Mídias Sociais

21

Mai

Mídias Sociais

Falha expõe informações de contato de milhões de influenciadores do Instagram

Uma enorme — e grosseira — falha de segurança expôs informações sigilosas de influenciadores, celebridades e marcas no Instagram. Um banco de dados hospedado pela Amazon Web Services (AWS) podia ser acessado por qualquer pessoa, por não conter nenhuma camada de proteção, nem mesmo uma senha. Até o fechamento desta nota, o material contava com mais de 49 milhões de registros, mas o número deve aumentar.

Descoberta pelo pesquisador de segurança Anurag Sen, que alertou o site Techcrunch, a base de dados trazia informações aparentemente excluídas de diversos perfis de influência e audiência da rede social, tais como suas biografias, imagens de perfil, número de seguidores, se o perfil era verificado e a sua informação de localização (cidade, país). Entretanto, parte dos arquivos também trazia e-mails e telefones de cadastro dos donos dos perfis. Em muitos desses casos, tais informações remetem ao contato direto e pessoal das pessoas afetadas.

O rastro digital da base de dados seguia até a empresa de marketing via redes sociais Chtrbox, baseada em Mumbai, na India. A empresa é especializada no pagamento de influenciadores para a publicação de posts patrocinados em suas contas, sobre os produtos de seus clientes.

Cada registro continha informações de cálculo de valor monetário para cada conta, baseado em número de seguidores, capacidade de engajamento, influência e abrangência, curtidas e compartilhamentos que possuíam. Tudo isso servia de métrica para determinar quanto a empresa pagaria para uma celebridade no Instagram ou influenciador publicarem um post patrocinado.

Pouco depois da notícia ir ao ar, a Chtrbox deixou a base de dados offline, desligando o acesso à ela. O co-fundador da empresa, Pranay Swarup, não respondeu aos pedidos por comentários da mídia.

Não é a primeira vez que uma falha em uma base hospedada na AWS acomete os serviços de redes sociais: em março de 2019, o Facebook (que é dono do Instagram) teve mais de meio bilhão de dados de usuários acessados da mesma forma — uma base de dados hospedada na Amazon, sem camada de proteção ou senha. Na época, duas empresas que utilizavam a API da rede social em seus serviços foram as responsáveis.

Agora, porém, não se sabe de onde veio o problema. O Instagram já teve dificuldades similares no passado, quando admitiu que a sua API trazia uma falha que permitia a hackers obterem e-mails e telefones de contas de influenciadores. Na ocasião, hackers venderam os dados em troca de bitcoins. Meses depois, a rede criou um gargalo que limitava o acesso aos dados dos usuários. O Facebook disse que está averiguando a situação atual e deve compartilhar alguma atualização “logo”.

Fonte: Portal Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/redes-sociais/falha-expoe-informacoes-de-contato-de-milhoes-de-influenciadores-do-instagram-139613/

16

Mai

Mídias Sociais

Facebook restringe publicação de vídeos ao vivo para quem violar regras de conteúdo

O Facebook anunciou ontem (15) novas medidas de limitação de um de seus principais recursos de publicação de vídeos. Pessoas que violarem políticas mais importantes sobre conteúdos ficarão proibidas de divulgar transmissões ao vivo - as chamadas lives - por um período determinado.

A medida é um acréscimo às possibilidades de punição já existentes na rede social. Os usuários que desrespeitam alguma das políticas da plataforma (como os Padrões da Comunidade ou os Termo de Uso) podem ter a publicação removida, a conta suspensa por um certo período ou até mesmo a conta banida.

A partir da decisão desta terça-feira (15), quem infringir as políticas sobre organizações e indivíduos perigosos poderá ser proibido de fazer lives. As normas, que fazem parte dos Padrões da Comunidade, proíbem a presença de “organizações ou indivíduos que proclamam uma missão violenta ou estão engajados em violência”.

Entre essas práticas estão aquelas de organizações criminosas, grupos organizados em defesa do ódio a segmentos (como supremacistas), promotores de crimes e assassinatos em massa, tráfico de pessoas e organizações criminosas.

