*Por Marcelo Trevisani

Desde o início da pandemia da Covid-19, em 2020, tenho certeza de que todos nós já sentimos ou passamos por inseguranças. O medo de contrair o vírus da Covid, instabilidade no emprego, adaptações frente às adversidades além de tudo que esse novo cenário nos traz, principalmente no quesito das mudanças na forma de se trabalhar.
 

Tivemos uma grande ruptura ao avaliarmos o ritmo tradicional de trabalho em companhias de todos os portes, do microempreendedor ao grande empresário. O problema é que, como consequência, nem todas souberam como se adaptar e ajustar à essas demandas tão rapidamente. Já o trabalho remoto, as reuniões virtuais e o suporte de TI à distância nunca foram realizados com tanta frequência como nesse momento.
 

Neste cenário, as áreas de Compras, Supply Chain e Manufatura receberam ainda mais destaque, devido aos principais desafios na identificação de novas maneiras de se trabalhar. Um aprendizado chamado resiliência. E, com isso, passamos a falar de novos modelos de trabalho. Primeiro, em formato remoto, com muitas adaptações e o aumento de reuniões online e virtuais.
 

Em seguida, temos as empresas que estão aptas e já executam o formato híbrido, com o revezamento virtual e presencial de seus funcionários. E essa, para mim, é uma das maiores tendências que chegou para ficar, que será ainda mais aprimorada e executada daqui para frente. Mas então, é importante pensarmos o tamanho do desafio que os grandes líderes estão enfrentando diante de tantas mudanças.
 

Nesse sentido, aposto que muitas pessoas ainda se questionam: o que é o pós-pandemia? Será um novo normal? Acredito que cabe a cada um de nós a adaptação ao novo, sem deixar de atender às prioridades em nossas vidas: trabalho, o futuro de nossas carreiras, cuidar dos filhos, da casa, de nós mesmos
 

No lado empresarial, as grandes companhias e seus líderes estão trabalhando para se tornarem mais ágeis e eficazes ao entregarem seus produtos e soluções, buscando corresponder com as expectativas e necessidades de seus consumidores. Como CMO de uma grande empresa no ramo de tecnologia e inteligência artificial, posso dizer que a tecnologia digital oferece uma grande oportunidade para que, nesse fluxo B2C, as corporações promovam eficiência, resiliência e agilidade.
 

A pandemia agilizou o tão esperado processo de transformação digital das empresas, pois todos tivemos que nos submeter às principais mudanças para que o fluxo de trabalho pudesse permanecer funcionando normalmente. Chegou o momento de olharmos para o futuro e compreendermos todas as adaptações que esse processo de evolução nos apresenta.

Segundo uma pesquisa realizada pela consultoria global McKinsey, estima-se que até 2030, aproximadamente 375 milhões de trabalhadores em todo o mundo precisão de alguma forma de qualificação para se manterem em suas posições de trabalho ou para ocuparem novos cargos.
 

Estruturar as posições de trabalho e, principalmente, a cultura organizacional em um cenário pós-pandemia é fundamental para nossa sobrevivência. Talvez isso nos faça sair de nossas famosas "zonas de conforto". Para mim, o segredo do sucesso é eleger novas metas e foco na vida.
 

*Marcelo Trevisani - com mais de 20 anos de experiência como profissional nas áreas de Digital Marketing, Transformação Digital, Inovação, Chief Marketing Officer, é considerado um dos nomes mais relevantes da área.