Nesta segunda-feira (12), a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), apresentou um estudo durante o evento Innovation Summit, com o objetivo de mapear o ecossistema de empreendedorismo inovador do Brasil. O levantamento foi feito através de pesquisas com incubadoras e aceleradoras do país.

Eles concluíram que o Brasil possui 363 incubadoras, que são basicamente instituições responsáveis por ajudar empresas que ofereçam produtos e serviços no mercado com significativo grau de inovação. As incubadoras costumam fornecer o espaço físico ou infraestrutura e suporte adaptados que as empresas não teriam condições de suportar.

Segundo o próprio estudo, 61% das incubadoras são mantidas por universidades, e grande parte atua nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), Agronegócio e Saúde/Ciências da Vida. Em 2017, as 3.694 empresas incubadas no país geraram 14.457 postos de trabalho e faturaram conjuntamente R$ 551 milhões.

O estudo também concluiu que o país tem 57 aceleradoras, que são bem parecidas com as incubadoras, exceto que o tempo de contribuição com a empresa é pré-determinado e, normalmente, é responsável por investir em startups. Há 45 aceleradoras no Sul e no Sudeste e a maior parte atua no setor de agronegócio, educação, eletroeletrônico, saúde e ciências da vida, financeiro e varejo.

O levantamento apresentado no Innovation Summit diz que 2.028 startups foram aceleradas no país, e que 4.128 empregos foram gerados nessas startups investidas. Em 2017, o faturamento de todas as startups aceleradas foi estimado em R$ 474 milhões.

Fonte: Canatelch, disponível em: https://canaltech.com.br/inovacao/brasil-conta-com-363-incubadoras-e-57-aceleradoras-segundo-estudo-146577/