A decisão é uma resposta às críticas ao Facebook quando da transmissão do assassinato em massa e um ataque a mesquitas na cidade de Christchurch, na Nova Zelândia. O massacre ocorreu em março deste ano e vídeos mostrando os tiros circularam amplamente no Facebook. A rede social foi questionada por políticos, organizações de direitos humanos e cidadãos daquele país.

Fonte: Agência Brasil

15

Mai

Mídias Sociais

WhatsApp expande testes do modo noturno, que terá tela escura para conversas

O WhatsApp está expandindo os testes do modo noturno na versão beta do seu aplicativo Android. A informação foi confirmada nesta segunda-feira (13) pelo WABetaInfo, site que analisa versões do aplicativo que ainda não foram lançadas ao grande público.

A ampliação dos testes indica que estamos mais próximos de ver a funcionalidade na versão tradicional do WhatsApp. Os primeiros experimentos foram detectados ainda em março, quando a empresa redesenhou a aba Configurações para que ela se tornasse compatível ao modo noturno.

Desde então, o WhatsApp também implementou o modo escuro na barra de notificações do próprio smartphone – que fica verde quando o aplicativo é aberto – e em seções como Privacidade. Com a atualização do beta 2.19.139, o WhatsApp levou o modo noturno para as listas de Conversas, Status e Chamadas.

No WhatsApp, o modo noturno será reproduzido no tom cinza-escuro, e não na cor preta. Mas a diferença para o usuário é imperceptível: o recurso ainda reduz o brilho da tela do smartphone, trocando o padrão de cores para tornar a experiência do usuário mais agradável em ambientes de pouca luz.

A cor cinza-escuro é uma orientação sugerida pela Google nas diretrizes do Material Design. O documento diz que a cor reduz o cansaço visual: "O texto [com cor] clara em uma superfície cinza-escuro tem menos contraste do que texto claro em uma superfície preta".

De acordo com o WABetaInfo, os botões que ainda estão em uma tonalidade verde devem ser alterados. O site ressalta que muitas seções ainda estão incompatíveis com o modo escuro e, por isso, não há uma expectativa de quando o WhatsApp deve liberar a função. Mas uma atualização não deve demorar muito: o Facebook – dono do WhatsApp – liberou em abril o modo escuro para o Messenger.

Foto: WABetaInfo / Fonte: Portal Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/apps/whatsapp-expande-testes-do-modo-noturno-para-aplicativo-android-139193/

15

Mai

Mídias Sociais

LinkedIn vai criar alerta instantâneo de vagas para quem procura emprego

Depois de alcançar a marca de 20 milhões de ofertas de emprego em sua plataforma, o LinkedIn anunciou nesta terça-feira (14) que vai integrar e atualizar suas ferramentas para recrutadores e candidatos.

Para os usuários que estão procurando trabalho, a atualização do LinkedIn vai habilitar um alerta instantâneo de emprego. Assim, candidatos potenciais recebem uma notificação sobre vagas recém-abertas e que se encaixam em seu perfil. O LinkedIn também criou um novo design para a página inicial do Jobs – a mudança será mais sentida pelos que acessam a plataforma por smartphones e tablets.

Na "frente" de recrutamento, as plataformas LinkedIn Jobs, Recruiter e Pipeline Builder serão unificadas para facilitar o gerenciamento, a publicação de anúncios e as demais etapas que envolvem a interação da empresa com o candidato.

Os novos recursos que o LinkedIn está trazendo são respostas para a maneira como os candidatos estão usando cada vez mais o smartphone. A empresa observa que os candidatos que se candidatam mais rapidamente para vagas têm maior probabilidade de conseguir o emprego.

"Isso significará candidatos melhores, empregos melhores e maior adaptação", disse o vice-presidente de produto do LinkedIn, John Jersin. Quando perguntado por que demorou tanto tempo para integrar essas ferramentas, ele disse que a atualização é mais uma consequência de como as expectativas evoluíram à medida que a tecnologia evoluiu. "Avanços na inteligência artificial impulsionaram a estratégia e integrar tudo isso significa que todos podemos aprender melhor uns com os outros".

Há cinco anos, o LinkedIn reunia "apenas" 300 mil vagas de emprego em sua plataforma. Atualmente, a empresa vê seus 600 milhões de usuários se candidatarem a 25 milhões de vagas por semana. Para este ano, a expectativa é de que o LinkedIn consiga US$ 6,4 bilhões em receitas, com um crescimento de 27% no último trimestre.

