressar, não conteria anúncios e promoveria conteúdo e recursos apropriados para a idade. A companhia argumentou que as crianças estão mentindo sobre sua idade para entrar no aplicativo de fotos de qualquer maneira e que, portanto, um produto voltado para jovens, com controle dos pais, seria uma alternativa mais segura e forneceria uma ponte legítima para quando eles fossem elegíveis para o site (para entrar no Instagram é preciso ter 13 anos). O Facebook também lançou o Messenger Kids em 2017, uma versão do aplicativo de mensagens da empresa que permite aos pais controlar o uso de seus filhos.

Fonte: Meio e Mensagem

Disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2021/09/28/instagram-interrompe-projeto-de-versao-infantil.html

27

Set

Usuários do iPhone estão aderindo menos ao iOS 15, mostra pesquisa

Segundo dados divulgados na última semana pela empresa de análises de negócios Mixpanel, passadas mais de 48 horas do lançamento do sistema operacional iOS 15 da Apple para o público, apenas 8,59% dos usuários do iPhone haviam atualizado os seus dispositivos. No sistema anterior, o iOS 14, esse percentual foi de 14,68% no mesmo período analisado.

Como a empresa da Maçã não divulgou oficialmente os dados sobre os updates, a Mixpanel mediu a atualização para o iOS 15 tendo como base o acesso de usuários do sistema a sites e aplicativos que usam os seus kits de desenvolvimento de software (SDKs). Embora o iOS 15 esteja bastante estável, é possível que muitos usuários relutem em fazer a atualização, pelo receio de bugs que historicamente ocorrem nos primeiros dias de uso.

Por que o iOS 14 foi mais atualizado do que o iOS 15?

Um dos motivos que têm sido apontados para essa menor adesão ao iOS 15 é que, pela primeira vez, a Apple decidiu manter o sistema operacional anterior para quem não desejar fazer o upgrade. Ou seja, você pode continuar com a versão iOS 14.8 e, mesmo assim, continuar recebendo patches de segurança importantes.

Outro detalhe é que, mesmo se o dispositivo continuar executando o iOS 14.8, a Apple não está mais notificando o usuário, mostrando uma etiqueta vermelha. O prompt de atualização para o iOS 15 desta vez não é tão chamativo. Alguns modelos mais antigos de iPhones não estão nem mesmo exibindo a opção de atualização para o novo sistema operacional.

Quanto à questão de segurança entre as duas versões, é bom lembrar que as notas de segurança da Apple para o iOS 14.8 identificaram duas vulnerabilidades "ativamente exploradas" pelo spyware Pegasus. Já as notas de segurança do iOS 15 nem chegam a mencionar essas vulnerabilidades, o que pode significar que elas podem ter sido corrigidas na nova versão.

Fonte: Tecmundo, disponível em: https://www.tecmundo.com.br/software/225733-usuarios-iphone-aderindo-ios-15-mostra-pesquisa.htm

27

Set

WhatsApp prepara "versão 2.0" de suporte a múltiplos dispositivos

O WhatsApp parece trabalhar em uma grande atualização para a conexão em múltiplos dispositivos, que se encontra em fase beta atualmente. Esse “múltiplos dispositivos 2.0”, como foi apelidado pelo site WABetaInfo, permitiria que uma mesma conta pudesse ser conectada em diferentes portáteis simultaneamente, capacidade ainda indisponível no recurso.

A suspeita surge de uma tela “Baixando mensagens recentes”, aparentemente para o app do WhatsApp para iPad, em que a plataforma indica que está baixando as mensagens dos servidores do Facebook. O processo também é feito pelo computador quando o aplicativo é aberto pela primeira vez, em que é necessário sincronizar o conteúdo do aparelho principal com suas ramificações.

A existência da tela por si só já diz bastante coisa: o WhatsApp está ainda mais próximo de ser lançado oficialmente para o tablet da Apple e, possivelmente, pode se tornar compatível com a conexão em múltiplos celulares. Hoje, cada conta pode ser conectada em um único celular, e nele o usuário pode gerenciar todos os outros aparelhos.

