Os moradores do Sítio Jucuri, zona rural de Mossoró, terão uma noite diferente no próximo domingo, 10 de novembro. Reunidos na praça da comunidade, eles irão assistir à história de um grupo de mulheres do lugar que estão se descobrindo no mundo do empreendedorismo social e enxergando em si novos talentos e valores.

A história será contada no documentário “Nós que abraçam”, projeto desenvolvido por Kataiano Alencar – estudante concluinte do curso de Comunicação Social, habilitação em Radialismo, da UERN -, e Estephany Fernandes – estudante concluinte do curso de Comunicação Social, habilitação em Publicidade e Propaganda da mesma universidade.

O lançamento do filme acontecerá às 19h e será aberto ao público. A ideia do filme surgiu quando Kataiano buscava um tema para o seu trabalho de conclusão de curso e conheceu o trabalho das microempresárias Gutiana Michele e Marta Vick que atuam no ramo do empreendedorismo social. 

“Nessa jornada difícil em que a sociedade cobra cada vez mais que as mulheres sejam boas em tudo que fazem; boa mãe, boa filha, boa esposa, Gutianna e Marta se inseriram neste universo do empreendedorismo feminino enfrentando as dores e alegrias desse processo e decidiram motivar outras mulheres a empreenderem. Elas estão conseguindo fazer isso através do Eita Ateliê, uma marca de acessórios autorais, que desenvolveu o projeto social ‘Nós que Abraçam’, que busca capacitar e incentivar mulheres da zona rural a gerarem negócios através do trabalho com o artesanato”, comenta Kataiano.

O “Nós que abraçam” conta com apoio do Sebrae/RN e promove oficinas de artesanato, assim como pequenas palestras sobre empreendedorismo, para um grupo de mulheres que moram no Jucuri e têm o sonho da independência financeira. Mais informações sobre o projeto podem ser obtidas através da conta @nosqueabracam no Instagram.

“Achei muito interessante a força social do projeto das duas e decidi produzir um documentário, que foi o meu trabalho final de conclusão do curso de Radialismo na UERN. Uma forma de fazer com que as histórias e o exemplo dessas mulheres inspirem outras pelo Brasil”, comenta Kataiano.