Fonte: Portal Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/internet/linkedin-vai-criar-alerta-instantaneo-de-vagas-para-quem-procura-emprego-139203/

8

Mai

Mídias Sociais

Conheça as novas ferramentas do Facebook voltadas para empreendedores

Facebook anunciou nesta terça-feira (7) três novas ferramentas voltadas para os pequenos empreendedores que usam a rede social e também o Instagram para contatar clientes ou divulgar seus serviços. A principal ideia das novidades é economizar o tempo dos trabalhadores e facilitar a utilização de anúncios, o relacionamento com outros usuários e a publicação de vídeos de divulgação.

Ao todo, são três novos recursos que já estão disponíveis para todos. O primeiro permite que campanhas de divulgação patrocinada sejam criadas de forma mais rápida e, principalmente, automatizada. A partir de perguntas simples que envolvem os objetivos do negócio e da divulgação, por exemplo, é possível criar propagandas rápidas e que cabem no orçamento dos empreendedores, sem que eles tenham de se especializar em marketing ou confiarem no “achismo” na hora de veicular seus anúncios.

Múltiplas versões da mesma propaganda, por exemplo, podem ser criadas com foco no Facebook e no Instagram, contendo também links ou textos diferentes. Sugestões personalizadas também serão exibidas, assim como recomendações relacionadas ao orçamento. Depois da criação, um sistema simples de notificação dará acesso às métricas e indicará os comerciais que tiveram maior alcance e resultados, facilitando a criação de campanhas futuras.

O trabalho de relacionamento também deve ser facilitado por meio de um sistema de agendamento, que funciona a partir do Messenger, SMS ou do sistema de mensagens diretas do Instagram, além da própria página dos serviços. Mais uma vez, a proposta é customizável, permitindo que o empreendedor personalize os menus e exiba horários disponíveis para os clientes, que podem realizar as marcações a partir da própria página. O mesmo também vale para cancelamentos ou demais avisos.

Enquanto isso, na outra ponta, o sistema é capaz de se conectar a ferramentas de gerenciamento de compromissos ou aplicativos de calendário, exibindo notificações sobre novos agendamentos ou desistências. O sistema, ainda, é capaz de emitir lembretes tanto aos empreendedores quanto aos clientes na aproximação do horário marcado.

Por fim, uma nova ferramenta de edição de vídeo foi liberada para o Facebook, permitindo que os usuários realizem cortes e sobreponham textos e imagens com facilidade e diretamente do aplicativo para smartphones. Mais uma vez, o recurso está disponível na interface de gerenciamento de negócios da plataforma e vem para facilitar a criação de clipes que, na sequência, podem ser simplesmente publicados em uma página ou utilizados em campanhas patrocinadas.

De acordo com Patrick Hruby, vice-presidente do Facebook para a América Latina, o Facebook tem eficácia comprovada no relacionamento e garantia de maior visibilidade aos negócios. Com as novas ferramentas, a rede social também garante a economia de tempo e permite que os empreendedores criem campanhas e divulgações mais efetivas, sem a necessidade de se especializarem ou desperdiçarem dinheiro com anúncios pouco eficazes.

Fonte: Portal CanalTech, disponível em: https://canaltech.com.br/redes-sociais/facebook-lanca-ferramentas-focadas-em-pequenos-empreendedores-138651/

3

Mai

Mídias Sociais

Crescimento de receita publicitária do Google sofre desaceleração

No primeiro trimestre, a receita da Alphabet, empresa-mãe do Google, ficou abaixo das estimativas dos analistas, sinalizando que talvez os anunciantes estejam transferindo parte de seus investimentos para concorrentes digitais.

Na segunda-feira, 29, a companhia reportou US$ 29,5 bilhões em vendas, excluindo pagamentos a parceiros de distribuição. A receita publicitária do Google subiu 15% em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, o crescimento mais lento em três anos. Em comparação com o último trimestre de 2018, o crescimento foi de 20%. Decepcionante, o índice também contrasta com o Facebook, que mesmo em meio a escândalos reportou, na semana passada, aumento de 26% em vendas de anúncios.