Ainda em desenvolvimento

Até agora, é difícil dizer qual será a finalidade desta tela e há a possibilidade de ser algo exclusivo para tablets, portanto resta esperar pelos futuros indícios de evolução da ferramenta. A conexão em múltiplos dispositivos ainda está em período de testes, então é normal que mais ferramentas (até bem grandes) estejam em preparação.

Segundo o site WABetaInfo, a informação foi encontrada ao investigar o código do aplicativo, então nem usuários da versão beta têm acesso a ela. Sendo assim, não existe previsão para o lançamento do “múltiplos dispositivos 2.0”, e provavelmente ele aparecerá primeiro para os testadores oficiais.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/apps/whatsapp-prepara-versao-20-de-suporte-a-multiplos-dispositivos-196932/

26

Set

Novo guia de conteúdo do Facebook revela o que leva rede social a reduzir alcance de publicações

Facebook já há um tempo é criticado pela falta de transparência na hora de restringir o alcance de publicações em suas plataformas, em especial sua principal que até hoje soa como um grande mistério para muito especialista. Para tentar começar a reparar essa questão, a companhia divulgou nesta quinta-feira (23) um guia de Diretrizes de Distribuição de Conteúdo com alguns detalhes mínimos do tipo de coisa que a rede social suprime ao invés de remover.

A lista é grande, com cerca de 30 itens listados no site oficial da empresa como tópicos a serem evitados. O Facebook busca agrupar o guia em três categorias distintas de incentivo às publicações: aqueles que servem de resposta ao feedback dos usuários (da denúncia de vídeos de baixa resolução a spams), os que estimulam os criadores a postar conteúdos de qualidade e valor (onde entra desinformação e artigos plagiados) e posts que mantém a comunidade segura (local dos conteúdos chocantes em termos de violência ou relatos inadequados de suicídio).

Ainda de acordo com o Facebook, o processo de restrição do alcance depende muito de práticas de machine learning para fazer a detecção de conteúdos vistos como problemáticos, o que significa que muitas das publicações e comentários tem a visibilidade reduzida sem o autor saber.

Ao The Verge, o diretor de integridade das diretrizes Jason Hirsch escreve que o intuito da criação da página é justamente “dar uma visão mais clara” do que o Facebook considera “problemático, mas não o suficiente para ser removido” e que espera que mais informações sejam adicionadas à seção com o tempo. Ajuda muito que no momento a rede social seja alvo de escrutínio pela imprensa e a lei, com pedidos de regulação pública das plataformas se fortalecendo – o caso da matéria do New York Post sobre o filho do atual presidente dos EUA no ano passado, por mais controversa que seja, trouxe à pauta para muitos a questão das redes sociais agirem na contenção de desinformação sem a supervisão de terceiros.

Ainda assim, a seção de diretrizes pode ser bem vaga para os próprios fins. Como o próprio The Verge aponta, não há detalhes sobre como a redução do alcance funciona e em quanto ela fratura a disseminação do conteúdo, além de não responder se há níveis distintos para tipos específicos de publicações problemáticas – como qual seria a diferença de tratamento de um spam para um post com desinformação sobre vacinação, por exemplo.

Fonte: B9, disponível em: https://www.b9.com.br/151135/guia-de-conteudo-do-facebook-revela-o-que-leva-reduzir-alcance-de-publicacoes/

26

Set

Seis dicas para bombar no Tik Tok

Conhecida como uma plataforma de vídeos curtos, o Tik Tok recentemente superou o YouTube em número de visualizações nos Estados Unidos e Reino Unido, segundo estudo da consultoria internacional App Annie. Isso demonstra o sucesso estrondoso que a plataforma vem conquistando.

Segundo a especialista em influência digital e estrategista em mídias digitais, Aline Bak, uma das razões do sucesso do aplicativo chinês se dá pela sua evolução constante desde a sua criação, em 2014, quando ainda se chamava Musical.ly. “Em 2018 que passamos a conhecê-lo pelo seu nome atual, quando a empresa ByteDance comprou a plataforma; desde então, o crescimento do Tik Tok vem revolucionando a forma de se consumir conteúdo online”, explica Aline.