O Google geralmente é o primeiro lugar para onde os consumidores vão quando querem procurar por novos produtos, permitindo que a gigante da internet cobre valores premium dos varejistas e de outras marcas que querem alcançar os consumidores. Porém, cada vez mais, as pessoas estão indo diretamente na Amazon para caçar produtos e a gigante do e-commerce tem agarrado um share mais gordo do mercado publicitário digital.

Ruth Porat, CFO do Google, atribui parte da retração à flutuação monetária. Em entrevista à Bloomberg TV, a profissional também deu de ombros ao avanço da Amazon na publicidade, argumentando que ainda há muito espaço para todas as companhias digitais crescerem na publicidade porque muito do investimento em marketing ainda vai para o off-line.

“Quase metade dos budgets publicitários nos EUA ainda são destinados ao off-line, 90% do comércio no país é off-line e estamos focados no grande papel que o digital tem nisso”, disse.

Ao mesmo tempo, o Google está investindo muito na moderação de vídeos no YouTube e na construção de uma equipe de vendas para seu negócio na nuvem. A companhia não abre a receita do YouTube e da unidade na nuvem, mas ambas são fontes importantes para crescimento futuro. Amazon e Microsoft também estão à frente do Google no mercado da nuvem. A outra fonte de receita do Google, que inclui o negócio na nuvem, teve aumento de 25% chegando a US$ 5,45 milhões. A renda líquida da companhia foi de US$ 6,66 bilhões, inferior aos US$ 9,4 bilhões de um ano antes.

Já as vendas da Amazon no primeiro trimestre aumentaram 34%, atingindo US$ 2,72 bilhões. A franquia de publicidade digital da companhia é a terceira maior dos EUA, ficando atrás somente de Google e Facebook, aponta o eMarketer.

Fonte: Portal Meio e Mensagem.

Disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2019/04/30/receita-publicitaria-do-google-desacelera.html

30

Abr

Mídias Sociais

Instagram anuncia três novidades, incluindo o fim do número de curtidas em fotos e vídeos

Depois de alguns rumores e testes vazados, o Instagram anunciou oficialmente nesta terça-feira, 30/04, três novidades em sua plataforma: um adesivo de doação no Stories, uma atualização na aparência de sua câmera, e a remoção da contagem de curtidas em fotos e vídeos do feed.

O adesivo de doação foi mencionado pela primeira vez no Facebook Communities Summit, em fevereiro, mas só agora passa a estar disponível nos Estados Unidos. Com isso, os usuários poderão usar o novo adesivo para angariar fundos apenas para organizações sem fins lucrativos, como a Black Girls Code e a Malala Fund,apenas algumas das ONGs citadas como exemplos pelo Instagram.

O sticker pode ser acessado como qualquer outro que já estamos acostumados, através do Stories e selecionando o ícone. Num exemplo prático, você poderá postar uma foto ou vídeo, e colocar um sticker de uma ONG para a qual deseja chamar a atenção dos seus seguidores e dar um suporte. Segundo o Instagram, 100% do dinheiro arrecadado via adesivos no Stories irá para as organizações sem fins lucrativos.

Outra novidade é o novo visual da câmera da plataforma, também dentro do Stories. O chamado Create Mode agora traz um espaço com mais ferramentas de edição e, consequentemente, mais alternativas na hora de compartilhar fotos e vídeos.

Por fim, o Instagram confirmou que a partir do próximo fim de semana, a plataforma começará um teste no qual removerá o número total de curtidas de fotos e vídeos no feed em todos os tipos de perfis.

O teste será feito primeiramente no Canadá. Segundo a empresa, a mudança tem como foco promover a conexão através do conteúdo, e não dos números: “Estamos testando isso porque queremos que seus seguidores se concentrem nas fotos e nos vídeos que você compartilha, e não em quantos likes eles têm”.

A empresa, porém, não informou quanto tempo o teste deve durar antes de ser lançado para o público geral.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/107373/instagram-anuncia-tres-novidades-incluindo-o-fim-do-numero-de-curtidas-em-fotos-e-videos/

29

Abr

Mídias Sociais

Facebook não tem respeito pelos usuários ou normas sociais, diz especialista em tecnologia

Logo depois da revelação, no fim de janeiro, que o Facebook havia violado um acordo firmado com outra gigante de tecnologia, a Apple, o jornalista especializado em tecnologia Troy Wolverton, do site Business Insider, alertou que a audaciosa manobra – na prática, uma espionagem das atividades dos consumidores – era o suficiente para reguladores intervirem nos negócios de rede social de Mark Zuckerberg. Desde então, cresce o escrutínio das autoridades sobre a empresa. Nesta semana, em apenas um dia, foram anunciadas três investigações em diferentes países.

“O Facebook há muito tempo mostrou que não tem respeito por seus usuários ou por normas sociais convencionais quando se trata de coisas como privacidade”, disse Wolverton ao comentar o caso envolvendo a Apple, no qual a rede social de Zuckerberg manteve desde 2016 um programa capaz de acessar mensagens privadas, conversas trocadas por aplicativos e, ainda, buscas, localização e atividades de navegação no iOS, do iPhone. Em troca da informação, os participantes ganhavam pagamentos mensais de até US$ 20.

Wolverton, um dos mais experientes jornalistas de tecnologia dos Estados Unidos, destacou que há anos o Facebook tem mostrado estar disposto ultrapassar os limites legais e desafiar os reguladores. “Mas o fato de estar disposta a arriscar até mesmo a ira da Apple mostra o quão descarada a empresa se tornou. Seu apetite por dados sobre seus usuários e concorrentes é tão voraz que está disposto a cruzar aparentemente toda e qualquer linha para obtê-la, não importa qual seja o risco potencial”, disse.

Algumas autoridades mostram estar no mesmo caminho da recomendação de Wolverton. Na quinta-feira (25), Irlanda, Canadá e Estados Unidos fecharam um pouco mais o cerco à empresa de Zuckerberg. Os irlandeses investigam a quebra de milhões de senhas de usuários do Facebook e Instagram armazenadas em seus servidores. Mesmo sob pressão, a maior rede social do mundo dá sinais de estar preparada para enfrentar sanções e, ao mesmo tempo, manter e ampliar seus negócios, incluindo ajustes que parecem elaborados para evitar danos de uma regulação mais rigorosa.

Na quarta-feira (24), ao informar os resultados do primeiro trimestre de 2019 (crescimento de receita de 26% na comparação com o mesmo período do ano passado), o Facebook revelou ter reservado cerca de US$ 3 bilhões para o pagamento de uma possível multa da Comissão Federal do Comércio dos Estados Unidos (FTC, na sigla em inglês), em um caso ainda em andamento. E planos não faltam para Zuckerberg.

Também no dia 24 ele disse que, além da publicidade, pretende explorar o comércio eletrônico no Instagram, no Facebook e no Marketplace do Facebook, incluindo ferramentas que permitem que as pessoas comprem produtos diretamente por meio dessas plataformas. O CEO confirmou ainda que pensa em criar uma plataforma pagamentos digitais, via Messenger ou WhatsApp.

Fonte: ANJ, disponível em:https://www.anj.org.br/site/component/k2/73-jornal-anj-online/19217-facebook-nao-tem-respeito-pelos-usuarios-ou-normas-sociais-diz-especialista-em-tecnologia.html

25

Abr

Mídias Sociais

Deputado potiguar Fábio Faria articula Projeto de Lei para proteger crianças de conteúdo impróprio na internet

O deputado federal Fábio Faria (PSD/RN) tem buscado apoiadores para sua proposta (PL899/2019) que visa proteger as crianças no acesso aos vídeos publicados em plataformas digitais, tanto no Congresso Nacional como nos órgãos federais. Na tarde desta quarta-feira (24), o parlamentar esteve nos ministérios da Educação, em audiência com o ministro Abraham Weintraub, e da Justiça e Segurança Pública, onde discutiu a proposta com o ministro Sérgio Moro, que reconhece a pertinência do PL e solicitou estudos à sua assessoria técnica.
 
“Estamos num trabalho intenso para evitarmos a difusão de vídeos que desafiam pais de todo o Brasil e aliciam crianças, como a boneca momo e baleia azul, além de outros que provocam transtornos e levam adolescentes a cometerem crimes, como o da escola de Suzano”, argumenta Fábio Faria.