A especialista lembra que o Tik Tok é hoje o aplicativo mais baixado do mundo. E acrescenta que em 2020, o faturamento da empresa mais que dobrou, chegando a 34,2 bilhões de dólares. “O Tik Tok definitivamente mostrou para o que veio, não é modinha; ele chegou para ficar”, diz Aline.

”E esse sucesso do Tik Tok provocou alterações nas outras mídias sociais, que acordaram para a grande tendência dos vídeos curtos. Incomodados com o sucesso do Tik Tok, o Instagram lançou o Reels e o Youtube, o Shorts”, conta.

 “É um conteúdo fácil de fazer em casa, rápido, direto e divertido, por isso caiu no gosto dos brasileiros”, explica Aline. “Essa é uma fórmula que deu certo, e é um dos motivos de seu rápido crescimento”, destaca ela.

A especialista ressalta que, com a pandemia do coronavírus, o app ganhou muitos adeptos e teve seu crescimento acelerado. “Com a entrada de várias celebridades na plataforma, o Tik Tok conseguiu alcançar ainda mais popularidade. “Uma vez que sua origem remete ao extinto Musical.ly, a influência musical está fortemente presente no Tik Tok atualmente, sendo este um dos de seus diferenciais”, conta Aline.

Para empresas e criadores de conteúdo que almejam começar a monetizar, Bak reforça que o Tik Tok é hoje uma rede cheia de oportunidades. “Como toda plataforma, ela atrai no início um público mais jovem e depois vai amadurecendo e atingindo perfis de pessoas mais velhas”, explica Aline.

Além disso, Aline explica que o engajamento na plataforma chinesa é muito mais eficiente do que em outras plataformas, por exemplo. “A quantidade de entregas do Tik Tok supera em quatro vezes a do instagram”, afirma ela.   “Com isso, o criador de conteúdo consegue impactar muito mais gente e atrair seguidores com mais facilidade para seus vídeos”, conta ela.

“Sobre os conteúdos mais assertivos para atrair seguidores: música, humor, beleza e culinária são carros-chefes do Tik Tok”, explica Aline.

Confira abaixo dicas importantes dadas pela especialista para quem quer bombar no aplicativo:

- Utilize as hashtags do momento. Sempre preste atenção nas tendências que estão rolando na plataforma. “Fique de olho nos trends para descobrir as hashtags que estão em evidência e adapte seu conteúdo de acordo com o que está acontecendo. Fazendo isso suas chances de viralizar seus vídeos serão maiores”, explica Aline.

- Poste nos melhores horários. Ao transformar sua conta para o modo Pro do Tik Tok, algumas métricas vão aparecer. “Assim, você saberá em que parte do dia seus seguidores se conectam mais, podendo postar esses horários”, indica Aline.

- Escolha conteúdos que te conectem com seu público-alvo. “Quando for postar vídeos no Tik Tok, pense qual tipo de conteúdo faz mais sentido para você e seus seguidores”, explica Aline “É válido ressaltar que eles precisam ser leves e divertidos. ”

- Não esqueça de participar dos challenges, os chamados desafios doTik Tok. “Essa estratégia vai ajudar muito viralizar suas postagens já que você estará criando conteúdos com assuntos do momento, que estão na moda”, recomenda Aline. “Esses conteúdos são tendências fortes, por isso são bastante midiáticos”, explica.

- Tenha consistência e constância. O algoritmo do Tik Tok leva em consideração sua relevância, a partir de sua frequência de postagens na plataforma. “Por isso, é fundamental manter um ritmo constante de postagens em sua conta”, ensina Bak.

- Utilize as músicas. “Como foi dito anteriormente, o Tik Tok é um aplicativo musical, portanto, é interessante sempre ficar de olho nas canções do momento para inseri-las em seus conteúdos”, enfatiza a especialista.