25

Abr

Mídias Sociais

Snapchat volta a crescer com 190 milhões de usuários diários no 1º trimestre

Ao liberar seu relatório financeiro relacionado ao primeiro trimestre de 2019, a Snap revelou que seu Snapchat enfim voltou a apresentar crescimento, registrando 190 milhões de usuários ativos diários no período — 2% a mais do que os 186 milhões registrados no último trimestre de 2018, mas ainda um pouco abaixo dos 191 milhões do ano anterior.

No período, a companhia obteve US$ 320 milhões em receita. Os números positivos fizeram com que a Snap visse o valor de suas ações crescer em 10% — de US$ 11,99 hoje mais cedo, para US$ 13,11 no final do dia. Ainda assim, o valor por ação hoje é US$ 5,07 menor do que em dezembro do ano passado.

A plataforma mostrou que obteve sucesso ao adicionar novos usuários em todos os mercados, crescendo 1 milhão (em número de usuários) somente na América do Norte, outro milhão na Europa e mais 2 milhões nos países em desenvolvimento, onde o aplicativo para Android é o mais usado — recentemente, ele foi enfim reformulado, ficando 25% menor e 20% mais rápido, o que gerou um aumento de 6% na quantidade de snaps enviados por aparelhos Android logo na primeira semana após a atualização.

A Snap também registrou uma perda líquida de US$ 310 milhões sobre a receita de US$ 320 milhões, e isso significa que a empresa ainda está "no buraco", apesar da retomada em seu crescimento neste primeiro trimestre do ano. De qualquer maneira, a empresa comemora que seu Snapchat, hoje, é usado por 90% das pessoas entre 13 e 24 anos e por 75% das pessoas até 34 anos nos Estados Unidos, o que certamente atrai ainda mais o interesse de anunciantes para o público destas faixas etárias.

Fonte: Canaltech, disponível em: https://canaltech.com.br/resultados-financeiros/snapchat-volta-a-crescer-com-190-milhoes-de-usuarios-diarios-no-1o-trimestre-137775/

24

Abr

Mídias Sociais

Nova função do Instagram permite criar quizzes para seus seguidores nos Stories

Qualquer pessoa que viveu o começo dos anos 2000 deverá se lembrar do Show do Milhão, o programa de perguntas e respostas de Sílvio Santos que se tornou uma verdadeira febre nacional. E agora você pode criar o seu próprio Show do Milhão no Instagram.

Nesta terça-feira (23), o Instagram liberou uma nova figurinha que pode ser adicionada aos Stories: a "teste". Essa figurinha permite a criação de questionários com até quatro opções de respostas, e seus seguidores poderão escolher entre elas para tentar adivinhar a resposta certa.

Depois de criado o teste, a ferramenta também permite ver quem apenas visualizou sua pergunta, quem respondeu ela, e a quantidade de vezes que cada opção foi escolhida (mas sem mostrar quem fez cada escolha, mantendo o sigilo).

Para utilizar a nova opção, é só clicar no botão das figurinhas quando tiver criando um Stories, escolher a opção “Teste” e então começar a desafiar seus amigos com perguntas que podem fazer sentido (ou não).

Fonte: Portal CanalTech, disponível em: https://canaltech.com.br/redes-sociais/nova-funcao-do-instagram-permite-criar-quizzes-para-seus-seguidores-nos-stories-137771/

22

Abr

Mídias Sociais

Instagram testa esconder número de likes, exibindo-os só ao autor das postagens

Muitos influenciadores digitais que se fazem no Instagram por vezes acabam compartilhando fotos intencionalmente chamativas para conseguir o mair número possível de likes e, assim, melhorar seus números para conseguirem ainda mais visibilidade — o que, para muitos deles, se traduz em parcerias que rendem dinheiro. Vendo que essa cultura de corrida pelas curtidas está se tornando um problema, o Instagram parece estar planejando esconder o número de likes das postagens, exibindo-os apenas ao autor da publicação.

Em uma descrição de projeto, a rede social diz querer que os seus usuários se concentrassem mais no conteúdo que estão compartilhando e não em "quantos likes as postagens recebem". Apesar de parecer uma modificação pequena, a omissão desse número pode evitar que pessoas procurem apenas pelas imagens de maior quantidade de curtidas, reduzindo o senso de competição dentro da plataforma. Além disso, isso pode incentivar os criadores a postarem produções mais autênticas no lugar de voltarem os seus esforços para a criação de conteúdos apelativos para chamar a atenção do público.

Esse plano de testes acabou sendo descoberto pela famosa especialista em engenharia reversa, Jane Manchun Wong, por meio do código-fonte do Instagram para o sistema operacional Android, e conseguiu obter as capturas de tela que comprovam o planejamento.

Nessa imagem, é possível notar que, nas telas, nenhuma informação quanto à quantidade de curtidas recebidas é disponibilizadoaaos seguidores — apenas para o próprio dono do post — mas todos os outros fatores aparentam ser os mesmos que existem atualmente. Em uma conversa com o TechCrunch, um porta-voz da plataforma afirma que esse design é um protótipo interno que ainda não é visível para o público. Além disso, diz que a empresa está explorando formas de “reduzir a pressão no Instagram”.

Pelo visto, ainda não há planos para se ocultar as contagens de seguidores nos perfis de usuários, que também são uma medida de popularidade, mas também servem para diferenciar grandes criadores de conteúdo e avaliar seu valor para os profissionais de marketing.

Vale notar que esse tipo de mudança corresponde a uma crescente corrente de pensamento que considera as curtidas como fatores que podem ser prejudiciais à psique dos usuários. Kevin Systrom, co-fundador do Instagram, afirmou ao TechCrunch em 2016 que fugir da pressão da contagem de likes foi um dos motivos para o lançamento dos Stories no Instagram.

Foto: Jane Manchun Wong / Fonte: Tech Crunch, via CanalTech, disponível em: https://canaltech.com.br/redes-sociais/instagram-testa-esconder-numero-de-likes-exibindo-os-so-ao-autor-da-postagens-137571/

16

Abr

Mídias Sociais

Facebook testa nova interface para seu app que mescla Stories e Feed num combo só

O Facebook está testando uma nova interface bem diferente para o seu aplicativo. A nova versão é redesenhada para mesclar o Feed de Notícias com a função Stories, e com acesso semelhante ao Instagram ou Snapchat Stories. A interface foi descoberta pela pesquisadora Jane Manchun Wong, que encontrou a interface na versão para Android do app.

Atualmente, o Facebook Stories e o Feed de Notícias existem lado a lado como interfaces distintas. Nesse novo design, as postagens de parecem mescladas, incluindo postagens de texto, fotos, vídeos e postagens patrocinadas.

Em comunicado, um porta-voz do Facebook disse que o teste ainda não é público, porém não ficou claro se a interface descoberta hoje chegará ao lançamento oficial ou não.

O futuro do Feed de Notícias está em questão desde que o CEO Mark Zuckerberg revelou que a empresa estaria se afastando de posts públicos se voltando para mensagens privadas criptografadas. Especialistas entenderam esse comentário como um indicativo de que o Feed de Notícias estaria com os dias contados.

Embora o Stories no Facebook tenha demorado para engajar, a empresa previu que ele ultrapassaria o Feed em popularidade neste ano. Dados oficiais da plataforma de setembro de 2018 mostram que os Stories do Facebook e do Messenger, juntos, tinham 300 milhões de usuários ativos diários.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/106444/facebook-testa-nova-interface-para-seu-app-que-mescla-stories-e-feed-num-combo-so/

15

Abr

Mídias Sociais

Número de usuários do Facebook está em queda no Brasil, diz Datafolha

Há uma tendência de queda no número de usuários do Facebook, indica recente pesquisa do Datafolha. Em levantamento realizado pelo instituto nos dias 2 e 3 de abril, 56% dos entrevistados disseram ter conta no Facebook, uma queda de cinco pontos percentuais em 17 meses, desde novembro de 2017, quando 61% afirmaram estar na rede social de Mark Zuckerberg.

Entre os entrevistados pelo instituto, 71% estão em ao menos uma rede social. O aplicativo de mensagens WhatsApp, pertencente ao Facebook, mantém a liderança e está no celular de 69% dos entrevistados. Depois, estão Facebook, Instagram (35%), também de Zuckerberg, e Twitter (14%). Os índices do WhatsApp e Instagram se mantiveram próximos da série histórica das últimas pesquisas. O Twitter caiu de 18% para 14%, entre 2017 e 2018, e segue estável.

Alessandro Janoni, diretor de pesquisas do Datafolha, confirma que o levantamento indica uma tendência de encolhimento no número de contas do Facebook no Brasil. "Não é uma queda consolidada, por causa da margem de erro [dois pontos percentuais para mais ou para menos], mas mostra uma tendência de queda", diz. Ele aponta para a sequência de escândalos envolvendo a rede social, entre elas vazamentos de dados privados de usuários, como um dos fatores para a redução de contas.

Janoni diz que a alta taxa de desconfiança nas redes sociais, também medida pelo instituto, é outra razão que explica o número menor de contas brasileiras na rede social. Mesmo assim, o Brasil é um dos cinco maiores mercados para a companhia. No mundo, o Facebook tem 2,2 bilhões de usuários mensais, segundo a empresa. Em julho passado, a rede social divulgou que havia atingido a marca de 127 milhões de usuários ativos mensais no país no primeiro trimestre de 2018. Em novembro de 2016, eram 111 milhões.

Fonte: ANJ, disponível em: https://www.anj.org.br/site/component/k2/73-jornal-anj-online/18622-numero-de-usuarios-do-facebook-esta-em-queda-no-brasil-diz-datafolha.html

12

Abr

Mídias Sociais

Tinder supera Netflix e se torna o app não jogável mais rentável do primeiro trimestre de 2019

A Netflix é desde o último trimestre de 2016 a líder absoluta no ranking de aplicativos sem jogos mais rentáveis do mercado, graças a manutenção e expansão de sua base de assinantes na década. Sua supremacia, porém, foi encerrada pelo Tinder no primeiro quarto de 2019, segundo um novo relatório da empresa de pesquisa Sensor Tower.

Nos cálculos da Sensor com a parceira App Annie, a Netflix nestes primeiros três meses do ano conseguiu arrecadar cerca de 216,3 milhões de dólares – o que representa uma queda de 15% na renda em relação ao último relatório – enquanto o aplicativo de relacionamentos alcançou a marca de 260,7 milhões com uma impressionante taxa de crescimento de 42%. Fecham o top 5 a Tencent Video, o iQIYI e o YouTube, formando um topo consolidado por empresas de streaming, música e vídeo.

A queda da gigante do streaming já era esperada dado o histórico recente com a Apple, que entre outras coisas fez com que a Netflix descontinuasse a função que permitia aos usuários de produtos da firma de tecnologia acessar o catálogo com sua conta iOS – uma obstrução também empregada para o Android que força as pessoas a ter que fazer o login pelo site antes de usar o app.

A medida fez com que a Apple perdesse alguns milhões, claro, mas também atingiu a própria Netflix, que segundo a Sensor Tower perdeu em torno de 256 milhões de dólares de renda vinda da plataforma da agora rival. Confira o ranqueamento completo da pesquisa na tabela abaixo. Os números incluem dados das plataformas iOS e Google Play.

Em relação ao ranqueamento de mais baixados, além do prevalecimento natural de redes sociais a única surpresa sem dúvida é o crescimento do TikTok, que neste começo de ano se tornou o terceiro app mais baixado nos celulares. Depois de bater o primeiro bilhão de downloads no fim de fevereiro, a empresa fechou o trimestre com 188 milhões de novos usuários e viu um bom crescimento nos números de renda, vendo uma taxa de crescimento de 222% em relação ao primeiro quarto de 2018.

Ainda que não tenha entrado desta vez, é esperado agora que a rede social musical chegue ao top 10 de renda entre apps no relatório do meio do ano, alimentado principalmente pelo mercado indiano onde já virou febre.

Fonte: Portal B9, disponível em: https://www.b9.com.br/106315/tinder-supera-netflix-e-se-torna-o-app-nao-jogavel-mais-rentavel-do-primeiro-trimestre-de-2019/